quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

O TDAH E A TRAGÉDIA QUE LIBERTA




Todo TDAH sonha com soluções mágicas pra vida.
Mas não sonhos comuns como ganhar na mega Sena ou encontrar um pote de ouro no fim do arco-íris. 
Não, esse tipo de sonho soluciona a questão financeira, mas não desaparece com a angústia que nos aperta o coração; não aquieta a mente desvairada que salta de um assunto a outro, de um desejo a outro até quase o esgotamento; ganhar dinheiro não apaga o nosso sentimento de culpa ou elimina a absurda sensação de inadequação - um sentimento de estar sempre na hora errada, no lugar errado e dizendo coisas inapropriadas.
Todos queremos ser ricos, ou pelo menos livres das aflições financeiras, mas isso não minimiza a impulsividade nefasta; a grana por si só não é capaz de equilibrar nosso humor instável; muito menos apaziguar os constantes sobressaltos que sofremos ao menor ruído. 
Como a Mega Sena poderá restaurar nossas memórias claudicantes?  Talvez o dinheiro até multiplique os projetos abandonados...
Não! Nossos sonhos mágicos são mais dramáticos, mais impactantes, mais definitivos. 
Algo que mude nossas vidas, mas que também mude a percepção que têm de nós; mais que a percepção, a expectativa que têm de nós e suas subsequentes cobranças.
Uma tragédia! Uma enorme tragédia que nos transforme em vítimas do acaso; vítimas de uma natureza inclemente ou de humanos desumanos que só valorizam o dinheiro, ambos ignorando os inocentes ao alcance de sua maldade.
Quem de nós jamais sonhou com a calamidade libertadora? Não que nos liberte da vida, mas da responsabilidade de viver; de cumprir expectativas; de atingir objetivos que nunca foram nossos, mas impostos pela família, pela sociedade, pela mídia...
A calamidade que ruísse definitivamente com a necessidade de ser alguém e nos desse o salvo conduto para sermos apenas nós mesmos, imersos em nossos devaneios, caminhando sem rumo pelos intrincados atalhos de nossas mentes onde podemos ser de conquistadores e desbravadores invencíveis a sonhadores inocentes vivendo sem peso e sem amanhã. Nem ontem.

19 comentários:

  1. Engraçado como você tem o dom de ler meus pensamentos Alexandre.rssss. vou rir pois chorar a todo momento vem esta vontade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teresinha acredito que seu pensamento seja, como ele sabe tudo que eu penso rsrs

      Excluir
    2. Teresinha acredito que seu pensamento seja, como ele sabe tudo que eu penso rsrs

      Excluir
  2. Aqueles que não aprendem nada sobre os fatos desagradáveis de suas vidas, forçam a consciência cósmica a reproduzí-los tantas vezes quanto seja necessário, para aprender o que ensina o drama do que aconteceu.

    O que negas te submete. O que aceitas te transforma.

    Carl Jung

    ResponderExcluir
  3. "Ser alguém" é uma imposição social. Querer representar algo que nos é exigido. Não que seja fácil ou simples, mas compreender que a "normalidade" é aquilo que interessa num momento histórico-social também é libertador. Alguém "conclui" a vida? Nascemos com um "projeto" e uma "finalidade"? Não. A vida em si é um caminhar sem projeto, sem meio e sem conclusão, e portanto terá um fim inconclusivo. Já dizia Epicuro sobre a morte "quando vc está ela não está e quando ela está vc não está". Aliás, ninguém menos do que os grandes (e pequenos) filósofos defendem os devaneios e o livre pensar. Quem é uma doença no mundo é o utilitarismo, que transforma tudo o que não interessa à escravidão do trabalho em "anormalidade".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devemos viver nossas vidas e não a vida que os outros querem para nos.

      Excluir
    2. Bem bonito e verdadeiro, mas completamente irreal. A vida não nos dá essa opção.

