quarta-feira, 9 de abril de 2014

TDAH: PORQUE EU SOU ASSIM?







Esse post inspirou-se num comentário feito na página TDAH: VIDA ADULTA, no Facebook. Nela a pessoa comenta mais ou menos o seguinte: hoje eu não fiz absolutamente nada. Nem a Ritalina foi capaz de me fazer mover um milímetro. Me sinto frustrada. Porque eu sou assim?
Assim como?
Assim: preciso de gastar o dobro da energia, dos 'trouxas', pra completar tarefas simples.
Assim: gasto um tempo enorme desenrolando situações de vida em que me meti por negligência, desleixo, procrastinação ou desatenção.
Assim: surpreender-me ao cair num abismo que era precedido por inúmeros avisos, placas e sinais; mas que ainda assim caminhei a passos firmes em sua direção. E caí.
Assim: jamais conseguir se equilibrar financeiramente. Aparentemente sem nenhuma razão lógica; mesmo levando uma vida de monge trapista, meu dinheiro nunca dá.
Assim: irritar-me, quase diariamente, por ter esquecido coisas corriqueiras, e pior, coisas que se espera que eu faça de forma rápida e fácil.
Assim: acordar animadão, almoçar acabrunhado, jantar alegre e dormir irritado.
Assim: perder o foco ao menor ruído, assustar-me com barulhos que a ninguém mais afeta, desconcentrar-me com um simples farfalhar de folhas em uma árvore próxima.
Assim: querer desistir de tudo ao menor problema. Desmotivar-me sem motivo e encontrar forças nos piores momentos para levantar-me.
Assim: encarar um trabalho que fiz ontem, com um olhar absolutamente incrédulo; como se jamais tivesse feito aquilo na vida.
Assim: falar o que não deveria, a quem não merecia, na hora mais imprópria possível.. E arrepender-me ad eternum.
Assim: comportar-me de forma exemplar durante um longo período, e destruir tudo de repente, por um motivo fútil. Ou sem nenhum motivo. E arrepender-me ad eternum.
Assim: lutar ferozmente contra uma eterna insatisfação interior, que me move sempre rumo ao novo, ao desconhecido, ao abismo.
Assim: lutar ferozmente contra uma mente que tenta, a todo momento, escapar da realidade e viajar por Nárnia ou pela Terra Média, ou Hogwarts, ou simplesmente boiar no éter...
Porque eu sou assim?
Por que tenho uma deficiência na captação dos neurotransmissores. Só por isso.
Luto diariamente contra isso, na maioria das vezes ganho; mas dias surgem em que não consigo lutar contra a inércia ou a desmotivação. Nesses dias eu me perdoo. Faço o que posso contra o TDAH; me medico, me policio, me motivo, mas tem dias que nada disso funciona.
Respiro fundo, e continuo a caminhar. Amanhã será um novo dia, um novo humor, um novo Alexandre, um novo TDAH. Amanhã eu decido o que farei desse novo dia. O de hoje, o TDAH levou.

65 comentários:

  1. Caro Alexandre, como é bom ler este blog...

    Suas palavras calam fundo na minha (nossa) alma. Queria até fazer um comentário para agregar algo, mas me parece impossível, pois ele está perfeito.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Walter! Bom 'conhecê-lo', fiquei feliz! Muito obrigado por sua enorme e imprescindível participação no blog. Seus comentários e intervenções são fundamentais para manter o interesse pela página. Ando meio afastado ( e nem sei dizer pq) mas estou me esforçando pra voltar.
      Abração agradecido, Alexandre

      Excluir
  2. Walter, não sei se já lhe perguntei isso, mas...

    como é o seu trabalho amigo?

    Porra, perdi meu celular, pqp, tá dificil...

    ResponderExcluir
  3. Trabalho??? quis dizer TRATAMENTO.

    Vai vendo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Danilo,

      Ontem eu te respondi, mas apertei algo errado e perdi tudo. Ô raiva!

      Agora, tomara que acerte.

      MEU TRATAMETO CONSISTE EM:

      1o) TRATAMENTO DA DOENÇA – METILFENIDATO - : Para tratar o TDHA, e depois de muitas experiências e variações, no princípio perigosamente sem assistência médica, mas hoje sempre em conjunto com a minha neurologista, eu tomo o CONCERTA de 36mg logo ao acordar, por volta de 6:00 da manhã.

      A ideia é que, por ser uma medicação de longa duração, ela me levasse até, pelo menos, 20:00hs.

      Mas não é isto que acontece comigo, pois o efeito somente chega até por volta das 18:00. Invariavelmente eu tenho reuniões ou trabalhos que me forçam a trabalhar até 22:00hs, aí então eu tomo a RITALINA de 10mg por volta das 18:00hs, como complemento, o que me leva até 22:00 ou 23:00hs.

      Ocorre também que, durante o dia, tem dias que a desatenção está tão grande que eu tomo a RITALINA de 10mg também como reforço, ela cumpre o papel dela de me dar um upgrade de quatro horas.

      Eu me utilizo destes reforços com a RITALINA na média de um a dois dias por semana.

