terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

TDAH CONTRA O TEMPO








Os minutos escorrem pelas mãos, as horas evaporam diante dos olhos, os dias se consomem sem que percebamos.
E o ano passou...
E a vida passou...
E nos escapou...
Adiamos projetos, postergamos sonhos, relevamos prioridades...
Sempre pode ser para amanhã...
A semana que vem ainda está tão distante!
Planejar? Como, se tudo parece inatingível, longínquo...
Mas chega; nos atropela, e ficamos ali, atordoados, incrédulos, atônitos. Abalroados por uma realidade que chegou de chofre, sem nos avisar, subitamente, saltando dias, engolindo horas...
Ahhh, o tempo! Esse facínora que nos rouba as delícias da procrastinação; esse inimigo que tanto nos subtrai da vida.
Como é difícil nossa convivência: Nunca sabemos quando está longe ou próximo. Qual o tempo de adiar, quando urge, ou simplesmente quando é hora de viver o presente.
Deixe estar; uma hora haveremos de dominá-lo, prendê-lo e trazê-lo para o nosso mundo.
Um mundo de pequenas urgências e grandes adiamentos, mas que funciona perfeitamente  nos becos tortuosos das mentes TDAHDIANAS.


OBS. UM INFELIZ ESTÁ POSTANDO LINKS ANTI PSIQUIATRIA E XINGANDO OS LEITORES DO BLOG E USANDO MEU NOME.
OBVIAMENTE NÃO SOU EU. JÁ DENUNCIEI AO BLOGGER E ESTOU AGUARDANDO PROVIDÊNCIAS.



40 comentários:

  1. Sabemos que não é vc, Alexandre. Fique tranquilo.
    Gostei do texto!
    As vezes fico refletindo e me perguntando como eu seria se pudesse ter utilizado todo meu potencial como ser humano, ao longo dos meus 31 anos... Seria e faria muita coisa diferente. Mas ainda tenho esperança na medicação e no meu melhor desempenho. Se estamos aqui nessa vida, é para darmos certo! Chega de ensaios...
    Paula

    ResponderExcluir
  2. Oi Paula, já desisti de pensar nisso, virou uma tortura. Quando começo a entrar por esse caminho, mudo de rota e esqueço.
    Não acho que dei errado, mas tenho consciência de que poderia ter tido uma vida de maior sucesso, principalmente profissional. Mas a vida é feita de escolhas, e eu fiz as minhas, e não vou renega-las agora. Claro, foram permeadas pelo TDAH, mas eu não seria eu sem o TDAH.
    Força, amiga, você é jovem e vai construir uma bela vida ainda.
    Abraço
    Alexandre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí! Um abraço.
      Paula

      Excluir
  3. Achei extremamente interessante esse trecho de uma entrevista com a Dra Cleide Heloísa Partel...
    "Provocar confusão, discutir, viver em conflito consigo e/ou com o(s) outro(s) é uma forma inconsciente de estimulação do córtex pré-frontal, que anseia por mais atividade. A pessoa não percebe esse processo, não o faz de propósito, mas pode ficar viciada em confusão."
    Eu acho que isso acontece comigo. E percebo agora as "artes" que o tdah faz comigo... =\
    Paula

    Entrevista completa:
    http://mundomulher.com.br/?pg=17&sec=18&sub=87&idtexto=8365&keys=O+que+e+TDA+-+Dra.+Cleide+Heloisa+Partel#.VOipld0sGuM.mailto

    ResponderExcluir
  4. Rapaz, eu ainda nem cheguei aos grandes questionamentos do tempo que já perdi aos 26 anos. No momento o que eu quero é chegar no horário pelo menos na terapia. Incrível, se eu tivesse que escolher um super poder escolheria o super atraso...pelo menos ia fazer jus ao dinheiro gasto.... Ilusão né?? Junte o TDAH ao TAG e a TPM...pronto sopa de letrinhas boa!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é assim mesmo. Inventamos coisas de última hora, esquecemos do tráfego, do endereço...
      E assim vamos lutando pela vida.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  5. rapaz...sabe o que mais me assusta? passei a vida toda so nos desvaneios.... imaginando como seria encontrar meu verdadeiro amor... viver com ela... tals... e agora que finalmente vivo isso.... sei la.. parece que as coisas ficaram um tanto chatas... já consegui o objetivo da minha vida... não consigo maginar conquista que se equipare ao que já conquistei... como viver sem sonhar?... ô coisa dificil. a única coisa que me resta é sonhar com coisas impossiveis, como voar pelo ares e reger uma grande orquestra...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Peregrino, não se preocupe, mesmo encontrando o amor da sua vida você ainda deve fazer poucas e boas para alimentar sua necessidade de adrenalina. kkkkkkk
      A vida nunca está completa e acabada. Daqui a pouco vc vai pensar em casar, ter filhos, comprar uma casa, que escola colocar a molecada. Você vai ver, sua ocupação mental está apenas começando.
      Abração amigo
      Alexandre

      Excluir
    2. Faça um curso para Piloto Privado e tire sua habilitação.

