domingo, 2 de junho de 2013

A SOLIDÃO DO TDAH










Quem sabe se mancássemos, babássemos ou se nos saísse algum sangue alguém acreditasse no que passamos.
Estamos sozinhos em nossas dores, em nosso sofrimento e até mesmo em nossas vitórias ou alegrias.
Como dividir a felicidade de uma conquista com alguém vai nos responder com um sorriso amarelo?
Ou que nos dará como resposta: que legal! Mas aí, como eu te disse ontem, se eu der meu carro de entrada e mais o dinheiro das minhas férias...
Falamos sozinhos, sentimos sozinhos, enfrentamos sozinhos.
Nossa família e nossos amigos preferem ignorar a doença e nos taxar de preguiçosos, até mesmo de irresponsáveis, mas nunca de doentes mentais. Isso não! Filho meu não é doente mental! Doente mental é louco!
E ficamos falando sozinhos. Mesmo os amigos preferem negar a doença.
- Esquecer é normal!
- Ah, que exagero, todo mundo tem um quê de impulsivo!
- O que você precisa é se esforçar um pouco mais nos estudos!
Uma delícia pregar no deserto! Ninguém nos ouve, ninguém dá importância, todos começam a assoviar e olhar pra cima quando nos aproximamos com esse assunto desagradável.
Outra atitude comum é que aparentemente toda a família aceite, demonstre um enorme alívio com esse diagnóstico e, nunca mais, ninguém toque no assunto. Fazem de conta que esse assunto não existe, se voltamos a falar no assunto voltam a hipotecar aquela solidariedade teórica, etérea e inócua; quase teatral.
Mas que não serve pra nada!
Continuamos sós.
E sós seguimos nosso caminho!
Por isso esse blog existe, por isso esse blog faz sucesso, por isso continuo escrevendo, somente nós acreditamos em nossa luta; somente nós nos entendemos e, mais ainda, nos aceitamos com TDAHs.
Vamos nos dar as mãos e lutar por nosso direito ao tratamento digno e real, por que contar com os outros nós não podemos!

99 comentários:

  1. é isso mesmo e um pouco mais...
    parabéns, sucesso em seu blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Wagner, obrigado!
      Sucesso na vida pra você!
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  2. Pensava que era só comigo !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, somos todos muito parecidos.
      Obrigado pela participação
      abraço
      Alexandre

      Excluir
  3. Fiz um post sobre isso no meu blog: http://seguindocomtdah.blogspot.com.br/

    Exatamente isso. Beijos e abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótimo blog, continue escrevendo.
      Depois faço uma propaganda dele aqui.
      bjs
      Alexandre

      Excluir
  4. esse blog tem me ajudado antes mesmo de eu procurar ajuda...pq foi lendo por aqui q eu tive a certeza e o medo...mas tbm é aqui q eu encontro conforto...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Boneca!
      Não se acomode com o blog.
      Procure um médico e trate-se, a vida tratada é muito mais gostosa.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  5. Alexandre, realmente nossa luta é solitária. Quando li pela primeira vez sobre as característica de tdah, resolvi marcar consulta imediatamente com um neurologista. Porque tenho todas as característica.

    Até contei para minha mãe, que iria procurar um neurologista, que a minha concentração era péssima, e para quem estuda, sabe como é.

    Meus pais são pessoas de pouco estudo. Então ficar dando detalhes não iria ajudar em nada.

    Queria muito poder conversar e trocar experiências com alguém que pelo menos conhece tdah. Mas não conheço ninguém pessoalmente, que sequer ouviu falar deste transtorno.

    Quando eu relatava minhas dificuldades de aprendizagem aos professores da faculdade, ouvia coisas do tipo: Vai estudar na biblioteca, lá é mais sossegado.
    Ou: Se esforça mais um pouco; Será que você está estudando direito?; Você tem que prestar mais atenção!

    Com a medicação, melhorei muito, não virei a "gênia" da faculdade, mas pelo menos não passo mais vergonha.
    Cresci ouvindo dos meus pais, que a gente só poderia ter uma vida melhor, através dos estudos. Então imagina como foi sofrida minha vida, sempre com um baixo rendimento escolar, sempre pegando recuperação, reprovando...

    Mas sigo minha vida, tomando meu medicamento ritalina e dando o melhor de mim.





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, meu nome é Carla, e escrevi o comentário acima.
      Me ocorreu de fazer um comentário/pergunta, talvez alguém possa me esclarecer.

      Sem o remédio tenho muita dificuldade em me concentrar, e uso o remédio principalmente porque faço faculdade e o estudo é pesado.

      Mas uma coisa que me intriga, quando estou lendo um livro, uma revista, assistindo um filme, ou estou lendo algo na internet, como agora por exemplo, mesmo sem estar sob o efeito do remédio, a minha concentração funciona que é uma beleza!

      Mas vai eu pegar o livro de álgebra e tentar ler... Minha mente voa para longe...
      Que ódio que tenho disto!
      kkkkk

      Excluir
    2. Oi carla
      Essa é uma característica do portador de deficit, quando algo nos interessa, conseguimos manter o foco.
      Existe até um subtipo da doença que tem como forte característica o hiperfoco, nesse caso a pessoa tem a capacidade de se concentrar completamente em algo que lhe interessa, mas quando se trata de algo que não lhe desperta interesse ela vai apresentar todas as dificuldades do deficit.
      Eu ,por exemplo, amo ler, faço uma faculdade que exige muita leitura, mas tenho dificuldades qnd tenho de ler um livro com um assunto que não me interesse completamente. Chego a ler até 5 livros de ficção por semana, mas não consigo ler 1 sobre os processos complexos resultantes da globalização para a faculdade :-/
      Como ainda estou em processo de diagnóstico não posso afirmar que tenho o deficit com hiperfoco, mas desconfio que seja esse sim meu caso.
      Mas em geral os portadores dos diversos tipos da doença conseguem manter o foco por algum tempo em coisas que lhe despertem o interesse, a curiosidade e o senso de novidade.
      Espero ter ajudado, te desejo muita força pra vc superar os obstáculos !!!

