quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O TDAH APRENDE COM SEUS ERROS?





O post anterior UM TDAH INVENCÍVEL, gerou uma conversa extremamente prazerosa e útil; nós portadores aprendemos com nossos erros?
Meu amigo Frank discordou dessa afirmativa: Segundo Kátia, aí estava a chave do meu depoimento e talvez da minha vida: a certeza dessa 'capacidade de me reerguer', faz com que eu não dê muita importância ou muito valor às derrotas da vida.
Frank defendia que ao contrário do que eu afirmei, sentimos muito nossas derrotas. Somos as nossas principais vítimas e sentimos cada gota de nossas quedas.
Aí entra  a segunda opinião, da amiga Anonima123, e ela levantou uma questão interessantíssima: sentimos as derrotas, mas as repetimos. Ou seja, não aprendemos com elas.
E nisso eu concordo plenamente.
Quantas vezes cometemos os mesmos erros? Ou erros muito similares?
Anonima123 lembra que sentimos demais as derrotas, mas não as analisamos detidamente. Rapidamente levantamos a cabeça e partimos pra outra. E em pouco tempo estamos repetindo os erros passados; afinal, em momento algum paramos pra analisar fria e detidamente aonde e por que erramos.
E assim levamos quase tudo na vida, aos trambolhões, ao sabor do impulso e das decisões tomadas no calor da situação.
E aí eu me pergunto: o que fazer pra mudar isso?
Como é parar e analisar fria e detidamente uma questão?
Ou ainda, como fazer para que as situações de derrota não ocorram?
Minha vida é permeada de surpresas desagradáveis; más notícias, faltas de sorte, sustos. As vezes penso: pqp, tudo acontece comigo! E acontece mesmo.
Quanta gente se aproveita das brechas da legislação de trânsito para não pagar multas? Pois é, ano passado contratei um advogado pra recorrer de umas multas, eu estava apertado, não tinha como pagar. O camarada recorreu, as multas desapareceram e eu fiquei felizinho. Resultado? Fui pagar os documentos desse ano, e as multas que eu julgava extintas voltaram a me assombrar. Mil reais de multa. E eu durinho!
Ai Jesus, que vontade de cometer um advogadocídio!!! Aí ele me veio com um monte de explicações que não interessam, mas morri na grana. Sem ter.
E isso se repete infinitamente na minha vida. Claro, a responsabilidade é toda minha, mas como fazer pra quebrar esse círculo vicioso?
Outro exemplo? Amor. Sou de uma intensidade vulcânica! Vivo me dando mal. Me arrebento, ou pior, arrebento os outros. Mas como ser de outra forma? Eu nem percebo, e se percebo, já é tarde. Eu não sei como as pessoas conseguem dosar sentimentos. Acho isso meio inexplicável. Já procurei pelo meu corpo um botão de regulagem da temperatura amorosa, mas não encontrei. Pelo menos baixo, médio e alto. Não.
Não tem.
Uma vez ouvi o padre Marcelo Rossi falar que amor é opção. Até concordei, afinal, se eu me fechar à outra pessoa  não vou amá-la. Mas uma vez que me permito amar, um tsunami de proporções bíblicas me arrebata e me atira a quilômetros de distância. Muitas vezes nas pedras.
E aí eu me pergunto: o que eu aprendi com isso? Nada. Absolutamente nada. Continuo à merce desse tsunami, simplesmente por que não consigo entender como frear isso.
Além de não ter botão de regulagem de temperatura, não tenho freios.
Aí eu peço ao Frank, à Anonima123 e a todos os que lerem esse post: como se faz pra aprender com os erros passados?
Inscrições abertas.

