quinta-feira, 20 de abril de 2017

O TDAH E A BALEIA AZUL

                                                 Em Minas Gerais um jovem cumpriu a última tarefa do 'jogo' : matou-se. 




O jogo da Baleia Azul virou o assunto do momento. Para quem não sabe é um jogo on line, onde um 'curador' lança desafios aos participantes - em sua grande maioria adolescentes - que começam com pequenas auto mutilações e seguem num mórbido e cruel crescendo até atingir a tarefa final: o suicídio do 'jogador'.
Claro que nas redes sociais já surgiram brincadeiras a esse respeito, como a Baleia Rosa e a Preguiça Azul. A primeira uma tosca versão positiva do jogo, a segunda uma brincadeira com a notória preguiça e desorganização dos adolescentes.
Hoje eu vi um trecho do excelente Estúdio I, da Globo News, onde um psiquiatra falava sobre o assunto. O que ele disse me chamou a atenção: o importante não é o jogo, mas o suicídio. Adolescentes mentalmente saudáveis não embarcam nesse tipo de jogo. As vítimas desses jogos são aqueles jovens portadores de depressão ou outras doenças mentais.
Na hora acendeu a luz vermelha: setenta porcento dos portadores de TDAH sofrem de comorbidades - doenças associadas à doença principal - e a comorbidade de maior incidência é a depressão.
Nossa personalidade TDAH já é, por si só, intensa, apaixonada e instável. Associada à depressão temos um quadro extremamente suscetível a um jogo perverso e mórbido como esse.
A recomendação do psiquiatra é o diálogo. Procure informar-se sobre o que seu filho sabe sobre o assunto e abasteça-o com toda a real magnitude de maldade e perversidade desse jogo. E mais, acompanhe-o, mantenha-se alerta; só em Curitiba estão sendo investigados sete casos. Minas, São Paulo e Rio de Janeiro também investigam a Baleia Azul. Na Bahia uma garota de quinze anos desapareceu deixando uma carta à família insinuando o envolvimento do jogo.
Não se esqueça do principal : Seu filho, ou sua filha. A depressão na adolescência é uma realidade cruel; quatro adolescentes se matam a cada dia no Brasil. Associada ao TDAH potencializa os sintomas.
Pare de fazer vista grossa ao TDAH; se você tem alguma suspeita leve seu filho ao médico, trate-o, ame-o. A negação pode ter um preço caríssimo em dor e culpa pelo resto da vida.
Aos que tratam esse jogo como brincadeira parem com isso; é de uma crueldade inimaginável. Incrível até onde chega a maldade do ser humano. E a irresponsabilidade daqueles que não levam a sério a dor alheia.