      Excluir
    3. Nós conseguimos manter a atenção, mas naquilo que desperta nosso interesse. Eu mesmo compro um tanto de livro, mas não li a maioria. Apenas poucos que conseguem me conquistar, aí eu leio de uma vez... porque a história me conquista.

      Cada um tem sua atenção voltada praquilo que desperta seu interesse. Por isso a importância de tentarmos fazer alguma coisa que realmente nos impulsione.

      Excluir
    4. Bem Carla, não preciso falar mais nada...
      Quero agradecer aos amigos que responderam a você; esse é o espírito do blog, troca de experiências e ajuda mútua.
      Abração e obrigado aos três
      Alexandre

      Excluir
  6. O bom disso tudo é que normalmente, as pessoas que nascem com TDAH, são seres inteligentes e surpreendentes. Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Line Lótus!
      Tem razão, em geral nossa inteligência é acima da média.Surpreendentes nós somos demais até, kkkkkk.
      Abração e obrigado
      Alexandre

      Excluir
  7. Olá Alexandre,muito bom o post.É exatamente assim que me sinto.Cansei de me explicar,de ficar querendo atenção,agora estou focando mais em mim.E aprendi muito aqui,uma das coisas é.. quando minha cabeça começa me pirar,com cobranças,algo que tinha que ter sido feito diferente,eu paro,presto atenção no que está me incomodando e depois digo a mim mesma em voz alta " ISSO NÂO È VC,VC FEZ O SEU MELHOR,e mesmo que chovam criticas tento mudar o foco.
    Percebi que as pessoas se sentem muito superior,quando se trata de falar dos defeitos dos outros,então cortei isso tbém não quero conselhos.Se começar com chatice de vc tem que fazer assim ou ser assim...deixo falando sozinho.Quero paz de ser quem sou,por que sei muito bem tdos os meus defeitos e dificuldades.Mas conheço bem minhas qualidades,mesmo que os outros não percebam.
    Ale,obrigada por dividir e contribuir com suas experiencias .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí Silmara!
      Parabéns pela atitude, só devemos contar conosco mesmo. Estamos sozinhos nessa vida.
      Não temos que explicar e muito menos nos justificar, vc disse tudo, fizemos aquilo que podíamos, se os outros não estão satisfeitos, danem-se.
      Abração e obrigado,
      Alexandre

      Excluir
  8. Eeeeeeita Alexandre! O post veio a calhar hein! De novo, lutar como todo mundo luta e com peso extra não é bolinho não! Cansaço bateu na minha porta de novo, intempéries de todos os tipos, todas juntas. Blog nessa hora... puxa vida, que alívio quando vai batendo o desespero. "Unidos" venceremos faz mesmo sentido!
    Valeu pelo texto!
    Grande abraço.
    Ana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Ana!!
      Que bom 'revê-la'!
      Tem hora que dá um cansaço mesmo.
      Mas levante a cabeça, sabe que pode contar comigo e com nossos amigos aqui.
      Abração agradecido
      Alexandre

      Excluir
  9. Definitivamente meu amigo, enfrentamos o TDAH apenas por nós mesmos. Todo o apoio que 'recebemos' é sempre travestido de uma piedade dolorosa a nós. Nós sentimos essa piedade e isso machuca mais que o fato de termos o TDAH, como se sermos portadores fosse nossa opção. Recentemente, fiz uma escolha na minha vida, tranquei o meu curso de direito e vou fazer vesibular para Publicidade e Propaganda, como uma escolha minha, livre de influências externas, motivado apenas por aquilo que eu julgo ser o melhor para mim, e o que eu ganhei? Inicialmente tive a minha escolha tachada como fuga, devido ao meu insucesso no direito, depois, à medida que a poeira baixava, um apoio, mais uma vez, travestido de piedade, doloroso, um apoio com o pé atrás. Não é fácil vivermos com esse nosso transtorno, somos muito julgados por isso, como se fosse escolha nossa, como se as nossas atitudes não tivessem essa influência 'macabra'. Isso dói cara, dói muito, dói mais do que portar o TDAH, aaah se eu pudesse escolher, preferiria muito mais o auto-controle à criatividade exacerbada, preferiria muito mais a atenção focada à atenção seletiva. Ninguém entende o que é se punir, se cobrar como nós fazemos, ninguém e, desta forma, nos punem, nos cobram, como se tudo que fazemos fosse apenas fruto da falta de interesse, falta de responsabilidade, falta de de carinho para com aquelas situações. A vida para nós, eu não diria ser mais difícil, mas mais pedregosa, mais escorregadia, pois no primeiro deslize ouvimos daqueles que dizem nos apoiar: "olha o TDAH aí", apontando a nossa maior dor e cutucando sem aquela piedade anterior.

    Forte abraço,

    do seu amigo sumido,

    Frank Slade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MEU AMIGO!!!!!
      QUE SAUDADE!!!
      A coragem dos portadores de TDAH!
      Não sabemos viver infelizes, é isso aí amigo, siga seu coração. Você merece ser feliz.
      Como sempre concordo em gênero número e grau!!!
      Some não meu amigo, sinto falta dos seus comentários.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  10. E essa solidão é muito real... Se sentir altamente incompreendido e as vezes por consequência disto acabar se martirizando devido a tanta coisa ruim e anormal que acaba por se fazer quando se tem tdah.
    Queria muito fazer parte de um grupo presencial de apoio entre os tdah. Tenho sofrido bastante com tudo de ruim que essa doença me causa e me causou e não conheço ninguém pessoalmente pra poder compartilhar, ouvir e falar o que enfrentamos e passamos.
    A quem souber de algum grupo desse tipo aqui por Florianópolis, por favor, me respondam nesse comentário.

    Um abraço!

    E Alexandre, parabéns pelo post, vc conseguiu expressar muito bem em palavras o que nós pensamos e sentimos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou de Florianópolis também!! Não existem grupos desse tipo aqui na cidade, não que eu saiba. Mas podemos trocar emails não? Já é um começo!

      Excluir
    2. Aí pessoal, já são dois!
      Quem sabe vocês não são um embrião dos TDAHs Anônimos de SC? rsrsrs A ideia é legal.
      Pensem nisso!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    3. É uma idéia maravilhosa!
      Desculpe não ter respondido antes... Pra variar, esqueço de voltar aqui no blog pra ler os comentários. Só venho quando o feed avisa um novo post. :)
      Bárbara, meu e-mail é felipesial87@gmail.com ou se preferir Facebook, www.facebook.com/felipesial.
      Espero sinceramente que possamos nos fortalecer com nossas próprias experiências e relatos!
      Um abraço!