      Excluir
  6. Olá, perfeito Alexandre!!....cada minuto,cada hora, cada dia é uma conquista dentro de nossas mentes.Abs.

    ResponderExcluir
  7. Estou cada vez mais certo de que o TDA-H não é uma farsa, mas não tem nada a ver com remédio, não é bioquímico. É só o avanço industrial em que tudo é muito mais fácil e rápido, e isso cria uma ilusão na pessoa de que ela sempre terá uma forma mais rápida de fazer as coisas. Portanto, isso cria uma impaciência crônica em nós já desde crianças. Os pais precisam dizer mais "nãos" para suas crianças, embora isso não resolva tudo, pois o mundo todo tende a pensar assim.

    Aumente a sua paciência:

    Guns N' Roses - Patience:
    https://www.youtube.com/watch?v=ErvgV4P6Fzc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oa Anônimo, sim o avanço tecnológico e industrial e incrível. Quando penso em minhas atividades aos 10 anos de idade e vejo as atividades das crianças de hoje, parece que eu vivia em outro planeta, e olha que são apenas 40 anos de diferença.

      Mas, feliz ou infelizmente, sinceramente não sei, a facilidade no acesso à informação é sem precedentes na humanidade. Mas este acesso nos dá a certeza de que, sim, o TDAH é um processo bioquímico, provado, comprovado, pela ciência médica. É uma doença mesmo.

      É fato sem contestação séria.

      Grande abraço.

      Excluir
    2. Peço que compare os tempos antigos com os de hoje. Até para escrever levava muito tempo, pois você preisava molhara caneta na tinta para ela sugar a mesma e então vocÊ escrevia por um curto período de tempo. Inventaram a caneta já com a tinta, muito mais prática, agora já temos o pc, sai muito mais rápido. Enfim, a praticidade com certeza cria uma impaciência na nossa cabeça. Se algo demora um pouco mais, já pedemos a paciência, e por quê? porque ela não é muito grande mesmo. Até no sinal, os carros já aceleram no tempo limite do vermelho para o verde...

      Excluir
    3. Ok, Anônimo, você relata um fato, mesmo achando eu que a situação seria muito mais de "angústia"do que falta de paciência.

      Mas, e aí, sendo isto um fato, como esta observação nos ajuda no tratamento da doença? essa é a questão.

      Excluir
    4. Eu já creio mais que a angústia é uma sensação posterior, causada pelo problema inicial da ilusão inconsciente de que sempre haverá um modo mais fácil e rápido de resolver algo.
      Imagine-se com uma paciência infinita, só para entender. Enquanto você está fazendo algo, mesmo que dê errado 1000 vezes, você vai recomeçar, e vai voltar a prestar atenção em cada passo, certo?

      O TDA-H tem paciência quase 0, ele só presta atenção nos primeiros passos, depois entra no modo automático. Se der errado, ele não vai refazer, vai ficar procurando um modo mais fácil de resolver o problema, seja usando o que já tem, seja se sentido aliviado porque o que ele já tem também também serve, porque já funciona. E como seus planos perfeitos estão estragados, ele já desiste.

      Para você seguir esse plano perfeito que o TDA-H sonha, você precisa de uma paciência proporcional. Se as coisas são indiretamente proporcionais, o plano não funcionará.

      A questão é procurar métodos e técnicas para aumentar a paciência.

      Excluir
  8. Preciso MUITO de numa opinião, pois estou em estado de choque...
    Sou TDAH infelizmente diagnosticada quando adulta. Esse blog me ajuda a ficar de pé.

    Falo uso da Ritalina desde 2007. Tive uma consulta dia 11 de novembro, minha próxima consulta é 17 de Fevereiro. Ou seja, vai faltar medicação.
    Enviei uma MS p meu médico com muita cautela e EDUCAÇÃO. Pedi que se possível poderia me prescrever 2 caixas ou uma. Tive como resposta : "NÃO vou fazer isso não! Não vou ficar alimentando sua dependência a medicação!!!"
    Achei que foi muito grosseiro o que nunca demonstrou ser. E aí como o paciente fica? POR FAVOR gostaria de saber o que acham. Estou até agora em estado de choque, pq ele NUNCA foi assim. E isso não é jeito de falar com paciente...

