domingo, 4 de outubro de 2015

TDAH ILUDIDO

                                          Imagem do blog livros e afins


Já fui mais de uma vez criticado pelo tom pessimista de meus posts. Vários leitores querem que eu fale sobre as maravilhas de ser TDAH.
 Preciso esclarecer que  esse blog reflete o meu sentimento em relação ao TDAH. E eu DETESTO ser TDAH. Nao tenho nenhuma ilusão quanto às pseudo virtudes dos portadores. E sabem por quê? Tenho 55 anos e o TDAH não trouxe NENHUM benefício pra minha vida. NENHUM.
Essa semana mais um leitor veio com essa conversa. Ressalte a 'super inteligência do tdah, sua criatividade, sua capacidade de adaptação, sua resiliência...'
Primeiro: Não existe 'super inteligência ' no TDAH. Isso é mentira! Podemos ter inteligência acima da média, o que é muito diferente.
Segundo: Criatividade. Outra ilusão! De que vale tanta criatividade se abandonamos os projetos pela metade? Se em nossas cabeças brotam novas ideias a todo instante soterrando as velhas antes que elas dêem frutos?
Terceiro: Capacidade de adaptação e Resiliência. Até já fiz um post sobre isso.  Sim, somos resilientes. Mas nossa resiliência vem de nossos próprios erros. Destroçamos e recuperamos nossas vidas várias vezes. Adaptamos e 'desadaptamos' com a mesma velocidade. Isso são virtudes que só servem pra consumo próprio. Até porque pra consumo externo os defeitos da doença superam em muito essas 'virtudes'. Imagine no trabalho: A péssima memória, a desorganização, a perda de foco, o desânimo que se abate ao menor dissabor, a perda de interesse pelos projetos ainda em andamento. Tudo isso supera essas pseudo virtudes.
Normalmente quem defende ou enaltece o TDAH são pessoas jovens, que ainda não experimentaram as derrotas impostas pela doença.
Enaltecer o TDAH é o mesmo que pedir a um diabético que se sinta feliz, afinal seu sangue é mais doce. Ou a um cardíaco alegando que seu coração é mais sensível.
Vamos parar com essa conversa mole. TDAH é doença, e doença nenhuma é boa ou tem seu lado bom.
O único lado bom do TDAH é pra quem não tem. Até pra quem convive com TDAHs é um saco. Somos inconstantes, esquecidos, desorganizados, não sabemos lidar com dinheiro, com emoções, com pessoas, com estudos...
Somos verdadeiros caos ambulantes.
Ao leitor Samuel, e a todos os que pensam da mesma maneira: Eu não me sinto bem com o TDAH, não gosto de ter TDAH e não vejo nenhuma utilidade em ficar fingindo que é bom ser doente.
Esse espaço é para dividirmos nossas lutas diárias e nossos sentimentos; e esses são os meus.
E peço que me respeitem.

61 comentários:

  1. Concordo em tudo. Eu tenho 28 anos e o TDAH está arrasando minha vida desde que me lembro de existir. Os prejuízos são tão grandes que minha vida se resume a ver gente menos inteligente que eu, muito menos criativa ou talentosa sendo mais bem sucedida, simplesmente porque se esforça mais, estuda, persiste e foca nas suas ambições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, exatamente assim Letícia... :(

      Excluir
    2. Meu sonho era ter disciplina pra me desenvolver no saxofone, na literatura... Simplesmente não consigo.

      Excluir
    3. Horrível você ver gente menos inteligente e talentoso que vc se dando bem!

      Excluir
    4. Nossa, pensei que só eu me sentia assim!
      Eu estou com 27 anos e sinto que estava no piloto automático há muito tempo. Descobri que tenho TDAH o ano passado depois de muito ser criticada, vista como uma completa idiota. Os sintomas começaram a ficar insuportável depois que meu terceiro filho nasceu.
      Eu não dormia mais, pq sempre algum estava acordado e logo o que já era ruim ficou péssimo. Imaginem não ter memória alguma e derrepente ficar pior, não retwr nem mais uma conversa há 5 minutos atrás ?!
      Meu companheiro já estava irritado comigo, pois minha mente vagava totalmente qd ele falava comigo e eu pedia para ele repetir, pois não tinha prestado atenção em nada. Estava preocupada demais e cheia de idéias brotando e preocupaçoes que como vcs sabem se intensificam demaia. Um simples problema pode ser tornar um problemao para essa mente insana.

      A depressão já vinha há algum tempo e só vem piirando.... Sinto que estou sozinha nessa. Sou taxada de louca por quem eu amo. É foda! Essa é a palavra e estou me sentindo desesperada !

      Excluir
  2. Concordo em absolutamente tudo que vc escreveu. Criatividade, Inteligência, Resiliência e todo o resto, sem frutos é uma perda de potencial absurdo. Fico sempre entre o Manuel Bandeira, com "...A vida inteira que podia ter sido e que não foi...." e Fernando Pessoa com "...a parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho em mim todos os sonhos não realizados do mundo.