      EFEITO COLATERAL: No início tive uma forte perda de apetite, mas, muito infelizmente, isto diminuiu sensivelmente, e, dos meus dez quilos que cheguei a perder, já recuperei 12.

      Outro efeito colateral foi psicológico. A minha hiperatividade cessou no começo adolescência, e, daí por diante, fiquei letárgico. Com o metilfenidato eu passei a falar e a externar os meus pensamentos, críticas, opiniões, insatisfações, enfim, tudo que ficava “entalado”. A primeira pessoa que chiou, claro, foi minha esposa, sempre muito mal acostumada ao “siiiiiiiiiimmmmmmm bemmmmmmmmm”, tanto que, quando cheguei ao CONCERTA de 54mg ela não aguentou e mandou eu baixar a dose. O CONCERTA não foi forte o suficiente, e disse “siiiiiiiimmmm bemmmmmmm”, e passei para a dosagem atual.

      2O) TRATAMENTO DO MENTE: Infelizmente, o metilfenidato não resolve tudo, bem sabemos, então para conseguir viver minimamente bem com a doença eu tentei a psicologia. É muito bom o tratamento psicológico, desde que o psicólogo tenha experiência com o TDAH, mas, no meu caso, não dei certo.

      Não deu certo porque, assim como o Alexandre, me descobri TDAH já (bem) adulto, burro veio mesmo. Não dá mais tempo tratar psicologicamente os traumas e comorbidades gestados, paridos e amamentados pelo TDAH. O custo de R$ 200,00 a R$ 250,00 a hora, pelo menos duas horas por semana e impagável para mim.

      Alexandre, e outros, falam que o que ajuda nesta parte é o “coach”. Já tenho até um nome de uma “coach” que atende pelo Skype, mas estou embromando em ligar. (Grande novidade, TDAH!)

      Assim, para a mente, eu uso o tratamento deste blog, que me dá forças para fazer o autoconhecimento, o desabafo, a interação com vocês, meus iguais.

      CONCLUSÃO: Não chamo o Alexandre de gênio das palavras à toa, o que eu poderia dizer melhor do que ele disse aí em cima:

      “Faço o que posso contra o TDAH; me medico, me policio, me motivo, mas tem dias que nada disso funciona.

      Respiro fundo, e continuo a caminhar.

      Amanhã será um novo dia, um novo humor, um novo Alexandre, um novo TDAH.

      Amanhã eu decido o que farei desse novo dia.

      O de hoje, o TDAH levou.”

      Excluir
  4. Estou em uma fase que todos os dias estão assim, as vezes ate tento, mais parece que mundo conspira para que nada de certo, ai eu volto para meu isolamento, deixando o mundo e o tempo passar para quando tentar novamente esteja muito mais atolado na lama da minha negligencia... SOCORROOOOOOO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei exatamente o que vc sente, amigo. Estou nesse lamaçal em relação a quase tudo na minha vida.
      Força, irmão, continuaremos lutando juntos.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  5. Assim... bem assim mesmo!!!
    Um dos melhores textos teus... (em minha humilde opinião).
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dos melhores textos, num dos piores momentos. Irônico, né amiga.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  6. Boa tarde amigo querido! Concordo com a Ana Beatriz: melhor texto seu... Parece me descrever por dentro... Um abração...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aninha, obrigado amiga...
      Somos nós, né amiga. Essa repetição, essa replicação, é que faz com que o TDAH seja uma doença, e não frescura de meia duzia de pessoas.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  7. É como cantava o Dorival Caymmi: "Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim..."
    Há 21 anos tento não "ser assim", agir "assim", pensar "assim", mas não tem jeito, pois como já dizia a "Mafalda": "Justo a mim coube ser eu", ou melhor, "Justo a mim coube o TDAH". Como queiram entender....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente, anônimo, já desisti de me fazer essa pergunta. Aliás, saber ou não saber, não alivia ou agrava a doença. Então vamos lutando sem saber por que fomos 'premiados' pela vida com o TDAH.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  8. Me identifiquei com a grande maioria dos itens, principalmente em cair - várias vezes - em abismos cheios de placas, alertas em luz neon, pessoas avisando, falando, berrando no caminho. Parece teimosia, arrogância...mas é desatenção total. Caio uma vez, e caio de novo, de novo e de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E de novo, e de novo, e de novo...
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  9. Brincadeira hein Alexandre ?

    Esta frase foi um tapa na minha cara kkkkkkkkkkkkkkkk

    " gasto um tempo enorme desenrolando situações de vida em que me meti por negligência, desleixo, procrastinação ou desatenção".

    Vivo enrolada, porque sempre deixo algo pendente, sempre algo pela metade, sempre vou adiando, mas o problema fica lá me martirizando, não esqueço dele por um minuto.

    Eu queria tanto ser diferente !