    ResponderExcluir
  9. Gente me ajudem, alguém sabe onde encontro a lei que diz que Ritalina p 30 dias não precisa de laudo, Estou passando por vários constrangimentos em farmácias. Meu médico disse que p 30 dias não precisa de laudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk, é cada qualidade de médico... vou te contar.

      Se bem que você falou "laudo". Laudo não precisa não, precisa é da receita para remédios controlados, que é uma específica.

      Excluir
  10. Alexandre, vai mais um comentário da série: "BESTEIROL".

    Fui pesquisar uma informação de que a RITALINA (METILFENIDATO) provocava ALZHEIMER. Sabia que era mais uma lenda urbana, mas queria falar com segurança.

    Achei um estudo científico mostrando justamente o contrário, que a apatia em idosos propicia o Mal de Alzheimer e que o Metilfenidato, pelo efeito similar ao da anfetamina, em que pese serem poucos ainda os estudos, pode vir a ser uma importante terapia. (VIDE: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/14197/1/Carlos%20Fernandes%20Lopes.pdf).

    Mas o "BESTEROL" não é este não, é que neste estudo o pesquisador elucida o porque o nome "RITALINA". Eis a história:

    "O metilfenidato foi sintetizado por Leandro Panizzon, farmacêutico da antiga empresa CIBA (atualmente, Novartis S/A) na Suíça, sendo patenteado em 1954.

    ...

    O nome Ritalina deve-se ao apelido da esposa do Dr. Panizzon. Marguerite transformou-se em Rita e, depois, em Ritaline."

    Enfim, ... tenho dito.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos inventar uma pizza de Marguerita. Coloca ritalina no triturador e joga na massa. margueritalina
      horrível

      Excluir
    2. kkkkkkk
      horrível essa. Minha irmã é que tem umas piadinhas infames dessas.
      kkkkkkk

      Excluir
    3. Minha simpatia pelo nome Ritalina até diminuiu. kkkkkkk
      Quanta bobeira.

      Excluir
  11. Olá pessoal
    Tenho 31 anos, sou casada e não tenho filhos. Em 2010 terminei o último semestre do curso de arquitectura e até agora não consegui elaborar meu TCC. De 2011 para cá tenho sido acompanhada por uma psicóloga e por um psiquiatra. Foi-me diagnosticado depressão. Tenho sessões semanais com a psicóloga e tomo fluoxetina. Houve alturas em que me senti melhor, mas também outras em que me senti completamente em baixo. Esses dias eu comecei pesquisando na Internet alguma coisa que me ajudasse a entender o porquê de ter tanta dificuldade em concluir qualquer tarefa, mesmo as mais simples. Cheguei ao TDAH.
    A sensação que tenho neste momento é que tudo está se encaixando.
    Não sei no entanto, se devo falar desse assunto com os meus médicos. Não sei se devo contar o que tem acontecido comigo por estes dias. Algum conselho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TCC é realmente muita coisa de uma vez paa uma pessoa só, e com TDA-H, sem diciplina, fica muito mais difícil. Uma dica é você aprender a abstrair, mas sem ficar dependente disso.

      Por ex.: você tem que fazer uma série de coisas. Faça uma lista disso. Proponha-se a fazer apenas uma delas por dia, e vá na que você se empolgar mais. A primeira já pode ser justamente essa lista de coisas. E isso é até o que os professores costumam pedir por primeiro, que é o nosso sumário, certo?

      No segundo dia você já terá a lista, portanto pegue apenas uma das coisas para fazer. Com esse alívio, essa abastração, essa leveza, você até vai se propor a fazer aquela parte com muito mais zelo.

      E lembre-se, caso ainda não conheça, da técnica pomodoro. Se não conhece, leia no wikipedia. Mas jogue no google também, ele lhe trará outros bons resultados.

      Excluir
  12. Obrigada pelas dicas.
    Por acaso eu já conheço a técnica do pomodoro e costumo trabalhar com ela. O problema é que a minha cabeça está sempre a mil por hora, mesmo durante os pomodoros.
    A outra questão é que eu não sei como abordar com os meus médicos a minha suspeita de que a minha depressão possa estar ligada à TDAH.
    Eu já reparei que existem psicólogos que visitam o blog e gostaria de saber a sua opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei o que aconteceu, mas vocÊ postou duas vezes. Vou responder aqui.
      Por que exatamente sua cabeça está a mil por hora? Você sabe quais tipos de pensamentos passam por ela? Preocupações com o quê exatamente? Você é uma pessoa muito imaginativa? Você se sente defasada em relação aos demais tanto na profissão quanto em entender sobre os assuntos do dia a dia, ou em questão de como se portar às vezes em algumas situações específicas?

