sexta-feira, 16 de abril de 2021

O QUE SENTE UM TDAH...





Temos em nós todos os sonhos do mundo... Ao mesmo tempo... E isso muitas vezes nos paralisa. 
Mas em nossas bocas boia o amargo sabor do fracasso...
Não o perseguimos, mas não o rejeitamos. Em alguns momentos da vida
ele é quase sedutor, muitas vezes somos atraídos por ele. 
Tem o medo... Ahhh, o medo... O medo de sermos descobertos cedo demais...
Somos fraudes, somos falsários em vias de sermos descobertos...
A esperança... Quando o tempo passa e não descobriram a fraude que somos, brota a esperança de que, dessa vez, conseguiremos manter a fachada. E relaxamos...
Ao relaxarmos a fachada desmorona... E somos descobertos...
O desânimo... As vezes, com ou sem motivo aparente um desânimo acachapante desaba sobre nossas vidas... Os membros pesam, a cabeça fica nublada a visão acinzentada...
Então, subitamente como começou, o desânimo se esvai dando lugar a uma leveza, quase uma alegria...
Uma alegria que pode ser atravessada por uma prostração, uma inércia, uma quase paralisia... Uma prostração capaz de nos manter no sofá por horas, zapeando sem sentido e sem objetivo. Apenas para deixar o tempo passar. E empurramos o tempo, empurramos o
emprego, empurramos a vida. Apenas para não enfrentar aquele problema ou pessoa que será inevitável enfrentar... A ciência médica chama isso de procrastinação, vivenciamos como uma fuga da realidade...
Inferioridade... Nossa fiel companheira. Às vezes traveste-se de medo, noutras vezes explode em crises de raiva. Mas no fundo são manifestações desse sentimento que nos apossa desde
a mais tenra infância calcado nas críticas às contínuas falhas, nos comportamentos hiperativos ou aéreos... Somos inadequados, inferiores, fraudes ambulantes... 
E ainda existem médicos(?) que não acreditam em TDAH, pedagogos(?) que ignoram o TDAH. 
Pais que são enganados por esses falsos profissionais, ou simplesmente preferem ignorar 
que seus filhos, ou filhas, têm um transtorno mental. E deixam que todos esses sentimentos cresçam e se multipliquem ao ponto de quase amputar as chances profissionais e afetivas 
de seus filhos. 
Esse post ficaria muito grande se eu narrasse tudo o que me povoa a mente e a mente de todos os TDAHs. 
A solução?
Conheça-se e conheça o TDAH.
Siga este blog, todas as páginas sérias sobre o assunto, todos os canais sérios do YouTube, Instagram, Facebook... Viva o TDAH, pratique o TDAH, mas não se esconda sob o TDAH. 
Informar-se sobre o TDAH nos deixa mais atentos, mais alertas e portanto, mais aptos a corrigir nossos próprios rumos. Após este virão vários posts sobre cada sentimento separadamente.
Cuide-se. Procure um bom médico. Se possível, pague a consulta, sua vida vai ser mais feliz e produtiva. Vale o investimento. Tome remédio, faça terapia e informe-se. 
Faça até onde for possível lembrando-se  de que você é o principal beneficiário e em consequência todos os que estão à sua volta. 

