domingo, 30 de junho de 2013

TDAH, AGORA COM CHAT NO BLOG








AEEEE PESSOAL, DEPOIS DE MUITA PROCRASTINAÇÃO COLOQUEI UM CHAT NO BLOG!!!!
ESPERO QUE VOCÊS ENTENDAM QUE NÃO É O QUE EU IMAGINAVA, MAS O QUE MEU FRAQUÍSSIMOS CONHECIMENTOS DE INFORMÁTICA ME PERMITIRAM.
PRIMEIRO O LOCAL: TA LÁ EMBAIXO NO BLOG. EU QUERIA QUE FICASSE ABAIXO DE CADA POST, MAS NÃO DESCOBRI COMO SE FAZ, OU SE TEM JEITO.
ACHEI ELE MEIO FEIO, MAS TUDO BEM, O QUE PRECISAMOS E QUEREMOS É CONVERSAR UNS COM OS OUTROS.
PESSOAL, USEM À VONTADE!
EEEEEEHHHHHHHHHHHH  TEMOS CHAT NO BLOG!!!!!
MÓ LEGAL AE!!!
ACEITO COLABORAÇÕES PARA APERFEIÇOAMENTO
ABRAÇOS MEUS AMIGOS
ALEXANDRE

O CHAT FICA NO FIM DO BLOG, SIGA A SETA VERDE!!!!


20 comentários:

  1. Olá, gosto muito deste blog. Tenho TDA-H (Quase certeza) e estou fazendo terapia há 1 mês e 1 semana, depois de ter tomado um monte de remédios e não ter percebido qualquer diferença realmente satisfatória. Apenas com o remédio Tofranil (Cloridrato de Imipramina) 25 mg eu percebi alguma melhora, mas que vivia me dando esperança e não ia para frente nunca.
    Gostaria de saber como é com quem já fez todo o tratamento e já tem o problema sobre controle, como o faz.

    Obrigado,

    Leandro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leandro, tenho 15 anos de descoberta de TDAH, e estou tomando a medicação CONCERTA, com regularidade, há mais de 5 anos.

      Desde o primeiro dia a medicação foi super impactante na minha vida, e me transformou em uma pessoa muito mais, mas muito mais mesmo, produtiva e, por conta disto, muito mais confiante.

      Minha auto estima melhorou bastante e meus relacionamentos (amigo, esposa, filho e família) também.

      Fiz terapia por bom tempo, mas estava muito caro, e optei pela medicação.

      Com o início da medicação, sofri alguns efeitos colaterais, mas muito pequenos e hoje já totalmente superados.

      Espero que você consiga se adaptar 'a medicação, pois ela faz uma diferença muito grande na gente.

      Não sou médico, mas hoje, depois de muita experiência pessoal, entendo que a terapia somente faz muita diferença para quem se descobre TDAH ainda na adolescência. Para nós, "burros velhos", a terapia é somente para um apoio.

      Grande abraço.

      Excluir

  2. Um texto sobre depressão que me fez pensar sobre os pensamentos automáticos:

    "A terapia cognitivo-comportamental, ao tratar a depressão, foca mais especificamente nas crenças, distorções cognitivas, pensamentos automáticos, sentimentos e comportamentos autoderrotistas dos pacientes depressivos. Ela reconhece que a depressão não pode ser compreendida apenas analisando o desbalanceamento de neurotransmissores, como acontece na psiquiatria, pois há fatores primeiros que estão por trás deste mau funcionamento neuroquímico, e isto se confirma através das pesquisas mais recentes da neurologia. A TCC trabalha com o pensamento de que o paciente não pensa negativamente porque está deprimido, mas se sente deprimido porque pensa negativamente. Antes acontece o pensamento (na maioria das vezes na forma de pensamento automático), e em seguida ocorre as sensações e sentimentos. E podemos dizer que o desbalanceamento neuroquímico se encontra, falando de um modo genérico, entre pensamento-sensação. O remédio realmente ajuda muitas pessoas, mas apenas mascara o problema e não o trata, como muitas pessoas acreditam. E o perigo maior não está unicamente no remédio, mas em como é feito o tratamento psiquiátrico como um todo." Continua...