      Com relação à sua suspeita, você deve saber bem quando começou sua depressão e o motivo. Eu já tive depressão por causa do TDA-H, e sei bem que ofi por causa disso porque eu sempre me achei diferente de todo mundo. Em seguida, no trabalho, a coisa piorou, pois é nessa época que o TDA-H realmente atrapalha. Na adolescência você é até feliz, ele pouco te incomoda, embora eu ache que isso depende de pessoa para pessoa.

      Excluir
    2. Sempre fui muito diferente de todo o mundo; desde criança. Não era hiperativa, mas vivia num mundo à parte. Não tive muitas dificuldades em aprender, porque meus pais estavam sempre por perto, sempre cuidando e ajudando.
      Não sei bem porquê e nem quando comecei a me sentir deprimida. Mas tudo piorou de uns 10 anos para cá.
      Com a terapia e a medicamentação, fui me sentindo melhor. Mas tem alguma coisa que nunca consegui compreender, que os médicos não conseguiram descobrir e que nunca melhorou.
      Só depois de ter lido um bom bocado sobre TDAH é que algumas coisas fizeram sentido. Aliás, muita coisa encaixou mesmo.

      Excluir
    3. Mulher realmente é mais difícil de ser hiperativa, e quando é, não sei se é a mesma coisa que homem. Enfim, os gostos e objetivos são bem diferentes, certo?

      E dificuldade de aprender é relativa. Temos o hiperfoco quando gostamos muito de algo. Se não gostamos, tendemos a rejeitar com mais força do que uma pessoa normal. E se sua inteligência está na média, e você além disso é pelo menos um pouco preocupada com estudos, então isso contribui também.

      Não sei se você já viu este vídeo:

      https://www.youtube.com/watch?v=5tSvh287RkQ

      TDA-H e superdotação. Vídeo curto, só para você dar uma olhada. Quem sabe você não é superdotada...

      Você disse ter 31 anos. 10 anos atrás você tinha 21, entrando no mercado de trabalho, deixando de ser adolescente, vida adulta, etc. Pode muito bem ser só isso...

      Nem tudo vai se encaixar realmente. Você acha que você pode ter alguma comorbidade? Depressão no seu caso parece ser consequência. Bipolaridade? Mesmo que leve? Síndrome de Ásperger às vezes vem acompanhada de TDA-H...

      Excluir
    4. E não sei se leu isto no post anterior do Alexandre. Vou deixar aqui novamente, de qualquer forma sobre o TDA-H:

      Já fique sabendo logo, coisas que todo mundo deveria saber:

      1. Procure médicos especialistas na área. Seus pais poderiam ter tentado isso antes, mas não seria garantido que desse certo, pois há muitos médicos que têm preconceitos com essa desordem, ou distúrbio.

      2. A Ritalina nem sempre funciona logo de cara, ou seja, nao é motivo para tentar outro remédio logo, mas acertar a dose. Se não funcionar, aí sim, você tenta um outro, como o Venvanse. Só que este é caro.

      3. Talvez você consiga alguma ajuda do governo, mas não sei te orientar nisso. Você pode perguntar aqui, se caso alguém não complementar este comentário.

      4. Se eses remédios não funcionarem, eu não sei se há algum outro tipo a ser tentado logo depois, só sei que existem alguns antidepressivos que também dão resultado, como o Bupropiona e o Cloridrato de imipramina, além de outros, eu acho.

      5. E também, é muito recomendável que se tenha um acompanhamento psicológico, provavelmente com TCC (Terapia Comportamental Cognitiva), também com algum psicólogo que entenda do problema.
      É comum nós postergarmos esse tratamento, mas não faça isso, ou, se fizer, não o faça por muito tempo. Mas, claro, dê preferência ao remédio.

      6. Mas não se mantenha acomodado quando achar a dose, continue duvidando que possa haver um meio alternativo, mais voltado ao psicólogico, para nosso problema de atenção!

      7. E quando sua atenção melhorar, aproveite para aprender tudo aquilo que você não havia conseguido, por falta de atenção. É bem comum nós ficarmos muito ou pouco defasados com relação aos demais. Eles conseguem ver a coisas acontecendo quase o tempo todo, enquanto nós ficamos prestando atenção (sim, atenção) à nossa imaginação.

      Desculpe-me o texto grande, mas acredito que este aqui você conseguirá ler com nosso hiper foco. =)

      Até mais.