      Excluir
  4. Senhores, a 6 meses comecei a utilizar a Ritalina LA no tratamento de TDA-H mas não me adaptei bem a ela, por isso estou retornando para a Ritalina normal. Possuo 2 caixas de Ritalina LA 30 mg que gostaria de vender pois não irei mais utilizá-las. Venderei bem abaixo do preço de farmácia. odilonsc@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. Boa noite! Há mais de um ano acompanho este site, e vi que tudo aqui detalhado acontece e muito comigo.
    Tenho 35 anos, casado e pai de um filho de 2 anos. Descobri que tenho TDAH no começo do ano (interrompi a terapia porque fiquei desempregado), e desde 2014 vi a minha vida se transformar numa bagunça graças a minha falta de controle emocional, frequente esquecimento, distrações e organização dentro de casa quase nula. Meu casamento tá uma zona: minha esposa acha que tenho um demônio dentro de mim, que gosto de provocar confusão com ela... ela sabe que tenho TDAH, mas creio que não sabe o quanto causa problemas. Muitas vezes relatei o quanto não conseguia aproveitar as coisas sem que a minha cabeça não me botasse pensamentos ruins constantes, e isso era o suficiente para acabar com o nosso dia. E ontem não foi diferente. Graças a Deus consegui um novo emprego, tenho um lar e uma familia... e mesmo assim estou chorando aqui porque esta confusão mental não me deixa em paz. Ao menos fico contente porque não estou sozinho, e que há pessoas com o mesmo dilema que eu. E sei que tenho de seguir em frente, enxugar as lágrimas e pedir a Deus que me ilumine por mais um dia. Feliz Natal a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem amigo, você tem mesmo um demônio no corpo: O TDAH.
      E você provoca briga com ela sim, o TDAH te leva a brigar pra sentir a adrenalina circular pelo organismo.
      Isso é comprovado.
      Procure pensar antes de falar e agredir. Pense: Esse sou eu ou o TDAH está agindo por mim?
      Parece bobo, mas não é. É bastante difícil de implementar.
      Pense antes, uma vez só antes.
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  6. Boa noite , se alguém me responder eu agradeço muito ...
    Bom ,desde pequeno fui uma pessoa desligada ,com a imaginação muito fértil e ao mesmo tempo bem agitada,E meus professores viviam dizendo para minha mãe me levar para uma psicologa por causa do meu jeito "viajante"...Ao ir crescendo passei a ter diversos problemas sociais e etc ...Hoje tenho quase certeza que tenho TDAH ,e desde pequeno ja me questionava:"-Será que uma pessoa normal enxerga as coisas dessa forma?Eu acho que eu sou diferente das outras pessoas..."
    Na fase adulta , agora com 23 anos estou tentando correr atrás de um diagnóstico ,fiz quase 1 ano de terapia e passo em um psiquiatra pelo convênio , mas o melhor psiquiatra que eu fui foi 1 que eu tinha que pagar 300 reais e ia direto na casa dele , pois ele conversava comigo aocontrario desse que vou agora e me passou um remédio chamado Risperidona .Esse remédio fez minha visão (aquela que eu me referia na infância) melhorar um pouco , era tipo uma névoa ...Mas os constantes esquecimentos e desatenções prosseguiam , além de me dar uma grande depressão , então decidi parar de usar .
    A pergunta que eu gostaria de fazer é : o melhor jeito de conseguir pelo menos a atenção de um médico é pagando ?Porque ja passo em um cara e ele parece estar nem aí comigo , ou ele acha que estou mentindo sobre as coisas que falo ...Agradeço se alguém responder .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Profissionais que atendem mal pelo convênio são frequentes. Só tive um tratamento medicamentoso bacana: depois de ter ido em vários médicos, finalmente achei um que me identifico em termos. O médico é um bom ouvinte, atualiza-se em relação as medicações, o remédio melhorou muito minhavida. Mas por outro lado, o remédio que ele me passou está me preocupando pq não consigo ficar mais sem nem nos finais de semana (Stavigile), me dá sono e angústia, criei dependência. Continue procurando no convênio, e, em último caso, terá de ser particular mesmo.
      Boa sorte

      Excluir
    2. Se você está insatisfeita com seu médico, mude. Entre no site da ABDA e veja se existem médicos credenciados na sua cidade.
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  7. Infelizmente médicos psiquiatras especialistas cobram, e eles não ligam se na maioria das vezes um TDAH tem uma vida financeira morta, cansei de esperar em médicos remédios e medicações milagrosas. Terapias alternativas junto com vontade (verdadeira) de estar bem, ajuda a acalmar esse "demônio da tasmânia" que existe dentro da cabeça. E na terapia também é algo muito bom, mas detalhe; ser verdadeiro com o terapeuta ,e não fantasiar situações ou omitir frustrações do passado. Não por ele, mas por nós, desabafar a verdade faz um bem pra mente, é mais forte que um tarja preta pra dormir (fujam de tarjas pretas). Ontem "que bos#%$ de vida sem sentido", hoje " ninguém flw que era só diminuir os pensamentos que a vida ficava boa "

    ResponderExcluir
  8. procurem comprmidos sem receita da planta mucuna pruriens leiam sobre ela....pesquizem sobre o efeito da ritalina será melhor entendido

    ResponderExcluir