quarta-feira, 31 de março de 2021

O TDAH E O REVERSO DO HIPERFOCO

Em dezembro de 2018 publiquei um post sobre a beleza de se observar uma TDAH trabalhando hiperfocada. 
Pois bem, a pandemia, a ganância e a obtusidade da elite brasileira usurparam o hiperfoco desta TDAH. Iniciou-se ali um processo que ainda não terminou, mas que desnudou toda a riqueza, complexidade e dificuldade que um portador - neste caso portadora - tem em libertar-se do hiperfoco.
Passada a perplexidade inicial, todos os sentimentos estão exacerbados nesse período de caos em que vivemos, esta portadora deparou-se com situações inusitadas em sua vida: eu sou alguém além daquele hiperfoco? Conseguirei desempenhar outra função em outro ramo de trabalho, em outra empresa, em outra realidade além do meu hiperfoco?
Assaltada pelo sentimento de inferioridade típico do TDAH e com as perspectivas reduzidas pela pandemia, o processo de renascimento parecia mais difícil e doloroso. E foi.
Todas as tentativas iniciais pareciam limitadas por aquela armadura de mais de uma década de hiperfoco. Qualquer dificuldade, qualquer pequeno revés típico dos iniciantes em qualquer área profissional era visto como incapacidade de viver fora daquele ambiente de hiperfoco. O que parece ser um benefício do TDAH se transforma em pesadelo e tortura quando se tem tolhido o direito de a ele se dedicar.
Mas TDAH que é TDAH não se entrega. Chora, sofre, se descabela, mas segue em frente. Muitas vezes parece inerte, mas borbulha freneticamente interiormente. Em meio à pendemia e à quarentena, essa TDAH começou a vislumbrar a verdadeira razão de seu hiperfoco: sua mente, sua inteligência, sua perspicácia, sua sensibilidade. Ainda que de uma maneira aparentemente tímida e titubeante essa portadora experimenta novos caminhos, se abre a novas experiências e todas se mostram frutíferas e bem sucedidas. Claro que os primeiros passos jamais são estrondosos, mas são sólidos e significativos. Descortina-se diante dessa TDAH a infinidade de possibilidades a que sua mente brilhante esta apta a exercer e, ao mesmo tempo, prova a ela que o hiperfoco de que tanto se orgulhava só era possível porque era ela. Centenas de outras pessoas antes e depois passaram pelos mesmos cargos, nenhuma delas com a mesma ascensão meteórica e o mesmo desempenho. Não é o hiperfoco que forma o TDAH, muito pelo contrário, o TDAH por suas características é que se hiperfoca naquilo que particularmente o interessa.
Ao se confrontar com sua capacidade de ser eficiente, eficaz e produtiva em qualquer área, nossa portadora descobriu que é muito maior que seu hiperfoco, pois se este gera produtividade, limita e restringe seu desempenho e suas possibilidades. Agora não, livre das amarras do hiperfoco ela está pronta para alçar voos jamais imaginados pela hiperfocada. Sem o hiperfoco ela está apta a experimentar novas facetas de seu TDAH: a criatividade, a infinita capacidade de se reinventar, de renascer e de reagir.
Os longos anos de hiperfoco toldaram-lhe a visão de um passado profissional rico e diverso e do qual ela mal se lembrava, assim como o futuro que se abre para uma mente brilhante e liberta. 

domingo, 25 de outubro de 2020

O TDAH E A BATALHA MENTAL COM A PREGUIÇA

 



Ouça agora mesmo:

Me esforço muito para manter minhas roupas organizadas no guarda roupas. Me esforço mesmo! Outro dia separei algumas calças mais velhas e as coloquei em baixo das bermudas. São calças que uso pouco, ou quase nada e achei que ficariam bem ali. Ontem resolvi usar uma delas e descobri que está muito apertada. Engordei ultimamente. Usei-a por alguns minutos e voltei pro guarda roupas. Como guardei?Em cima das bermudas. E não vou mentir, percebi na hora que deveria colocar embaixo das bermudas, mas ignorei. Hoje, ao lembrar da batalha do arroz lembrei-me da calça e fui colocá-la em seu devido lugar. Outra vitória!

Muitos podem achar ridículo cantar vitória por duas atitudes tão simples e básicas, mas quando se luta contra a própria mente, qualquer vitória é importante e merece ser comemorada. Mas sabe porque eu consegui vencer a preguiça? Porque estou mais atento ao meu TDAH. Voltei a dar importância a ele e enfrentá-lo. Falo isso há dez anos, desde que comecei a escrever este blog, e no entanto, eu mesmo havia me descuidado do TDAH. Ando tentando me lembrar de cabeça coisas que deveriam estar anotadas e revisadas. TDAH nenhum pode fazer nada sem ser checado e conferido. Trazemos a semente do erro, do esquecimento e da negligência. Não podemos descuidar um único segundo e o TDAH nos atropela e apronta das suas. Estando absolutamente atento ao TDAH evitamos situações vergonhosas e constrangedoras.

A fórmula mais eficaz de evitar, ou reduzir, os danos provocados pelo TDAH é a conscientização e a aceitação de que o transtorno é incurável e perigoso. Basta uma única oportunidade e ele pode destruir nossos relacionamentos, nossos empregos, nossa moral.