    ResponderExcluir
  3. "Na TCC percebe-se como regra na depressão a presença de muitas crenças e pensamentos automáticos negativos (que são disparados através das crenças). Estas crenças são geradas em maioria na infância, e operam em maioria fora da consciência. Portadores de depressão tem visões negativas sobre si próprios, sobre o mundo e sobre o futuro (tríade cognitiva da depressão), através de uma percepção distorcida (como se vessem o mundo por trás de uma lente) da realidade. Percebe-se que as sensações e sentimentos presentes na depressão (como tristeza, ansiedade, fadiga, sono, etc) são sempre precedidas de pensamentos automáticos, e a consciência destes pensamentos é muito limitada ou mesmo nula. Os sintomas não acontecem do nada, como parece. Apesar destas pessoas terem percepções bastante distorcidas, as tem como verdade absoluta. A depressão é constantemente alimentada sem que o indivíduo se dê conta através destas distorções cognitivas, fugas e esquivas de pensamentos ou/e situações, comportamentos autoderrotistas, ganhos secundários, etc. Na TCC, o diagnóstico do paciente é feito apenas com a finalidade de comunicação, informação e orientação para o TERAPEUTA sobre o problema, e não para o paciente. É possível perceber que o paciente depressivo, ao obter um diagnóstico de depressão, piora ainda mais sua capacidade de enfrentar o problema, se engessando num rótulo, ao mesmo tempo que começa a utilizar o medicamento, e quando este medicamento lhe trás alguma melhora, surge outra crença altamente prejudicial, de que se é dependente do remédio (que é mutuamente reforçada pelo alívio que o medicamento traz), assim como o consequente fortalecimento das outras crenças responsáveis pela depressão. O paciente, à sombra dos efeitos pseudo-benéficos e de uma nova crença de "eu tenho depressão, eu sou doente, eu preciso do remédio", acaba perdendo a oportunidade de se conhecer, tratar de fato seu problema e ser um ser humano mais livre. Quanto mais os anos se passam mais as crenças se enrijecem, e mais dificuldade de conquistar uma qualidade de vida esta pessoa terá. Por trás da máscara do remédio, os processos que mantem e PERPETUAM a depressão continuam acontecendo da mesma maneira. É muito comum perceber em pessoas que tomam remédios psiquiátricos, principalmente para a depressão, algo semelhante a um culto ao remédio e à própria doença. São pessoas que muitas vezes se prendem a ganhos secundários, como reclamar demasiadamente sobre seu problema, lamentando, dando ênfase excessiva ao assunto de doenças e negatividades, exageram alguns comportamentos na presença de outras pessoas. Decoram nomes de remédios, leem todas as bulas, discutem sobre medicamentos e doenças com outras pessoas, começam a fazer disso algo como uma religião, sem que percebam. A pessoa passa o resto da sua vida tendo uma má qualidade de vida, e se tornam tão fisicamente e psicologicamente dependentes da medicação, que acabam perdendo totalmente as rédias de suas vidas, de seu bem estar." Continua...

    ResponderExcluir
  4. "A TCC trabalha conscientizando o paciente de suas crenças, seus pensamentos automáticos, suas distorções, seus estilos de enfrentamento, seus comportamentos autoderrotistas, etc. Ensina ao paciente como esses mecanismos operam, como ele próprio responde a eles e trabalha com diversas técnicas para cortar os círculos viciosos, adquirir uma percepção menos distorcida da realidade e a conquistar aquilo que deseja através de pensamentos e comportamentos mais adaptativos e funcionais, mas que não era possível por causa de seu problema. Na TCC terapeuta e paciente trabalham sempre juntos, numa colaboração mútua e bastante ativa. Ela entende que o paciente precisa de autonomia, e não ser passivo num tratamento. Defendem um tratamento objetivo, com forte relação terapêutica. O paciente é explicado de todos os procedimentos que estão sendo realizados com ele, a fim de deixar o tratamento o mais claro possível. Trabalha com a ideia de que os pacientes, principalmente os deprimidos, necessitam de experimentar melhoras rápidas em seus sintomas. Entende que a depressão pode não só ser amenizada, como curada em muitos casos (e pesquisas não deixam mentir)." Continua...

    ResponderExcluir
  5. "Também não é pra ser radical, pois acho que sendo utilizado de uma maneira responsável, ajudaria bastante em vários casos. Muitas pessoas se encontram tão depressivas que respondem muito mal à terapia. O problema é utilizar como um tratamento de primeira escolha, e de maneira indiscriminada e irresponsável como acontece. O paciente entra no consultório médico com seus sintomas, e o médico trata de construir algo para ele. Numa analogia: É como se o paciente chegasse com tijolos, os quais apesar de estarem desorganizados, podem ser mais facilmente manejados e manipulados. O médico, em uma sessão de poucos minutos, pega todos estes tijolos e constrói logo uma casa, com rígidas paredes cimentadas de concreto. É muito mais fácil para o paciente, pois agora tudo parece mais organizado e mais fácil de ser entendido, porém a rigidez agora impede dele fazer qualquer coisa com esta estrutura."