    Ana Lucia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, Ana Lúcia, eu também.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  10. Rafael P. escreve:
    Querido amigo de Jornada Alexandre!
    Fiquei sem ar neste texto. Li em um só gole.
    Você deve ser mesmo sobrinho neto do compositor Schubert. Seu texto parece uma sinfonia. Intuitivamente a gente sabe que a música é ótima, mesmo não entendendo nada nem de música erudita nem de alemão. No seu texto a mesma coisa. A gente é TDAH e a explicação já não interessa mais. Nos reconhecemos e pronto. Assumir que tem é parte do tratamento. Depois é remédio, para quem precisar TCC e Coach para manter os ganhos obtidos nos anteriores.
    Saudade de passar por aqui!
    Um grande abraço! Rafael P.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande amigo, Rafael!
      Muito obrigado, é puro coração, é pura alma, por isso nos reconhecemos uns aos outros.
      Obrigado
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  11. Alexandre, não sei se você entende inglês ou mais alguém aqui entende e vai conseguir entender, mas o mais importante é dar mais atenção ao que as crianças neste vídeo estão falando:

    http://www.youtube.com/watch?v=Rcy2jF1EXjk

    Elas estão dizendo que depois de 3 meses de meditação transcedental elas agora conseguem focar em uma coisa só, prestar atenção no professor e "stuff like that", coisas do tipo.

    Sério, deem mais atenção a isso e procurem material sobre meditação, principalmente sobre TDA-H. Não procurem a cura definitiva, apenas melhoras, você não sabe se vai dar certo ou se não vai, mas também não pode deixar de experimentar, um pouco que seja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo, uma das coisas que jamais completei foi um dos 2357 cursos de inglês que iniciei na vida.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  12. Perfeito. Esse texto sou eu literalemnte (eu e todos nós tdah-dianos). Como é difícil dribla esse transtorno... podiam tanto ter descoberto a cura para ele. Quero está vivo quando descobrirem para sentir-se por completo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, Léo. Espero que não demore demais, ou não terei forças para desfrutar.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  13. Oi, pessoal
    Desde criança , perco demais minhas coisas, e vejo que muitos aqui passam por isso também.
    Outro problema que tenho, queria saber se alguém também têm, é de encontrar coisas. Toda vez que preciso encontrar algo, eu rodo, rodo e não acho de jeito nenhum, mesmo que esteja na minha frente. Preciso pegar uma caneta, ando a casa inteira várias vezes e não acho nada. Quando outra pessoa vai procurar, acha em um segundo. Sou igual criança preguiçosa que "procura as coisas de olho fechado". O que eu procuro tá sempre na minha frente, e as vezes, tá na minha mão e não acho. Faço isso a vida inteira. Isso acontece com vocês também?
    Fe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto você procura fica pensando em mil coisas. Qualquer pessoa quando está absorta não presta atenção devida ao que está a frente. Quando balançamos a mão em sua frente ela pode ou não voltar á realidade, ao Agora. Seu problema é uma cabeça cheia de pensamentos. Volte ao agora, Futuro não existe, é só uma imaginação sua do porvir mas no apresente. Mesma coisa com o passado. É só uma imaginação sua no PRESENTE!

      Excluir
    2. Prenda-se ao PRESENTE, ao AGORA! Questione-se se o que você está pensando é realmente útil. Se for, Ok, se não, procure parar de pensar no que está pensando. Lembrando que a fonte dos pensamentos está na intenção. E o TDA-H tende a querer perfeição, o que é desejável, mas nem sempre cumprível.

      Excluir
    3. NÃO SE EXIJA TANTO! Ou, exija-se sim, mas compreenda que se você realmente tem capacidade para fazer o que quer, leva tempo e mil cabeçadas, e isso é normal. As coisas não acontecem na rapidez da nossa mente, a qual é deveras rápida, mas sim, no tempo da realidade, uma coisa atrás da outra, e são muitas, mas muitas micro coisas fazendo fila, são muitos pequenos passos até o que você almeja.

      Excluir
    4. O blog deve comportar diferente ideias, opiniões, blá, blá, blá.

      Mas, como não sou dono do blog, me sinto forçado a dizer que, saiu de cena um maluco dos vídeos do youtube, e entrou um chatonildo da meditação.

      Se é que não é a mesma pessoa, pois a insistência na mesma tecla é irritante.

      Ô cara chato ...

      Excluir
    5. Leia o livro O Poder do Agora, de Eckhart Tolle.
      Esqueça o PASSADO, esqueça o FUTURO! não totalmente, claro, mas o que importa mesmo é o AGORA, o PRESENTE!

      Excluir
    6. Caro Anônimo que não é e não tem sequer ideia do que é ser TDAH e fica dando palpite sobre o assunto:

      O tal Eckhart Tolle enriqueceu fazendo palestras e escrevendo livros (chegou a vender 10.000.000 só de um livro) com frases assim (tiradas do livro que vc recomendou):

      "A palavra iluminação transmite a idéia de uma conquista sobre-humana – e isso agrada ao ego –, mas é simplesmente o estado natural de sentir-se em unidade com o Ser. É um estado de conexão com algo imensurável e indestrutível. Pode parecer um paradoxo, mas esse "algo" é essencialmente você e, ao mesmo tempo, é muito maior do que você. A iluminação consiste em encontrar a verdadeira natureza por trás do nome e da forma. A incapacidade de sentir essa conexão dá origem a uma ilusão de separação, tanto de você mesmo quanto do mundo ao redor. Quando você se percebe, consciente ou inconscientemente, como um fragmento isolado, o medo e os conflitos internos e externos tomam conta da sua vida."