      Excluir
  3. Este espaço também serve para dividirmos dicas, como a necessidade de auto conhecimento, ou até leitura de livros. Sim, leitura de livros, e, como não conseguimos começar e terminar as coisas, uma dica valiosa é esta:

    Foque "apenas nas partes do livro que são relevantes para os seus projetos em particular. “Livros de negócios não são romances. Você não tem que ler inteiros”, diz. Com essa abordagem, em vez de gastar 10 horas para ler um livro, o coach gasta apenas uma hora e consegue o que quer.
    Para focar nos capítulos ou seções mais pertinentes, você pode usar essas dicas antes de ler:
    - Leia o título e o prefácio para entender do que o livro trata
    - Olhe para a relação de conteúdos para ter uma ideia de como o livro é organizado
    - Vá para o índice para ver os tópicos do livro e os tipos de publicação que o autor cita
    - Folheie a publicação com ênfase nas introduções e conclusões dos capítulos para entender os temas principais do livro
    - Examine o sumário, se houver"

    Fonte:
    http://www.msn.com/pt-br/noticias/educacao/9-maneiras-criativas-de-encontrar-livros-que-te-tornar%C3%A3o-um-g%C3%AAnio/ss-AAeNf4I?ocid=mailsignoutmd#image=3

    ResponderExcluir
  4. Concordo plenamente.... tenho 23 anos, e estou sentindo tudo isso que você relatou, término de faculdade, cobranças por todos os lados, oab em cima para fazer, e ainda ter que conviver com esse maldito transtorno, nunca estive com a minha auto estima tão baixa como agora...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino! Família é ótimo, mas passam a vida a nos cobrar: pq não casou; pq não teve filhos; mas um filho só é pouco; forma qdo; mire-se no seu pai(mãe, irmão, tio)...
      E somos a negação de tudo isso.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Penso e me sinto assim.. da mesma forma que você se descreveu Alexandre.. Por isso o motivo de muitas pessoas como é o meu caso, ter desenvolvido depressão.. isso dificulta mais ainda a nossa vida e o mais triste é que as pessoas não compreendem a gravidade desta doença que destrói sonhos, famílias, relacionamentos....

    ResponderExcluir
  7. Eu só queria entender porque o TDAH tem tantas dificuldades em expressar sentimentos eu ate pensei que fosse psicopata porem estou mais para autista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valter eu expresso, mas sou muito inconstante e qualquer probleminha minha vontade é de chutar o pau da barraca.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom o teu blog cara. Parabéns mesmo. Estamos juntos nessa luta diária. Grande abraço. Segue meu blog, caso alguem tenha interesse. Estarei compartilhando minhas experiências sem medicação, onde venho tendo resultados positivos ultimamente: https://motivacaotdah.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Vou ler suas postagens.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  10. ¨Meu pai,

    não consigo avançar na faculdade. Todas as matérias que estou cursando hoje já cursei pelo menos uma vez, e de novo este semestre não vou passar em todas, o que significa que continuarei a ver as pessoas chegando, avançando, e eu ficando para trás.

    Sim, meu pai, entendo o senhor quando diz que o TDAH é grande culpado disto, e que não adianta mudar de faculdade, pois aí eu entraria em um eterno ciclo de começar novas faculdades e parar, baixando ainda mais minha auto estima.

    Meu pai, me esforço para manter meus amigos, mas uns, por serem muito focados e sérios, não me aceitam/entendem e se afastam de mim; os outros, por serem muito brincalhões, só querem o meu lado palhaço. Me sinto preso a personagens que tenho que encenar para agradar aos outros.

    Sim, meu pai, mais uma vez eu entendo o senhor e agora vejo que esta ¨necessidade de ser aceito¨ pelos amigos e a dor da perda deles é também reflexo da minha baixa auto estima, provocada pelos meus 22 anos de TDAH.

    Mas o fato é que, meu pai, tudo isto junto, mais o fato de está morando sozinho, me trazem uma solidão que chega a doer... choro toda segunda-feira pela manhã, ao ver que mais uma semana vazia vai começar, mais uma semana em que deixo de estudar e fazer coisas importantes para passar o dia jogando e, ao final do dia, como alguém que bebe para esquecer os problemas, entro em estado de remorso pelo deixei de fazer. Enfim, choro por ter de enfrentar mais uma semana vazia de avanços e cheia de insucessos e fracassos...

    Sim, meu pai, estou tomando o CONCERTA e estou indo à terapia, mas, como o Sr. mesmo diz, isto apenas ajuda, não resolve tudo.

    Como? a auto aceitação e o auto conhecimento enquanto pessoa com uma doença? não. Isto realmente não quero fazer. Quero lutar contra contra o TDAH, pois, se aceita-lo, sinto que isto isto vai me enfraquecer, e eu preciso de coisas que me deixem mais forte, preciso por na minha cabeça que sou de ¨aço¨, não ¨um TDAH¨. Não, não quero me aceitar como um ¨doente mental¨.

    Meu pai, o Sr. diz que o TDAH destrói relacionamentos afetivos e profissionais, que atrai comorbidades, tipo TOC, manias, etc.. e que tudo isto é para sempre... então, meu pai, é à esta vida a que estou condenado? eu tenho que aceitar e me resignar a isto? que vida, então, terei pela frente?

    Valerá à pena trilha-la??¨

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi eu que escrevi isso?

      é exatamente assim que me sinto e não consigo fazer terapia nem ter nenhuma luz médica, pq não tenho recursos financeiros pra me tratar

      Excluir
    2. Eu também Liliane,e o pior estou a mais de 1 ano afastado do trabalho, sem receber e ainda terei que entrar com uma ação contra a previdência social. Me sinto meio desamparado e sem esperanças ��

      Excluir
  11. ¨Meu filho,

    Pensei muito sobre o que você me disse e, se um dia um filho dá ouvidos à experiência de um pai, que este dia seja hoje.

    Você precisa - URGENTEMENTE - ao lado de tomar a medicação e da terapia, dar o terceiro passo para ter uma convivência minimamente saudável com o TDAH, e este terceiro passo é a PRÁTICA DIÁRIA DA AUTO ACEITAÇÃO E DO AUTO CONHECIMENTO.

