terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

TDAH - ORGANIZANDO A VIDA




Dois comentários em meu último post me chamaram a atenção. Ambos falavam sobre organização mas com enfoques bem diferentes; enquanto um falava sobre a organização espacial , o outro era mais genérico e abrangente. O colaborador dizia que nossa vida era uma eterna tentativa de organização, mas não dispomos de gavetas ou prateleiras que nos facilitem a tarefa.
Essa imagem de um mundo sem gavetas ou prateleiras tem me acompanhado desde então e tenho pensado muito sobre o assunto.
Nós, TDAHs, não somos desorganizados apenas espacialmente falando, em geral nossas vidas são desorganizadas em todos os sentidos: emocional, financeiro, afetivo, e repletas de sobressaltos e surpresas desagradáveis.
Coincidentemente estou passando por um momento assim. Um esqueleto do tempo pré tratamento resolveu reaparecer para me assombrar. E conseguiu. Perdi o sono tentando equacionar a nova vida que quero ter com esse fantasma do passado recente, fruto do estilo de vida: ah, depois eu vejo no que vai dar! E agora estou vendo no que deu. Ressurgiu num péssimo momento.
E agora?
Como reorganizar uma vida cuja base foi construída no, deixa pra lá ?
Como enfrentar os outros esqueletos que, certamente, habitam meus armários e podem ressurgir a qualquer momento?
Sei que tenho de encará-los e solucioná-los de maneira definitiva, sob pena de vê-los crescer e se agravar; mas essa solução , fatalmente, sacrificará minha vida atual.
Mas se eu adiá-los ou remendá-los?
Eu posso ter um alívio momentâneo e me reencontrar com todos eles ainda mais fortes e em momentos ainda piores.
Portanto, AO INFINITO E ALÉM!