domingo, 28 de outubro de 2012

UM TDAH ENTRE O DESEJO E A NECESSIDADE






Pra quem não sabe, eu sou Técnico em Manutenção de Celulares. Adoro meu trabalho, adoro tecnologia, adoro celulares e como bom TDAH amo novidades. Imagine quando tudo isso se junta.
Na última sexta feira comprei para a loja um Nokia Lumia. Ele reúne todos os requisitos acima. Além de lindo, tem muita tecnologia e a novidade do Windows phone. Agora calcule o impacto que ele causou em mim. Estou sem telefone. Vendi o Atrix que eu amava. A proposta foi irrecusável e eu abri mão do meu Android personalizado. Desde então venho pulando de um modelo pro outro ao ponto de estar usando nessa semana um celularzinho de quinta categoria abandonado por uma cliente que o deixou pra trocar o LCD.
Meu aniversário chegando, o celular entrou por um preço excelente, eu estava louco para experimentar um Windows phone. Resolvido, vou ficar com o Lumia. Trouxe pra casa para o fim de semana. É espetacular e desafiante. Um novo sistema operacional, lindo e desconhecido, tudo o que eu sonhei.
Mas, existem também os pesadelos. Estou muito, muito, mas muito apertado financeiramente; este aparelho pode me dar um lucro muito legal. E aí?
Não quero vendê-lo, preciso de um celular e até andei pensando em capitalizar em cima do Lumia. Comprei esse aparelho de um um amigo que o presenteou ao filho de dezesseis anos. O garoto empacou no Windows e odiou o aparelho. Três dias após a compra ele me trouxe o aparelho para trocar num Android. O que imaginei foi criar um blog de apoio aos iniciantes do Windows phone e divulgar que sou um expert nesse sistema operacional e cobrar pela configuração inicial e consultoria de como usá-lo.
Mas a realidade martela minha cabeça. Despesas, despesas, despesas. Quanto tempo levarei para me tornar um expert em Windows phone? Como divulgarei minha expertise? Quanto tempo levará para que o blog seja conhecido e principalmente rentável? Quanto tempo isso irá consumir? Quanto custará a divulgação? Qual o universo de clientes vou atingir?
Não sei responder a nenhuma dessas perguntas, mas sei quanto devo e quanto tenho de pagar.
Aí lembrei-me das palavras de minha coach Luciana Fiel e minha médica Valéria Modesto sobre a dificuldade do portador de TDAH em decidir entre a necessidade e o desejo.
Estou nessa encruzilhada.
Somente um TDAH sabe o tamanho dessa decisão. Minha mente luta contra minha decisão racional de vender o aparelho. Crio uma série de argumentos a favor de mantê-lo, me dar o Lumia de presente. Mas não posso, e sei que não posso. Mas tento me enganar.
Se você não é portador de TDAH não imagina o tamanho dessa tortura, meu interior se revolta nessa luta entre o prazer e a necessidade de gerar receita com o Lumia. Poucas vezes na minha vida neguei-me um prazer em prol de uma necessidade.
Vou vendê-lo, mas sinto fisicamente (e isso é de verdade)  uma reação contrária.
Imaginei encerrar esse post com a seguinte frase: Vou colocá-lo à venda mas torcer pra que ninguém compre.
Pode parecer engraçado mas não posso me dar esse direito.
Vou colocá-lo à venda e trabalhar para vendê-lo rapidamente. Mais pra frente vou poder comprar um Lumia; não um 710 como esse, mas um Lumia 920, última geração. Até lá vou estudar o Windows phone de maneira teórica e me preparar para ser o expert em Lumia da cidade.
Mas agora, tenho que pagar minhas contas. E vou vender esse Lumia rápido.