Como fazer? Em primeiro lugar, pratique seu TDAH. Jamais se deixe esquecer de que é portador de um transtorno incurável. Como uma oração, introduza no seu dia a dia o hábito de ler uma página sobre o assunto, assistir a um vídeo, ou conversar com alguém que conheça o TDAH. Isso mantém viva na sua memória a existência e a malignidade do transtorno. A partir daí, torne um hábito confrontar suas atitudes com os sintomas do TDAH. Por exemplo: se no trabalho você precisa entregar algo a seu chefe ou colega, por mais simples que seja, pense antes: vou revisar o que escrevi pois se tiver alguma falha evito novas críticas e ironias a meu respeito. É uma defesa. Uma auto defesa. Claro que sei que nesse momento você está pensando: esse cara acha que é fácil fazer isso... Pode ter certeza, eu sei que não é fácil. Adotei isso há cerca de dez anos e vinha funcionando super bem. Tão bem que me senti livre da necessidade de me manter alerta e tenho cometido um monte de erros. Se eu consegui, você consegue. Pouca gente nesse mundo é tão desatenta como eu. Você não tem nada a perder. Experimente! Tente!

Imagine o seguinte cenário: Você entra numa discussão com seu marido/mulher; ela(e) diz algo mais forte. Se eu nos conheço um turbilhão de agressões chegam à ponta da língua. Numa fração de segundos sua mente conecta fatos presentes com outros antigos, aparentemente desconexos. Mas sua mente brilhante foi capaz de, naquele instante de raiva, encontrar uma conexão entre esses fatos tão distantes. Agora é a hora de despejar todo o seu dicionário de ofensas e agressões. Que em dez minutos você se arrependerá de ter dito... Nessa hora você vai dizer para si mesmo: TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE. Mas não vale pensar na sigla, tem que pensar no nome completo. Nisso, uns cinco segundos se passaram. Miraculosamente o ódio diminuiu. Você vai se lembrar desse post ou de outras histórias de portadores, ou mesmo suas, em que foi preciso implorar por desculpas para não destruir o relacionamento. Isso, claro, em flashes de frações de segundos. Mais cinco segundos se passaram nesses flashes. A temperatura da fúria diminuiu mais um pouco. Se possível, vá beber água, vá ao banheiro. Mas sempre lembrando do seu TDAH. Pense: esse sou eu ou é o TDAH agindo em meu lugar? Se o acesso de fúria lhe parecer, ou lhe recordar, um momento de impulsividade já vivido, engula a raiva. Cale-se! Calar-se é melhor do que pedir desculpas depois e ter de ouvir um monte de coisas desagradáveis sobre você, mas que são verdadeiras e incontestáveis.

Não será fácil! Mas já não é fácil. Tente! Vale à pena! Você não vai vencer todas, não vai se controlar em todas as vezes, mas nas vezes em que conseguir sentirá um prazer incomensurável; um prazer inenarrável. Tente, é possível. E viável! 