    Aceitar a doença do TDAH, aceitar-se ¨doente mental¨, que bem sabe você é muito diferente de ¨retardo mental¨, não é se enfraquecer, não é se ¨resignar¨, ao contrário, e ter uma melhor chance de conhecer o inimigo, de saber até onde e por onde ele lhe ataca e buscar antever os momentos em que ele lhe domina e tenta destroi-lo, é, sabendo disto tudo, criar estratégias saudáveis de combate-lo, e, por fim, em não conseguindo vence-lo, é saber que você terá uma melhor chance de aceitar as quedas e ter certeza que você terá forças para recomeçar.

    Meu filho, um TDAH passados dos 50 anos, como eu e o Alexandre do blog, que consegue ter uma família, esposa e filhos ao seu redor; que, mesmo minimamente, consegue ter uma renda e se sustentar, é por mim considerado como um TDAH vitorioso.

    Ouça um ¨TDAH que deu certo¨, me ouça atentamente quando lhe digo: você vai sofrer muito, vai ter muitas decepções pessoais, muitas quedas, às vezes ... na maioria das vezes, quedas humilhantes, principalmente perante à você mesmo, às suas próprias espectativas, mas, com o tripé da medicação, terapia e auto conhecimento, tenho certeza que você vai avançar, não do meu jeito, não do jeito do Alexandre, do Marcone, da Ana, e de tantos outros bons companheiros TDAHs; não do jeito que você acha que as pessoas ao seu redor querem que você avance, VOCE VAI AVANÇAR DO SEU JEITO, NO SEU TEMPO, mas vai avançar.

    Meu filho, só mais pouquinho de sua atenção, continue a acreditar neste burro velho, toda lapidado pela vida e pelo TDAH mas, por isto mesmo, que se sente em posição de lhe aconselhar: INSISTA EM VIVER, EM IR PARA FRENTE, EM BUSCAR O SEU MELHOR; EM AMAR; EM TRABALHAR NAQUILO QUE VOCÊ QUISER; INSISTA EM SER EXATAMENTE COMO VOCÊ É; NÃO SEJA ARROGANTE, SEJA VOCÊ; NÃO SEJA MAL EDUCADO, MAS APRENDA A DIZER NÃO E A POR LIMITES NAS PESSOAS DO SEU CONVÍVIO; SEJA POSITIVO NOS SEU PEDIDOS, BUSCANDO O QUE É DO SEU DIREITO; SAIBA QUE MUITAS VEZES VOCÊ NÃO CONSEGUIRÁ FAZER TUDO ISTO QUE ESTOU LHE PEDINDO, MAS, E DAÍ, O SOL SEMPRE NASCERÁ NO DIA SEGUINTE, REFLITA SOBRE O QUE DEU DE ERRADO E TENTE EVITAR O ERRO ADOTANDO NOVAS PRÁTICAS.

    Evite o alcool e a droga, eles são como os jogos eletrônicos, quando o jogo acaba, a sensação da culpa e do remorso sempre estarão no final, sem contar que os problemas estarão também lá, te esperando no final e em dobro, triplo …

    Mas, acima de tudo, meu filho, tenha certeza que, no fim, você vai chegar à conclusão maior de seu pai, a de que a vida de um TDAH é como uma montanha russa: Teremos momentos que acharemos monótonos, depressivos; momentos que entraremos em pânico, nos quais, de tanto medo e sofrimento, pensaremos até em pedir para parar e soltarmos do carrinho, mas, quando o carrinho da montanha russa chegar no final, quando tivermos que realmente saltar dele, tenho certeza de que eu e você gritaremos e imploraremos: ¨DE NOOOOOOOOOOOOOOOOOOVO!¨

    Bem, meu filho, para terminar, quero lhe dizer que não seria seu pai um TDAH, se não tivesse este impulso de colocar/expor esta questão no blog do Alexandre, mas o faço que é para ter certeza que vou chamar a sua atenção e para que você não esqueça o que lhe disse, e, por tabela, talvez consiga ajudar mais algum irmão TDAH.

    OBS: E para que seu ¨mico¨ seja realmente grande, digo algo que você já sabe, mas não custa lembrar, meu amor e o de sua mãe por você não vem dos seus ¨resultados¨, vem da pessoa que você é. Nós lhe conhecemos, por inteiro, e lhe amamos por inteiro; não busque ¨nos agradar¨ ou ¨nos orgulhar¨, você nos agrada e nos orgulha desde que você nasceu e assim será até fim, aconteça o que acontecer. O resto .... é o resto não nos importa, estaremos sempre ao seu alcance.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Walter, meu irmão, estou adiando esse comentário pois não sei o que falar. Me identifico muito com seu filho. Suas dúvidas e inseguranças povoaram minha adolescência. Lute, meu irmão, lute para que ele não abandone a faculdade. Ele precisa formar-se. Para não se arrepender, como eu, e depois de burro velho ficar se cobrando e sem motivação para retomar.
      Boa sorte e no que eu puder ajudar, estarei aqui.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
    2. Saudades do meu velho, dei muito trabalho pra ele, vcs escrevem muito bem, tem alguma técnica pra conseguir escrever assim, eu penso, acho muito bom Oq passa pela minha cabeça, mas não consigo colocar no papel, sofro pra fazer trabalhos, relatórios

      Excluir
  12. O maior problema é que muitas pessoas não acreditam no transtorno, pensam que é uma espécie de "desculpa do paciente", creem que se trata de apenas mais um "jeitinho" para se livrar de responsabilidades, tarefas, deveres e coisas afins. Quem não tem TDAH, não sabe como é. Nunca tive nenhum benefício por ser desatenta e hiperativa, ao contrário, "ganhei" mais transtornos mentais como crises depressivas, ansiedade, síndrome do pânico, entre outros.Sinceramente, eu não mais perco tempo com esse tipo de gente, falta paciência, só me afasto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E esse tipo de comportamento pseudo otimista somente contribui pra piorar a fama da doença.

