sexta-feira, 13 de maio de 2011

O TDAH E A DIVISÃO DO TEMPO.

             

Como dividir o dia?
Pelo menos doze horas dedicadas ao trabalho. Sim, essa é a realidade de um micro empresário brasileiro. Uma média de seis horas de sono. Me sobram outras seis horas para tocar meu sax, escrever meu blog, saber as últimas do Botafogo, assistir House, Law and Order e CSI e o principal: conviver com minha família e as pessoas que gosto. Ler? Minha grande paixão está quase paralisada.
Toco sax uma ou duas vezes por semana, há muito não aprendo uma nova música. Meus vizinhos já devem estar de saco cheio de ouvir sempre o mesmo repertório.
O blog vocês são testemunhas; nunca esteve tão abandonado. Jamais passei tanto tempo sem postar nada ou ler alguma coisa nos blogs que sigo.
Ainda não aprendi a dividir o tempo decentemente. Conheço pessoas que fazem mil coisas em um único dia. Fico imaginando se elas não tem contratempos, se nada surge em suas vidas que as obrigue a mudar de rumo...
Hoje por exemplo, depois de fechar a loja tive que ir buscar uma mercadoria em um fornecedor, só cheguei em casa quase às 21 hs. Não sobrou tempo para mais nada. Um lanche, o notebook, uma rápida passada d'olhos sobre as notícias de hoje ( principalmente sobre o Botafogo) e fiquei entre uma pesquisa sobre um problema surgido em um smart fone e escrever um post no meu blog. Depois de 12 horas de trabalho, optei pelo blog. Mas o sax, foi para o beleléu. Essa é antiga, hein!
Pois bem, se você é uma dessas pessoas que sabe dividir o dia com maestria, deixe aqui suas dicas. Não quero deixar o blog, o sax, os livros, minha TV, as pessoas de quem gosto e não posso deixar o trabalho. Aceito todas as contribuições.

PS.: estou escrevendo este post diante da TV ligada no canal VIVA. Para quem não conhece é um canal que reproduz a programação antiga da Globo, antiga mesmo. Neste momento está passando CHICO & CAETANO, com as participações de Astor Piazzola e o mestre Tom Jobim. Um tempo em que no Brasil as duplas musicais tinham cérebro e não afrontavam nossa inteligência com letras medíocres e nossos ouvidos com aquele grasnado insuportável das duplas de hoje.
O programa é tão bom, mas tão bom, que o cansaço sumiu e me sinto capaz de passar a noite em claro assistindo esses gênios da MPB cantando.
Vaca Profana, Eu sei que vou te amar, Eu te amo, Anos Dourados,Sabiá, Coração Vagabundo, não há sono ou cansaço que resista.
Que Brasil era aquele em que a Globo exibia um programa desse porte...
Águas de Março...
Este é o dilema: 23 horas, preciso dormir mas tem tanta vida para ser vivida. Como deitar e dormir deixando tanta música, tanta literatura, tanto sentimento. É preciso dormir, recobrar as energias para o dia que se avizinha.
Mas e a vida?