terça-feira, 18 de abril de 2017

O TDAH DESCONSTRUINDO O FUTURO






Após sermos diagnosticados portadores de TDAH, tendemos a botar na conta do transtorno todos os nossos problemas, falhas e idiossincrasias. Isso é normal; às vezes por ainda conhecermos pouco o TDAH, noutras por que é melhor para as nossas consciências culparmos uma doença e não nosso caráter.  
Em diversas ocasiões o que teremos é uma soma de tudo.  
E aí recebo um e-mail de K que afirma estar desconfortável com suas reações ao fim de relacionamentos rompidos por iniciativa dela. Antigos e duradouros são deixados para trás sem dor, sem remorso. O último, de poucos meses e pouco contato real, ainda dói.  
Antiguidade e longevidade não significam amor. A facilidade com que acabou demonstra isso. O contrário também vale. E isso não é TDAH. Isso é vida!  
Mas, quando acrescentamos o TDAH a essa equação temos alguns resultados interessantes: esquecemos mais fácil do que a maioria;  nos culpamos mais do que a maioria. Então, se estamos dispostos a esquecer, deletamos e seguimos nosso caminho sem olhar para trás; mas, se não temos certeza daquilo que fizemos, ou se não queríamos aquele fim, sofremos N vezes mais. Nos culpamos e nossa mente repassa aquilo milhões de vezes por dia até a exaustão mental. 
Disso tudo, o que mais me chamou atenção no relato de K é o que ela não percebeu: os dois grandes relacionamentos que ela terminou e pouco sentiu, foram aqueles que os parceiros NÃO queriam o fim do relacionamento. O que a fez sofrer foi justamente aquele em que seu companheiro concordou com o rompimento.  
Claro que pouco sei sobre as reais razões e o verdadeiro comportamento de K, mas no seu e-mail ela deixa transparecer que 'instigou' seu último namorado ao término; e ele terminou. Nada mais TDAH do que expor-se ao risco, à auto imolação, à expor a própria vida à tragédia. E depois ficar choramingando por colher aquilo que plantou. 
Creio, K, que você está sofrendo pelos motivos errados. Nenhum de seus namorados são seus verdadeiros problemas; o TDAH sim. Não se preocupe tanto com suas reações após o fim dos relacionamentos. O que deve  te faz sofrer é seu comportamento inexplicável de terminar com namorados antevendo que tais relacionamentos não terão futuro. Com esse tipo de comportamento não terão mesmo. O futuro, K, não existe; ele é construído diariamente por cada pessoa, por cada casal, por cada gesto, por cada intenção. Imaginar que este ou aquele relacionamento não terá futuro é decretar seu fim antecipado. Só tem futuro o que queremos que tenha. E você deixou claro que 'matou' antecipadamente cada um deles. 
O que posso dizer? Para que você aproveite esse período sozinha para conhecer-se, conhecer bem o transtorno e viver o presente. Você não tem bola de cristal para adivinhar se esse ou aquele relacionamento terá futuro. Isso tem muita cara de auto sabotagem.