      Ele é o Paulo Coelho alemão. Um monte de palavras juntas e sem qualquer sentido, ou que têm um monte de sentido para qualquer coisa.

      Ler um livro, inteirinho, deste "non sense"? Tô fora, só quando sair a cura do TDAH.

      Recomendar a portadores de TDAH que se tratam com isto? repito: você não sabe, nem de longe, o que é ser TDAH. Você só quer vender a sua filosofia/religião/seita, sei lá o que é isto.

      Se te faz bem, do fundo do meu coração eu fico feliz por você. Mas deixa a gente no nosso canto, pois já temos tantas coisas na cabeça, tantas dúvidas, que você mais atrapalha que ajuda.

      Falo por mim, mas falo.

      OBS: Não fique ressentido comigo, pois, segundo seu guru, "qualquer coisa da qual nos ressentimos no outro e à qual reagimos com intensidade também existe em nós."

      Abraços a todos, inclusive para você também.

      Excluir
    7. Walter, a intenção do livro é que importa aqui. Ele realmente fala de um monte de coisas relativas a budismo ou sei lá mais o quê. O importante da mensagem não são essas coisas, mas o AGORA! Nós, TDA-Hs (eu sei o que é isso) temos uma enorme dificuldade de nos prendermos ao agora conscientemente, mesmo que nós estejamos nele o tempo todo, pois ficamos com nossa mente imaginando um monte de coisas inúteis por prazer, medo ou até necessidade, mas não sabemos lidar com isso, pois mesmo tomando atitudes corretas, elas não vão para frente. Esqueça essas partes esquisitas do livro. Foque no Agora e procure as estratégias para limpar a cabeça e conseguir focar no agora cada vez mais, lembrando que não é nada fácil, que demora, mas não é impossível, e qualquer um é capaz, exceto em casos realmente graves, mas não imagino que isso seja motivo para desistir.

      Excluir
    8. Não fico ressentido, de forma alguma, mesmo que tivesse me xingado do que fosse. O livro não é nonsense, esse cara não foi à Oprah durante uns 3 meses seguidos à toa. A mensagem dele é muito útil, mas claro, não é só ler o livro, tem que buscar ir limpando a mente. Ele mesmo disse que se tocou da importãncia do agora um belo dia em que ele estava tão cheio de coisa na cabeça que a mente dele fundiu e ele parou de pensar por alguns instantes e ouviu os pássaros, etc. É bem bucólico e tal, mas não julguem isso como besteira, a prática de limpar a mente é milenar e não é a toa.

      Excluir
    9. A Igreja Católica e seus santos também vivem vasculhando a própria mente á procura de peados e de auto-conhecimento. Os 7 pecados capitais não surgiram à toa. Depois de vários séculos, aos poucos, eles foram identificando os erros comuns do ser humano, até que descobriram os grandes pecados capitais, que têm esse nome não por estarem relacionados ao dinheiro, mas por serem os pecados CABEÇA (do latim Caput, do artigo da lei tal, etc., sabe?), dos quais surgem todos os outros. E dentre eles há a Acídia, no Brasil conhecido mais como preguiça, não sei bem porquê, mas a acídia é uma doença complexa que faz com que a pessoa fique irriquieta, querendo levantar toda hora e, também, ao mesmo tempo que ela se sente tomada por um imenso ativismo, ela também tem horas que fica para baixo, deprimida com a vida. Procure mais sobre a Acídia.

      Excluir
    10. Anônimo, confesso que estou confuso quanto às suas intenções, se são sinceras ou não.

      Se forem, eu lhe devo desculpas pelo tom com o qual escrevo para você. Se não, estou fazendo papel de inocente ou, como dizem aqui na minha terra, de "abeatado".

      Se você realmente quer uma discussão, ou melhor, um debate de ideias de bom nível, e quando falo de bom nível me refiro a um debate que possa ajudar a mim e a meus iguais de TDAH, você poderia começar trocando de "anônimo" para um nome, mesmo que fosse fictício, pois isto demonstra mais comprometimento com as divulgações das suas ideias.

      Aceitando um debate mais sério, eu lhe digo que não descarto a meditação como um aliado no tratamento do TDAH, mas você também tem que aceitar que o TDAH é uma doença, e que ela não pode ser tratada somente em uma frente de batalha.

      Você escreveu no seu primeiro parágrafo: "Esqueça essas partes esquisitas do livro. Foque no Agora e procure as estratégias para limpar a cabeça e conseguir focar no agora cada vez mais, lembrando que não é nada fácil, que demora, mas não é impossível, e qualquer um é capaz, exceto em casos realmente graves, mas não imagino que isso seja motivo para desistir."

      Eu achei esta recomendação muito boa, sinceramente, mas você precisa aceitar que, por ser o TDAH uma doença, esta sua recomendação tem que vir aliada a uma outra, que é a de que o TDAH se trate com a medicação apropriada, pois, um sem o outro, tem pouco efeito prático.