26 comentários:

  1. eu tb tenho tdah e o conselho ki eu dou é procurar um esporte em ki vc goste muito e pratique-o, pq exercio fisico ajuda a controlar a ansiedade..quando tiver muito ansioso ou prestes a cometer um deslise no relacionamento corre p/ fazer algo ki vc goste muito, se destraia la ou gaste todas as sua enegias num exercicio fisico, além de ser muito saudável

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Liv!
      Te confesso que já pensei nisso, mas sou meio avesso a exercícios.
      Sei que preciso, já não sou criança, mas sempre adio o dia de começar. Por que será que vivo adiando?
      kkkkkkkkkkkk
      Mas vou guardar a sugestão, é interessante e benefica.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. também não gosto muuuuito de exercícios, fico um tempo na corrida, um tempo na caminhada, na academia, depois desapareço... desisto de tudo! aí volto. O remédio homeopático e terapia ajuda muito!

      Excluir
  2. Tenho TDAH, tomo ritalina. Mas, nada melhor do que Maconha para acalmar o cérebro e diminuir a ansiedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk engraçado

      Excluir
    2. Amigo Eliézer, nem sei o que responder.
      Como disse o anônimo aí em cima, kkkkkk.
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
    3. Eu tenho TDAH e comecei a tomar Ritalina a pouco tempo, antes disso fumei maconha por dois anos, já era acostumado conviver com a ansiedade e os impulsos, depois que comecei a fumar maconha controlei isso, contudo tive outros problemas com concentração, começava a estudar e quando me dava conta estava viajando em algo totalmente diferente, mesmo sem estar "doidão", comecei a fazer um tratamento psiquiátrico começando com terapia a cada 15 dias e se intensificando com pouco tempo, comecei a tomar um ansiolítico que a principio resolveu o problema da ansiosidade, e agora estou começando com a Ritalina(hoje) e estou gostando do resultado, já estou lendo e estudando à horas e consigo me concentrar e ficar numa boa sem querer estar fazendo outra coisa.

      Excluir
  3. cara, sinceramente... me desculpe falar, vou ser sincero!

    Lendo seus post´s e todo o conteúdo eu posso afirmar humildemente que teu blog mais "atrapalha e dificulta a evolução de um TDAH" do que ajuda...

    É sério, muitos vem aqui em busca de uma "luz" ou alguma sabedoria.. e sempre saem desacreditados de sí.

    Busque fazer post´s motivacionais, tente mostrar ao seu pública famosos que também possuem em sí o gene ADHD.

    No fundo o TDAH tem grandes qualidades, grandes potenciais.

    Hiperfoco, criatividade, imaginação, excesso de energia, os melhores meios de resolver grandes problemas, agilidade, idéias, a mente de um TDAH é brilhante.

    É tudo questão de saber controlar esse excesso de energia, o teu psicológico, fazer o que tu gosta, dar de si mesmo livremente. Deixar com que tudo ocorra de forma natural e honesta acima de tudo consigo mesmo.

    Tenho certeza que ai sim o TDAH será curado.

    O grande erro da humanidade, o grande e principal erro do TDAH é o fato deles sairem o percurso de serem o que são, para se tornarem iguais ao tipo "normal". E acredito, o tipo normal é chato pra caralho, preconceituoso pra caralho, bloqueado, ignorante, eles seguem as regras por serem cegos perante a elas. Eles não possuem as chaves necessárias para burlá-las, eles não veem um caminho melhor, eles não enxergam além, vivem numa programação social burra e medíocre.

    Caramba, o TDAH não é uma maldição, ele não é igual pra todo mundo.

    O TDAH possuí características geniais, potenciais incríveis de se tornar pessoas brilhantes e de grande sucesso...

    Um ultima dica, se quer realmente ajudar alguém e passar alguma lição, procure aprender consigo mesmo. O seu fracasso não é o sucesso dos demais...

    Abraços e muita luz.