segunda-feira, 28 de setembro de 2020

UM TDAH DE VOLTA À RITALINA




Quando se soma a insatisfação com a desatenção o resultado é nitroglicerina pura. 
Imagine a seguinte situação: Você, TDAH, chega no trabalho em determinado dia e se lembra de um comunicado que enviou por e-mail dias antes e um dos destinatários teve o e-mail devolvido por erro de endereço. Feliz com essa lembrança espontânea você começa a prospectar o endereço de e-mail correto. Até que decide contatar um cliente que lhe informa o número de whatsapp da pessoa. Você salva o número em seus contatos e clica em conversar. O aplicativo de contatos te joga para o whatsapp e você fica perplexo ao descobrir que já havia uma conversa sua com aquele contato. Estupefato, relê aquela troca de mensagens ocorrida dez dias antes em que, você não apenas enviou o tal comunicado à pessoa como corrigiu o endereço de e-mail e acertou o cadastro no sistema da empresa. A primeira reação é de incredulidade; não é possível que eu fiz isso. Mesmo diante da troca de mensagens você não se recorda. A segunda reação é vergonha. Vergonha de que alguém possa ter percebido e vergonha de si próprio, tal a magnitude do erro. Depois vem a revolta, a raiva de si mesmo, do transtorno, de si mesmo, da desatenção, de si mesmo, de si mesmo... Quando me lembro desse episódio a imagem do whatsapp volta nítida em minha mente. O sentimento de incredulidade. Aquele episódio desapareceu da minha cabeça como se jamais houvesse existido.  
Um misto de irritação, frustração, vergonha, cansaço, desânimo, vontade de sumir... 
Quem não é TDAH pode pensar: mas isso tudo por causa de um erro sem consequências. Que bom que já havia resolvido a questão antes...
Não é o tamanho do erro que incomoda; é sua infindável repetição. Quantos esquecimentos na mesma semana... No mês não dá pra contar...
Naquele dia cheguei em casa disposto a procurar um médico, um bom médico e retomar a Ritalina abandonada há muito tempo. Mais de um ano. Depois, mais calmo, concluí que, pela enésima vez, me auto sabotei ao abandonar o tratamento medicamentoso. E reconheci tardiamente todo o percurso que nós, TDAHs, repetimos à exaustão:
A primeira 'constatação' é a de que o remédio não funciona mais. Depois, a dificuldade de conseguir receita; o remédio é até muito barato, mas pagar uma consulta por mês pesa muito. Mais um passo é dado ao começar a economizar no consumo da Ritalina; em lugar de dois comprimidos por dia, concentrei-me em apenas um, na parte da tarde quando sou menos produtivo. Logo passei para dia sim, dia não, e parei...
Com tantos anos de estrada, escrevendo e vivenciando o TDAH, como pude cair nessa?
Simples, o TDAH é incurável e está dentro de nossas mentes. Ele é um componente indissociável de nossa vida e, confesso, é cansativo viver o tempo todo em estado de alerta. Em alguns momentos optamos conscientemente por deixar o TDAH agir. E esse conscientemente, já não sei se foi por nosso próprio livre arbítrio, ou se já era a influência nefasta do TDAH. Creio que foi no excelente livro do Dr. Barkley Russel sobre TDAH em adultos (que a Amazon espertamente está anunciando num blog de TDAH), que ele afirma textualmente que o portador de TDAH tem seu livre arbítrio prejudicado. Nem todas as nossas escolhas são nossas realmente, grande parte delas, ou a sua totalidade, são feitas sob a influência do TDAH.
Sinto-me hoje como Sísifo, a personagem do mito grego, que como punição aos seus erros era obrigado a rolar uma enorme pedra de mármore montanha acima e ao se aproximar do cume, via a pedra rolar montanha abaixo até seu ponto inicial. E Sísifo era obrigado a empurrá-la montanha acima diariamente. Sinto-me no ponto de partida novamente.
A grande vantagem que tenho sobre Sísifo é ter TDAH. Sim, ao esquecer-me da maioria das minhas experiências passadas, apago a maior parte do sofrimento que foi empurrar a pedra morro acima, e volto a empurrá-la alegremente na certeza de que atingirei o cume da montanha com facilidade.
A mesma falta de memória que nos prejudica e envergonha, nos dá o antídoto à depressão e ao desespero do eterno recomeço. Ciclicamente, como fênix, renascemos das cinzas, reerguemo-nos do mais profundo e escuro abismo e atingimos  o brilho do sol, onde passamos a acariciar com estranheza e curiosidade o enorme número de cicatrizes que trazemos na alma. Sim, somos incapazes de aprender com nossos próprios erros, e muito menos aprendemos com os erros alheios. Simplesmente esquecemos aquilo que vivenciamos, e voltamos a cometer os mesmos erros.
Se a mão que afaga é a mesma que apedreja, a mão que apedreja é a mesma que afaga.
Aqui vou eu; ao infinito e além!


domingo, 13 de setembro de 2020

O TDAH E O MEDO DO FRACASSO


 Está tudo certo, é o mesmo trabalho que é feito há dois anos e o chefe faz uma pergunta corriqueira sobre o trabalho: os lançamentos estão em dia ? Ou : Você encaminhou aquele e-mail ?

Nesse instante bate uma dúvida... Os batimentos aceleram, as borboletas se agitam no estômago e vem a resposta : Sim. Mas um sim sem convicção. Um sim que traz em seu bojo o medo de haver erros, um medo de faltar lançamentos, de o tal e-mail ter tido uma resposta que não foi percebida...

E assim , segue a vida.

Uma vida povoada de dúvidas ,de incertezas, de desconfiança em relação a nós mesmos .

