segunda-feira, 28 de setembro de 2015

TDAH, NÃO EXISTEM RESPOSTAS






No meu último post, alguém comentou que não encontra respostas para sua própria ineficiência.
Resolvi voltar a esse assunto, que não é novo, mas que tortura a quase todos nós: A busca incessante por respostas, explicações...
Não existem respostas para o TDAH.
É uma doença. Uma doença biológica, física. E nenhum de nós pode fazer nada quanto a isso.
Não temos uma doença moral. Não é doença psicológica. Não é doença de caráter.
É doença do cérebro. Exatamente onde as ações, as reações, as atitudes e sentimentos são construídos.
Somos deficientes. Deficientes de um neurotransmissor. E se a ciência quase não avançou em uma solução para o TDAH nesses cem anos de conhecimento da doença, o que nós podemos fazer?
O tratamento mais eficiente contra a doença ainda é o auto conhecimento.
Conheça-se, conheça o TDAH e enfrente-o. Só isso podemos fazer.
O tratamento medicamentoso é limitado e restrito a alguns sintomas.
Não existe nenhum remédio que acabe com a impulsividade do TDAH. Assim como não existe medicamento que elimine a auto sabotagem. Tampouco existe um fármaco anti baixa auto estima.
O remédio é bom nos quesitos: Foco, atenção, disposição e memória. 
O resto é com a gente...
Siga alguns passos ao descobrir-se TDAH:

1) Perdoe-se. Você não pode mudar o passado e o que você fez (ou acredita que fez) estava fortemente influenciado pelo TDAH.

2) Transforme-se num expert em TDAH. Ao conhece-lo profundamente, você saberá reconhecer quando suas atitudes estiverem contaminadas pela doença. E poderá mudar seu comportamento.

3) Saiba que mesmo sob tratamento você não será perfeito.Você é doente e o remédio é limitado.

4) Pare de se punir. Aceite sua realidade e tente transforma-la. Se não der, não deu. Nem sempre dará.

5) Não tente se enganar endeusando o TDAH. O fato de sermos criativos e inteligentes não supera os estragos que a doença faz em nossas vidas.

6) Não se esconda atrás da doença. Primeiro por que nem tudo o que fazemos é fruto do transtorno; segundo por que a maioria das pessoas desconhece a existência da doença e não acredita que você que é tão 'normal' (talvez só um pouco voadinho e inconsequente) possa ser portador de uma doença mental.

7) Livre-se de pessoas e situações que te fazem mal ou só aumentam seu sofrimento e seu sentimento de inferioridade. O TDAH já é um fardo pesado demais na sua vida.

No mais, perdoe-se. Você vai repetir os mesmos erros ao longo da vida. Vai falar o que não deve, fazer o que não deve, adiar o que não deve, comer o que não deve, beber o que não deve, fumar o que não deve.
Mas esses somos nós. Somos essa soma de idiossincrasias e não podemos negar ou ignorar que fomos construídos - em parte - pelo TDAH.
Não se entregue; não se renda; você acordará amanhã TDAH e nada pode fazer contra isso.
Mas pode, e deve, tentar fazer seu dia melhor.
Por isso trate-se, observe-se, cuide-se e, principalmente, ame-se.
E não procure respostas, elas não existem.

8 comentários:

  1. Irmão,

    Poderia dizer que seu texto me emocionou; que me deu vontade de mandar imprimir mil cópias e colar como papel de parede no apartamento do meu filho; que todos nós devíamos colar este seu comentário no espelho do banheiro e lê-lo todos os dias do resto das nossas vidas ...

    Mas prefiro dizer que ele é simplesmente ..... P E R F E I T O. É ler, refletir e absorver.

    OBS: vá escrever bem assim lá na casa da .... Academia Brasileira de Letras. (kkk, achou que era outra "casa", foi???)




    ResponderExcluir
  2. Ola Alexandre, foi eu que me lamuriei no outro post. Leio muito sobre tdah, posso até dizer que conheço bastante sobre o tema, mas nada tem resolvido. Sabe aquele post antigo sobre sintomas de tdah em adulto? Eu me encaixo em todos aqueles critérios. Mas de todos os problemas que o tdah nos traz, o que mais pesa pra mim, é essa falta de concentração, essa dificuldade de aprender.
    E não é só dificuldade de aprender matérias de faculdade, a minha dificuldade é generalizada, já penei em empregos porque demorava a aprender a rotina, até pra fazer carteira de habilitação eu sofri...

    Eu tenho medo de ser uma pessoa sem futuro, sem nunca conquistar nada na vida, tenho muito medo mesmo. Vejo os anos voando e parece que nunca saio do lugar. Até evito ficar pensando nisso porque senão fico melancólico.

