sábado, 11 de agosto de 2012

AFINAL, O QUE É SER TDAH? (3)




Ser TDAH é caminhar numa gruta desconhecida.
É  enfrentar a escuridão úmida e fria sozinho.
É enganar-se com fachos de luz inalcançáveis e inatingíveis.
É descobrir-se repetindo o mesmo caminho errado infindáveis vezes.
É crer-se capaz de fazer o impossível, mas desistir diante do factível.
É  atravessar incólume um longo caminho lodoso para cair no primeiro metro
de terreno firme e sólido.
É obstinar-se no erro.
É explodir diante do nada.
É entregar-se em meio ao caminho.
É desistir de voltar atrás.
É adiar a volta.
É adiar o desfecho. Mesmo o desfecho mais esperado.
É encontrar forças em meio aos esqueletos dos que sucumbiram no mesmo caminho;
e seguir adiante.
É ter força para encarar-se e perdoar-se após cometer os mesmos erros dezenas de vezes.
É olhar para dentro de si e descobrir que a força ali está.
É erguer-se onde todos desistiriam e tentar novamente.
É continuar caminhando ainda que lhe sangrem os pés.
É encontrar o caminho, a saída, quando não mais acreditava que seria possível.
Ser TDAH é sair da gruta, respirar o ar puro, sentir o calor do sol na pele, dançar na relva macia da liberdade.
E decidir entrar na caverna de novo,
só pelo desafio de encontrar a saída novamente.

10 comentários:

  1. ... É ser Humano com uma lupa, e sem pele jogar-se no mar , com a dor , a coragem e a inconsequência de uma eterna criança. Sinto isso no texto acima todos os dias da minha vida , intensamente. Lindo texto , Alexandre. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio Alice.
      Essa é a nossa vida, né?
      Lutamos contra nós mesmos, contra os preconceitos e contra o desinteresse.
      Mas vamos vencer!
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  2. Respostas
    1. Obrigado, Evandro!
      É puro sentimento!
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  3. É a nossa cruz.

    É o peso que nos prende ao chão, mas a força que move as nossas pernas.
    É o paradoxo incansável entre a auto-sabotagem e a força para seguirmos adiante.
    O nosso leão diário.

    Você, como sempre, colocando absurdamente em palavras aquilo que está na cabeça de todos nós.

    Abraços,

    Frank

    ResponderExcluir
  4. Oi Frank.
    É isso aí, meu amigo.
    Nosso eterno paradoxo, vc também nos define muito bem.
    Um abraço
    Alexandre

    ResponderExcluir
  5. Fiquei emocionada por me ver no poema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que te emocionou.
      A mim emociona sempre, a cada vez que leio.
      É verdadeiro, né.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  6. Parabens meu xara schubert!
    Ps. Schubert melo

    ResponderExcluir
  7. Texto muito sábio, pois descreve exatamente a alma e o caminhar com os impulsos e atitudes de uma pessoa com tdah. Conhecendo um pouco desse transtorno, comportamental, nós ajuda a compreender o sofrimento e a luta de conviver com uma pessoa que amamos e que às vezes ficamos atônitos com seus gestos e atitudes incompreensíveis, e que nos faz sofrer por pouco podermos ajudar. Excelente texto,pela sua humanidade expressada em palavras que nos emociona e nos humaniza para convivência com esse ser tão carente de compreensão, no entanto precisa compreender que conviver com humanos precisa estar atento com os limites para não ferir tanto as pessoas que ama. Namaste! O Deus que tenho em saūda o Deus que vejo em você.

    ResponderExcluir