quarta-feira, 12 de julho de 2017

TDAH DE CABEÇA ERGUIDA









Volta e meia surgem comentários no blog contra a existência ou contra a necessidade do tratamento do TDAH.
Respeito a todos e não apago nenhum desses comentários, respondo-os e deixo muito clara a minha opinião. Hoje recebi um comentário sobre minha resposta num post anterior; nela o Anônimo dizia que o importante era viver a vida. Depois de 47 anos de sofrimentos descobriu-se TDAH e agora vive a vida de cabeça erguida.
Essa é a questão; de cabeça erguida!
Ser TDAH não desmerece ninguém, não condena ninguém, não diminui ninguém. Só torna nossa vida mais difícil e complicada. Em absoluto me envergonho de ser TDAH; se me envergonhasse não assinaria meu próprio nome nesse blog e muito menos contaria as mazelas da minha vida para milhares e milhares de pessoas. Não; muito pelo contrário, acho que ser TDAH valoriza a minha vida, minhas conquistas e minha trajetória. Supero as barreiras que todos enfrentam e mais aquelas que o meu TDAH me impõe.
Noutros comentários, as pessoas dizem que não aceitam serem rotuladas. Médico é um rótulo, advogado outro, cardíaco e diabético também, assim como rico, bonito ou simpático. Somos rotulados em tudo; o tempo todo. Não sou cientista para dizer o que vou afirmar, mas na minha opinião, se existem milhares de pessoas em todo o mundo que compartilham de sintomas semelhantes, que respondem de maneira semelhantes ao mesmo tratamento, por que temos um rótulo e não um transtorno ou uma doença?
Para mim ser TDAH foi um alívio, uma descoberta redentora. Quando me descobri portador atravessava um momento terrível da minha vida, me questionava como ser humano; meu caráter... O diagnóstico foi uma porta para me perdoar e entender os maiores erros da minha vida. E por incrível que possa parecer, graças a esse diagnóstico passei a escrever esse blog, escrevi histórias infantis, publiquei meu primeiro livro - AS AVENTURAS DE PANDY - O PANDA HIPERATIVO - e passei a enxergar minha vida de uma maneira completamente diferente.
Sou TDAH e isso não me desabona; mas ao contrário de uma outra ala, não me orgulho de sê-lo. Não! O TDAH não me diminui, mas também não me deixa orgulhoso. Ser portador de TDAH é uma característica. E só!
Sigo de cabeça erguida reconstruindo a minha vida e acreditando que a pior solução é a do avestruz: enfiar a cabeça num buraco fingindo que o TDAH não existe.

Um comentário:

  1. Boa noite Alexandre...caso tenha algum grupo sobre TDAH gostaria que me adicionasse...41 992867697 um abraço!

    ResponderExcluir