segunda-feira, 27 de agosto de 2018

TDAH, VOCÊ DORME?








Basta que se apague a luz e encoste a cabeça no travesseiro para a enxurrada de pensamentos desabar sobre nossas mentes. Ao contrário do que se pode imaginar, não são pensamentos em sequência lógica ou que, pelo menos, tenha um fio condutor; nada disso, na maioria das vezes trata-se de uma sucessão de imagens e ideias em alta velocidade, completamente sem sentido e desconexas. Mas na maioria dos casos todos esses pensamentos tem uma coisa em comum: um viés negativo.
Problemas que jamais ocorrerão, problemas com baixíssima probabilidade de ocorrer, problemas reais, tudo se mistura no silencioso escuro da noite. Todos estes problemas ganham dimensões gigantescas e surgem e desaparecem com tamanha rapidez que não dá tempo de pensar ou elaborar uma solução. Ficam apenas o medo, a apreensão, a ansiedade...
E o sono desaparece.
E começa a surgir o receio do momento do sono. O receio daquele momento de estar absolutamente sozinho, à mercê de uma catarata mental descontrolada e incontrolável. E cria-se uma enorme ansiedade pré sono, que tira o sono. Empurra o momento de deitar para cada vez mais tarde. Tornando o que seria prazeroso num momento de ansiedade, de pânico.
O tratamento à base de Ritalina, Concerta ou Venvanse deveria resolver esse problema, ou amenizá-lo. Mas sabemos que nem todos reagem da mesma maneira aos medicamentos. A Ritalina reduz sensivelmente meus pensamentos; o Venvanse não.
Se o medicamento não funciona, o que fazer?
Vença os pensamentos velozes, domine-os, torne-os prazerosos!
Claro que tudo nessa vida exige alguma disciplina e hábito, mas essa atitude é tão típica do TDAH que acaba se tornado fácil de fazer. Desde que se lembre de fazê-la. Claro, para quem não TDAH pode parecer estranho: como alguém pode esquecer algo tão simples que pode ajuda-lo? Sim, o TDAH esquece! Faz durante uma semana, um mês, religiosamente; depois salta uns dias, salta uma semana, saltam-se algumas semanas... Caiu no limbo!
Voltemos: qual é a estratégia? Pense num assunto que você goste. Qualquer assunto: maquiagem, futebol, saúde, decoração, aventura, videogame, vontade de ganhar na megasena... Qualquer assunto que te dê prazer.
E o que fazer com isso? Ao deitar-se, pense naquilo que goste ou deseje; e tente vivenciá-lo com riqueza de detalhes.
Exemplo: Seu sonho é ganhar na mega da virada. Imagine o ato de conferir o bilhete; será um momento solitário ou junto com alguém? Será à noite, ou durante o dia? Você sairá pulando e gritando, ou ficará chorando de alegria em silêncio pra que ninguém saiba? Em qual agência da Caixa você receberia o prêmio, perto de casa ou em outro bairro ou cidade pra que ninguém desconfie? Recebida a grana, o que fazer com ela? Ajudara família? Ajudar os amigos? Criar uma ONG para ajudar os mais necessitados? Ajudar seu time do coração? Ajudar... Neste momento você já deverá estar dormindo...
Claro, nos primeiros exercícios sua linha de raciocínio será cortada por pensamentos velozes e desconexos, mas retome o fio da meada; o próprio prazer da imaginação ajudará nessa retomada. Quanto mais detalhes conseguir adicionar, mais prazeroso fica e mais relaxada sua mente vai ficando, até adormecer. Mas foque naquilo de seu maior interesse. Se seu sonho é poder ajudar à família, pense nos detalhes, na alegria que ficarão ao saber da notícia; na casa maravilhosa que dará aos pais, no tempo que terá disponível para viajar com a família ou custear a faculdade do irmão.
O importante é direcionar o pensamento para algo positivo, leve e agradável. Quebrar a sequência de pensamentos rápidos e desconexos. Com o tempo você ficará craque e poderá pensar nisso ao dirigir ou retomar a narrativa na noite seguinte ao deitar-se.
Parece bobo, infantil e simplista. E é! Mas nem tudo que funciona na vida precisa ser complexo e genial. Às vezes, basta substituir a dor pelo sonho, a ansiedade pelo prazer, o medo pela fantasia, que o sono vem.
Tente!
Boa noite!

