sexta-feira, 16 de junho de 2017

TDAH: NINGUÉM MANDA EM MIM, NEM EU MESMO...

.


A frase original e completa é : minha família já sabe, ninguém manda em mim. Nem eu mesma.
Essa frase dita por uma amiga é um primor de definição do TDAH. Ninguém manda em um TDAH. E não é por arrogância ou rebeldia, nada disso, apenas somos 'dirigidos' por nosso curto circuito cerebral. Podemos seguir as regras obedientemente por muito tempo. Mas um dia, sem nenhum aviso prévio, aquela regra que sempre aceitamos se torna uma afronta, um acinte. E não a obedecemos mais. Ainda que isso custe um emprego ou relacionamento. Nada impede a ruptura.
Nosso cérebro subverte nosso comportamento, nossas convicções e nossos sentimentos. De uma hora para outra. Falando assim os não TDAHs podem se assustar, mas estou levando a extremos. Em geral essas subverções são pequenas e se manifestam em comportamentos irritantes e inesperados para os parceiros não TDAHs. Claro que na maioria das vezes isso desagua em discussões e bate bocas.
Quando chega à ruptura, muitas das vezes o motivo detonador é irrisório ou desimportante. Um gesto, uma palavra, um comentário, um sorriso fora de hora... Qualquer coisa pode desencadear esse processo, com possibilidade de ser irreversível, doloroso e irreparável.
Quantas vezes nossa mente é assaltada por pensamentos que nos insuflam a agir, a seguir adiante, a responder, a contra atacar... E seguimos esses pensamentos que muitas vezes nos levam a ultrapassar os limites do aceitável. Ao seguirmos nossa mente nos transformamos em pessoas instáveis, inesperadas e surpreendentes. Nem todo mundo gosta ou suporta conviver com isso.
Por isso é tão importante o tratamento e o auto conhecimento. Ao tratar-se, essa enxurrada de pensamentos diminui e ao conhecer-se melhor você pode confrontar esses pensamentos e seleciona-los melhor, avaliando racionalmente o que é melhor para aquele momento da vida.
Mas nem sempre isso funciona, mesmo sob tratamento, e aí vale a frase completa da Anabella : minha família já sabe:  ninguém manda em mim, nem eu mesma.
É muito difícil conseguir o apoio e a cumplicidade da família no tratamento do TDAH adulto; é perfeição demais para a vida de um portador...