      Excluir
  13. Já faz algum tempo que conheço o seu blog e não tinha coragem para escrever, mas a minha situação ficou tão insustentável que vou usar o seu blog até como uma forma de desabafo...
    Tenho 35 anos, dos quais 18 convivo com este fatídico diagnostico de TDA. Na minha infância não lembro de nada mais claro que me tenha causado transtorno a patologia TDA, mas quando iniciei os estudos, logo na primeira série, pressão, tarefas, temas de casa, começou ai o meu INFERNO!!!
    Além de não me concentrar, não fazia os temas de casa, meus cadernos eram um lixo... todos borrados e muitas vezes não conseguia copiar do quadro pois estava pensando na "morte da bezerra"... ganhei o maravilhoso e não humilhante apelido de LESMA LERDA, muitas vezes bradado em coro puxado pela professora (hoje não a culpo pois era uma pessoa sem informação)... voltava pra casa arrasado ... mas como sempre fui alegre, quando chegava em casa, aquele frustração passava e eu nem me lembrava mais disso... claro ... até chegar o outro dia .......
    Aos trancos e barrancos as series foram passando, sempre em recuperação... até chegar a repetência... já começava a sentir que aquilo que eu estava passando não poderia ser apenas burrice ou vagabundagem...
    Meus pais tiveram a reação normal que todos os pais que não conheciam o TDAH e querem o melhor para o seus filhos fazem, vamos levá-lo a um psiquiatra...
    Foi prescrito ansiolítico e anti-depressivo. Adivinhem o que aconteceu??? heim??? heim???
    Abandonei o tratamento pois achei que tudo aquilo era bobagem e que não precisaria de medicamento. (estava com 17 anos).
    Comecei a primeira faculdade, que não cheguei nem no 2 semestre e abandonei. Minha segunda faculdade cheguei até o 3 semestre. Mesmo sendo a área que gostava... INFORMATICA.
    Achava que este tal de TDAH me prejudicaria apenas na parte de estudo... mas eu estava REDONDAMENTE enganado ...
    Meus relacionamentos eram marcados pela frase: TU ENTENDEU O QUE EU ESTOU FALANDO? OLHA PRA MIM! PARECE EU ESTOU FALANDO COM A PAREDES! TU ESTÁS ME IGNORANDO? REPETE O QUE FALEI!!! ... e por ai vai ...
    Nem preciso dizer que não durava muito ...
    Já na parte profissional, resumindo, não consigo para muito tempo em um emprego pois além de perder o interesse rápido, acabo achando que a empresa não me reconhece e peço desligamento ... além é claro da pessoa com TDAH não lidar bem sob pressão.
    Parei e comecei o tratamento inúmeras vezes, acumulando uma frustração absurda dentro de mim.
    Para as poucas pessoas que eu falei que tenho TDAH, além de não saberem muito bem o que é isso, algumas me falam: ISSO EXPLICA MUITA COISA !...

    Hoje, estou casado a 8 anos com uma mulher fantástica, no começo foi difícil, até porque ninguém é perfeito, mas eu sei exatamente o que eu tenho e não tenho mais vergonha de dizer.

    Este blog é maravilhoso e me emocionei muitas vezes o lendo. Parábens e que continue aliviando as vidas de milhares de Pais e portadores de TDAH!

    Estou tomando Ritalina, sei que não é a solução dos meus problemas, mas a consciência e a aceitação são armas para um passo depois do outro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mário! Que bacana seu depoimento. Lutamos tanto e muitas vezes inutilmente. mas pelo menos isso o TDAH nos dá: uma força infinita, que sai de não sei onde e nos impulsiona a seguir a vida.
      Abração e obrigado
      Alexandre

      Excluir
  14. É o que o meu psiquiatra sempre fala , imagine o que você poderia ter feito se não tivesse essa doença ou tivesse pelo menos começado o tratamento na infância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sádico ele, não! rsrsrs
      Mas ele tem razão, infelizmente.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  15. Olá Alexandre ! Tenho lido alguns post seus e tem sido muito legal para mim que tenho um filho de 8 anos anos que tem TDAH. Tem sido um caminho difícil, já tentamos muitas coisas e o que mais deu certo, felizmente ou não, foi a medicação: ele toma ritalina. Foi muito difícil, e ainda tem sido, dar esse remédio para ele, mas é maravilhoso ver como ele tem rendido bem na escola, o que não acontecia antes. Ele toma a medicação somente nos dias de aula.
    A gente se habitua a ligar TDAH a crianças e buscando na internet percebi a quantidade enorme de adultos que tem também. Eu sempre penso no futuro dele. Como vai ser quando ele crescer ? Vai precisar tomar remédios para sempre ? Isso é muito angustiante. E tenho lido nos post e em vários comentários as pessoas falando que teria sido diferente se tivessem sido diagnosticadas antes e começado o tratamento há mais tempo. Vc acha que começando o tratamento em uma criança a fase adulta dele pode ser diferente ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, fico feliz pois você é uma pessoa com informação e com certeza o futuro do seu filho será bem diferente. Na minha humilde opinião, acredito que você teria que, como ele tem apenas 8 anos, quando ele sentir que há algo errado (e esse momento vai chegar), sente e converse tentando que ele tenha consciência do que é o TDAH (com associação), pois assim, tudo ficará mais facil pro menino na hora de ministrar o medicamento no futuro.
      Eu mesmo só tive a real consciência agora aos 35 anos... tudo poderia ter sido diferente ...
      Agora estou me sentindo muito bem com o tratamento... e estou super empolgado e com foco... sou até profético em dizer que você, sem dúvida, salvou seu filho...
      Muito forte dizer isso? Estou exagerando? Não estou, sabe porque? Depressão, amargura, ódio de si mesmo, isolamento são alguns dos vários sentimentos que você está poupando seu filho de ter no futuro.
      Abraço.