7 comentários:

  1. Comigo é o contrário. Durmo igual um bebê.
    É na hora em que acordo que vem a culpa e os pensamentos ruins.

    ResponderExcluir
  2. Ola Alexandre e todos do Forum
    Eu tenho desconfianca de ter tda. Ha 15 anos realmente tive certeza que era diferente, mas tudo começou com 17 no meu primeiro emprego, as pessoas me chamavam de lerda, meu caixa era um caos. Na escola cedo eu sempre fui perseguida por falar demais, mas conseguia ter boas notas pq me esforçava muito. hoje fiz quarenta e nunca tive um emprego estavel, por ter insonia, chegar atrasado, ou simplesmente por nao ver maldade nas pessoas e falar coisa minhas e depois ser julgada, tenho memoria fraca, sou extremamente desatenta, e na maioria das vez meus pensamentos viajam. Todas as noites acordo com mil pensamentos de culpa ou lembrando das ofensas que recebi, perdi a contas quantas coisas(roupas, sapatos, maquiagem) comprei errado e depois, ou estavam apertadas ou não ficaram bons. Perdi a conta quantas amizades chave de cadeia apareceram e eu nao percebi, por mim e pela minha mae que parece ter o mesmo comportamento e mesmo que eu percebesse depois de muito tempo., ela continuava a receber essas amizades para me atormentar. Eu so consegui descobrir A tda com 38anos, e comecei a me policiar, mas não encontro psicologo e nem psiquiatra que atenda por Skype e os que procurei sempre me dao diagnostico de Depressão.Eu consegui sobreviver um pouco devido mibha fé em Deus, mas tudo tem sido muito difícil principalmente por nao ter tido ajuda, e so criticas e apunhaladas de meus pais e irmaos e parentes, meu sonho era ser professora, meu pai some desistir e nunca me ajudou em nada a pagar uma faculdade, nada, ao contrario sempre exigiu que eu ajudasse em casa ai fui trabalhar com vendas, nao me chamavam de lerda, mas sofri por conta de horarios e me desabar com pessoas errafas, e fui perdendo trabalhos, e nao conseguia subir pra ganhar suficiente pra ajudar em casa e fazer minha faculdade, e isso me entristece muito. Ha tres anos encontrei um grande amor, que me explica tudo quantas vez for precisa, que entende quando eu viaja, qie me ajuda com horários e organizacao eu melhorei muito mas moramos na Alemanha e ai nao achei um professional para me dar o diagnostico e terapia e medicação. Eu tentar reconstruir o pouco tempo que me restA, as vezes choro, choro. Por favor me indiquem profissionais que atendam por Skype. Abraços a todos

    ResponderExcluir
  3. Olá Alê, tudo bem? Há um bom tempo não me comunico contigo, mas sempre lendo seus posts prá lá de interessantes e, REAIS!
    Acabei de ler este seu post no meu e-mail e, caramba! como me identifiquei! Esse é o meu maior dilema: DORMIR. É assim mesmo que acontece e você nem tem noção, cochilo muito no sofá em frente à TV, às vezes nem sei se por mais de uma hora ou por horas. Quando me percebo lá vou eu prá cama e aí começa a via crucis; exatamente uma enxurrada de pensamentos desconexos e, claro, sempre preocupantes, negativos, etc. E o sono se esvai e fico tentando angustiantemente dormir a qualquer preço e, nada! Já tentei algumas técnicas, em especial aquela dos Yogas, de inspirar e expirar profundo, tentando desconectar a mente dos pensamentos repetidas vezes. Até que funciona. Mas cadê a constância? Cadê o hábito? Cadê lembrar? E cadê a paciência de inspirar e expirar profundo? Mas, taí, vou adotar tua sugestão e quem sabe dá certo? Afinal vamos substituir pensamentos!!! Um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando preciso também uso essas técnicas de respiração. Dizem que concentrar na nossa respiração nos traz para o presente, exatamente o oposto desses pensamentos infinitos que nos faz imaginar o futuro baseado no passado. Pra facilitar eu coloco a minha próxima ao nariz e fico sentindo o fluxo de ar da expiração sobre os dedos. rss realmente parece besteira, mas ajuda muito a se desligar e pegar no sono sem muita demora. Lembrar disso na hora certa vai precisar de hábito. E hábito é preciso cultivar.
      Tá aí um bom hábito que consegui desenvolver, vou anotar pra lembrar na hora de me convencer que posso ser disciplinado. hahaha.

      Marcelo

      Excluir
  4. Já tive fases dessa insônia, não sei se pela prática esportiva, mas simplesmente hoje em dia não tenho problemas para pegar no sono. Se deixar eu fico até muito tarde lendo besteira na internet, mas tenho me policiado e ido para cama nos horários de costume e isso tem ajudado a pegar no sono. Sei o quanto é difícil ser disciplinado com a nossa condição, mas quando as coisas estão indo bem não fica muito difícil. Complicado é quando a coisa está fora dos eixos, aí, o bicho pega.

    Alexandre, te mandei meu contato pra incluir no grupo do whatsap.

    Marcelo

    ResponderExcluir
  5. Alexandre, em primeiro lugar parabéns pelo seu blog!!
    Você escreve muito bem e é extremamente sensível!! Muito bom de acompanhar!
    Descobri o blog a pouco tempo e estou ainda lendo aos poucos, até os posts antigos.
    Me identifiquei com um post em que vc disse que estudava lendo em voz alta e andando de um lado para o outro, rs! Primeira vez que vejo alguém que estudava como eu rs!
    Abs!

    ResponderExcluir
  6. Comigo não vem apenas pensamentos negativos,mas vem pensamentos bem aleatórios que só consigo dormir se eles pararem,ou seja eu preciso criar um hábito para que quando eles vierem eu tirá-los da minha mente e conseguir dormir tranquilamente.

    ResponderExcluir