      Excluir
  11. Sozinhos e acabrunhados num canto qualquer, mergulhados em mil pensamentos, tentando encontrar respostas para perguntas irrespondíveis. Desviando do foco do post. mas embasada em TDAH e solidão, quero dizer que li num post, que pessoas portadoras dessa doença tendem a desenvolver, entre outras enfermidades, síndrome do pânico, sou isolada socialmente,não tenho amigos, passo a maior parte do tempo em casa e não faz muito tempo tenho percebido que estou medrosa demais, isso é consequência do não tratamento? se tomasse medicação esses sintomas desapareceriam? Responde aí. Beijos!!!!
    Lídia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,
      Também sempre fui muito medrosa, a vida toda. Tenho medo de tomar decisões erradas por não estar alerta, e criar prejuízos. Não faço amizades verdadeiras, porque acho que não vou ser atenciosa e perceptiva quanto os outros vão esperar que eu seja. Tenho medo que se aproveitem da minha falta de atenção e me enganem... Sempre tive medo de muita coisa. Quando era mais nova, fugia de tudo que exigisse esforço por medo de não fazer bem feito e porisso sempre passei a imagem de preguiçosa.
      Fe

      Excluir
    2. Pra mim o medo pode ser insegurança e falta de confiança em si mesmo, acreditar que não é capaz. Lembranças de erros cometidos no passado e medo de repetí-los. Creio que o tratamento poderia te ajudar sim.
      Fe

      Excluir
    3. O Fe, tudo bom? Sim também tenho receio de tomar certas decisões, sou uma pessoa insegura e presa aos erros do passado, tachada de preguiçosa, desanimada, mas juntando a isso, nesses últimos tempos, tenho ficado com medo de tudo, como sair de casa à noite, de andar sozinha nas ruas etc. Vou relatar um fato que aconteceu comigo, uma vez recebi uma ligação de uma pessoa à
      meia-noite, como ninguém que eu conheça tem o costume de me ligar a essa hora e o número não estava na minha agenda, imaginei "um zilhão" de coisas, que era um bandido, ameaças... Fiquei tão nervosa na hora que até senti enjoos. Eu sei que é coisa da minha mente insana só que tem me incomodado um pouco, talvez com tratamento eu me livrasse dessa constante sensação de perigo. Beijão e obrigada!!!


      Lídia

      Excluir
    4. Eu também não tenho amigos e sou muito medroso, rs.

      Também começo criar ideias mirabolantes na minha cabeça, e é o tempo todo fazendo esse exercício contrário, de dar lucidez à minha própria loucura.

      Excluir
    5. Oi Lídia!
      Olha o remédio ajuda muito, ganhamos em foco, atenção, ânimo.
      Precisamos de um apoio psicológico também. Eu uso esse blog como terapia e também tento me policiar. Todas as minhas decisões e sentimentos eu ponho à prova. Penso assim: esse sou eu ou é o TDAH?
      Ajuda bastante.
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  12. Definiu tão bem tudo... Perfeito teu texto.
    Às vezes, nem meu novo psiquiatra entende, diz que "certas coisas" não são da doença. Ai venho aqui e leio as "certas coisas" acontecem contigo e com quem comenta. Com certeza coincidência não é...
    Infelizmente tu têm razão. Acabei de gritar no telefone pra minha irmã que eu sou uma doente mental, mas nem tudo é doença em mim. Ela disse: tu não é louca. Não sou louca de internar (ainda), porém tenho uma doença mental que poucos médicos sabem tratar e todo mundo prefere fingir que não existe... Ou no meu caso andam acusando de que uso como bengala; pois apesar de tomar Ritalina ha 3 anos, só a pouco tempo descobri que metade da minhas neuras(como o isolamento- fujo das pessoas como se não houvesse amanhã) eram da doença e não meus. Um profissional incapaz de cuidar disso e minha ~mania~ de esquecer, por exemplo, que duas horas antes da consulta quase morri chorando por uma briga boba com alguém por um motivo banal, pois vi um livro bonito no caminho que cheguei lá tão feliz que me esqueci de contar.
    E ai é tudo solidão, todo choro, toda alegria, toda dor, tudo é sozinho...
    Também tenho vontade de sair espumando ou sangrando como tu escreveu, talvez fosse mais fácil para as pessoas entenderem...
    Nesses momentos, depois que passa a dor fico cantando:"Continue a nadar, continue a nadar..."
    Acho que é isso, a gente mesmo que sozinho têm que continuar a nadar...
    Abraço e obrigada pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei do mantra "Continue a nadar!"

      Outro legal também é o que Renato falava: "Força sempre!"

      Já que nadamos sós, temos que nos autoapoiar!

      Excluir
    2. Oi Débora, tranquilize-se, é assim mesmo.
      Mas você não está só!
      Mas, se posso te dar um conselho:
      Não fique atirando seu TDAH na cara das pessoas, elas não querem saber dele, preferem ignorá-lo e achar que você é preguiçosa, ou avoadinha. Sei lá por que.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  13. Ah lembrei: o psiquiatra disse que me puno e me culpo demais e isso não é do TDAH... Agora tô rindo, mas na hora queria dar nele(mas só disse que ele devia ler mais sobre a doença). Pra mim, esse é o sintoma mais difícil de me livrar e pelo que leio aqui parece que não sou a única. Não basta nascermos com uma doença que não pedimos para ter, nos punimos mais ainda por "livre e espontânea pressão" a cada mancada que damos por causa dela...
    Continue a nadar... =(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Débora C., tudo beleza?
      Olha vou ter que discordar completamente do seu psiquiatra, porque nossa "mania" de punição e sentimento de culpa são reflexos de broncas injustas que recebemos a vida toda. Se na maior parte da somos repreendidos por coisas que não conseguimos controlar acabamos achando que realmente temos culpa.
      Também estou lutando para me livrar desse julgamento desleal que fazemos de nós mesmos.
      Boa sorte na sua luta!
      Abraços,
      Aline