Fiz mesmo?

E o pior, o contrário também é possível. Há muito tempo não retruco mais quando me dizem que fiz ou disse determinada coisa que não me lembro. Centenas de vezes eu  briguei e discuti alegando que estavam colocando palavras na minha boca, que eu jamais disse  aquilo. E havia dito. Ou feito. Depois que me descobri TDAH parei de discutir sobre isso. Claro que a princípio eu nego, mas se a pessoa começa a dar detalhes da conversa eu logo desisto.

Todos esses episódios povoam nosso dia a dia, nos transformando em pessoas inseguras, aprofundando ainda mais nosso sentimento de inferioridade.

Já disse isso num post antigo, no momento em que ergui as portas de aço da minha primeira loja de tintas eu pensei: quanto tempo isso vai durar? Foi algo tão negativamente forte que eu jamais me esqueci.

Eu sabia que iria fracassar. 

Imagine conviver com esse tipo de sentimento. E isso não é um sentimento ocasional, faz parte da nossa personalidade, faz parte do nosso acervo de cicatrizes. Desde a infância ouvimos críticas por não completarmos o que começamos, ou os elogios vêm acompanhados de um 'mas... ' Ele é um bom aluno, mas não para quieto. Ele é um garoto esforçado, mas não para de falar um segundo. Ele é bom aluno, mas os cadernos dele são muito bagunçados.

Assim vai se construindo a personalidade do TDAH. As conquistas sempre virão acompanhadas de um 'mas...'

Temos sim medo do fracasso. Muitas vezes superamos o temor e conseguimos vencer os desafios. Mas nosso maior sucesso é a sobrevivência. E até a isso devemos ao TDAH. A infinita capacidade de renascer vem de uma certa falta de noção da realidade. Temos quedas épicas, repletas de testemunhas, mas seguimos adiante aparentemente incólumes. E na maioria das vezes, saímos incólumes mesmo. E não é por mérito ou falta de caráter ou de sensibilidade, mas por um apagamento das sensações experimentadas por aquele revés. O mesmo apagamento responsável pela repetição dos erros anteriores. Como se não aprendêssemos com os erros. E não aprendemos mesmo. Exatamente porque o erro não nos marcou  ou marcou momentaneamente. Ao nos defrontarmos com uma situação semelhante àquela já vivenciada, não a reconhecemos e agimos exatamente igual agimos anteriormente. E somos punidos por algo que sequer lembramos, ou não temos consciência de haver errado. 

Muitos a esta altura dirão: mas então é melhor identificar-se portador de TDAH desde o princípio. AO que responderei com uma pergunta: Que princípio? Identifique-se TDAH numa entrevista de emprego e fatalmente será descartado. Objetivamente falando, ninguém vai contratar uma pessoa com dificuldade de manter a atenção, o foco, desorganizada, sujeita a ataques de fúria, impulsiva... Li recentemente que empresas do mercado financeiro estão procurando autistas para trabalharem com os complexos cálculos que a função exige; o autista é hiperfocado, tem uma memória absurda e, em grande parte, não é muito sociável, o que durante o expediente é ponto positivo. Então, se declarar TDAH é fora de questão.

O Dr Russel Barkley afirma que o mais eficaz é adaptar o ambiente de trabalho/estudo em que o TDAH exerce sua função. Sem se declarar TDAH, é importante que criemos rotinas e processos que devemos seguir rigidamente para evitar erros. Planilhas, post-it, agenda física ou de celular, todas são ferramentas importantes e úteis para diminuir o estresse de responder ao chefe as coisas mais banais e corriqueiras.

Mas para eliminar o medo do fracasso é preciso muita terapia, muito tratamento e muita mudança de vida. Para nós adultos é ainda mais complexo, ao longo da vida criamos instintivamente estratégias de sobrevivência que, na verdade, perpetuam os erros ou os agrava. mas que são extremamente difíceis de se livrar. Algo como pisar torto para evitar uma dor crônica na parte interna do pé, por exemplo. Ao longo dos anos você pode criar um desvio da coluna ou do quadril com piores consequências do que a dor que tentou evitar. 