      Excluir
    2. Ola Alessandra! Com certeza! Quanto mais cedo começar o tratamento menores serão as sequelas na vida adulta.
      Força e fé por que não é fácil.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde, meu nome é Rinara tenho 28 anos sou psicóloga, sempre desconfiei em ter TDAH, depois de muito resistência fui ao Psiquiatra a 1 mês estou tomando Concerta 18 mg para o TDAH, Zoloft (Sertralina) 1OO mg para ansiedade e por fim a noite Orap 1 mg para os Tiques nervosos. Sempre tive um temperamento difícil, mal humorada, mudanças de humor bruscas, sempre com dificuldade em estudar, trabalham em grupo até hoje é um bicho de sete cabeças não consigo interagir com ninguém no grupo e isso causa um mal estar enorme, pois eles pensam que não quero fazer e simplesmente estou ali para ganhar pontos à custa deles. No trabalho felizmente trabalho praticamente sozinha minha chefe raramente vai lá, mas temos alguns atritos, pois não sei lidar sob pressão. Em relacionamento sempre tive dificuldades, felizmente conheci meu namorado na faculdade e está comigo a 5 anos, mas o relacionamento é um caos não sei levar um relacionamento sou muito dispersa, não cumpro nada que falo que vou fazer, estou segura que com os remédios vou melhora, já estou mais calma isso já um avanço.
    Adorei o blog estou lendo todas as postagens, não pare de escrever é um conforto ler o que você escreve, bom para mim está sendo.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rinara!
      Não vou parar de escrever, embora tenha períodos de absoluto desânimo com o blog. Mais do que o tratamento medicamentoso te recomendo conhecer profundamente o TDAH e a si mesma. Sempre que precisar tomar uma decisão, ainda que simples, pense antes: ESSA DECISÃO ESTÁ SENDO TOMADA POR MIM OU PELO TDAH? Ao conhecer bem a doença você conseguirá distinguir e tomar uma decisão mais racional. Claro que isso não é infalível, mas ajuda muito.
      Abração e boa sorte
      Alexandre

      Excluir
  18. Essa postagem foi muito oportuna, Parabéns Alexandre! Serve pra desmistificar e tirar a visão de glamour que muitos têm sobre TDAH. Essa visão que muita gente da mídia tentar passar aos incautos e desinformados de que ser TDAH é se elevar à condição de gênios, isso é um grande desserviço!

    Bastante gente se ilude e acaba sofrendo mais por causa das informações erradas que algum fulaninho da tv,que, pretensamente se alça ao patamar de um Einstein, Thomas Edison, Julio Verne e etc. Ser TDAH não é uma condição especial que nos eleva acima dos seres humanos ditos normais, e se acreditarmos nisso a nossa frustração será tremenda, mesmo àqueles que têm inteligência acima da média. Os obstáculos se nos afiguram gigantescos, vêm o medo, a raiva e a sensação de inadequação ao mundo que nos cerca. É horrível, assim como todos, creio eu, DETESTO SER TDAH!!!! Não tenho superpoderes, não sou superdotado, não sou gênio, não me iludo e sei das minhas limitações.

    Tinha escrito um texto aqui um pouco diferente há uns dias antes, para essa postagem, mas eu acidentalmente acabei apagando na hora de publicar, hahaha! Tá difícil, meu povo! Mas o que importa é que me sinto bem sempre que venho aqui no blog e leio as postagens do Alexandre e os comentários dos demais. Diminui um pouco a sensação de isolamento, de ver que não estou tão só, enclausurado na cápsula TDAH. Aqui a troca de experiências alimenta aos poucos a chama da esperança. Ajudemos-nos a desvendar os mistérios e a tornarmos-nos especialistas em nossa condição de humanos "limitados", conscientes de não sermos nem melhores nem piores, apenas diferentes.

    Grande abraço a todos!

    S.L.1974, Hellcife-PE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado SL. Adorei o amor que você tem pela cidade onde mora Hellcife é ótimo!!! kkkkk
      Sim, estamos no meio de um fogo cruzado de desserviços: de um lado os opositores do TDAH e do outro esse bando que fica endeusando o TDAH, o que é tão negativo quanto o primeiro. Um saco isso.
      Um grande abraço
      Alexandre

      Excluir
  19. Oi Alexandre, estou estudando tudo sobre TDAH e fazendo terapia está sendo muito bom voltei ao psiquiatra ele aumentou a dose do Concerta agora to usando o de 36 mg.

    Não desanima você escreve muito bem!

    ResponderExcluir
  20. Oi Alexandre, estou estudando tudo sobre TDAH e fazendo terapia está sendo muito bom voltei ao psiquiatra ele aumentou a dose do Concerta agora to usando o de 36 mg.

    Não desanima você escreve muito bem!

    ResponderExcluir
  21. EXATAMENTE - TRISTE ILUSÃO!!!!

    ResponderExcluir
  22. Pessoal, eu sei que o tdah é um caos.Eu tenho um filho tdah e tenham certeza que dói muito mais em mim sendo ele o tdah do que se fosse eu.É muito dífícil, mas já foi mais.Não tenho o apoio do Pai dele, gasto uma fortuna com psiquiatra, ritalina LA 40mg( a mais forte ), explicadora e professor de matemática particular.Ufa.... não é fácil!!! Ele repetiu o ano passado, ja teve sindrome do panico, ansiedade e depressão.Tenho medo de que repita de ano e isso volte a acontecer, ainda mais que agora ele está muito bem, com auto estima elevada e confiante.Eu tento mostrar à ele que ele é capaz, assim como vcs! Essa semana eu estava desesperada, pq nao tenho mais de onde tirar dinheiro.Mas me acalmei, pq alé de tudo eu tenho fé em DEUS.Apesar das dificuldades, não coloquem o tdah como obstáculo.