    No TDA-H eu acho que a coisa acontece parecida com relação a esses pensamentos automáticos. A mente se desvia do assunto sem que percebamos.

    ResponderExcluir
  6. Eu não tenho pré conceitos em relação ao uso de remédios quando se trata de doenças mentais.

    E me perdoem o que vou falar agora, mas acho que qualquer tipo de terapia deveria ser um coadjuvante no tratamento, junto com remédios.
    Tenho exemplo na minha família, uma tia diagnosticada com esquizofrenia, vivia tendo surtos, falando sozinha, com mania de perseguição, já estava até começando a se machucar. A familia resolveu pagar um tratamento psiquiatrico, e hoje ela é absolutamente normal.

    Até eu que sou tdah e faço acompanhamento médico, não consigo imaginar que uma terapia, por melhor que fosse, teria o mesmo efeito que o remédio faz em mim.

    Não estou querendo ser radical, e dizer que terapia não funciona. Mas acho que só a terapia, sem remédios, pode demorar muito a fazer resultado, e todos nós sabemos, que as vezes precisamos de resultados imediatos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo. Meus psiquiatras (tive 2) disseram pra eu procurar terapia e meu terapeuta me disse pra procurar um psiquiatra. Um não exclui o outro.
      Andar juntos é sempre melhor. Segundo terapeutas E psiquiatras!

      Excluir
    2. Olá Anônimo.

      Você quer me lenhar?

      Para eu ler este texto enooooooooorme eu vou ter que tomar uma caixa de concerta.

      Mas, sério, já sou cinquentão, descobri meu TDAH aos 35, e a minha experiência pessoal é que a terapia, em adultos, serve apenas como um apoio, pois o que realmente dá resultado é o METILFENIDATO.

      Se estou com um pouco mais de grana, faço os dois (medicação e terapia), caso contrário, é o meu sagrado CONCERTA.

      Estou agora estudando um negócio chamado "coach", que é mais focado em resolver determinadas carências específicas.

      Grande abraço.

      Excluir
  7. Oi Alexandre !
    Muito Obrigada !
    Acredito que muito mais gente vinha te pedindo isso que eu impertinentemente sugeri, (até no Face essa semana como vc deve ter visto )!!!
    Tenho certeza que vai ser bacana, ajudar muita gente, ter um espaço exclusivo, especícfico, com a luxuosa administração de um cara tão querido... como diz o cartão...não tem preço !
    Sucesso Alexandre !
    Valeu mesmo !
    Abração,
    Eliana

    ResponderExcluir
  8. Eu estou fazendo apenas terapia, para ver até onde ela vai. Se não resolver, então vou partir para os remédios mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônimo,

      no embalo dos meus comentários acima, lhe digo: Sai dessa, a terapia é muito boa, mas nada supera a medicação.

      O que me estranha é a resistência que alguns têm à medicação. O cara tem problema cardíaco? toma remédio para baixar a pressão, ou para o colesterol, todo dia. Tem problema no fígado? toma remédio, pio, toma injeção, todo dia. tem prolema no sei que? toma remédio todo dia. E faz isto numa boa.

      Agora, quando o cara tem carência de dopamina do cérebro, cria o maior drama para tomar a medicação. Não entendo.

      Cara, numa boa, TDAH é uma doença. Não tem cura, mas TEM CONTROLE. Acho terapia uma blz, mas a medicação é fundamental.

      Pelos menos para mim, que não sou médico.

      Grande abraço, torço por vc e por todos nós TDAHs

      Excluir
  9. Valew Alexandre, vou pesquisar com algumas blogueiras que tem Echo como faz para colocar em cada post.