      Na minha experiência de vida, 50 anos, eu até digo que a medicação para o TDAH é o que possibilita a ele adotar outras estratégias, como esta que você está indicando, que, de fato, pode vir a ser um bom aliado.

      Por fim, digo a você que, quando você cita Eckhart Tolle, Oprah, Bíblia, etc., nada disso me diz nada, pois o que é importante para mim é a compreensão da mensagem, não simplesmente a origem, como se origem sacramentasse uma verdade por si só.

      Quando você escreveu com suas palavras, a sua sinceridade foi muito mais eficiente que as suas citações.

      Viu como eu já estou seu amiguinho? já estou até te elogiando.

      Grande abraço, e pense seriamente na responsabilidade deste blog, pois ele é muito importante para nós, TDAHs.

      Excluir
    11. Walter, o que está acontecendo, provavelmente, é só um mal entendido. Não pretendo dizer quem sou, não quero me expor, não tenho nada a esconder, mas também não quero aparecer. Eu só tenho obtido melhoras consistentes e duradouras com essas práticas, levando em considerações algumas verdades, ou talvez o nome mais próximo seja diretrizes.

      Não precisa me elogiar, e pode me xingar também, não ligo (não sou o mesmo que coloca esses vídeos simplistas, ok?). Eu sei sim o que é o TDA-H e acho ele algo horrível, pois nos deixa num mundo paralelo. E é exatamente por estar num mundo paralelo, semi virtual que essas verdades nos acordam e nos põem nela novamente. O livro do Eckhart Tolle fala sobre algo óbvio que não percebemos. Inclusive tem uma frase famosa de algum monge famoso que não sei o nome (não sigo essas coisas a risca, só peguei o que me interessava) que diz que nós tentamos enxergar algo que está no nosso nariz e não conseguimos, algo assim, não me lembro bem.

      Em outras oportunidades eu ressaltei que não se deve descartar os remédios, e que eles ajudam sim. Eu mesmo já tomei alguns e vi que eles ajudam, mas não são duradouros como acordar para a realidade, entendendo-a.

      E entende-la também não ajuda totalmente, você precisa se treinar, aos poucos, a se prender no AGORA, isso é muito importante. E é algo que demora, pois se trata de um vício. Então há que ter paciência e persistência.

      Você forçar em um momento qualquer e por um instante apenas em algo, como a comida, ou o tato da mão ou dos pés sobre uma superfície rugosa não te dá uma sensação de estar com os "pés no chão"? No Agora? Apenas por esse instante? Já tentou isso?

      Excluir
    12. Quando cito Oprah e a Igreja Católica (não a Bíblia, é diferente, ein?) eu estou falando de coisas que por algum motivo são relevantes, mas não necessariamente servem para todo mundo. Pode servir de alguma forma para o TDA-H, mas não se deve prometer cura, apenas melhora.

      Eu uso essas entidades (se é que posso juntar Oprah e I.C. na mesma palavra) apenas para chamar a atenção e para que vocês mesmos procurem algum texto, pois lendo algum artigo sobre essas coisas, talvez isso desperte alguma curiosidade, talvez vocês se identifiquem, e, de alguma forma, isso ajude. É só isso.

      Para mim TDA-H é um mar de pensamentos em que a pessoa está e que ela precisa ir identificando o que são esses pensamentos, seus assuntos, e com o auto conhecimento, ir descobrindo quem ela é e o que ela realmente quer. Perceber os padrões de suas vontades e aprender também que não se resolve as coisas apenas na cabeça de forma rápida. A persistência nas coisas só é possível com suavidade, sabendo o que dá e o que não dá para fazer, mas com consciência.

      Excluir
    13. Anônimo,

      Posto assim seus pensamentos, você tem o meu respeito e a minha admiração.

      Eu estava me rebelando era quanto a forma, um tanto simplista (no meu ver) que você inicialmente expôs a sua tese, repetindo os textos sem qualquer sentido (de novo, ao meu ver), pois parecia o maluco aí de baixo, colocando os mesmos links, de forma reiterada e sem qualquer debate mais sério.

      Enfim, adoro debater ideias, e gostei do nosso pequeno embate.

      Obrigado e desculpe-me pelos meus excessos.

      Grande abraço a você e a todos aqui do blog.

      OBS: Mudado de assunto, vou fazer uma coisa que nós TDAHs odiamos, mas vou fazer só por pirraça:

      "Alô Alexandre, trabalhar véi, que moleza é esta! Tem que dar manutenção ao Blog, bacana. Fica aí largando os posts e some? nada disso. Tem que participar." kkkkkk

      Excluir
    14. Ok, Walter, mas de novo, não me importo se me xingam ou elogiam, eu quero é que saibam que há mais atividades que podem dar retorno do que ficarem apenas tomando ritalina e conversando sobre as mesmas coisas de sempre que um TDA-H tem e ficarem até se confundindo, reclamando num mês que são muito perfeccionistas e num outro mês que não são perfeccionistas. Estudem-se, vocês são sim perfeccionistas, mas vocês têm que saber quando são e por quê são. E têm que saber planejar e entender até onde esses planos perfeitos poderiam dar e porque alguns não dariam, excluindo-se o fator TDA-H, a princípio.