    ResponderExcluir
  23. Pessoal, eu sei que o tdah é um caos.Eu tenho um filho tdah e tenham certeza que dói muito mais em mim sendo ele o tdah do que se fosse eu.É muito dífícil, mas já foi mais.Não tenho o apoio do Pai dele, gasto uma fortuna com psiquiatra, ritalina LA 40mg( a mais forte ), explicadora e professor de matemática particular.Ufa.... não é fácil!!! Ele repetiu o ano passado, ja teve sindrome do panico, ansiedade e depressão.Tenho medo de que repita de ano e isso volte a acontecer, ainda mais que agora ele está muito bem, com auto estima elevada e confiante.Eu tento mostrar à ele que ele é capaz, assim como vcs! Essa semana eu estava desesperada, pq nao tenho mais de onde tirar dinheiro.Mas me acalmei, pq alé de tudo eu tenho fé em DEUS.Apesar das dificuldades, não coloquem o tdah como obstáculo.

    ResponderExcluir
  24. Pessoal, eu sei que o tdah é um caos.Eu tenho um filho tdah e tenham certeza que dói muito mais em mim sendo ele o tdah do que se fosse eu.É muito dífícil, mas já foi mais.Não tenho o apoio do Pai dele, gasto uma fortuna com psiquiatra, ritalina LA 40mg( a mais forte ), explicadora e professor de matemática particular.Ufa.... não é fácil!!! Ele repetiu o ano passado, ja teve sindrome do panico, ansiedade e depressão.Tenho medo de que repita de ano e isso volte a acontecer, ainda mais que agora ele está muito bem, com auto estima elevada e confiante.Eu tento mostrar à ele que ele é capaz, assim como vcs! Essa semana eu estava desesperada, pq nao tenho mais de onde tirar dinheiro.Mas me acalmei, pq alé de tudo eu tenho fé em DEUS.Apesar das dificuldades, não coloquem o tdah como obstáculo.

    ResponderExcluir
  25. A ajuda da família é importantíssimo, a motivação e mostrar que o tdah é capaz( e não é conversa fiada não ).Vcs são capazes sim!!!! O uso do remédio correto e acompanhado por um profissional é imprescindível!! Saibam que por mais difícil seja, tentem ver isso com mais naturalidade.Não é o tdah que tem que vencer vcs, são vcs que tem que vencer o tdah!!

    ResponderExcluir
  26. Sou da mesma opinião, tenho 46 anos e uma vida destroçada em diversos aspectos pelo transtorno. Esse mudo colorido e fora da realidade se encontra no Facebook. Sou admirador de seus textos, justamente pela originalidade e fidelidade a nossa realidade.
    Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  27. Ola Alexandre! É minha primeira vvez por aqui no seu site, recebi o diagnostico ha pouco tempo e assim ficou mais facil de entender o porque de tanta loucura nas aguas passadas (e a cada dia mais ja prevejo as futuras, sem perspectiva que isso acabe). Gostei muito desse texto, acho uma coisa extremamente ridicula essa necessidade do ser humano em ver coisa boa onde nao há, em ser "feliz" a qualquer custo so pra se apresentar perante o outro atraves de uma linguagem positiva de aceitação, quando sabemos, que a grande maioria que passa por um convivio mais proximo conosco durante um tempo, nao vai querer repetir esse erro novamente. É so voce digitar no google tdah e famosos, vai ter um monte de gente falando de gram behll, walt disney etc, como se fossem grandes modelos de sucesso, como se fossem grandes genios e como se tivessem recebido algum diagnositco. Além de todos os problemas que enfrentamos no dia a dia, ainda temos a obrigação de alimentar a expectativa de terceiros quanto a uma "genialidade" que nao temos...É uma coisa terrivel, so quem tem sabe a merda que é cara, ja me expus a cada tipo de situação que voce nao faz ideia. Um grande abraço e obrigado pelo texto!

    ResponderExcluir
  28. Muito bom Alexandre. Concordo em gênero e número com vc. O TDHA não trouxe nenhum, repito, NENHUM benefício em minha vida. Só consegui terminar minha graduação pq a faculdade era do meu tio, e os professores me deram vários trabalhinhos ridículos para não ficar reprovado. Eu simplesmente abandonei as aulas. Achava um porre, monótono, chato. Quando vi, já estava por falta. Esse é só um exemplo. Comecei outros 5 cursos superiores que não passaram de um mês de aula. Alguns duraram uma semana. Comecei outros 6 cursos d inglês. E continuo no módulo 1. Sou o eterno faixa branca no judô e olha que fui campeão estadual aos 8 anos. Sempre abandono e volto.estou tentando mais uma vez. Ganhei uma pôs graduação da FGV da empresa onde trabalhava. Pergunta se terminei?? Perco a paciência muito rápido, e chuto o balde. Começo a mil por hora e vou abandonando todos os projetos da minha vida. Possuo uma inteligência considerável. Já fiz testes com psicólogos e da MEnsa. Porém, só consigo ir para frente com aquilo q gosto muito. Como não gosto de nada já viu né...O resto, começa a me gerar uma ansiedade exacerbada. E assim surgiram outras comorbidades. Pânico, TAG e outros. Resolvi estudar para concurso pois não queria d jeito nenhum mais o setor privado. Li estórias de pessoas q ficavam 10 12 horas lendo livros e apostilas. Lá fui eu. Na segunda hora sentado à angústia bateu. Espera, está errado. Tenta novamente. Se eles podem vc tb pode!!! Se engana que vc gosta mané!!! Eles podem vc não. A mágica acontece com a Rita. Em tudo. Tenho 35 anos e uma menina linda de 7 meses. Eu precisava dar oportunidade a minha filha e deixei a ignorância de lado e começei a me medicar. Sempre tive muito medo de tomar. Voltei ao médico aos 30 anos, só o caco, contando a grande promessa q fui. Fui diagnosticado muito novo. Com 6 para 7 anos. Lembro como se fosse hj. A diretora da escola chamou minha mãe. Entramos na sala, sentamos eu , ela e mais duas "tias" - uma psicóloga- que esperavam a vez de falar.
    Diretora - Angela(mãe), o PEdro é um menino maravilhoso. Muito inteligente só q ele não deixa ninguém em paz. As professoras não conseguem dar aula, os coleguinhas não conseguem aprender. Ele não para um minuto, faz bagunça do começo ao fim da aula. Tem um senso de humor muito diferente dos demais. Ele é HIPERATIVO.

