quinta-feira, 6 de agosto de 2015

O TDAH E AS PREMISSAS DELIRANTES





Quantas vezes eu, um descrente, implorei a Deus um caminho correto, uma opção que fosse boa para mim, e para as pessoas envolvidas naquele momento. Fervorosamente implorei uma indicação.
Mais tranquilo após a oração, escolhi o caminho errado.
Quantas vezes listei no papel todas as opções de que dispunha elencando vantagens e desvantagens de cada uma delas. Com a segurança da racionalidade optei pelo caminho errado.
Quantas vezes meus olhos enxergaram belíssimos oásis em meio ao deserto em que vivia... Pra lá corri com a sede dos desidratados. E descobri que eram apenas miragens...
Todas essas decisões têm em comum o fato de terem sido tomadas sob falsas premissas.
Mesmo depois de muito rezar e implorar, optei pelo caminho que queria seguir.
Ao listar vantagens e desvantagens dei peso dez àquilo que era desimportante e ignorei fragilidades gritantes.
Quanto às miragens, eu sabia todo o tempo que não passavam disso: miragens.
E aí?
Quem elabora cada palavra em minha mente, cada decisão, cada desejo, cada passo, sou eu assessorado pelo TDAH. Ou seria o TDAH assessorado por mim?
O tempo todo as variáveis são submetidas ao crivo da doença. A mente alegórica do TDAH ergue imagens delirantemente belas para aquilo que ela quer fazer. E empobrece o que não é prazer imediato, ganho à vista.
Ao analisar 'friamente' cada uma das opções, aquela que não quero salta aos meus olhos como uma tortura permanente; a eternização dos meu piores sentimentos e sensações. A opção tdahdiana não! Essa é um carro alegórico digno de Joãosinho Trinta ( o Joãozinho dele é com S mesmo), o gênio criador do moderno carnaval carioca.
Eu opto pelo carro alegórico para logo depois descobrir que o carnaval dura apenas quatro dias; que seu ouro é falso e que tudo ao seu redor é apenas ilusão.
Mas, mesmo ao caminhar sobre os destroços da alegoria minha mente martela: Mas você teve os quatro dias de carnaval...
E passei a vida correndo atrás de micaretas e carnavais  fora de época. E em todos eles acabei com o mesmo sabor: insatisfação. Não era isso que eu imaginava.
Uma falsa coragem traveste a inconsequência.
E sigo em frente.
Mas, o peito sangra e a mente cobra. Os descaminhos podem ser facilmente seguidos pela trilha de sangue e corpos deixados para trás.
E sigo em frente.
A superação não é uma opção.
E sigo em frente.
Nenhum tratamento mata o carnavalesco TDAH; e no final a decisão será sempre minha.
Mas sei hoje olhar para trás e reconhecer os erros e mesmo na dúvida, optar por caminhos diferentes de outrora.
Não consigo calar as lamúrias da minha mente por contraria-la, mas posso conviver com isso.
E posso conviver também com um carnaval sem Joãosinho Trinta, mais pobre, pela televisão.
O gênio delirante morreu!
E sigo em frente.

14 comentários:

  1. Alexandre...
    Quantos de nós não experimentaram, mais de uma vez, do mesmo sentimento.
    Com o passar dos anos, fui aprendendo e, em algumas vezes, consegui fazer as pazes com as decisões erradas que tomei.
    Quando o arrependimento vem bater na porta, digo para mim mesma: naquela época e com aquelas circunstâncias, foi assim que você decidiu e pronto. É a Ana-não-TDAH tentando convencer a Ana-TDAH de que ok, tudo bem errar.
    E vamos em frente também, as duas Anas, tentando não errar na próxima...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, mas algumas situações soltam uma faísca e fogo recomeça. Hoje de manhã ouvindo uma música (que já nem me lembro mais qual era) o post começou a brotar na minha cabeça. E aí vem um filme da vida e das opções.
      Mas em geral eu me perdoo.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  2. Depois que fui diagnosticado com TDAH tento me punir menos em relação a erros que cometo diariamente, tento lutar contra a doença e não comigo msm, mas é cansativo, fui diagnosticado já em um estado muito avançado e já fiz muita merda na minha vida, as vezes não tenho força pra lutar. Ainda não to sendo tratado por um especialista mas tomo ritalina, creio que deverão aumentar a dose...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema do tratamento apenas medicamentoso é que o remédio não atua em tudo. A Ritalina é excelente na memória, concentração, disposição, foco. mas pouco ou nada vale contra nossos sabotadores internos, impulsividade...
      Mas é muito melhor com ela do que sem nada.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  3. Alexandre Caldas Schubert - RITALINA CAUSA ATAQUE CARDÍACO7 de agosto de 2015 09:25

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. meu caro amigo que vêm postando esse link acima nos ultimos posts do alexandre... penso eu que: ou vc teve uma péssima experiencia com a ritalina, seja própria ou próxima de vc ou vc quer apenas difamar simplesmente por egocentrismo algo que vem ajudando muito algumas pessoas. Tenho 27 anos de idade e nessa minima experiencia, uma coisa que aprendi é a não jugar ninguém. infelizmente nós temos esse habito comum as vezes até sem perceber de estar falando da vida alheia, sou TDAH num nível absurdo e depois que comecei a me medicar com "concerta 36mg" (metilfenidato) eu virei outra pessoa, resumindo metaforicamente, sem a ritalina (metilfenidato) eu sou uma ameba ambulante, simplismente não consigo fazer nada.