      Excluir
  14. Oi Alexandre, adorei o texto e aproveito a oportunidade para me solidarizar a você. Sexta-feira passada estava dizendo justamente isso para a minha psicologa, acho muito solitária a vida do pós-diagnóstico principalmente porque para a gente saber que tem tdah explica tudo e para os outros complica tudo. De repente a gente não pode mais dizer que somos desatentos ou desastrados sem recebermos um olhar desmerecedor. É duro sentirmos que, mais uma vez, as pessoas que tanto amamos nos excluem e ignoram nossas limitações...
    É acho que essa situação se repete na maioria das famílias, por isso, temos que novamente superar o desafio de ser indiferente a indiferença.
    Ainda estou tentando, quando conseguir lhe aviso kkkkkkkk
    Abraços,
    Aline.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline!
      Obrigado pelo elogio!
      O dia que você conseguir, não apenas me avise, mas me ensine como conseguiu. rsrsrs
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  15. Citei você e seu blog no meu blog :))

    http://seguindocomtdah.blogspot.com.br/2013/06/dormir.html

    ResponderExcluir
  16. As pessoas esquecem mesmo. Um dia sentei um tempão com uma amiga, ai contei desse problema. Nós ficamos até 2 da manhã conversado.
    Ai esses dias atrás falei que tinha ido no psiquiatra. Ela perguntou porque?
    Isso chateia, e muitos pensam que não temos nada, que é comum e tal. Minha amiga acha que tenho mania de doenças, ela não entende nem tenta entender o que são comorbidades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é muito interessante.
      Conversei com um amigo outro dia, arquiteto, com doutorado, e ele negava a possibilidade do meu TDAH.
      Sei lá por que agem assim.
      Mas, vamos seguindo adiante.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. Eles tem uma ideia pre-concebida de tdah, o que muitos vezes acontece com médicos.
      As vezes é assim, quando fala pra não acredita,quando fala pra outro acha que tem também kkkk

      Excluir
  17. Oi Aline, eu também discordo dele.
    Tanto que falei para ele ler mais sobre o assunto. Por sorte, desde que comecei a descobrir essas "manias" encontrei um neurologista especializado nisso. Ele define nas consultas tudo que sentimos que parece que têm TDAH também! Pq depois de ir 3 anos em um psiquiatria que não achou estranho eu dizer que tava tudo bem SEMPRE! Eu procurei o neuro e disse que achava que era louca e que não tinha TDAH... Ai ele fez todos os exames neurológicos, as perguntas, os testes de Qi e fui diagnosticara como TDAH múltipla(acho que é isso- esse mês não consegui tomar a medicação!!) com comorbidade de ansiedade e disortografia...
    Mudei de psiquiatra e tô melhorando com a terapia cognitiva comportamental. Ajuda muito quando temos psicólogos realmente interessados em ajudar... Tô focando nisso para me livrar desse sentimento de culpa e a auto punição/auto sabotagem...
    Pena que tudo isso é muito caro.Vivemos em um país em que gastam milhões para construir estádios de futebol, enquanto a lei que nos garante tratamento gratuito não sai do lugar. Gasto quase todo meu salário com isso, pq não aguento mais perder as pessoas que amo e por sofrer por não ser compreendida. Parece que somos patinhos feios, mas que no final nunca seremos vistos como belos cisnes. Estamos sozinhos.
    Escutar que tudo que faz é de louco pq as pessoas não acompanham nossos pensamentos ou não entendem que vemos o mundo mil vezes mais rápido ou com menos interesse que os outros é triste e solitário...

    ResponderExcluir
  18. Escrevi um texto, tão legal e real, que ao tentar querer corrigir,colocar aspas, apertei o botão errado e o apaguei.
    Agora já estou com preguiça e sem vontade de escrever tudo denovo. É sempre assim...
    Amanha tento denovo.
    ABS
    TIAGO MESTRE

    ResponderExcluir
  19. araca Alexandre!
    Essa acertou na mosca!
    O Camões deu uma dica pra gente (adaptei):

    TDAH é fogo que arde sem se ver;
    É ferida que dói e não se sente;
    É um contentamento descontente;
    É dor que desatina sem doer;

    É um não querer mais que bem querer;
    É solitário andar por entre a gente;
    É nunca contentar-se de contente;
    É ver tudo o que se ganha se perder;

    Foi só trocar algumas palavras.
    Há 4 meses atrás não consegui ler nem a segunda linha de um poema desses. Já disse aqui e repito - Seu blog me ajudou no diagnóstico demais e agora está me dando um suporte power plus extra para o tratamento. Seguindo o planejamento estou agora no Wellbutrin XL 300mg. Aumentei essa semana e pá!! O que estava bom tá melhorando. Espero que continue assim. Muita gente tem efeitos colaterais muito ruins com este remédio. Agora eu durmo bem, acordo com tranquilidade e vontade. A concentração está indo de acordo e a memória está me assustando. Quanta coisa to lembrando. Boas e ruins. Foi cada besteira que fiz e só agora to me dando conta. Na parte profissional salvei minha pele. No relacionamento tá meio complicado, mas tá melhorando e na parte pessoal não estou mais fugindo tanto de todo mundo.
    Eu nem comecei a dizer para os amigos o que tenho e já parei. Todo mundo está muito preocupado em troca o celular pra poder acessar sua rede social e viver virtualmente ou se vai chover ou com a enchente na china. Aí a gente sabe quem é amigo e que podemos contar. Uma coisa melhorou bastante e minha mãe tá adorando o resultado. Tudo aquilo que eu comprava porque era urgente, precisava muito daquilo e depois de 2 horas não servia mais pra nada ia pra casa dela. Não to comprando mais nada... inutil porque to bem equilibrado e útil porque o TDAH acabou com minha grana (podem rir dessa parte - dinheiro na mão de TDAH é Tsunami).
    Vixi.... fiz igual ao Tiago. Fui postar e deletei um monte de coisa.
    E assim vamos vivendo, matando um allien por hora. Não é fácil, mas temos que tentar enfrentar sem perder nosso humor criativo e zoarmos nós mesmos.
    Uma pergunta pra todos: Alguém já fez biofeedback? Sabem se funciona?
    Abração Alexandre. Vida longa ao seu blog. Parabéns e muito obrigado pelo espaço. Rafael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Rafael!
      Cara, vc disse tudo, dinheiro na mão de TDAH é Tsunami e a Ritalina ainda não consertou muito isso em mim não.
      Boa sorte e continue nos contando de suas conquistas, ajuda muito.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  20. Gente preciso me tratar mais não seu qual o profissional correto a se procurar, Neurologista, Psiquiatra ou quem alguem me de uma luz abrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recentemente me vi frente a esse dilema: Qual o profissional adequado? Minha resposta é: o especialista, ou que, pelo menos, conheça TDAH e o reconheça como transtorno.