    Angela (mãe) - como estão as notas dele? Muito boas né. Foi o único q tirou 10 nas quatro matérias na escola toda q fiquei sabendo. É um menino alegre, só isso. Não tem nada de hiperativo. Passar bem.

    E...assim, perdi a oportunidade de ter uma vida diferente. Pela minha mãe😕😕Na sétima série aconteceu a mudança. Ela decidiu q eu teria q caminhar sozinho. Ela não iria mais tomar as lições, eu teria q me organizar. Tudo por minha conta. Foi então q ela soltou minha mão e o desastre começou -fui reprovado ali mesmo- e se estende até os dias de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caso é bem parecido com o seu, mas minha mãe fica no meu pé e me protege a tá hoje da vida, acho que foi muito pior, às vezes me pergunto Imp eu ainda estou vivo, como não fui atropelado, meu tdah prevalece a desatenção, tenho 33 anos e ainda não sei me defender, acho que já passei por mais de 10 empregos.... E minha mãe ali, passando a mão na minha cabeça ...

      Excluir
  29. Fico impressionado com a variedade das impressões sobre a doença. Os depoimentos revelam a realidade caótica de todo TDAH. Somando as realidades torna-se assustador.

    Eu me diagnostiquei lendo artigos sobre o assunto. Foi um baque. Durante o ensino fundamental e médio, torturei-me em todos os aspectos, pois não entendia o que se passava comigo. As notas baixas... A dificuldade em lembrar das palavras do professor depois de terminada a aula, enquanto os outros alunos podiam até citar frases... E eu me perguntava onde estava naquele momento. Fazia as avaliações com a mente "em branco"... Não passava de chutes. Quando conseguia estudar, não retinha o assunto. Nossa! Que realidade terrível! Mas sempre tive o personagem dedicado, comportado, o verdadeiro aluno - mas não estudante - para suprir de alguma forma essa dificuldade. O que justificava aos coordenadores e professores: ele tinha algum problema pessoa. De fato, tinha. Sou homossexual, e essas duas realidades foram o chão fecundo para o TDAH, a depressão e a ansiedade. Já pensou em ter que provar duas vezes o quanto você é bom? A cada dia criar novas expectativas, e quando chegar a noite perceber que não fez nada certo... Você tenta mudar seu jeito no dia seguinte, ser outra pessoa, assumir outra postura, mas termina o dia frustrado e sendo o bobo de sempre.

    Hoje, com 21 anos, evito a cada instante pensar no passado, pensar na doença, pensar em como sou... Aí está o "lado bom" da doença, aquilo que chamam de resiliência... Tento apegar-me a detalhes que me diferenciam de um TDAH: um livro que consigo terminar de ler - mesmo a duras penas -, palavras que consigo memorizar - mesmo que escassas -, uma conversa que consigo prestar atenção... Tudo isso para sobreviver e salvar-me de mim mesmo. Coisas simples, que todos sabem fazer, que não me elevam em nada, em nenhum setor da vida.

    Não tenho nenhuma perspectiva de futuro, infelizmente. Não consegui uma vaga na Universidade pública  e em todos esses anos prestando vestibular, nunca consegui superar a média... Não sei o que será do meu futuro quando concluir o curso que estou fazendo agora, Serviço Social. Nunca dou conta das minhas atividades. As pessoas em um primeiro momento criam expectativas por conta da minha aparência, da minha postura, das minhas colocações decoradas... Mas se decepcionam quando conhecem a minha realidade. Eu tenho medo de não chegar aos 55 anos, como você chegou...

    Essa vida de comparação cansa. Cansa muito. Alguém que escreve bem; alguém que toca bem; alguém eloquente; alguém que fala dois idiomas; alguém que estabelece relações fácil; alguém que se sobressai em algum setor da vida... Eu não sou nenhum deles.

    ResponderExcluir
  30. Não digo que trouxe ou não algo, mas eu sou (e não tenho) TDAH entre outras coisas. Como Sartre afirma, somos (os humanos) um saco vazio na ânsia eterna de sermos preenchidos... nós um saco um pouco maior...

    Então, sou o que sou e o que vou sendo, me desconstruindo e me construindo de novo. Como saberei que se não tivesse TDAH eu seria melhor ou pior?
    Impossível.

    Quem determina a nossa culpa é principalmente uma sociedade utilitarista (imaginem eu, um programador TDAH) e reducionista, que mede tudo como eficiência, lucro e objetividade.
    Tentei Ritalina, BUP, cognitiva comportamental e ganhei muito pouco.
    Aos poucos resolvi (hoje com 4.5) que minha vida não deveria ser aquilo que a sociedade espera e sim o que eu quero dela ainda que de maneira impulsiva, caótica e não "eficiente".

    "Não é sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade doente" - Krishnamurti

    Nas coisas que me interessam desenvolvi o hiperfoco e nas que não me interessam dane-se, vou aos trancos e barrancos.

