quarta-feira, 5 de novembro de 2014

O TDAH E A ESCOLHA DA SOLIDÃO




A chuva que, finalmente, cai lá fora; uma velha música do Pink Floyd e o cachorro enrolado aos meus pés são minhas únicas companhias há dias.
Com a família viajando no fim de semana, me esbanjei na solidão. No domingo não troquei uma palavra com ninguém. Passei o dia consertando celulares e tablets, ouvindo música, assistindo TV e lendo.
Hoje, pensando em meu fim de semana, constatei que, ainda que eu more no mesmo condomínio a quase dezesseis anos, nunca entrei na casa de nenhum vizinho. Não tenho a menor simpatia por vizinho. Tremo de medo que eles tomem intimidade comigo e passem a frequentar minha casa. Isso seria uma tortura para mim.
Tenho um colega de trabalho que me ligava todos os domingos pra me convidar pra fazer churrasco na casa dele, essas coisas. Depois de mil e uma desculpas ele percebeu que eu não iria jamais e desistiu.
O maior problema é que sou uma pessoa extremamente sociável, simpática e de fácil entrosamento; isso faz com que as pessoas creiam que quero sair, beber, divertir. Mas sou sociável apenas superficialmente; para consumo externo. Invariavelmente saio do serviço e venho pra minha casa. Mesmo sozinho, venho pra minha casa. Não é que eu não goste das pessoas; até gosto, mas trocar a minha companhia pela de outras pessoas não tenho vontade.
Já falei muito disso aqui, mas esse comportamento é um dos que não consigo alterar nem com remédio. E minha opção pela solidão é tão forte que volta e meia surpreende a mim mesmo.
E não me sinto incomodado por ser assim, mas vem aumentando. Saio cada vez menos, participo cada vez menos de festas e eventos. Sempre prometo a mim mesmo mudar, melhorar, ficar mais sociável; rá, nada disso acontece.
Tenho dificuldade em compreender a vida dessas pessoas rodeadas de amigos, convites, reuniões; sempre desconfio de que são infelizes e estão ali por obrigação; para suprir uma incompatibilidade com eles mesmos.
Sabe aquela vida de propaganda de cerveja, cheio de gente risonha e feliz? Me parece isso: propaganda.
A companhia agora mudou de Pink Floyd para Rihana; reclamar de quê?
A chuva passou, o cachorro foi lá pra sala, mas a Rihana continua ao meu lado.
Cocaine, do Eric Clapton; estou em ótima companhia.
Ah, domingo uma das coisas que fiz foi mudar a aparência do blog. Parece que a grande maioria dos meus parceiros TDAHs nem notaram. Apenas o amigo Siege B. e um amigo anônimo perceberam. Mas mudou pouco, né mesmo? kkkkkkk
Não tem convite pra churrasco, festa ou comemoração que me faça sair de casa alegremente.
Vou; mas quando vou é quase arrastado.
Isso se eu não conseguir uma boa desculpa.