      Neurologista: Alguns neurologistas reconhecem e conhecem o TDAH e poderão, além de diagnosticá-lo, medicá-lo. SOMENTE. Digo ainda que é difícil encontrar um neurologista especializado em TDAH. Eu não encontrei nenhum especialista (nem pra TDAH nem pra Enxaqueca) e muitos são ignorantes no assunto. Apesar disso encontrei um neurologista que conhecia um pouco sobre TDAH e decidiu me ajudar.

      Psicólogo: Pode te diagnosticar mas não medicar. Além de diagnosticar pode te ajudar no tratamento não-medicamentoso e te encaminhar para um psiquiatra. É muito importante pro tratamento do TDAH o acompanhamento psicológico que vai te ajudar a entender mais sobre o transtorno e sobre você mesmo. Além de te ajudar a superar traumas e estigmas causados por anos de dificuldades.

      Psicopedagogo: Pode te diagnosticar e te ajudar com tratamento não-medicamentoso. Foi quem ME diagnosticou e era uma especialista também TDAH. O tratamento geralmente é com terapia psico-cognitiva e ajuda MUITO. Traz resultados a médio e longo prazo.

      Psiquiatra: Pode te diagnosticar e te tratar com medicamentos.

      Eu julgo importante o tratamento com as três áreas: Psicológica, Psicopedagógica e Medicamentosa (seja com Neurologista ou Psiquiatra).
      A terapia te ajudará a condicionar o cérebro a compensar a falha química que causa o TDAH, além de ajudar a reverter os maus hábitos que seu cérebro cirou.
      O remédio vai te ajudar APENAS a curto-prazo. Eu o considero o "band-aid" que vai te ajudar a colocar sua vida no lugar e a enfrentar o dia a dia sem se prejudicar.
      Espero ter ajudado!

      Excluir
    2. Poxa, esse seu comentário foi um post, Mandy!
      Irretocável!
      Obrigado, estou de emprego novo e tenho tido dificuldade de responder aos comentários por falta de tempo. Valeu a força!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  21. Esses dias venho pensando nisso... Dei numa de querer me relacionar, mas realmente é difícil encontrar alguém pra compartilhar... são mundos muito diferentes. E talvez essa característica que alguns de nós temos, de nos virar bem com a solidão, de saber estar sozinho, seja essencial pra que possamos enfrentar melhor nossa batalha.

    As pessoas me falam muito que eu tenho que sair do casulo, me permitir, mas dá uma preguiça. E eu não sei qual é o certo, se é eu ficar aqui no meu mundinho ou tentar me envolver com outros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Particularmente, não acho certo viver sozinha, mas senpre me senti bem sozinha. Interagir com as pessoas acho mais saudável. Acho mais interessante ser participativa, mas sempre acabo me isolando de novo.
      Fe

      Excluir
    2. Marcos também tenho preguiça de estabelecer relações, mas sinceramente me sinto bem assim, quanto mais o tempo passa mais isolada fico, acho que "Zé Buscapé" perde "de longe" para mim. Rsrsrs. Não acho certo, afinal, precisamos um dos outros, porém não sei ter relacionamento sério, manter amizades, acado decepcionando as pessoas (fugindo de compromissos) ou as pessoas me decepcionam, por isso nunca tento me aproximar, fico só no "oi, tudo bem?"; "bom dia", eu sei que no fundo sempre vai terminar mal e pra não me aborrecer evito contato, o que me preocupa é que não sei até quando vou conseguir viver dessa forma. Abs. Lídia.

      Excluir
    3. Acho que vou fazer um post sobre essa preguiça que temos.
      Esse termo aparece demais em nossas vidas.
      Preguiça de gente, de relações, da vida...
      Cuidado Lídia, temos esse péssimo hábito de 'prever' o futuro e acabamos 'forçando-o' para caber em nossas previsões.

      Excluir
  22. Fe penso da mesma forma, acho que ninguém nasceu pra viver sozinho, mas eu me sinto bem sozinha. Meus relacionamentos não duram muito, fico triste e tal, eu queria mudar este jeito mas não consigo. Parece que me habituei a viver isolada, sei que isto não é saudável, mas não me sinto infeliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comigo é assim também, meu relacionamento com as pessoas é bem confuso. Sempre acabo magoando os outros por viver com a cabeça longe. Tento mudar e acabo repetindo o mesmo comportamento, e isso cansa as pessoas. Acham que não quero mudar. Não acho certo mas gosto de estar só.
      Fe

      Excluir
    2. Minha dificuldade de comunicação (pra falar, não pra escrever) deixa tudo muito confuso também, nunca consigo deixar claras as minhas verdadeiras intenções. É sempre uma confusão só e nunca se resolve, e perco mais uma amizade de novo. Tenho um pouco de preguiça também e me sinto muito bem quando estou sozinha, mesmo sabendo que não é correto viver isolada.
      Fe

      Excluir
    3. Engraçado, não tenho nenhuma dificuldade em me relacionar com as pessoas, só não gosto, tenho a famosa preguiça. Gosto de me relacionar com minha família e olhe lá.
      Alexandre

      Excluir
    4. Tenho um pouco de dificuldade, mas tenho bastante preguiça também. Me sinto bem quando estou sozinha.
      Fe