    A inteligência acima da média e a criatividade são sim decorrência de vários interesses. Inevitável. O fato de você se incomodar com a "conclusão" é um viés utilitarista, pois afinal, quem determinou que algo deve ser acabado?
    Um cliente, uma empresa talvez?
    Pra conseguirmos dinheiro, títulos, status, aceitação?

    Quando vi que nada disso me importava boa parte das culpas se foram.
    Começo duzentas coisas e algumas acabo. Pra mim está bom. Claro, ainda carrego alguma culpa judaíco-cristã acerca da procrastinação e da total ausência de ambição, aliás, falando nisso, veja que interessante é essa sociedade, se tenho mania de lavar as mãos eu tenho TOC, mas se tenho mania de ganhar dinheiro eu sou ambicioso...

    Não encontro evidências históricas nem científicas de que o "normal" é acabar tudo como uma máquina.

    ResponderExcluir
  31. Todo sonho carrega consigo o intento de que alguma coisa venha a ser. Quando os projetos são procrastinado incessantemente ou quando interrompidos, largados de lado, aquele sonho é só um pedaço, às vezes, dependendo dos mecanismos de defesas utilizados, pode ser um pedaço que era prioridade ou só mais algo que veio para desviar do caminho... O dinheiro, carreira profissional, família, próprio sustento, vão ter com certeza influência nisso, seja por "pressões" externas ou por necessidade fisiológica e emocional de si próprio. Acredito que buscar ferramentas e meios de perseguir os sonhos e de não se contentar com mínimos são bstt úteis, sobretudo em um estado de déficit de atenção...aonde este estado pode não se sobrepôr a todos os outros aspectos de ser....

    ResponderExcluir
  32. Concordo com seu texto.Realmente ser portadora desta doença não é bom,me sinto um ET. Por ter um ótimo humor todos acabam tirando sarro de mim pq sou a última a entender uma piada. A a assimilar ideais..Hoje sou frustrada pq não consigo procurar um emprego melhor por achar que sou burra e que é melhor ficar onde estou por ser estável.

    ResponderExcluir
  33. Concordo com seu texto.Realmente ser portadora desta doença não é bom,me sinto um ET. Por ter um ótimo humor todos acabam tirando sarro de mim pq sou a última a entender uma piada. A a assimilar ideais..Hoje sou frustrada pq não consigo procurar um emprego melhor por achar que sou burra e que é melhor ficar onde estou por ser estável.

    ResponderExcluir
  34. Ah, quem me dera poder deixar de ser TDAH !!! Ser "menos inteligente" e mais concentrada. Ser "menos criativa" e conseguir finalizar pelo menos um terço das milhares de coisas que invento. Ser menos um monte de coisa e pelo menos um pouco de outro zilhão de coisas... Quem me dera... Aceitaria na hora ...

    ResponderExcluir
  35. Oi, meu nome é Selma, sou Psicóloga, e diagnostiquei meu marido, cerca de dois anos juntos. Compreendo tudo o que vocês relataram, e vivencio com ele todas as fases da doença que vocês referem. Estamos juntos há 12 anos, e me sinto esgotada,pois a vida ao lado dele não é fácil!
    Me sinto dando dois passos pra frente e ele me puxa três pra trás... Achei o blog do Alexandre após o último conflito de ontem (não aguento mais tantos conflitos... Pense num cara bom e disponível pra brigar, ofender, humilhar...ESTOU CANSADA!), e achei muito interessante tudo que li até agora... Mostrei pra ele, pra que entre em contato com vocês, e quem sabe relatar, analisar, refletir... Sobre os comentários aqui postados, o ajude de alguma maneira. Eu, esses anos todos, procuro ajudar, mas confesso, estou esgotada e com a saúde abalada!

    ResponderExcluir
  36. Tudo que eu queria era paz, tranquilidade nada de brigas, que por sinal, começa sempre quando uma conversa tem alguma frase que não agrada, aí aquela raiva que surge do nada, acaba transformando o que seria uma conversa entre um casal maduro, em uma guerra. Não preciso falar que logo depois em um momento de reflexão me sinto um lixo por não saber lidar com uma situação. Pessoas que não tem TDAH seria mais uma conversa normal para ajuste de relacionamento.
    Minha esposa achou o blog e hoje li o texto e os comentários. Fiquei com lágrimas nos olhos ao ler relatos que me remeteram a minha infância. Tenho 52 anos, comecei tratamento a 12 anos, mas sempre abandonei por não levar nada a serio, mas depois da última briga com minha esposa, que é psicóloga clínica e não me aguenta mais, resolvi ler o blog. Preciso focar no meu tratamento, porque cansei de só perder. Chegar nesta idade, ver q já perdi tantas oportunidades, joguei fora, e ver amigos de trabalho que são gerentes de grandes empresas das quais já trabalhei e hoje falam em aposentadoria e descanso e muito duro, até porque tenho ciência de que não vou parar de trabalhar até a minha morte... Tenho que mudar a minha vida e o blog vai ser a minha força pois ainda não tinha interagido com pessoas que tem o mesmo problema que eu. Preciso dizer que não consegui entrar na faculdade por falta de orientação, pois na época de estudante não se falava sobre esta doença e hoje não tenho mais pique para enfrentar uma sala de aula.

    ResponderExcluir
  37. Oi meus irmãos de TDAH uma coisa e verdade que nos gostamos de falar pra caramba kkkkkk comprovei isso aqui neste site não adianta desesperaos vamos ter fe em Deus que ele dirije nossas vidas por nos e da tudo certo mesmo com dificuldades existe transtornos plores que e boderlaine esquizofrenia e outros fe em Jesus ta bom meus amores bejos

    ResponderExcluir
  38. Na verdade TDAH e um. Mal que nos destrói aos pouquinhos me sinto tao sozinho e tao frustada

    ResponderExcluir