    As vezes tenho vontade de perguntar pro meu médico, afinal já estou tomando o remédio, estudo várias horas por dia, o que estou fazendo de errado então?
    Será que meu destino vai ser esse?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ja senti isso que vc descreveu agora e tb ja me fiz essa mesma pergunta. Enfim to tentando me reerguer novamente e morro de medo de sentir isso que vc ta sentindo agora.

      Excluir
  3. Acompanho o seu blog a algum tempo e queria te agradecer por compartilhar com a gente os seus textos! É como se fosse uma terapia pra mim...Parabéns Alexandre :)

    ResponderExcluir
  4. "Eu tenho medo de ser uma pessoa sem futuro, sem nunca conquistar nada na vida, tenho muito medo mesmo. Vejo os anos voando e parece que nunca saio do lugar. Até evito ficar pensando nisso porque senão fico melancólico." Putz! Me sinto mesmo assim! kkkkkk

    É dureza essa rotina, é sofrida essa caminhada e solitária também. Vocês bem sabem o que é sentir-se só, estranho, inadequado, enfim, ser assim é complicado. Eu sei fingir bem, ninguém sabe do meu TDAH, porque eu não demonstro(eu acho!,hehehe). Mas falando sério, a minha maior queixa é de não ter descoberto minha condição há mais tempo, talvez estivesse em uma situação melhor hoje.

    Tento fazer tudo isso que você descreveu, Alexandre, mas é difícil não se autocriticar, não se punir, não se sentir inferiorizado e sem energia pra reagir. A baixa autoestima acaba minando nossa vontade de reação e vamos postergando as coisas, vamos empurrando com a barriga e isso tudo por medo de falhar novamente, de cometer erros que as pessoas ditas normais não cometem. Eu particularmente tô tentando reagir pelo menos no que diz respeito a minha saúde física, tenho acordado cedo e feito caminhada e corrida, tudo isso na esperança de que a parte física me ajude a dar um UP na parte mental. Entretanto, minha desorganização e a procrastinação crônica, fazem com que os planos nunca saiam da cabeça, não consigo achar o tempo pra fazer um cronograma com as prioridades.

    Tenho visitado o blog com mais frequência ultimamente, pois aqui achei gente como eu, que embora nossas realidades sejam diferentes, que cada um tenha suas peculiaridades, temos o TDAH em comum, enfim, aos poucos vou me encontrando aqui. Suas postagens são muito legais e a troca de experiências com as demais pessoas que postam aqui também tem sido de grande valia. É bom saber que não estamos sós na nossa luta, na nossa trôpega trajetória, nos altos e baixos. Nas nossas quedas os relatos ajudam a nos reerguer e buscar mais informações que nos faça crescer, mesmo imperfeitos, mas procurando nosso lugar no mundo dos "normais".

    Grande abraço a todos!

    ResponderExcluir
  5. Eu queria dizer ao tdah que ele destruiu minha vida, meus planos, meus sonhos, meus valores, minha criação. A DOENÇA, que me persegue, em todos os lugares. Só sei que apesar dele, eu ainda continuo na luta!

    ResponderExcluir
  6. O tratamento com psicólogo ajudou mais na organização e rotina a questão da baixa estima tem haver com cumprir as suas tarefas diárias trabalho em casa , a psicóloga vai me dando mini objetivos e quando cumpro tento comemorar isso aumentando a confiança e melhorando a baixa auto estima.

    ResponderExcluir
  7. olá alexandre
    estou muito mal, mal mesmo, venho sempre tendo as mesmas atitudes sabe, digo comigo mesma : não agirei mas assim!
    passa um tempo, acontece tudo de novo, sorte minha e que eu tenho uma pessoa que me ama do meu lado e cansado de me dar chances.....
    e um emprego maravilhoso, q eu infelizmente ja avacalhei tudo,
    todos ja me olham e dizem : encare a vida com seriedade.todo mundo me ve como uma menina mimada e preguiçosa que não quer viver.
    estou com um aperto muito grande no meu coração, por tudo o que faço, os erros constantes........e sei... vai me perturbar novamente.
    so quero dizer que ser portador de tdah, não é simplesmente falta de atenção e hiperatividade, e sim uma vida conturbada diferente de todos, em que agente cai muito e se fere muito , e sabe que a culpa é nossa e que ao mesmo tempo não é..... que ninguém entende , e vc pede desculpa, perdão,,
    começa..e novamente erra.......... eu sinceramente ....... estou nas mãos de Deus.... mas essa doença e um fardo

    ResponderExcluir