      Excluir
  23. Tenho a sensação de sempre estar sendo comentada, observada com maus olhos em relação ao meu jeito de ser - que é diferente, não tem jeito.
    Por isso prefiro ficar longe de pessoas.
    As que são íntimas, ok. Já me entendem mesmo sem saber do TDAH, mas gostam do meu jeito. Mas entrar em um novo grupo, por exemplo, tremo na base.
    à primeira vista consigo impressionar a todos. Todos me acham extremamente sociável, bem humorada, inteligente. Mas é só adentrar em determinados assuntos ou ao abrir maior intimidade que começam os olhares esquisitos.
    "parece um homenzinho ela, é?" "nossa, ela é o macho da relação", "nossa vc é bem alternativa né" - só pelo fato de eu ser uma mulher com muito, muito pouca frescuras de mulherzinha.

    ah F*dam-se.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Victoria, legal ver você aqui de novo!
      Sabe, amiga, ser diferente, assumir comportamentos diferentes (inclusive assumir publicamente o TDAH) trás muitos transtornos.
      Eu sou considerado o chato, sou do contra. Não bebo, não fumo, odeio música sertaneja, detesto UFC, não gosto da esmagadora maioria dos filmes de ação. Tem um monte de gente que 'discrimina', ou pior, tenta me convencer a beber ou gostar do que não gosto.
      É isso, se você quiser ser diferente (ainda que seja só pelas poucas frescuras) habitue-se à ideia de ser criticada.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  24. enine

    Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos Como um deus e amanheço mortal

    E assim, repetindo os mesmos erros, dói em mim Ver que toda essa procura não tem fim E o que é que eu procuro afinal?

    Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal O que não pode ser dito, afinal Ser um homem em busca de mais, de mais... Afinal, como estrelas que brilham em paz, em paz...

    Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos Como um deus e amanheço mortal

    Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal O que não pode ser dito, afinal Ser um homem em busca de mais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bonito!
      Nunca ouvi, vou ver se encontro.
      Obrigado
      Alexandre

      Excluir
  25. Iria comentar, mas qualquer comentário mais profundo me levaria as lagrimas, e eu estou no trabalho!

    Sempre sozinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruno!
      Força amigo!
      Por isso estamos aqui, precisamos e contamos uns com os outros.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  26. me perdoe pela sinceridade, mas isso é muito injusto, porque como esposa de portador de TDah sofro e muito!!! è muito mais complicado pra quem convive do que pra quem tem a doença, mesmo porque muitas vezes ela acaba sendo uma muleta pra td, é muito cansativo, muito sofrimento sim!! vcs não estao sozinhos, porque ninguem está, e todos que os rodeiam e os amam sofrem as vezes ainda mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Magali!
      Perdoe-me Magali, não quis ofendê-la!
      Mas no geral as pessoas ignoram ou negam o TDAH, claro que tudo na vida tem exceção. Mas quando somos diagnosticados adultos, a grande e esmagadora maioria das reações das pessoas que nos cercam é de negação ou indiferença.
      Sorte do seu marido que você não é assim.
      Quanto à muleta, quem não as tem?
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. Oi Alexandre, por favor nao me interprete mal, na verdade acabei desabafando rs....vc tem razão, é muito complicado mesmo lhe dar com td isso....e as vezes fico meio furiosa rs...mas seu blog me ajuda muito viu!! Aprendi muito sobre Tdah aqui com vc...obrigado !!! e Tamo junto!!! kkk

      Excluir
    3. Não se preocupe, Magali, esse espaço é pra isso mesmo.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  27. Ae galera, estou de volta! sou portador de TDAH, acho que no mais alto estágio, a vida do Alexandre é uma cópia da minha,e uma cópia ou uma quase cópia de muitos amigos aqui. Vou simplificar, pois somos muito "chato" e "repetitivo" muitas vezes ehehehe

    SOMOS DEMAIS!! SOMOS DEMAIS!!!

    Tá certo, que na infância éramos avoados,preguiçosos, sempre com má vontade, sempre fazendo algo prazeroso,nunca o que é chato, sempre criando "atalhos" para conseguir tudo,sempre inquieto,capeta, tímido, amigos imaginários, sonho de ser super-herói(a), cadernos todos em branco, fazendo a tarefa na hora ( olhamos onde a professora iria começar a passar pra ver, sentávamos em um lugar, onde dava tempo de copiar rapidinho, deixamos umas 3 em branco...e na mó cara de pau falávamos :"deixei em branco, pq não sabia" ehhehehe

    Nós não somos demais??

    Chega na fase universitária, vc sente menos o tdah, devido a correria da faculdade, e diversos eventos legais onde sua cabeça viaja naquela"ilusão", a nossa única preocupação é TCC, mas para nós é batata, enquanto estão todos preocupados desde o penúltimo ano, estamos tranquilo, compramos ou copiamos de alguém ou "trabalho-pronto" da vida, ficamos louco de estudar nos últimos 2 dias, tiramos 6,7 e passamos na banca, fácil para nós EHEHHEHE

    A fase adulta é mais complicada,porque os compromissos e tarefas aumentam, responsabilidade, família, etc...
    Realmente é horrível, nossa procrastinação(adiar) tudo o que temos, nossa desorganização, relaxo, a falta de vontade que nos domina e não dá vontade de fazer tal atividade, contas não pagas ( nem os envelopes abrimos) ehehehe, temos de fama de não cumprir o que fala, inventamos um monte de desculpas, acaba sabonete,pasta, papel higiênico, vamos comprar , dps esquecemos, e as vezes esquecemos porque queremos, sem vontade ( ah! eu dou um jeito, não vou morrer, por causa de uma pasta de dente) ehehhehe. de trágico de torna comico, não é?
    Relacionamentos amorosos então em um bumerangue eterno, nem vou entrar nesse detalhe...mas enfim

    E a nossa correria de ultima hora, fazendo milhares de cálculos por segundo, pra ver se vai dar tempo de chegar no compromisso, fazemos milagre. todo o dia me lembro daquele programa passa ou repassa, onde temos que realizar milhares de tarefas, como trocar de roupa, pentear o cabelo, por a meia, sapato, escovar os dentes, gel,perfume,carteira(bolsa), contas....etc em 3 minutos e meio. Saimos de casa, contando com os semáforos abertos, é uma doideira... mas fala que não nos divertimos com isso? claro q sim, precisamos de dopamina no cérebro.

    cont.