    Christian, 23.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Christian, obrigado por sua participação e sinceridade.
      Na verdade, fico triste com seu comentário, pois não é essa a minha intenção. Quem me acompanha a muito tempo, sabe como eu luto para vencer os efeitos do TDAH. Não sei se você sabe, mas fui diagnosticado aos 50 anos e há apenas dois me trato, é muito mais difícil do que quem se trata desde criança ou a muitos anos.
      Esse blog retrata a minha alma e meu estado de espírito naquele momento, e em muitos posts eu mostro meus ganhos e minhas vitórias. Ocorre que o TDAH não é uma doença que responda 100% ao tratamento então, ela é cheia de altos e baixos mesmo.
      De qualquer forma tentarei ficar atento às suas palavras, mas peço que você leia mais posts e vai perceber que os maiores problemas vão aos poucos sendo superados.
      Um grande abraço
      Alexandre

      Excluir
    2. Você não tem TDAH, se tivesse, não estaria falando tantos absurdos como esses ai. Tá querendo dizer que ter TDAH é uma benção, mas olha só, NÃO É! Também não é de todo mal, pois eu acho criatividade uma coisa maravilhosa, também a maior pré-disposição pra pensar diferente do convencional, de não se importar com coisas bestas (por exemplo, cantar no meio da rua, correr). Mas sabe o que é o frustrante? É que apesar de todo o potencial que temos, não conseguimos utilizar nem parte dele. É você ter que se contentar em ficar com desempenhos abaixo do normal, quando você sabe que sua capacidade intelectual te daria a possibilidade de ter desempenho acima do normal. Se a pessoa simplesmente não pudesse fazer algo, estava tudo bem, o ruim é quando a pessoa pode, tem a certeza absoluta que pode, mas não consegue, porque fica adiando, porque não está muito interessado, porque achou uma coisa melhor pra fazer e pulou de cabeça nessa coisa. TDAH não é uma coisa bonita, e não faz bem pra nenhum de nós fingir que é, porque se fingirmos que é uma coisa bonita não procuramos nos tratar, e nós precisamos nos tratar.

      "fazer o que tu gosta, dar de si mesmo livremente. Deixar com que tudo ocorra de forma natural e honesta acima de tudo consigo mesmo"

      Fazer o que gosta? mas é exatamente isso que fazemos... fazemos o que gostamos, só e somente isso, e foda-se o resto! Mas e se o resto for importante? foda-se! e sabe o que isso faz com nossas vidas? Ninguém pode viver bem de fazer somente o que gosta. O mesmo vale para "dar de si mesmo"... caímos de cabeça em cada novo troço que aparecer na nossa frente, largando displicentemente qualquer coisa que já tenha perdido a graça, sem sequer parar pra pensar que tal coisa podia realmente ser importante.
      E se deixarmos que tudo corra de forma natural, a gente vai ferrar cada vez mais com a nossa vida, sabe por que? Porque é isso que fazemos! Por que não aprendemos com os nossos erros... vamos deixar as coisas correrem de forma natural (vulgo: adiar até o fim dos tempos, tentar esquecer, não ligar), e ai vai dar problema, mas mesmo assim, na próxima vez, quando pudermos adiar de novo, faremos isso, incontáveis vezes, inúmeros adiamentos, mesmo sabendo que não vai dar certo.

      Meu comentário parece pessimista, mas não é. Sinto muito, é apenas a realidade. Como eu disse, é uma coisa horrível fingir que TDAH é uma coisa bonita, porque isso minimiza a importância de um tratamento, e um tratamento é INDISPENSÁVEL! Porque assim a gente não vai precisar maquiar a realidade, mas vamos mudá-la.

      Excluir
    3. CLAP, CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!!!!!
      BRILHANTE REILY!!!!
      ABRAÇOS
      ALEXANDRE

      PS.: TAVA SUMIDA HEIN!