Claro que não é impossível, mas também não é fácil. Exige muita disciplina, atenção, auto conhecimento e conhecimento da doença. Características que não nos são muito presentes, mas que nossa infinita capacidade de renascimento acaba por nos propiciar aprender e adquirir.


sábado, 5 de setembro de 2020

TDAH: SONHO e REALIDADE






Ganhar na mega sena.
Ser sorteado no bingo.
Encontrar um velho conhecido na rua procurando alguém exatamente com o seu perfil para contratar para um excelente emprego.
O acidente que o deixa quase à morte e leva as pessoas da família a o valorizarem e reconhecerem os próprios julgamentos a seu respeito.
O amor imortal que não se cansa, não se desgasta, não fenece.
O reconhecimento, ainda que tardio, da Academia Brasileira de Letras.
Um olheiro anônimo de uma grande gravadora que descobre seu desconhecido talento musical.
Ou simplesmente um fato que, inesperadamente, resolva os maiores problemas que enfrenta.
Não! Isso é fruto da inadaptação do TDAH ao mundo atual. Ou ao mundo de sempre. Se o sonho existe, é para ser sonhado. Todos sonhamos. Uns o sufocam em prol da realidade. Outros o alimentam e se descolam da realidade. O TDAH não o controla. Uma torrente de pensamentos assola nossa mente. Sonho e realidade se alternam e se misturam. Se sobrepõem e se substituem. Se completam e se destroem. No mesmo segundo, no mesmo assunto, no mesmo fato, nossa mente é capaz de forjar teorias concretas e factíveis que serão imediatamente sobrepostas por um desejo irracional de que a situação seja resolvida num passe de mágica.
Na era da informação e da racionalidade, o TDAH poderia ser representado por aquele que ainda acredita que dar três pulinhos e pedir a São Longuinho ajuda a encontrar um objeto perdido. No nosso caso que tudo perdemos, de três em três pulinhos acabaríamos dando a volta ao mundo ao fim de uma semana...
E quando a realidade começa a ser muito dura, damos asas a essa imaginação. Deixamo-la dominar nosso dia a dia. Basta que saiamos do foco, que nossa cabeça se descole da utilidade e um pensamento irreal toma seu lugar. Quantos de nós já perdeu o ponto de descer do ônibus... Quantas vezes chegamos dirigindo a um destino sem nos recordarmos do caminho percorrido... Quantas discussões poderiam ter sido evitadas se ouvíssemos o que diziam em lugar de estar viajando em outra estratosfera...
Antes que chovam as críticas, muitas pessoas passam por situações parecidas e não são TDAHs. A diferença é que no TDAH isso é rotineiro, é constante, se repete inúmeras vezes. TDAH é incontrolável! TDAH é inconsciente! TDAH é prejudicial! Isso diferencia o TDAH dos 'trouxas', como se dizia no Harry Potter.
Lembro-me, no começo do tratamento, de chegar ao fim do dia tendo resolvido e lembrado de várias coisas de pensar exatamente assim: Então é assim que as pessoas que se lembram agem... Era para mim uma novidade. E ainda é surpreendente.
TDAH não é sonhador por escolha. Sonha acordado porque tem imensa dificuldade de agir sob as pressões cotidianas; porque teme não saber resolver o que se apresenta; porque sonhar é um alento; porque é portador de TDAH.
E então, casa-se com um (uma) racionalista empedernido. Ahhhh, que maravilha de vida! Um cônjuge que tudo resolve, tudo soluciona, é tudo - e sempre - praticidade. E os choques começam; porque começam em qualquer relacionamento. E o jeito sonhador, romântico, aéreo, engraçado, dos tempos de namor, começam a irritar na vida prática. O esquecimento folclórico de antes vira proposital.
_ E essa mania insuportável que você tem de acreditar em histórias da carochinha já me encheram o saco!
Novas promessas e tentativas de ancoragem na realidade; remédios, terapias; tentativas... Ou então novos relacionamentos, novos sonhos, novas tentativas de viver no mundo da lua, a dois. As intermináveis tentativas...
A vida pede concretude, e pune os sonhadores.
Por isso rechaço quem afirma que a criatividade ou essa capacidade de sonhar do TDAH é benéfica. Não é, na medida em que esses atributos não são domáveis e não são concretizados. Nada mais são do que uma infindável cachoeira de imagens que se sucedem sem controle e sem fim.
E muitas vezes, essa tal cachoeira nos afoga...