sexta-feira, 16 de junho de 2017

TDAH: NINGUÉM MANDA EM MIM, NEM EU MESMO...

.


A frase original e completa é : minha família já sabe, ninguém manda em mim. Nem eu mesma.
Essa frase dita por uma amiga é um primor de definição do TDAH. Ninguém manda em um TDAH. E não é por arrogância ou rebeldia, nada disso, apenas somos 'dirigidos' por nosso curto circuito cerebral. Podemos seguir as regras obedientemente por muito tempo. Mas um dia, sem nenhum aviso prévio, aquela regra que sempre aceitamos se torna uma afronta, um acinte. E não a obedecemos mais. Ainda que isso custe um emprego ou relacionamento. Nada impede a ruptura.
Nosso cérebro subverte nosso comportamento, nossas convicções e nossos sentimentos. De uma hora para outra. Falando assim os não TDAHs podem se assustar, mas estou levando a extremos. Em geral essas subverções são pequenas e se manifestam em comportamentos irritantes e inesperados para os parceiros não TDAHs. Claro que na maioria das vezes isso desagua em discussões e bate bocas.
Quando chega à ruptura, muitas das vezes o motivo detonador é irrisório ou desimportante. Um gesto, uma palavra, um comentário, um sorriso fora de hora... Qualquer coisa pode desencadear esse processo, com possibilidade de ser irreversível, doloroso e irreparável.
Quantas vezes nossa mente é assaltada por pensamentos que nos insuflam a agir, a seguir adiante, a responder, a contra atacar... E seguimos esses pensamentos que muitas vezes nos levam a ultrapassar os limites do aceitável. Ao seguirmos nossa mente nos transformamos em pessoas instáveis, inesperadas e surpreendentes. Nem todo mundo gosta ou suporta conviver com isso.
Por isso é tão importante o tratamento e o auto conhecimento. Ao tratar-se, essa enxurrada de pensamentos diminui e ao conhecer-se melhor você pode confrontar esses pensamentos e seleciona-los melhor, avaliando racionalmente o que é melhor para aquele momento da vida.
Mas nem sempre isso funciona, mesmo sob tratamento, e aí vale a frase completa da Anabella : minha família já sabe:  ninguém manda em mim, nem eu mesma.
É muito difícil conseguir o apoio e a cumplicidade da família no tratamento do TDAH adulto; é perfeição demais para a vida de um portador...


10 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Analisando essas e outras discussões sobre as peculiaridades do TDAH , percebe-se através do convívio social que diversas pessoas têm esse e outros inúmeros transtornos , seja devido a falhas genéticas , seja proveniente de caráter educacional e em todos os lugares , pois é corriqueiro observar indivíduos agindo assim o tempo todo em todos os campos e áreas e inclusive é possível observar até falhas mais " graves " de comportamento que pela lógica , não poderiam ser atribuídas ao TDAH; também não vem ao caso , não estou defendendo uma tese ; aprendi empiricamente dessa forma ,então não preciso exemplificar ,,, mas o exemplo do que digo está em todos os canais de televisão e jornais e em todos os ambientes sociais observáveis : " trata -se do próprio mundo " , da natureza ao nosso redor ". Chega a ser utópico ( sul real ) falar em tratamento de uma " doença " que não é doença , mas sim um simples transtorno como referem os especialistas ser o TDAH. Eu pessoalmente acredito que pode haver muito mais " TDAH's " do que se acredita e num contexto onde a maioria , talvez , pudesse ter esses transtornos , pergunto : quem é normal ?
      Perdoem -me mas não existe ninguém normal e temos que parar de nos acharmos doentes só porque um Fidalgo do século 19 ou 20 , sei lá , que gostava de curtir a vida " adoidado " teve uma ressaca e acordou se sentindo " coitadinho " e numa autobiografia degradante desenvolveu uma tese sobre algo que ainda nos dias de hoje a ciência desconhece ( O CÉREBRO - PROBLEMAS ). A maioria da população tem esses e outros transtornos , traumas , doenças etc ... e até piores que TDAH ; todavia ninguém revela ou sai falando por aí o que passa e sofre , a diferença é que talvez haja um grupo de pessoas que sejam FRANCAS ,que dizem tudo o que sentem e pensam e esta pode ser a questão que diferencia o grupo dito TDAH . Parem de dizer que são doentes vivam a vida e aproveitem , não percam tempo tomando drogas pesadas e remédios e entregando dinheiro a psicanalistas , pois a ciência ainda não desvendou os mistérios do cérebro e a vida é curta e está passando muito rápido , sobretudo porque todo mundo é " DOENTE " , se quiser chorar chore , se quiser gritar grite , viva do jeito que puder e de cabeça erguida , então vivamos , aproveitemos e nos aceitemos do jeito que somos , somos justos e francos só isso e nada mais.

      Excluir
    2. Confesso já ter ameaçado te responder algumas vezes, mas esse tipo de pensamento retrógrado me cansa um pouco. Seus argumentos demonstram um completo desconhecimento da doença, dos sintomas, dos sentimentos dos portadores... Enfim, de tudo. Mas vamos lá.
      Para se caracterizar um transtorno, o paciente precisa apresentar pelo menos seis sintomas em um grau de intensidade tal que comprometa a sua vida. Todas as pessoas possuem um grau de desatenção, impulsividade, procrastinação, mas poucas possuem essa características num grau tão elevado que saia do controle e prejudique as atividades normais da vida.
      Não espero que você acredite no que digo, você demonstra um grande preconceito e mimetismo; que no seu caso uso como uma mera reprodução de palavras e conceitos alheios sem nenhum critério ou análise. Mas esse é um blog democrático e livre, por isso não apago seu comentário, mas respondo na intensidade e crueza que me interessar.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    3. Eis a questão: VIVAM A VIDA. Tentei, por 47 anos tentando... após me descobrir TDAH comecei a entender e a viver e aproveitar a vida de cabeça erguida

      Excluir
    4. Concordo! Viver a vida de cabeça erguida, e não enfiada num buraco como o avestruz.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Entendo e compreendo tudo o que disse Alexandre! Só quem é e convive com pessoas TDAH, sabem o que significa. Eu ao contrário, acho ótimo que você compartilhe de maneira tão natural, e pessoal as suas vivências, assim como todo o seu conhecimento sobre TDAH. Com certeza, inspira pessoas que passam por isso, que estão se descobrindo assim! Gratidão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo apoio, Cinthia. Esse tipo de gente me irrita. São pessoas egoístas que não se contentam com a própria infelicidade, querem espalhar para o máximo de pessoas possíveis.

      Excluir
  5. Alexandre, acabei de descobrir meu TDAH e cair de paraquedas no seu blog num post de 2012. Confesso que fiquei muito feliz em ver que vc ainda atualiza ele. Obrigada por compartilhar tudo isso, vai ser muito útil pra mim nesse momento!

    ResponderExcluir