    ResponderExcluir
  28. Agora!! vamos nos animar galera!! vamos falar sério agora!!! não somos demais???

    SOMOS DEMAIS, PORQUE VIVEMOS UM DIA APÓS OS OUTRO

    SOMOS DEMAIS, Porque temos raciocínio rápido, e deixamos muitas vezes , muita gente de boca aberta

    SOMOS DEMAIS, porque conseguimos nos adaptar em qualquer ambiente, aprendemos a ser Magayver ,com um punhado de fubá na mão e um palito de fosforo, sabemos que não morreremos de fome.

    SOMOS DEMAIS, PQ TEMOS ideias brilhantes, tá certo que não concluímos quase todas, mas creio as que vc conseguiu concluir, lhe rendeu ótimos ganhos, sem muito esforço.

    SOMOS DEMAIS, porque já viajamos quase o mundo todo, já fizemos cruzeiros, já viajamos quase o Brasil todo, entre outros.

    SOMOS DEMAIS, porque conseguimos amar jogos e casinos e se aproveitar de raciocínio rápido em jogos rápidos(blackjack e roleta)

    SOMOS DEMAIS, porque sabemos que existe um ditado que nos agrada, ANTE SÓ,DO QUE MAL ACOMPANHADO" Curtimos ficar sozinho, aprendemos e gostamos! quando estamos com alguém, ficamos com ela 2 dias seguidos e dps queremos paz..

    SOMOS DEMAIS, pq não gostamos de fofocas, com gente em bar ou falando mal das pessoas ou contando vantagem em tudo, o brasileiro por uma questão cultural se alimenta de ego, de status... nós não estamos nem ai com a condição do outrem.

    NÓS NOS ALIMENTAMOS DE NÓS MESMOS! DE DESAFIO! DE SONHOS! DE VIDA!!!

    SE ANIME!! NÓS SOMOS DEMAIS!! NÃO SOMOS LOUCO....

    simplesmente somos

    EVOLUIDOS!!!!

    Abraços
    TIAGO MESTRE

    ________________________ -- ______________________

    autorizo o Alexandre a fazer um post sobre esse comentário, para fruto de animar a todos nós, que somos demais e evoluídos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thiago, menos... bem menos...

      Excluir
    2. Oi Tiago!
      Valeu a força amigo!
      Vou pensar sobre o post, mas na verdade não sei muito ao certo se sou tão demais assim.
      Os efeitos de 50 anos de TDAH não são fáceis e, apesar de me achar brilhante em algumas áreas, minha vida é tão enrolada e tenho sentimentos e comportamentos tão solidificados que muitas vezes tenho dificuldade em mudá-los.
      Vou pensar, prometo!
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  29. Boa noite..

    Uns dias atrás, fui diagnosticado como TDAH após uma consulta com uma psiquiatra..
    Comecei a tomar o remédio...
    Esta mudando a minha vida...
    Eu descobri aonde nascem as atitudes..
    Até hoje eu me culpava por não ter determinação... agora eu vejo que não era minha culpa..
    Eu tinha medo do mundo, pois sabia que na hora que eu precisasse, eu não estaria lá...

    Eu perdi uma mina que eu gostava..
    eu me achava um fracassado...(na verdade perdi muitas... esta é recente)
    Eu também gosto de me isolar... gosto da solidão.. de ficar sozinho..

    Eu acho que nós temos um lance legal em relação aos outros:
    Sobrevivemos lutando contra nós mesmos..
    Quantas habilidades não desenvolvemos para taparmos os buracos de nossas desatenções ?

    Agora que sabemos que existe tratamento para a nossa doença, temos o que faltava para o nosso sucesso...

    Putz..Tenho tantos sonhos... tantas coisas que planejei...eu via as pessoas vivendo, agora eu sei que posso tb...

    Ontem paguei um divida de 6.000 reais...
    o motivo da divida : Procrastinação (começou com 500 reais, devia ter pago 5 anos atrás)...

    Tenho 36 anos, tenho uma tv , uma guitarra e uma pedaleira. Não tenho mais nada além disso (nem faculdade, nem carro...)..

    Eu vou conseguir sair do buraco...

    Acho que seria legal vencermos na vida...
    Quando conseguirmos sucesso, podemos compartilhar nossas experiências e ajudarmos outros que tem algum transtorno...

    Não vamos deixar isto estragar as nossas vidas...


    Zandor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Zandor, eu sei o que é chegar aos 30 e poucos anos e não ter nada. É muito triste isto isto. Ano passado, tive que pagar quase 500 reais de juros ao banco do brasil, só lembro que tirei 15 ou 20 reais do meu limite, depois não fui mais atras e quando me dei conta, tava devendo um monte.

      Se você procurou ajuda médica, ótimo!, não deixe de tomar seus remédios, carregue junto contigo se for o caso;

      A ritalina trouxe efeitos muito bons na minha vida. Além da minha concentração melhorar praticamente 100%, o remédio também me dá mais energia física e mental. Sabe a famosa 'preguiça' que sentimos? Com o uso do remédio eu já não sinto mais. Consigo ter até mais iniciativa, determinação para as coisas. Eu não sei explicar direito, mas até nosso comportamento muda também.

      Tenho quase 35 anos, eu penso que se tivesse descoberto este problema na infancia ou na adolescencia, minha vida seria bem outra....

      Mas antes tarde do que nunca. Já faz uns anos que fui diagnosticada, mas nunca segui o tratamento direitinho, eu tomava o remédio um dia, depois esquecia. Agora carrego os comprimidos na minha bolsa.

      Ainda estou na faculdade, mas pelo menos agora, me sinto mais capaz de termina-la. Nestes últimos anos, to me dedicando aos estudos pra melhorar minha vida, estudo para concurso públicos, estou fazendo uns cursos... Passei tantos anos na minha procrastinando, que agora me vejo na obrigação de me exigir o máximo.