      Excluir
  4. Vou fazer um comentário que corre o risco de ser um pouco superficial, mas vamos lá…Aqui no seu blog, vejo você sempre comentando dos efeitos ruins do TDAH na sua vida, mesmo seguindo o tratamento.
    Sei que cada um é cada um, que o tratamento é diferente pra cada pessoa, que o medicamento tem efeitos diferentes bla bla bla…
    Mas eu estou tomando metilfenidato há 4 meses e já sinto uma melhora grande em boa parte dos causadores de problema que o TDAH me traz. Ainda tenho muitos hábitos a serem modificados, mas o "impulso primordial pra fazer merda" está sumindo (irritabilidade, impulsividade, caos mental etc). Ou seja, o tratamento tem me ajudado a superar várias das coisas que me incomodavam (com muita leitura, TCC, boa vontade e humildade).
    Entre essas coisas está o aprendizado com os erros do passado. Vejo esse aprendizado mais como um fluir natural da experiência - coisa que não acontecia antes. Isso eu vejo em termos:
    - afetivos: não estou repetindo as mesmas burradas.
    - no dia-a-dia: tenho tido tranquilidade para pensar antes de agir, então consigo pesar melhor as consequências das coisas.
    - memória: taí uma coisa que tem ajudado. Como eu tenho lembrado mais e melhor das coisas (mesmo as antigas), fica mais fácil de resgatar na memória as situações ruins que eu mesma causei.
    Não estou aqui querendo me colocar como referência ou questionar suas experiências, por favor não me entenda por essa ótica.
    Mas eu fico realmente me questionando sobre o seu tratamento. Será que está mesmo adequado? Por que ainda sofre tanto com esses problemas típicos de TDAH? Não eram pra estar melhorando?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Amiga!
      Assim como no comentário anterior, suas palavras me servem de alerta, mas me entristecem. Não sei se não tenho observado, ou se sou assim por natureza. Mas na verdade, não vejo da mesma forma que você ou o Christian aí em cima.
      Em primeiro lugar, as pessoas respondem de maneiras diferentes aos tratamentos medicamentosos; em segundo eu tenho apenas dois anos de tratamento contra 50 de não tratamento - o que acredito dificulta a mudança psicológica de atitudes - ; em terceiro, os estragos causados pelo TDAH em minha vida são enormes e o segundo semestre de 2012 foi pródigo em problemas. Perdi tudo o que eu tinha, em dinheiro, minha empresa, minha mulher e minha auto estima. Fica difícil ser otimista diante desse quadro. Claro que nem tudo isso foi fruto do TDAH , nem os leitores do blog tem nada com isso, mas isso imprime na minha alma ( e em meus textos) uma certa tristeza e por que não dizer, revolta com a vida.
      De qualquer forma, Alegria, vou tentar ficar mais atento e abordar questões mais positivas.
      Um grande abraço e obrigado
      Alexandre

      Excluir
  5. esse metilfenidato eu tomava quando tinha 13 anos, me deixava igual um gato, só comia e dormia, não conseguia fazer nada, nem estudar, parei de tomar e agora 7 anos depois, com 20 anos eu tinha voltado a tomar e não fez nada nada de efeito, talvez o organismo da pessoa tenha alguma coisa tipo um bloqueio ao medicamento com o tempo talvez, vai muito do organismo da pessoa e essa coisa de falar somente o que da errado acontece comigo tambem, não é ser pessimista, mas prestamos mais atenção nas partes ruins do que nas boas creio eu, e mesmo assim não aprendemos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pelo que meu psiquiatra falava, o metilfenidato é pra ansiedade, mas no meu caso não ajudou e não posso tomar ritalina pq tenho problema no coração, uma tal de sindrome de Wolf parkinson white que fica arriscado tomar estes remedios, devido palpitação e etc... mas talvez o fato do meu problema de sociopatia afete em algo o tratamento, não tenho certeza do que digo, mas creio que ao menos no meu caso funcione assim

      Excluir
    2. Bom dia, Felipe!
      O seu médico já tentou o Venvanse?
      Obviamente não sou médico e nem nunca tinha ouvido falar nessa síndrome que vc mencionou, mas o Venvanse é o remédio mais moderno pra TDAH existente no Brasil. Converse com ele, as vezes esse medicamento não possui os efeitos negativos do Metilfenidato.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
    3. me equivoquei, o metilfenidato é o que não posso tomar por causa do problema, o que ele me receitou é cloridrato de imipramina, mas quando eu for consultar de novo conversarei sobre este remedio com ele.
      brigadão pela dica

