domingo, 3 de julho de 2011

OS SETE PECADOS CAPITAIS: 2 A AVAREZA.


Definitivamente não cometo esse pecado. Aliás, creio que a maioria dos portadores de TDAH não possuem essa característica; a avareza, o pão durismo. Eu, estou muito mais para pródigo do que para avaro. Uma de nossas características mais marcantes é a inabilidade para lidar com o dinheiro. Eu sempre tive essa como uma das minhas características mais acentuadas. Desde adolescente quando consegui meu primeiro emprego e abri minha primeira conta bancária, luto com os cálculos errôneos e imprecisos de minha mente TDAH. Sempre gostei de guardar as coisas na cabeça, embora minha memória ruim fosse folclórica. O resultado desses cálculos foram centenas de cheque sem fundos, noites de sono sobressaltado, e muita conversa com os gerentes de banco para que não devolvessem meus cheques pois, já, já, eu os cobriria.
Sempre admirei as pessoas que sabem exatamente o quanto possuem de saldo bancário.
Enquanto existem pessoas que tem a exata certeza de que seu saldo é de R$ 532,80, eu acho que tenho algo em torno de seiscentos reais. Claro, sempre esqueço de computar um cheque já emitido o que me proporciona momentos de pura adrenalina. A corrida contra o tempo, a maratona de cobertura dos cheques. Não, maratona não. Uma corrida de velocidade contra um cheque voador.
Não sei se é uma característica apenas minha, ou se faz parte do transtorno, mas sempre vi o avaro, o pão duro com maus olhos; embora muitas vezes admirasse as conquistas materiais que essas pessoas costumam obter. No meu raciocínio, o avaro não aproveita a vida; não viaja, não vai a bons restaurantes, tendo como objetivo principal o acúmulo de bens e dinheiro.Talvez esse seja o prazer do avaro, acumular.
Em minha vida jamais acumulei nada, descarto tudo, muitas vezes o que não deveria.
Quantas e quantas vezes 'aproveitei' a vida com um dinheiro que não tinha, ou que pelo menos não deveria gastar naquele prazer. Ainda hoje faço isso. E isso me tortura. E repito, e me cobro.
Aí entra o suporte do coaching. Precisamos atacar uma característica de cada vez. Já venci algumas das minhas piores falhas, mas outras ainda me incomodam e atrapalham.
A questão do dinheiro ainda é muito séria. Ainda tenho arraigada a noção de que a vida é o prazer imediato, e o dinheiro poupado não dá esse prazer. Preciso elaborar melhor isso. A avareza é um dos pecados capitais, mas o oposto é um pecado com nossa própria vida. Dentro da loja, na minha vida profissional, já me aprimorei muito, tenho vencido algumas tentações que surgem no dia a dia, viemos, eu e a Jaque, trazendo a coisa bem controlada. Esse controle precisa aumentar e atingir todos os campos da minha vida.
Interessante esse TDAH, quando paro para escrever, para pensar, sei a solução de tudo, sei cada passo que tenho de dar para atingir meu objetivo, mas no dia a dia, na hora da prática, não consigo concretizar meu pensamento. Um misto de receio e prazer me fazem transgredir aquilo que racionalmente sei que não devo fazer. Receio de desagradar a alguém (ou a mim mesmo) e o prazer que alimenta o TDAH naquele momento.
Enfrentar o outro, decepcionar a expectativa alheia, proporcionar ao outro um prazer, uma alegria. Esse é um dos ganhos; ainda que o preço a pagar seja a cobrança interna, e a falta do dinheiro para fazer face aos reais compromissos.
Esse é o desafio.
Luciana Fiel, esse é nosso próximo combate. O combate ao falso prazer da prodigalidade. E com o seu apoio, sei que posso vencer mais esse sabotador.
Ao infinito e além!