      Excluir
    15. Hummmmmmmm ....... "Estudem-se, vocês são sim perfeccionistas,"? "mas vocês têm que saber..."?

      "Vocês"? "vocês"? ou nós? você tem ou não o diagnóstico de TDAH? sei que você está como anônimo, mas, seja sincero, você é ou não TDAH?

      Excluir
    16. Ahhhh Walter, vc é sensacional! Cutucou o anônimo até ele tomar uma posição.
      Acho que não Walter, creio que ele não é TDAH, ele quer nos convencer da meditação.
      kkkkkk
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    17. hauhuahuahua
      Eu sou sim TDA-H, mas quase já não sou, por isso vivo postando essas coisas. Quando falo vocês, estou me diferenciando sim, mas não tem nada a ver com ser ou não TDA-H, mas pelo fato de vocês reclamarem em um dado momento que são perfeccionistas e em outro que na verdade não são... vocês são diferentes nesse aspecto de mim, pois já sei que eu sou perfeccionista, e não tenho essa dúvida. Em mim isso já está resolvido.

      Se isso ajuda, vejam se na hora em que vocês têm que fazer algo e estão planejando dentro de suas cabeças, se vocês não estão "exagerando" na quantidade de coisas que vocês estão colocando para fazerem, coisas que no fundo vocês sabem que não farão, mas também se vocês retirarem desse planejamento virtual, vocês perdem uma boa parte da empolgação.

      Talvez vocês só não sejam perfeccionistas na hora de fazer coisas cotidianas mesmo, mas elas são necessárias, vocês sabem disso, e também são coisas insossas, ninguém sente grandes prazeres em fazer coisas do dia a dia... não tem porque ser perfeccionista nisso.

      Vocês já descobriram o porque dessas duas postagens tão discrepantes?

      Excluir
    18. Já era Anônimo... a casa caiu.

      A cereja do bolo foi a sua frase: "Eu sou sim TDA-H, mas quase já não sou, por isso vivo postando essas coisas.".

      Ninguém, na face da terra, "quase já não é mais TDAH". Nascemos e morreremos completamente TDAHs.

      Dito isto, não sendo você TDAH, pego que foi nesta inverdade, digo-lhe que retiro os meus "respeito" e a "admiração" que externei lá atrás.

      Já não sou mais seu "amiguinho", e volto a lhe tratar como "O SR. FANÁTICO DA MEDITAÇÃO, QUE NÃO SABE NADA DE TDAH E QUER SE METER AONDE NÃO FOI CHAMADO"

      Mais uma coisa é certa, continuo instigado a escrever os motivos pelos quais entendo que não somos perfeccionistas. Na verdade, aquilo que o próprio Alexandre chama de perfeccionismo, nada mais é do que nosso cérebro dando vez ao nosso pior e principal problema, que a nossa dificuldade executiva.

      Se eu não deixar esta vontade passar, como de costumo, vou escrever mais sobre isto e mandar para todos vocês refletirem e debater o tema (todos os TDAHs, não pra você "O SR. FANÁTICO DA MEDITAÇÃO, QUE NÃO SABE NADA DE TDAH E QUER SE METER AONDE NÃO FOI CHAMADO",

      Abcs a todos, menos para ele (vocês sabem quem).

      Excluir
  14. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cara, agregue algum texto breve explicativo dando alguma opinião sobre os vídeos. Não apenas poste os links, já que você não quer parar de fazer isso, já que é só ctrl C ctrl V, adicione um texto com suas reais intenções.

      Acho válido duvidar, eu mesmo acessei isso tempos atrás e a única coisa que me ajudou foi saber que pode ser que TDA-H seja realmente uma farsa no sentido de algo incurável, mas o problema realmente existe e é muito complexo, e esses vídeos são inócuos com relação a provar algo... você não está ajudando o tanto que deveria/poderia.

      Excluir
    2. Sem falar que irrita muita gente, principalmente o Alexandre, e de forma gratuita...

      Excluir
    3. Irrita tanto que apaguei os links ridículos dele sem nem notar que haviam comentários abaixo.
      De qualquer maneira, obrigado pelo apoio.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  15. Desagradável Anônimo! Está incomodando as pessoas que aqui vêm para buscar algum apoio. Já passou pela sua cabeça que alguma pessoa TDAH que lê um texto seu sem pé e nem cabeça desiste de cara de escrever algo aqui, tirar uma simples dúvida ou apenas elogiar o texto muito bem elaborado e suado do Alexandre. Mais respeito por gentileza! Ademais, vai procurar algo realmente útil pra fazer! O Walter está fazendo uma caridade em ler seu texto por completo.Você não tem o direito de fazer isso com a gente.
    Rafael P. (irritado pá c.....)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rafael, não tenho a intenção de irritar ninguém aqui, nunca foi essa a minha intenção. Estou me retirando, não vou mais postar nada sobre isso, só achei que eu consegui ter algumas boas melhoras com essa prática de ir diminuindo a quantidade de pensamentos dentro da minha cabeça. Não é minha intenção mesmo irritar ninguém, peço desculpas e compreensão. Ainda assim eu creio que vocês devam considerar essas coisas, mas se não querem, eu não posso força-los, por isso a insistência. Meus textos não são sem pé nem cabeça, têm a intenção de fazer uma propaganda para um assunto para que vocês busquem mais informações.