    ResponderExcluir
  10. OLAA!!! ALGUNS ANOS PERSEBI QUE MEUS ''ESQUECIMENTOS'' NAO ERAM NORMAIS E QUE EU NAO ERA NORMAL,AI DEPOIS DE UM BOM TEMPO TENTANDO MARCAR UMA CONSULTA NO NEURO,EU VOU E ELE ME CHAMA DE BURRA,ELE FEZ PERGUNTINHAS DE TABOADA E EU NAO CONSEGUIA REPONDE ME DEU BRANCO MUI NERVOSA E ELE FALO MI PAPA DISSE A ELE QUE EU ERA MUI BEM NA ESCOLA MAS ELE NAO ACREDITO E FALO QUE O QUE ELE ME PERGUNTO ELE AVIA ESTUDADO A 50 ANOS ATRAS E QUE AINDA SABIA E FALO QUE EU TINHA EH QUE ESTUDA,AQUELE MEDICO FOI TAO ESTUPIDO EU SEGUREI TANTO O CHORO QUE ACABEI PASANDO MAL SAI DO CONSULTORIO LUTANDO PRA NAO CHORAR NA FRENTE DOS OUTROS,CHOREI ATE CHEGAR EM CASA DEPOIS DE 2 OU 3 HORAS DE VIAGEM;ANTES EU NAO SABIA,MAS O QUE TENHO REALMENTE FALTA DE ATENÇAO,ANTES EU ACHAVA QUE EU ERA RETARDADA,POIS NAO CONSIGO DISERNI NADA,PARECE QUE UMA PARTE DO MEU CEREBRO NAO FUNCIONA,ACABEI MEUS ESTUDOS COM NOTAS OTIMAS PORQUE FOI GRAÇAS A DEUS!!MAS ISSO AFETOU TANTO MINHA VIDA,NAO TENHO RENDIMENTO EM UM SIMPLES TRABALHO,EM CASA TAMBEM,PORQUE DESDE PEQUENA TENHO RESPONSAS,ERA PRA MIM TA AGORA FAZENDO UM CURSINHO OU FACUL,MAS POR CAUSA DISSO MEUS SONHO FORAM TODOS ENTERRADOS,ISO ME AFETA TANTO QUE NAO TENHO MAIS SONHOS!!!E SO TEM EU E DEUS PRA ENTENDER,PORQUE ATE MI FAMILIA ATE HOJE NAO ENTENDEU,;EU SOZINHA DESCOBRI O TDAH; ,COBRAM MUITO DE MIM,SOFRO MUITO COM ISSO!!!AUTO ESTIMA LA EMBAIXO,MAS EU SEI QUE VOU VENCER EM NOME DE JESUS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus, você tem certeza de que foi a um médico?
      esse charlatão deveria ser processado, caçarem o diploma dele. Onde já se viu fazer perguntas de tabuada.
      Mas até hoje você está sem tratamento?
      Procure outro médico, informe-se antes de escolher o profissional e trate-se, sua vida vai mudar muito.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  11. tenho uma caixa de ritalina sobrando quem precisa gigabyte.via@hotmail.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Gente, como vai? Me chamo Mariana e estou tendo dificuldades em relação ao TDah.
    Na verdade, meu marido foi diagnosticado qdo criança, mas ele é um pouco difícil e não quer aceitar uma ajuda com profissional especializado. É muito difícil lidar com ele e temos uma instabilidade muito grande no nosso casamento. Tava Lendo a respeito, pesquisando e vi q ele se caracteriza mais com o TDAH impulsivo. Vcs q tem conhecimento melhor q eu no assunto como faço para ele procurar ajuda? UMA VEZ COMENTEI COM ELE SOBRE TERAPIAS E AFINS E ELE FICOU SUPER OFENDIDO ACHANDO Q O CHAMEI DE LOUCO E Q NÃO PRECISA DISSO..AS TÍPICAS INSTABILIDADES DE HUMOR FAZ COM QUE ELE FIQUE DIAS SEM FALAR COMIGO QDO ELE NÃO GOSTA DE ALGO.

    ESPERO Q POSSAM ME AJUDAR PARA EU PODER AJUDÁ-LO .

    ResponderExcluir
  13. Oi Bom dia. Meu nome é Luciana sou mãe de uma linda menina que se chama Ana Julia e descobrimos agora que ela tem TDAH e já tomou Ritalina de 10 Mg durante 01 ano e agora depois da confirmação do TDAH a médica trocou o remédio para IMIPRAMINA e percebi que deu sonolência, mas falou dormindo praticamente a noite inteira e ela não tem este costume. Alguém teve este problema?? Ela não lembra mas falou dormindo, sentou na cama falando várias vezes durante a noite. Fiquei assustada. Ela só tem 10 anos.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, Luciana! Bastante estranha essa troca da Ritalina por um antidepressivo. Ainda mais depois da confirmação do TDAH, a Ritalina é o remédio apropriado para o tratamento do TDAH. Acredito que o melhor a fazer é voltar à médica e pedir que retorne ao tratamento correto. Um dos efeitos colaterais da imipramina é o distúrbio do sono. Se a Ana Júlia estava bem com a Ritalina não tem sentido a mudança.
    Um abraço, Alexandre Schubert

    ResponderExcluir