segunda-feira, 25 de julho de 2011

CUIDADO, CAMPO MINADO !



Tantas explosões, por nada.
Tanta irritação sem causa.
Ontem, conversando com a Jaque me senti um idiota. De repente, vi o quanto é imbecil e injusto esse comportamento que explode  somente com quem não deve e não merece.
Não preciso sofrer as pressões que sofro. Boa parte delas eu mesmo crio ao marcar serviços com prazo exíguo, ou marcar - como fiz na semana passada - uma viagem sabendo que eu estava sufocado de trabalho a entregar. Minha vida pessoal, eu construí da forma que quis ou julguei melhor. Se hoje ela me cobra, problema meu, eu que a melhore. Minha vida profissional eu também estou construindo e não posso incorrer no erro de fazer o que os outros querem e não aquilo posso fazer dentro do meu ritmo e da minha capacidade de trabalho. Sou eu mesmo o estopim de minha própria bomba. Colho o que planto.
Pra isso tem de servir o diagnóstico e o tratamento do TDAH, para aprender a remontar minha vida de acordo com o que me convém, com o que eu posso fazer. Essa medida é muito mais saudável e eficiente do que acrescentar novos medicamentos ao meu 'coquetel da loucura' ou aumentar a dosagem dos que dele já participam.
Basta!
Não posso e não serei meu próprio algoz.
Não colaborarei para minha própria erupção.
Tratamento de TDAH é conscientização, mas também tem que ser ação.
Ontem enxerguei o erro, hoje estou me conscientizando de como e onde devo atuar.
A partir de agora eu tenho a certeza de que não preciso ser pressionado, não preciso aceitar a pressão, posso selecionar o que quero e para quando quero.
Com minhas atitudes começo hoje a desarmar essa bomba.
O inimigo invisível estava escondido sob a forma de pressão externa, mas construída a partir de mim mesmo, ou seja, internamente.
Para agradar o cliente, marco os trabalhos com tempo exíguo. Resultado: ou a pressão por causa do tempo curto, ou o desgaste por não cumpri-lo.
O TDAH agindo na sua forma mais clássica: auto sabotagem. Mas sou obrigado a reconhecer; de uma forma refinada, inteligente, perspicaz. Por muito tempo fui incapaz de reconhecer o nexo causal entre meu comportamento e as pressões que enfrento. Hoje a  descobri, a reconheci.
Posso desarmar as minas que eu mesmo semeei em meu caminho.
Mas agora, sei onde elas estão.