      Excluir
    2. Oi Zandor, parabéns amigo!
      Você está de pé e sua determinação e coragem serão turbinadas pelo seu tratamento.
      Preste muita atenção aos seus sentimentos, seus comportamentos e suas decisões. Antes de tomá-las, pense se são frutos do TDAH ou se são suas mesmo. Assim você sempre poderá alterá-las quando perceber que são fruto da doença.
      Força amigo, estaremos sempre aqui, eu, nossa amiga aí em cima e todos os que leem e participam desse blog.
      Boa sorte e conte conosco!
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  30. Sei que aqui não é bem o lugar certo, mas escutei essa música hoje e me deu uma vontade de dividir com vocês...Penso cá com meus botões que muitos vão se identificar.. Ela é de um artista gaúcho que amo muito, quem quiser aproveite e escute.

    "Deixa eu me perder (Vitor Ramil)

    Pequeno mundo meu
    Menos que esquecer
    Ficar dizendo coisas
    Que não me vêm
    Ontem eu sumi
    Parece estranho, eu sei
    Mas escureceu
    Pequeno mundo meu
    Eu anoiteci
    Perdido dentro da paisagem
    O carro leva minha imagem
    Não acho o que me dizer
    Não sei o que quero achar
    No rádio essa voz me diz
    Que a vida é o melhor lugar
    Pode ser
    Tudo que eu segui
    Viaja atrás de mim
    Coisas, quando vêm
    São coisas que se vão
    Sem eu perceber
    Amanhã também
    Parece estranho, eu sei
    Mas eu vou sair
    Pequeno mundo meu
    Deixa eu me perder
    Perdido dentro da paisagem
    O carro leva minha imagem
    Não acho o que me dizer
    Não sei o que quero achar
    No rádio essa voz me diz
    Que a vida é o melhor lugar
    Pode ser
    Deixa eu me perder"
    https://www.youtube.com/feed/history

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Débora!
      O lugar é aqui sim! Fique tranquila, esse é um espaço democrático e aberto a qualquer manifestação ou opinião sobre o TDAH, nossa vida e nossos sentimentos.
      A música é muito legal, lembra bastante momentos que temos na vida.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  31. Segue um artigo:

    APROVADO NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO - DIA 05/06/2013

    O Projeto de Lei 7081/10, que dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento do TDAH e Dislexia na educação básica, foi aprovado em três Comissões no Senado Federal e, agora, só faltam mais duas para que seja reconhecido como Lei Federal.

    http://www.tdah.org.br/index.php?option=com_k2&view=item&id=225%3Alegisla%C3%A7%C3%A3o&Itemid=136&lang=br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu vi isso e devo fazer um post sobre o assunto.
      Obrigado pela contribuição
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  32. Era bem isso que tinha na cabeça, show de texto, muito bem escrito. Sucesso no blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rafael!
      Valeu a força!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  33. Alexandre,

    Você lê todos os comentários? Raramente passo por aqui; e acho que ler o post, hoje, foi providencial. Essa questão da solidão poucos entendem, quem tem déficit de atenção sempre estará sozinho. É tanto ruído...

    Já leu o poema "GUERRA CIVIL", de Miguel Torga? É para todos nós.

    Sou uma daquelas "TDAH" que não sai do armário - e prefiro assim -; sou professora e também na educação o terreno é pantanoso. Na minha profissão sou tida como organizada (imagina só!), mas ninguém imagina o tamanho do meu caos interno. Quase engano bem. Aliás, será que alguém com déficit é capaz de trabalhar com algo de que não goste muito? Sou dedicada e me esforço muuuuuuito, mas a procrastinação, a falta de noção do tempo e o sentimento de derrota me matam... Estes, aliás, dentre outros, não são nossos maiores inimigos? Acho que sim.
    Você escreve bem, seus textos são bons de ler. R.

    P.S.: estou escrevendo com um "olho no peixe e outro no gato": fico ouvindo os ruído lá do quintal pois coloquei frutas para fotografar morcegos. É minha vibe do momento.

    R.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sensacional seu comentário!
      Primeiro essa sua vibe de fotografar morcegos é muito legal! Nunca havia imaginado que alguém pudesse ter esse interesse por um bicho tão... estranho.
      Quanto a trabalhar com o que não se gosta, Renata, eu fiz isso quase que minha vida inteira, mas sempre com resultados medíocres.
      Obrigado pelo incentivo!
      Apareça sempre, adorei seu comentário!
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  34. Epa! "ouvindo os ruídoS"

    ResponderExcluir
  35. A única solidão que sinto é em despeito ao TDAH.
    Me sinto só no problema,a saúde publica não chega no problema..
    Não sinto solidão em relação as pessoas,alías,prefiro estar só que,que estar com as pessoas,muitas vezes.
    São relevantes pra mim mas,se sou solicitado,não serei arrongante ou egoista de negar.

    ResponderExcluir
  36. Essa sua maneira de conseguir colocar em palavras todo um roteiro absurdamente linear, girando 360° em torno de si e colocando o ponto de vista dos "outros" exatamente como é, cara é sensacional!

    ResponderExcluir
  37. Alê a julieta é figura do conhecimento.

    ResponderExcluir
  38. Oi, Fernando! Muito interessante seu blog! Fui diagnosticada com DDA do tipo predominantemente desatento e isso me prejudica muito. Essa solidão que você me diz em mim sempre lateja, tenho preguiça das pessoas, mas acabo sentindo falta delas às vezes e o porquê disso tudo eu não sei.
    Sou extremamente impulsiva, acho a vida toda muito interessante e boba. Tenho que focar em milhões de coisas e não consigo nada, uma formiga com uma folha nas costas é mais interessante do que qualquer coisa. Não sei se isso é predominante no DDA ou se é da minha personalidade, mas costumo sofrer muito por amor, mas esqueço rápido em seguida. A vida pra mim é sempre um penhasco e eu tenho a sensação que eu tenho que me jogar para que aconteça algo. Essa música do Kid Abelha me traduz perfeitamente. http://www.youtube.com/watch?v=kmbbV9fXcgc

    Era só um comentário para elogiar seu blog, mas acabei falando um pouco de mim para te sugerir a falar mais de amor e impulsividade.

    Beijão e vida longa ao blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não ficou confuso não! O que vc sente e exatamente o que sentimos, nos somos muito parecidos, até demais, quando puder entra no chat, sempre estou as tardes ok? Abraços!

      Excluir
  39. Reli agora e vi que ficou um pouco confuso, mas acho que deu pra entender, né? rs. beijo!

    ResponderExcluir