      Desejo sinceramente que vocês obtenham melhoras e que venha então a cura um dia, pois se eu tenho ou tive TDA-H ou algo muito similar, eu sei que isso é muito ruim e frustrante, pois temos muitas ideias na cabeças que a gente não consegue concretizar por n motivos.

      Excluir
  16. Um dia se perde, outro se ganha. O negócio é continuar enfatizando os bons em vez dos dias ruins. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De acordo. Aliás, acho que somos mestres em enfatizar os dias bons.

      Só uma coisa ..., que tal você tirar este "avoada" do seu pseudônimo? somos sim, avoados. É uma característica nossa. Mas isto não pode nos "definir". Baixa a nossa auto estima.

      Bota aí "guerreira", "lutadora", algo pra cima. Já somos bombardeado demais pelos outros, e se bombardeamos a nós mesmo fica mais difícil.

      OBS: Mas se não mudar, fica bonitinho também. O importante é ser feliz.

      Abcs.

      Excluir
  17. Dedos coçando, não aguentei o que li acima.....

    Concordo plenamente com o Walter, no sentido de que uma pessoa é TDAH ou não é. Não existe mais ou menos, pelo menos nunca ouvi nem li isso na literatura, como existem espectos em outros transtornos. E o anônimo, que insiste no assunto meditação e em não se identificar, não nos ajuda em nada. Percebo uma característica de pessoas neurotípicas nele(a) este anônimo, que nunca percebi em TDAHs, que é o fato de querer mudar o outro a força, convencendo de que a técnica dele é melhor e funciona sempre (neste caso a meditação, que sabemos o quanto é difícil e exige de nós a prática, mesmo que esteja induzida pela medicação). Isto não é um blog de filosofia barata de meditação, mas de auto-descoberta e motivação, pelo menos eu vejo assim.

    Outra coisa: Volta Alexandre! Temos saudades de seu estilo de escrita! Que nos faz tão bem!

    Ps: mais um vez em concordância com o Walter e a Menina Avoada, o importante é ser feliz.

    Abraços à todos, evolução sempre
    Patricia

    ResponderExcluir
  18. Seu texto é perfeito e eu ainda passo por mais um problema, o SUS não disponibiliza o receituário amarelo e como não tenho plano de saúde fica mais difícil ainda fazer o tratamento! Às vezes dá vontade de desistir!!

    ResponderExcluir
  19. Eita, ia comentar o post. Me lembro que queria falar um monte de coisas boas, que você é demais, que a gente se entende e tarara Tarata. Aí fui inventar de ler os comentários e esqueci o que queria dizer. kkkkkkkk. Essa parte louca do TDAH até que é divertida. Sempre que dou esses tiutis me lembro da Vera Vergueiro no video tapa na pantera. Graças a Deus não uso maconha ( só me faltava mais essa), mas acho que dou umas viajadas legais. E o que tudo isso que eu escrevi e mais um monte de coisas que eu pensei enquanto escrevia tem a ver com o post? TDAH!!!! Só.

    ResponderExcluir
  20. Perfeito! Estava em busca de algo que me ajudasse a entender melhor o que sinto e suas palavras as descreveram.
    Esse "hoje eu não fiz absolutamente nada" vem me atormentando alguns dias, é claro que não é o dia todo, mas como hoje, particularmente, agora no fim da tarde.
    Sem delongas, já pode imaginar como sou, deixe-me explicar: Tomo ritalina e parece que não está mais funcionando, nos últimos meses estava estudando pra concurso e entrei num ritmo louco de estudos, vivia fazendo planilhas de estudos mais nunca as cumpria, e com uma cobrança enorme de ter que passar, então não conseguia parar de estudar, mas sempre mudando as planilhas de estudo...conclusão sei que estudei, mas a sensação é que não aprendi nada....enfim, como não passei no concurso que queria, estava aqui + uma vez tentando estudar, não sei se estou cansada, mas não consigo estudar e isso me deixa muiiiitooooo frustrada. Meu DEUS isso é horrível demais.....porque não consigo ser igual as outras pessoas, porque tudo que leio, tenho que ler 10x, será que sou tão burra que não consigo perceber e fico insistindo.... e isso nunca vai mudar?
    Desculpe, mas seu post me ajudou a entender em palavras o que sou e nesse momento sinto um vazio tão grande que me deixa triste, mas porque?
    Porque, porque, porque....

    k

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Kelle!
      Em primeiro lugar, passar em concurso público é difícil pra caramba. Quantas milhares de pessoas, que não tem TDAH, foram reprovadas? Tomar Ritalina não garante aprovação, melhora sua concentração. Se você acha que não está funcionando, volte ao médico e discuta uma mudança de dosagem, u alteração no horário de tomar o remédio, ou mesmo mudar o medicamento.
      Sua meta, Kelle, é a mesma de milhões de brasileiros; existem pessoas que fazem cursos específicos e ainda estudam dez,doze horas por dia. Esse é seu caso? Antes de culpar-se, veja se sua estrutura é adequada, se você estuda as horas necessárias...
      Não se torture.
      Alexandre