      Excluir
  6. Olá Alexandre
    primeiramente te parabenizo por ser um canal de bençãos para tantas pessoas e conheci seu blog a pouco tempo pois sou esposa de um tdah e gostaria muito de aprender a lidar com muitas situações que ainda não consigo resolver.Descobrimos a pouco tempo o transtorno mais já sou casada a quase 30 anos e o amo muito e quero muito ajudá-lo.Gostaria de saber que blog seria o mais indicado no meu caso.Ele já toma a ritalina e faz terapia
    muito grata Alexandre e que Deus continue te usando poderosamente através do seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia!
      Os blogs que mais gosto estão listados ao lado direito do meu, logo abaixo do índice de posts do blog.
      Mas o ideal seria que você me dissesse o que está procurando.
      Os blogs ali listados são todos de portadores que expõem suas conquistas e decepções com o tratamento.
      Existe o blog da ABDA ( www.tdah.org.br ), existe o site da minha médica (www.valeriamodesto.com) e muitos outros, vai depender daquilo que você está buscando.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  7. Boa tarde!
    E no tratamento com crianças, vc tem noçoes a respeito?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia!
      Não tenho muita não. O que sei é que a partir dos cinco seis anos já dá pra diagnosticar o TDAH. Os medicamentos são os mesmos, em dosagens bem menores claro, e acompanhamento psicológico.
      Outra coisa, já está provado que quanto mais cedo começa o tratamento, menores são as perdas na adolescência e idade adulta.
      Se vc precisar de mais informações, acesse: www.valeriamodesto.com. É o site da minha médica, ali você saberá melhor.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  8. Boa Noite!! Minha filha de 10 anos foi diagnosticada com TDAH a 3 anos fez vários exames para poder tomar ritalina 10 mg 2 vezes ao dia ,melhorou bastante nos estudos mais noto que a seis meses ela esta muito irritada e agressiva, perguntei a neurologista dela ate quando ela precisava tomar esse remédio e fiquei pasma com sua resposta;até ela ter um emprego que ganhe muito dinheiro,
    fiquei triste pois pensei que seria um tratamento de no máximo 2 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Extremamente infeliz essa médica. Até por que ganhar muito dinheiro não significa felicidade ou cura.
      O Tdah não tem cura, mas quanto mais cedo a criança começar a tratar-se menores são as chances de a doença estragar sua vida de adolescente e adulto. Se voc~e tiver condições financeiras, busque apoio psicológico, ajuda demais a criar estratégias de convivência e superação da doença. Uma sugestão pessoal e baseada apenas numa frase: leve-a em outro médico, ouça uma segunda opinião.
      O tratamento é longo mesmo, mas exatamente por isso sempre é bom ouvir dois ou mais lados.
      Obrigado por sua participação
      Alexandre

      Excluir
  9. Eu assisti um programa hoje,não me lembro se foi na cultura ou futura "&#&"nunca me lembro.Nunca parei pra pensar que a briga constante com minha cabeça era uma doença.E que existam mais pessoas assim.Minha memoria é péssima,tenho que fazer o mesmo trajeto mil vezes para lembrar como chegar ao meu destino sozinha (tda vez que tenho que ir a algum lugar novo,meu marido faz o trajeto no dia anterior comigo.E mesmo assim vou tda atrapalhada e me perco, nunca lembro os pontos que deixei como referencia,aff me sinto péssima e dependente).Isso é só a ponta do iceberg,tantas coisas me fazem sentir inferior.Vou procurar ajuda medica.
    obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Silmara!
      Eu participei de um programa da TV Cultura, mas isso não importa agora, né!
      Vá ao médico hoje, agora, se der.
      Um TDAH tratado temm uma vida tão melhor, tão mais feliz, tão mais produtiva. E o principal, Silmara, muito mais leve. Sem esse sentimento horrível de culpa e inadequação. O complexo de inferioridade é outra característica nossa, apanhamos tanto da vida que preferimos nos calar ou nos isolar.
      Procure tratar-se, você não merece viver eternamente dependente.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  10. Alexandre,
    Boa tarde.

    vc sabe dizer se pacientes que tem o wolf parkinson white podem tomar Ritalina, ao menos uma por dia?

    ResponderExcluir