      Excluir
    2. Concluindo... se a ritalina realmente causa ataque cardiaco, eu prefiro ter esse destino e ao menos tentar uma vida normal do que sofrer desse mal pra sempre. muita gente procura ver um lado positivo no tdah por exemplo: criatividade, QI acima da media, etc... respeito ponto de vista de cada um mas no meu caso eu ODEIO ser assim, minha situação atual: não tenho mais amigos, meu pai não conversa mais comigo, não tenho crédito nem com meu próprio cachorro, sou tido como uma verdadeira piada... agora a vantagem ? sou forte pra caralho, ao invés de me fazer de coitado nessa situação, eu quero é que se foda esse bando de santo canonizado, quem nunca pecou que atire a primeira pedra!
      Agora deixando de lado minha parte pessoal e falando com Alexandre deixo um recado, meu irmão Tdah posso notar com bastante clareza o quanto caiu sua criatividade e inspiração nos últimos posts, imagino que o momento não esteja favorável, pense nas filhas, no sax e em vc... volte a buscar inspiração e não deixe que o superficial te abale... força, foco, paz e fé... grande abraço ass: Daniel

      Excluir
    3. Oi Daniel, vc sentiu algo de diferente em questão prejudicial a sua saúde depois de tomar esse remédio? Abraços

      Excluir
    4. Opa Léo, na primeira semana perdi um pouco do apetite mas logo na segunda semana já tinha voltado ao normal, e também estava tendo um pouco de insônia pois estava tomando o medicamento depois do almoço, mas resolvi isso tomando logo pela manhã.
      Abraços

      Excluir
  4. Bom dia ! Fui diagnosticado TDAH a 1 ano,desde então iniciei o tratamento com Ritalina 10 mg,confesso que senti uma melhora,porém o efeito em mim foi bem leve em relação a memoria,concentração e disposição. Comentei com meu medico e ele resolveu aumentar a dose para 20 mg, porém continuo com a mesma sensação. Venho acompanhando o blog recentemente e notei que em comentários de algumas postagens,algumas pessoas mencionam que no processo de tratamento fizeram a mudança para o concerta 36mg. Pergunto eu: Devo pedir ao meu medico essa troca? Realmente é mais adequado para o tratamento e o efeito melhor ? Nas pesquisas que fiz pela internet,percebi que o concerta 36mg é vendido num valor muito alto, na casa de 300,00. Alguem que utiliza,pode me dizer se o preço é esse mesmo ou se tem alguma forma de baratear esse custo ou alguma informação que me ajude nesse sentido? Aproveitando quero parabenizar vc Alexandre pela coragem e iniciativa, realmente esse blog é de grande ajuda e importância,aqui me identifiquei e pude entender mais o que antes me causava extremo sofrimento e agonia,sem que eu soubesse o que exatamente eu era e o que acontecia comigo. Um grande abraço a todos !

    ResponderExcluir
  5. Oi amigos Tdah, aqui na minha cidade não tem um pisquiatra cadastrado na Unimed (plano de saúde que tenho) e gostaria de saber se posso e se é legal ir em um clínico geral para explicar meu transtorno e se devo pedir à ele o remédio? Tdah me mata todo dia. Preciso desse remédio. :/ Qualquer coisa meu email é leozinrv@hotmail.com
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Leo. Acho que clinico não pode receitar remédio controlado, mas neurologista pode. Procure um.
      Boa sorte
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  6. https://www.facebook.com/131898347009240/photos/a.131916677007407.1073741825.131898347009240/397152533817152/

    Na imagem:

    "Ansiedade

    O monstro da ansiedade é pequeno o suficiente para sentar nos ombros da vítima e sussurrar coisas para o seu inconsciente, como pensamentos medonhos e preocupações irracionais. O monstro da ansiedade é fraco em comparação com outros mas é um dos mais comuns e difíceis de se livrar.

    Eles frequentemente carregam pequenos objetos relacionados com a ansiedade da vítima como relógios que representa o medo irracional de coisas que nunca vão acontecer. Ninguém jamais viu o rosto do monstro da ansiedade pois ele sempre usa uma máscara de um crânio."

    E possuem mais imagens interessantes com suas características descritas ao lado.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns Alexandre! Eu considero esse um dos melhores textos do blog. Leio ele pelo menos uma vez por semana, pq sempre esqueço! (Óbvio!)
    Eu gostaria de ler alguma coisa no blog com relação a contradição entre o "egoísmo" e a "completa doação". Como isso pode ocorrer? Ser extremamente egoista em determinadas situações e absurdamente generoso em outras?
    Parabéns pelo blog! Conteúdo muito interessante que tem me ajudado muito! Abraços!!!

    ResponderExcluir