      Excluir
  21. A pior parte é saber o tempo todo das consequências dos seus atos e mesmo assim caminhar com passos determinados à beira do abismo. Esse post é muito sensível ao momento que estou vivendo, não pude deixar de enxugar algumas muitas lágrimas. Adorei conhecer o seu blog, textos muito bem escritos. Espero que me inspire de alguma forma. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Camila!
      Chegue um pouquinho pra cá, você já caiu outras vezes nesse abismo e se machucou muito. Vem pra cá que estamos todos juntos, no mesmo barco e conhecemos as dores uns dos outros. O importante de sabermo-nos TDAHs é que podemos atuar contra ele; podemos escolher fazer diferente.
      Faça, Camila, depende da sua vontade!
      E trate-se, você se trata?
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  22. O seu texto relata com riqueza de detalhes quem sou eu... A minha filha de 7 anos foi finalmente diagnosticada e eu por consequencia descoberta nesse emaranhado de dúvidas q é ser um TDAH. Hoje esta sendo um dia difícil..amanhã talvez não seja. :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Jordana.
      Acredite nisso, TDAH não é uma danação, é uma doença tratável e no caso de sua filha, diagnosticada tão cedo, as chances de uma vida normal, produtiva e feliz, são muito maiores.
      Alexandre

      Excluir
  23. bom dia...
    Recebi a indicação e realmente, adorei o que encontrei por aqui.
    E quero realmente a ajuda de vocês. Sou casado há alguns anos e só recentemente descobrimos que minha esposa tem TDHA... como dito acima: já velha mesmo!!! :)

    Enfim, estamos com os tratamentos e acompanhamentos que são possíveis. MAS... e em todo caso sempre tem um "mas" ...

    eu não sei como posso ajudá-la, tem horas que me irrito com a sua demora em terminar as coisas, a desatenção em alguns momentos com a nossa filha (que também pode ter essa doença, ela só tem 2 anos) ...

    enfim... o que eu posso fazer? Eu já li alguns artigos, mas não acho suficiente, estamos nos distanciando pq é uma barreira que não consigo ultrapassar. Faço cobranças que - depois da discussão - sei que não deveria ter feito. Tem quase dois anos que descobrimos essa doença, e assuno que no começo essa informação não me alterou/mexeu/influenciou em nada.

    Que IDIOTA fui não? Como pude ser tão insensível? Não sei... mas amo essa pessoa e vou ficar ao seu lado para sempre.

    Então como posso reconstruir nossa vida com TDAH? Eu gostaria que me indicassem livros, depoimentos que poderia ver... preciso aprender, mudar meu ritmo... não sei... Quero apenas conversar com outros "adultos" que tiveram que aprender... pois normalmente essa doença é sempre direcionada/pensada com relação a crianças. E quando se é um adulto, com mais de 40 anos, que trabalha, é casado há quase 10 anos e descobre que a pessoa que escolheu como companheira tem esta doença e vc não sabe como ajudar sem cair no velho clichê de que - "ah.. deixa prá lá... é assim mesmo" - e tratar o outro como um incapaz? Quero motivar, sem passar a sensação de cobrança, em outros momentos quero cobrar pois aprendi que é preciso correr atrás e não dá pra ficar sentado esperando o dia passar ... ;( mas sei que não é assim que funciona.

    Abraços a todos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é muito fácil responder...
      Conviver com um TDAH exige uma boa dose de paciência e renúncia.
      É muito importante que vocês conversem sobre o assunto; ela precisa querer melhorar e se empenhar nisso, você precisa entender suas limitações e dificuldades e valorizar as pequenas conquistas que ele fizer.
      Outra coisa é auxilia-la; a vida deve favorecer o portador, por exemplo: um quadro de lembretes; evitar coloca-la em situações de confronto e pressão (somos péssimos nesses momentos), respeitar os momentos de reclusão ou silêncio.
      Sei que não é fácil, convivo com uma e em determinados momentos quase desisto. Você precisa confrontar as qualidades e defeitos e seguir em frente. Ou não.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. Valeu Alexandre... vou tentando e me esforçando. Obrigado pela dica do quadro de lembretes... já adotamos em casa!!

      Excluir
  24. Alem do tdah, luto contra o vicio do alcool e drogas. So por hoje, nao usarei drogas e lutarei contra a inercia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, o TDAH tem muito maior propensão ao uso de drogas e alcool. Até isso pode ser fruto da doença. Não se puna ou se culpe. Gostei de sua atitude, um dia apenas. Procure ajuda, procure o AA ou coisa parecida. Ter TDAH já é duro, TDAH mais vícios é um fardo pesado demais.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  25. Voltei a esse texto...ja tinha lido ele antes...lembrava de algumas partes mas nao sabia qual era...mas hoje procurei e encontrei..

    alem de me descrever completamente...nao sei como...ele me da uma paz rara...

    obrigada alexandre

    ResponderExcluir