      Excluir
    5. Muito, muito obrigada. Com certeza que o blog, e agora os vossos comentários, estão ajudando muito. Vou continuar a seguir o blog. Essa semana tenho uma consulta com minha psicóloga e meu psiquiatra e vou aproveitar para abordar o assunto com eles.

      E, mais uma vez, obrigada.

      Excluir
    6. De nada. Procure de vez em quando comentar aqui também, trazendo dicas ou nos ajudando a reposnder quando mais alguém pedir ajuda. É bem recorrente!

      Até mais.

      Excluir
    7. Boa noite, quase não tenho mais o que falar, nosso amigo anonimo já disse tudo. Pela sua linguagem você não deve ser brasileira; está em Portugal?
      Estando no Brasil basta acessar o site da ABDA e procurar um médico especialista em TDAH. Estando fora, pesquise na internet qual médico acredita em TDAH em sua cidade. Nada pior do que tentar convencer um médico refratário à ideia do TDAH de que temos a doença.
      Boa sorte e apareça sempre
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  13. Obrigada pelas dicas.
    Por acaso eu já conheço a técnica do pomodoro e costumo trabalhar com ela. O problema é que a minha cabeça está sempre a mil por hora, mesmo durante os pomodoros.
    A outra questão é que eu não sei como abordar com os meus médicos a minha suspeita de que a minha depressão possa estar ligada à TDAH.
    Eu já reparei que existem psicólogos que visitam o blog e gostaria de saber a sua opinião.

    ResponderExcluir
  14. Amigos, temos uma luz no fim do túnel sim!! Procurem um Neuroeducador na sua região.

    ResponderExcluir
  15. Alexandre Schubert8 de março de 2015 22:27

    https://www.youtube.com/watch?v=R-55f8iPaQw

    ResponderExcluir
  16. Olá companheiros,
    Vou colocar uma questão aqui, não sei o que acham, mas é absolutamente sério. Já tive épocas muito produtivas na minha vida, mas como não sabia que era TDAH, acabava não continuando, alíás até por ser TDAH(mas não sabia) não dava continuidade ao tratamento.. Como foi? Tomando florais. Eles me salvaram em momentos em que quase enlouqueci. Já tomei Ritalina, mas não gostei. Para quem não conhece, sugiro que pesquisem por exemplo Cherry Plum do Dr. Bach. Ele serve para nossas impetuosidades e tempestades. Vale a pena. Só que como tudo, tem que ser com bom profissional e boa farmácia. Fica a dica. Eu estou inclusive pesquisando para mim mesma, para fazer uma fórmula floral para TDAH. Como é um transtorno e não um sentimento passageiro, percebo que tenho que tomar para vida inteira, coisa que não andava fazendo. É como se fosse Ritalina só que sem a robotização que ela causou em mim.

    ResponderExcluir
  17. Olá, aos vinte anos fui diagnosticada com Tdah em dez minutos por uma psiquiatra e não levei fé... Hoje, aos 35 ao perceber q estou na terceira fac e não tenho um emprego estável, resolvi reconsiderar ou acabaria com tudo de vez. Meu filho tem seis anos e após muito conflito na escola por comportamento inadequado e extremamente inquieto e sessões de terapia foi diagnosticado com o mesmo tdah, medo este q eu já tinha desde q ele tinha uns três anos. Agora me pego tentando tomar a medicação e tendo que ministrar a mesma ao meu inteligente menino, para que não o veja pairar na vida como até hj eu o fiz. Isso me causa depressão, medo e muita angústia, me ajudem por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcella, uma doença é algo que não escolhemos; muito menos passa-la aos nossos filhos. Você e seu filho são portadores de TDAH, o que fazer com isso?
      Tratar a ambos. E seguir vivendo. O TDAH não é o pior dos mundos, se não é curável é tratável com bastante sucesso. Não se angustie, siga em frente e jamais deixe de tratar do seu filho; ele irá te agradecer muito quando for adulto.
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  18. Outra questão rápida; eu considero o tdah uma doença muito parecida com o autismo, obviamente guardadas as devidas proporções, mas é um pré autismo, porque embora muitas pessoas sejam comunicativas e esforçadas, parece que a procrastinaçao não permite a caminhada,durante esses episódios longos de procrastinaçao a sensação que dá é a mesma, de imersão no próprio mundo, nas próprias percepções e teorias, descartando completamente a realidade tediosa do cotidiano. O que vcs acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se entendi direito... Minha procrastinação não me impede de viver normalmente, adio apenas questões específicas que, eu acho, serão dolorosas ou difíceis de resolver.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir