domingo, 25 de agosto de 2013

O TDAH PULSANDO DE CULPA!






Mais que uma tatuagem, a culpa é uma cicatriz em nossas almas.
Uma cicatriz inchada e latejante a nos lembrar de sua existência.
Os erros passados desfilam em nossos olhos.
As críticas pretéritas ainda ecoam em nossos ouvidos.
Os olhares acusatórios pesam como uma cruz em nossas costas.
A culpa; sempre ela, gêmea xipófaga do TDAH; unidos pela mente, pelo coração, pela alma.
Ao contrário do que dizem nossos detratores, o TDAH não é insensível; muito pelo contrário, impelidos por um desejo incontrolável, por uma impulsividade indômita, erramos continuamente e acabamos eternamente torturados pela culpa.
Uma culpa pulsante, viva, interminável.
Velhos erros dançam diante de nós, como a oferecer-se para que os escolhamos como pares novamente. Aquela palavra final que jamais deveria ter sido dita, volta à nossa mente, sempre na superfície oferecendo-se para ser repetida. e a repetimos. E a velha cicatriz pulsa, a velha dor nos aterroriza e juramos não experimenta-la de novo.
Ah, mas o TDAH é ladino! Espertamente nos faz 'esquecer' a dor, ameniza-a e nós, seus fantoches, acreditamos em seus ardis. E falhamos de novo!
Aquele desespero tantas vezes experimentado volta à nossa vida.
E nos cobramos de novo.
Quantas vezes, no auge do desespero imaginamos acabar com nossas vidas de erros e agressões?
Em outras tantas, decidimos romper relacionamentos, pedir demissão de empregos, abandonar pessoas e situações ao cometer pela milésima vez o mesmo erro. Nem precisa ser um erro grave, mas eternamente repeti-lo nos enche de vergonha.
Que vontade de abandonar o mundo, sair por aí de andarilho; um desconhecido sem passado, futuro ou expectativas!
Um andrajoso a despertar a comiseração de seus pares, mas livre, livre das cobranças, da culpa e dos erros infindáveis.
Mas o TDAH não nos abandona. Como diz meu amigo Marcel - ex Frank Slade - o TDAH que nos derruba é o mesmo que nos dá força para que nos reergamos.
E nos dá nossa famosa cara de pau para enfrentar , aparentemente, impávidos os nossos detratores. E essa aparente força interior para enfrentarmos nossos fantasmas, nos faz esquecer as dores passadas e nos impede de aprender com os erros.
E erramos de novo.
E a cicatriz pulsa.
E o gosto amargo da derrota nos inunda a boca novamente...


85 comentários:

  1. lindo post! mas transmite dor! triste :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é a nossa vida!
      Ainda bem que existem pessoas que acreditam na gente, em nossos sentimentos e na sinceridade da nossa luta contra a doença.
      Pessoas como você fazem a diferença em nossas vidas.
      Obrigado
      Alexandre

      Excluir
    2. Eu me sinto assim. Estou sempre diante de recomeços, de pessoas indo embora... É pesado... Conhecí o Evangelho de Cristo, mais ainda assim tenho que lutar com minha mente. É um distúrbio, não temos controle sobre ele, mas como não somos desfigurados, exigem a normalidade de nós. Esse blog é essencial. Obrigada.

      Excluir
    3. Tem razão, nosso distúrbio é invisível e a sociedade atual só acredita naquilo que vê, portanto estamos relegados a uma espécie de limbo, o tratamento é caro, os remédios são caros e o governo nos ignora solenemente.
      Obrigado por sua participação,
      Alexandre

      Excluir
  2. Eu já acompanho o blog há algum tempo, lendo posts e comentários, mas depois de muito procrastinar decidi comentar, porque hoje o post foi pra mim. Ontem eu cometi um erro muito grave com a pessoa que eu mais amo no mundo, e como sou tdah, o amo mais do q a mim mesma. E hoje minha alma é pura dor, porque estou decepcionada comigo, e por várias vezes pensei em partir para o salto final, também pensei em deixá-lo porque ele merece alguém melhor que eu. Tenho medo de mais uma vez cometer o mesmo erro, mas eu sei que mesmo que não cometa o mesmo erro, cometerei erros diferentes talvez até piores do que o erro que cometi ontem. Porque a gente não enxerga antes? Porque sempre tomamos a decisão errada? E parece que quando tudo esta bem é aí que eu começo a fazer um monte de besteira, e fico mal depois. Hoje eu precisava desabafar. Eu tenho 27 anos e fui diagnosticada aos 16, só que nunca me tratei de forma alguma. Eu encontrei o blog em um dia que fui colocar curriculum, e como sempre estava quase surtada, chorando pela rua com a certeza de que não adiantava nada procurar emprego que ninguém me contrataria. Nesse dia eu tomei um benzodiazepínico e me senti melhor, e consegui colocar todos os curriculum que tinha em mente. Quando cheguei em casa procurei por tdah em adultos e achei o blog através do post 12 sintomas do tdah em adultos. Li aos prantos porque era simplesmente tudo o que eu sentia, mas eu achei que jamais ninguém iria me entender, e estava ali na minha cara tudo o que sinto, penso e que só atrapalha minha vida. No momento não estou podendo procurar tratamento por falta de grana, mas desde de que conheci o blog estou me controlando melhor, pois estou me entendendo com a doença, e eu sei que assim que puder me tratar tudo ficará ainda melhor. Só que depois de muitos dias conseguindo me policiar e controlar a doença, ontem eu retrocedi, logo com a pessoa que mais me ama no mundo e sempre me apoiou. Ele convive com meus intempéries e só me devolve amor, mas ontem meu egoísmo fez com que eu o magoasse, e hoje eu to mal.Mesmo não sendo tdah ele é quem mais me entende, e muitas vezes eu acho isso muito injusto com ele, porque ele simplesmente não merece toda a dor que eu lhe causei, e na hora eu não enxerguei o quanto estava fazendo mal a ele e consequentemente a mim. Ele é a força que me fazer seguir, porque com a doença e sem remédios nós sabemos o quanto é difícil, e eu sei que sem ele eu seria um nada muito maior do q sou hoje. Pedir desculpas é fácil, mas não passa a dor, nem nele, muito menos em mim. Por isso precisava desabafar, e este post veio a calhar. Muito obrigada por esse blog. Desculpe o anonimato, mas quem sabe um dia com mais coragem eu saia das sombras. L.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, L !
      No meio de toda a dor do seu comentário, o que me chamou a atenção foi o fato de você ter sido diagnosticada há 11 anos e nunca haver se tratado.
      É o cúmulo da auto sabotagem.
      Pelo amor de Deus, não faça mais isso com a sua vida, com você, com as pessoas que você ama!
      O TDAH não mata, mas destrói nossos sonhos, nossas vidas, nossas conquistas, nossa alegria de viver.
      Por favor L, converse com a pessoa que você tanto ama, peça ajuda a ele para tratar-se, avida de vocês vai mudar de forma radical.
      Se o simples fato de você conhecer o blog e policiar-se já foi positivo, imagine o dia que você se tratar seriamente?
      Pense nele, um dia ele vai cansar de apanhar e decidir seguir novos rumos e você ficará com suas culpas e dores...
      Levante-se e trate-se!
      Sua vida vai melhorar, a vida dele vai melhorar!
      Conte comigo!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  3. Este post tras respostas certeiras aos meus comportamentos de sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Adriana!
      Por que você não muda seus comportamentos?
      Trate-se, cuide-se, ame-se!
      O tratamento não nos faz perfeitos, mas nos dá tranquilidade para encarar esses erros com a paz de espírito de quem luta para melhorar.
      E olha, faz muita diferença em nossas vidas.
      Obrigado por sua participação,
      Alexandre

      Excluir
  4. Alexandre o grande, o que vem a ser xipófaga ???
    kkk
    aguardo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo grande. acreditando que o grande seja um elogio.
      Xipófagas são aquelas crianças que nascem coladas umas as outras.
      Nós e a culpa.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  5. Quando fui diagnosticada achei que tdah era coisa de criança (pura ignorância), e como já era adolescente o pior já havia passado. Mas hoje eu vejo o quanto estava enganada, e agora que eu quero e preciso me tratar não tenho condições financeiras. Dos sonhos que tinha aos 16 quase nenhum eu realizei, e ainda tenho projetos no fundo do armário desde essa época. L.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi L, esse é um erro muito comum, era a crença até mesmo dos médicos a alguns anos atrás. Depois descobriu-se que o TDAH nos acompanha até a idade adulta em 70% dos casos.
      Tenta um neurologista ou psiquiatra pelo SUS, a Ritalina comum custa dezesseis reais e pode fazer toda a diferença na sua vida.
      Não desista de você, da sua vida.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  6. Ai, Alexandre! Como é triste ler tudo isso e ter a certeza de que é isso mesmo.

    Infelizmente, mais uma vez, eu e o Li terminamos. Não me conformo. É tanto amor, mas não conseguimos ficar juntos, não dá mais certo.

    Tenho a certeza que se houvesse a aceitação por parte dele com relação ao TDAH e que se ele se empenhasse, fosse atrás mesmo de entender, estudar, tratar o assunto, 90% dos nossos problemas deixariam de existir ou viriam a tona raramente.

    Enfim, estou muito triste.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Simone. é o Rafael P.
      É triste mesmo o que aconteceu. Você batalhou e investiu. Não deu certo (ou não está dando). Mas mesmo que a gente não ache as vezes, tudo na vida tem um sentido.
      O que o Alexandre escreveu é isso pra você e muito mais pra nós!
      O dar certo pra você é algo que define. O dar certo pra nós dura até o próximo chute no balde. Não é porque nos tratamos e estamos com uma vida de um certa forma estável que não vamos errar feio, os mesmos erros, e que isso é apenas a pulsação da cicatriz! (Alexandre, suas metáforas são demais!!)
      Então Simone, é tocar o barco, juntar os cacos e pedir à uma força maior para interceder por aqueles que não conseguem agir para o próprio bem e, por consequencia, para o bem do próximo.
      A L. acima deu um depoimento de desabafo que pode ser um passo importante para ela procurar ajuda. Quem quer ser ajudado arruma um jeito!
      Enfim, por tudo que já falou aqui, você fez muitas coisas que poucas pessoas fariam. Mas se você bater muito a cabeça na parede ela fica lá e sua cabeça vai machucar (meio tosco mas é verdade).
      Não some, afinal você virou mais uma especialista em TDAH e nos entende bastante!
      Um abraço e fique com Deus!
      Rafael P.

      Alexandre, não sei se consigo comentar esse post. É muita realidade pra mim! Faz a gente pensar no passado e apesar de estar em processo de desencanto com as coisas que aconteceram e não tem mais volta, tem muita ferida ainda! Algumas ainda estão abertas e nem começou a formar cicatriz!
      Mas muito bom mesmo! Acredito que é uma das coisas que mais nos deixam com o "mal estar" do TDAH.
      Abração.
      Rafael P.

      Excluir
    2. Ahhh SIMONE, que pena...
      Até mesmo a não aceitação pode ser fruto da doença, de nossos auto sabotadores.
      O problema é a dor que provoca nos outros, no caso em você amiga.
      Não seu culpe, você fez tudo o que podia.
      Às vezes precisamos chegar ao fundo do poço pra enxergar o óbvio.
      Boa sorte, Simone, se precisar conversar estarei sempre aqui. Nosso amigo Walter vai ficar tristíssimo de saber, mas parece que ele está atravessando uma barra pesadíssima e sumiu do blog.
      Força, Simone, você merece tudo de bom!
      Um grande abraço, com carinho,
      Alexandre

      Excluir
  7. qual o efeito do antidepressivo em quem tem tdah?

    grata

    J.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, J!
      Em geral muito pouco, são doenças distintas com tratamentos distintas.
      É muito comum que o TDAH venha acompanhado de outras doenças (comorbidades segundo os médicos) a depressão é a mais comum. Nesse caso são dois tratamentos distintos.
      No meu caso a comorbidade é o transtorno de humor, tomei Sertralina um tempo mas aprendi a me controlar sem ela.
      Procure seu médico, ou mesmo mude de médico, mas não se trate pela metade.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. é pq alexandre, ela decidiu tratar primeiro a minha ansiedade e investigar c mais calma o tdah. ela disse que se aplicasse testes comigo, sob ansiedade eles n teriam resultados reais. Porém me sinto mais distraída e com menos foco tomando o antidepressivo, queria saber se tem algo a ver ou estou mais distraída por outros motivos.

      grata,

      J.

      Excluir
    3. Pois então, J , a ansiedade pode ser apenas um acessório do TDAH.
      Não sou médico, mas jamais ouvi falar em ministrar antidepressivo antes de fazer os testes do TDAH.
      Creio que o efeito do antidepressivo pode mascarar os resultados do teste. Sei lá, ela é médica deve saber o que faz.
      Antes de mais nada, você sente os efeitos do TDAH na sua vida e pode comparar os efeitos com e sem o remédio. Mas relate o que está sentindo à sua médica e peça a ela que explique suas escolhas.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  8. A maior culpa que sinto, é não ter procurado ajuda médica antes. Os erros cometidos, o desânimo, o fato de ter sido uma aluna muito ruim; isto, hoje até consigo me perdoar, pois hoje sei que não era um desvio de caráter.
    O que mais me martiriza, é quando eu vejo que passei o melhor da minha juventude sem produzir nada de útil. Olho para trás e me pergunto: O que é que eu fiquei fazendo todos estes anos? O que eu tenho hoje?
    Eu sei que não adianta ficar se lamentando pelo que passou. Tento só pensar no presente e no futuro. Do passado, só tento me policiar para não cometer os mesmos erros.
    --------------------
    Mas se Deus quiser e ele há de querer, tudo vai dar certo. Depois de medicada (ritalina) minha vida deu um salto em termos de qualidade e produtividade. Tudo o que eu sonhava estou conseguindo realizar. Voltei a estudar, estou num emprego até bom e tenho muitos planos para mim.
    Como diz você Alexandre; a vida tratada é muito melhor.
    Denise M.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Denise, você passou a sua juventude à mercê de uma doença não diagnosticada.Não existe culpa nisso.
      Pare de olhar pra trás e não se deixe enganar pelo futuro.
      A vida é o presente, portanto viva-o da maneira mais equilibrada possível que você construirá o futuro que deseja.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  9. A Faca Derretida...
    Estou numa semana complicadíssima, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo e eu sem dar conta direito de nada. Eu gosto muito de gastronomia e tenho uma bela coleção de facas, todas presente do meu marido, mas tem uma especial, q é a d picar e fatiar em aço cromo, a minha preferida e a que ele mais demorou pra encontrar. Na segunda feira eu fiz uma torta salgada(depois d um belo corte no dedo. Porque como sempre estou pensando em um monte de coisas que não a atividade q eu estou executando no momento, minhas mãos são cheias de cicratizes). Até aí tudo bem, só que hoje ao abrir o forno pra limpar eu achei a minha querida faca com o cabo totalmente derretido. Fiquei péssima, pq mais uma vez eu estraguei uma coisa d q tanto gostava e q me fora dada com tanto carinho, e mais uma vez a culpa se apoderou da minha alma, logo agora q eu estava me recuperando da besteira q fiz no sábado. É só uma faca, mas eu fico pensando, pq ela foi parar no forno? Pq eu não olhei direito antes pré aquecer o forno, ou então quando eu coloquei a torta pra assar? Passei o dia remoendo esses pensamentos, triste, decepcionada comigo. E todas as outras coisas q eu preciso fazer ficaram meio q em suspensão, e eu penso na faca e choro, sofro, não pela faca em si(mas também pela faca em si), mas pelo monte de coisas q eu acabo estragando por causa do tdah. Só q a culpa é minha e ela lateja, e vem a tona a culpa por erros q eu cometi a anos atrás, e vai se criando uma bola de neve de pensamentos destrutivos. Nesse momento eu tenho um monte de coisas pra fazer, mas a minha vontade é deitar e chorar. Só q eu sei q isso só vai piorar a minha situação e é mais uma artimanha do tdah para não me deixar sair do lugar. Por isso vim aqui mais uma vez desabafar. Mais uma vez obrigada pela atenção. Eu sei q se eu falasse disso para pessoas q não entendem o nosso problema, elas iriam me achar ridícula, mas só nos sabemos como "uma faca derretida", pode desestabilizar as nossas vidas, já tão desestabilizadas. L.

    ResponderExcluir
  10. A vida toda, desde mais nova, sempre tentei disfarçar minha falta de atenção, é meu "ponto fraco", não gosto que as pessoas percebam. Somos sempre ensinados a sermos pessoas "sérias" e não sou assim. Sempre me culpei e me envergonhei muito, já tive começo de depressão. Hoje já sou mais "cara de pau".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi L.
      Eu sei, eu entendo, não é só a questão da perda da faca. É o erro em si. Minha vida foi cheia de pequenos e grandes erros, tudo causado pela distração. De todos os sintomas do tdah, o que mais me prejudicou foi a falta de concentração e a bendita distração. Eu também assim como vc sempre procurei disfarçar minha distração, porque esse também era meu ponto fraco. Eu sofri muito antes saber da existência do tdah, tive prejuízos enormes.
      Mas se vc já foi diagnosticada, porque não tenta se tratar? Eu sei que vc mencionou a falta de grana, e eu sei bem o que é isto. Tente achar alguma alternativa, posto de saúde, hospital público, tente pedir um desconto para o médico.
      Procura ajuda, não fica sofrendo a toa.
      Deborah

      Excluir
    2. Bom dia, L!
      Esse é o sentimento, revolta contra nós mesmos, decepção, frustração...
      Concordo com a Deborah, você deveria - pelo menos - tentar um hospital público, SUS, sei lá.
      Mas, se você não conseguir, tente criar estratégias para errar menos. Eu confiro tudo o que faço (ou quase tudo, rsrsrs). Me comparo muito a uma criança ou adolescente, que está no lugar errado, na velocidade errada, na altura errada. Então sempre confiro: estou no lugar certo? Essa é a melhor posição pra fazer isso? Segurando dessa forma não vai cair? O forno está vazio? Ontem eu estava fazendo um trabalho na empresa e usava uma faca pra cortar as fitas que eu usava pra embalar; sempre eu perdia a faca. Aí resolvi deixá-la sempre no mesmo lugar; e não a perdi mais.
      Entendeu, L?
      Claro, no princípio você vai se esquecer, mas tente domar seu pensamento, se precisar, fale baixinho com você mesma: estou cortando a carne, presta atenção L. Estou lavando os pratos. Agora vou pré aquecer o forno, antes vou fazer a pré inspeção do forno.
      Sem tratamento medicamentoso a única forma de se policiar, é ficar atento o tempo todo, sem tréguas.
      Tente, piorar não vai.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  11. Há uma coisa que eu não entendo - pode ser ignorância por falta de informação - mas vejo, com certa recorrência uma maior atenção quando se falam em tdah, como se tda fosse básico.Acho que de todos as características do tda, as que nos 'boicotam' e atrasam são mais perigosas do que a falta de atenção em si.. para elas não há receita pronta, é tão desgastante você se policiar para vence-las e manter a linha, e no fim, perceber que fez só 'o que lhe era de dever' =/ J

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, acredito que a desatenção seja o sintoma mais evidente da doença. Normalmente na escola a desatenção é a primeira observação relatada pelas professoras. Muitos outros erros são frutos da desatenção, o fato de não tentarmos aos detalhes, ou mesmo quando nos perdemos em caminhos já percorridos, ou repetimos o mesmo erro pela enésima vez.
      Mas concordo, existem sintomas mais graves do que a desatenção.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  12. Olá pessoal! Depois de muito sofrer sem saber o porque, há 2 meses atrás fui diagnosticado com TDAH e comorbidade no transtorno bipolar. Fazem 2 anos que estou me tratando em um psicólogo, inclusive, a linha que o mesmo segue é o psicodrama. Ando com muita dúvida se devo trocar ele por um da coginitivo comportamental (segundo pesquisas o mais indicado). O que acham? Alguém conhece ou está se tratando com um da última modalidade citada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Corvo.
      Nunca fiz nenhuma das duas modalidades de terapia, mas minha médica me recomendou a TCC por considerá-la mais rápida e mais eficiente do que os outros tipos existentes.
      Ainda não faço por falta de dinheiro.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  13. Olá meu nome é Angela, tenho 34 anos. O que vou escrever, não é um comentário ou uma pergunta, é mais um desabafo, e gostaria que por favor, alguém me desce um conselho ou uma opinião.

    Há bastante tempo, venho lendo os posts e comentários, os atuais e os mais antigos aqui do blog, e me enxergando em cada situação.

    Desde a adolescência eu sinto que tem algo de errado comigo, mas não sei exatamente o que. Tenho um sentimento de inadequação, parece que o meu ritmo é bem mais lento do que os outros.

    Por fora, sou uma pessoa alegre e normal, mas por dentro me sinto meio destruída. Coleciono uma série de fracassos, porque nada na minha vida saiu conforme planejei. E sempre tive o cuidado de não sonhar coisas impossíveis, minhas metas eram totalmente possíveis, e mesmo assim, não realizei nada. Também acho que o fato de guardar todos os sentimentos só para mim, sem nunca falar com ninguém, também não ajuda.

    Leio aqui, as pessoas dizendo que abandonam projetos pela metade. Eu abandono já no início. Perdi a conta de quantos cursos paguei e fui no máximo em duas aulas.

    Faculdade foram 3. Passei 3 vezes no vestibular em univ. pública e hoje não tenho diploma nenhum. Foram 3 oportunidades de ter uma profissão bem remunerada, que eu deixei escapar.

    Desde criança eu tenho problema em aprender, foi assim nos estudos e nos empregos que tive. Eu sempre com a cabeça no mundo da lua, enquanto deveria estar prestando atenção em coisas úteis.

    Faz 6 anos que fiquei viúva, como recebo pensão do meu marido, parei de trabalhar. Minha vida estagnou completamente. Parece que o desânimo tomou conta da minha vida. Não tenho vontade de sair de casa, chego ao cumulo de pagar para outras pessoas, comprarem algo no mercado para mim.

    Acho que meu maior problema é a falta de força de vontade. Eu tento ter, mas não consigo. Tipo, eu sei que preciso mudar, sei o que precisa ser mudado, mas simplesmente não consigo! Esta além das minha forças.

    Já li livros de auto ajuda, já fiz força para ter pensamentos positivos, mas nada disto resolveu minha situação.

    Alexandre, uma vez você disse, que a gente procrastina por medo, e concordo contigo. Tudo o que penso em fazer, já me vem aquele medo, aquela sensação que não vou dar conta do recado, e acabo não fazendo nada.

    Apesar da minha idade, meu maior sonho é poder voltar a faculdade, mesmo com as más lembranças que eu tenho, porque meu desempenho como estudante sempre foi péssimo.

    Essa sensação de não ter as rédeas da própria vida é muito ruim. Parece que eu virei uma pessimista patológica. Hoje a única certeza que tenho, é que para o meu próprio bem, preciso procurar uma ajuda médica.

    Tenho lido muitos depoimentos sobre como os remédios para transtorno de atenção podem melhorar a vida de uma pessoa. Tento não ficar criando muita expectativa para não ter mais uma frustração.

    Eu só quero ter uma vida mais produtiva. Os dias chegam e vão e não faço nada. Quero sair deste circulo vicioso, quero viver minha vida, passear, me divertir, mas nem para isto encontro animo.

    Desculpem pelo longo texto. Sempre quis conversar sobre isto com alguém, mas quando começo o assunto, a pessoa me olha, como se eu fosse uma maluca, uma pessoa preguiçosa inventando desculpas para continuar parada.

    Eu só quero poder controlar minha vida, tomar decisões corretas, as vezes me sinto como uma eterna criança que ainda não sabe cuidar da própria vida.

    Angela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ângela, a noite quero falar com você, bj

      Excluir
    2. Maria, estarei aguardando seu comentário.
      Angela

      Excluir
    3. Angela, a nossa vida é mesmo cheia de altos e baixos, chuva, sol, tempestades e bonanças, a vida é assim. Eu tenho 49 anos, pre menopausa, e há três meses fui diagnosticada e comecei a me tratar. Onde vivo, não tenho como fazer terapia, minha única terapia é o trabalho..não tenho outras hipóteses...Angela, quanto aos seus 34 anos de idade, digo que sua vida nem começou, quer dizer, você já viveu apenas uma etapa da vida, que sabemos, não foi nadaaaaaaaa fácil, alias, muito difícil. Quando vc escreve, é como se eu tivesse me olhando no espelho...Angela, presta muita atenção no que te vou dizer: você encerrou uma etapa de sua vida, fechou, acabou e ponto final. AGORA é a hora de começar a outra, a qual você vai viver de verdade...com problemas sempre, a vida é assim...PRIMEIRO- trate-se, ame-se, cuide-se, faça a medicação que transformou minha vida...e vai transformar a sua simmmmmmmmmmm, cuide muito de você. Você tem a aposentadoria que recebe, tem algum dinheiro, porém, parou de trabalhar, SEGUNDO- depois de se sentir bem, retorne ao mundo, dito normal, entre no mercado de trabalho, coloque sua mente em coisas uteis e produtivas, que certamente irão beneficiar também outras pessoas...o tratamento mudou muito, demais, minha vida, clareou meu cérebro...e olha, comecei a estudar aos 49 anos de idade...você tem 15 quinze anos de vantagem em relação a mim...15 anos e muita coisa, reconstrua sua vida... é claro que nem tudo é poesia, porque a gente sofre demais com a doença, temos que nos vigiar e medicar sempreeeeee...eu sou agressiva, mal educada, muito grossa mesmo algumas vezes e claro, sem necessidade, me sinto muito mal, as pessoas estão falando, eu não espero, enfim, vivo pedindo desculpas e me criticando, mas lutando sempre...medicai, orai e vigiai...repense sua vida depois de começar a se tratar...outra coisa que eu queria te dizer é que quando comecei o tratamento tive efeitos colaterais terríveis dois meses e meio, mas fui teimosa, não quis mudar a medicação, achei que devia dar um tempo maior pro meu cérebro cinquentão kkkkkkkkkkkkkkk, e olha, beleza, deu certo, mas pensei em desistir mesmo, tive todos os efeitos secundários possíveis e imagináveis...bem, mas resumindo, o que eu quero é te ver feliz, porque existe essa possibilidade simmm, trate-se, vá ao medico, cuide-se, refaça-se interiormente, o restante vai vindo por acréscimo, e pode ter a certeza, estou torcendo por vc com meu coração...vai dar certo sim, o caminho é esse, e a solução está em suas mãos, só depende de vc, bjo grande, Maria.

      Excluir
    4. Angela, to esperando sua respostaaaaaa, depressa, claro, tdah não gosta de esperar kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    5. Ei Angela.. tenha fé que tudo vai dar certo.. tenha fé em vc mesma.. tudo o que a Maria disse aqui é real.. faça acontecer... não se entregue.. eu tb me vi em muito do seu relato.. vc não está só não... mas o que mais temos em comum, acredite, é o recomeçar....
      Vamos lá garota! e responda pra manter a gente em contato.. e responda logo.. pq sim, como disse a Maria.. num tem coisa pior pra um tdah do que esperar!!!!
      beijo no seu coração querida!!

      Excluir
    6. Maria, em primeiro lugar, desculpe a demora em responder, mas meus vizinhos estão escutando música num volume muito alto, e eu não consigo escrever e ouvir música ao mesmo tempo!

      Maria, realmente eu já cheguei a conclusão que preciso sim visitar um médico. Cheguei num ponto que eu mesma veja, que PRECISO.

      Leio os seus comentários desde que você começou aqui no blog, sei o quanto a medicação correta foi bom para sua vida.
      Também sei que preciso retornar à vida. Eu sempre trabalhei fora, desde os 17 anos. Dei esta parada, porque minha intenção era fazer uns cursos, eu tinha em mente até fazer um curso preparatório para vestibular, infelizmente não consegui.

      Apesar do meu comentário melancólico não sou um pessoa triste. Os meus pensamentos é que são tristes. Não passo um dia sequer sem pensar nas coisas que não terminei, principalmente na faculdade. Não consigo evitar.

      Fiquei pensando sobre o que eu escrevi no comentário de ontem. Eu penso e penso e tento chegar a alguma conclusão. Além da falta de iniciativa, força de vontade, o que me causa tristeza, é o fato, de que, parece que estou vivendo minha vida em vão, sem conseguir fazer nada de proveito.

      Penso que, uma "pessoa normal", quando algo dá errado, já parte para outra, não fica lamentando pelo que deu errado.
      Eu não, fico lamentando por coisas que aconteceram há 15 anos atras, como se fosse ontem.

      Maria, volto no blog, outra hora, os vizinhos voltaram com música alta, e eu não consigo prestar atenção nem para ler nem para escrever, desculpe. Angela

      Excluir
    7. Não sei se procrastinação é medo, acho que, no meu caso, é falta de ânimo mesmo, eu adio até o que eu sei fazer. E também nunca gostei de conversar, nem de deixar as pessoas perceberem minha falta de atenção, faço de tudo pra esconder, principalmente quando me exigem seriedade ( no emprego por exemplo, mas nunca consigo, tem gente que fala um minuto comigo e já comenta que me acha "meio aérea"). Nunca falo da minha dificuldade de atenção, sei que, para os outros, que fazem tudo com facilidade e rapidez, parece desculpa pra continuar parada e não se esforçar. Também me vejo como uma eterna criança, minha vida é toda atrasada e já me disseram que "quero ser uma criança a vida toda" por causa da minha grande falta de iniciativa pra tudo.

      Excluir
    8. Olá Ângela!
      Em primeiro lugar não se critique, tudo o que você sente é fruto da sua doença.
      Depois, conscientize-se de que o que você tem é uma doença e deve ser tratada.
      Toda essa falta de iniciativa, esse desânimo, esse isolamento são bastante reduzidos com o uso do remédio adequado. Outra coisa, o TDAH raramente vem sozinho, existem outras doenças acopladas que os médicos chamam de comorbidades, a depressão é a mais comum delas. No meu caso o 'combo' tem TDAH + Transtorno de humor.
      Procure tratamento, Ângela, ouça o que disse a Maria Bonita e a Anne, nossas vidas são tão melhores tratadas...
      Enxergue-se, e diga pra si mesma: tudo o que eu sinto é fruto do TDAH e não de minha falta de vontade ou falta de caráter.
      E aja, amiga, levante-se e assuma o curso de sua vida. D~e o primeiro passo e você verá que os outros são muito mais fáceis.
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  14. Olá Alexandre e colegas TDAH, depois de algum tempo sem comentar algo venho aqui hoje compartilhar o meu atual “estado TDAH”.

    Bom, para quem ainda não me conhece, me chamo Rodrigo Neves, tenho 26 anos e tive suspeita de TDAH aos 23 após uma consulta com a psicopedagoga da faculdade (que eu já estava pensando em desistir no último ano). Ela me indicou procurar um especialista da área para fechar um diagnóstico. Porém eu morava no interior do interior da Bahia, que não têm profissional especializado na área e que dificultaria ainda mais a possibilidade de tratamento.

    Cheguei a procurar um neurologista da minha cidade que disse ser caso para psiquiatria quando o informei sobre a suspeita do TDAH. Mesmo assim fui em busca de outro médico em outra cidade, dessa vez um Neuropsiquiatra, numa consulta particular. Este após uma pequena entrevista disse que eu estava com início de depressão e stress do trabalho. Passou alguns medicamentos que comecei tomar, mas que não surtiu efeito. Resolvi por mim mesmo parar de tomar a medicação. Então me conformei em somente estudar sobre o assunto para tentar me conhecer melhor e poder controlar os artifícios do TDAH. Aprofundando no assunto me auto-diagnostiquei TDAH, pois só havia está explicação para meu modo de pensar e viver.

    Durante este período, passei em concurso público, conclui a faculdade e pela necessidade de inovação e de nada ser suficiente para mim, me arrisquei em uma seleção de mestrado, um sonho de realização pessoal. Por incrível que pareça eu passei. Incrível porque nem eu mesmo acreditava em mim. Quando eu soube do resultado, fiquei mais apreensivo do que alegre, nem comemorei, vinha aquele medo de não dar conta, de pessimismo e de não ser capaz, típico de TDAHs. Porém o que me motivou realmente a realizar o curso foi à possibilidade deu poder me tratar, uma vez que eu iria morar no Rio de Janeiro, onde atualmente me encontro.

    Já na “Cidade Maravilhosa”, nas primeiras semanas do curso me sentia um peixe fora d’água, por ser um dos alunos mais novos e menos experiente na área do mestrado, o que me deixava ainda mais pessimista. Junto a isso, me sentia mais perdido que cachorro de mudança na cidade. Não sei se aguento o tipo de vida de cidade grande. Ainda me pergunto como as pessoas vivem em um lugar destes!? Quem for do interior, acostumado a uma cidade pacata, onde todos se interagem, se conhecem, se respeitam.... resumindo: “qualidade de vida”, sabem do que estou dizendo. Já que as circunstâncias são essas, fazer o quê? Já estou inferno porque não abraçar o capeta!? Não posso me dar o luxo de desistir, pois trata-se de um plano de vida e existem pessoas que confiam e esperam de mim (coloco isso na minha cabeça para me fortalecer, apesar das vezes me fazer sentir pior). Pois bem, fui então em busca de ajuda médica, um dos motivos de ter vindo para o Rio de Janeiro. Primeiramente fui pelo plano de saúde em um Psiquiatra que tem um consultório próximo onde estudo. O referido médico após 5 minutos de consulta disse que o meu problema era ansiedade e que isso me tirava a atenção, e que seu eu fosse TDAH não teria como estar fazendo mestrado. Passou um ansiolítico e me deu um encaminhamento para um psicólogo (Fico admirado com a capacidade desses “médicos” em dar um diagnóstico antes mesmo de perguntar o nome do paciente). Fingi que acreditei e então fui em busca de um particular, procurei no site da ABDA, e encontrei Drª Evelyn Vinocur, uma Neuropsiquiatra.

    ....Continua

    ResponderExcluir
  15. ....Ontem foi minha consulta, estava marcada para às 17:15, cheguei uma hora antes pois tinha o receio de não dar tempo por culpa do trânsito e/ou ficar divagando sobre a vida. Quem é TDAH, sabe o que é isso. Fiquei abismado com a consulta, pois parecia mais uma conversa entre amigos. Depois a Drª Evelyn me confessou ser também “portadora”. Fui definitivamente diagnosticado com TDAH, e a Drª me receitou o Venvanse de 30mg de início, um pouco salgado o preço, mas sei que é por um bem melhor. Além disso, me passou o link do seu site e me convidou para participar do seu grupo de apoio aos portadores e Familiares de TDAH, que tomo a liberdade de divulgar aqui.

    Hoje resolvi compartilhar está vitória com vocês. Acredito que, assim como todos aqui, gostaria de não ser TDAH, entretanto fiquei feliz por ter sido realmente diagnosticado com a doença, pois agora tenho respostas sobre os erros cometidos, as oportunidades e os trabalhos deixados de lado, os pensamentos de inferioridade, entre outros. Sei que não devo culpar único e exclusivamente o TDAH, mas boa parte de minhas ações foram controladas por ele.

    Ainda existe o receio quanto ao tratamento, pois como sabemos é oneroso e não sei se terei dinheiro suficiente. Além disso, só estarei na cidade do Rio de Janeiro enquanto durar o curso, assim espero!. Então fico aflito por antecipação, algo que devo melhorar e espero que o tratamento me ajude também neste aspecto.

    Peço desculpas pelo tamanho do texto, acredito que estou sobre o efeito benéfico do Venvanse, rsrs.

    Obrigado Alexandre e a todos seguidores do Blog.

    Segue o Link do site e Facebook da Drª Evelyn Vinocur e alguns vídeos
    http://www.tdahemfoco.com.br/
    https://www.facebook.com/evelyn.vinocur
    http://www.youtube.com/watch?v=at4XHsOg7PA
    http://www.youtube.com/watch?v=X_dhidRJ9tw

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Rodrigo!
      Muito obrigado por dividir sua história com a gente, isso enriquece demais as nossas vidas e o nosso blog. Obrigado mesmo, de coração.
      Acredito que você tenha feito uma ótima escolha médica, quando descobri meu TDAH o site da Dra. Evelyn me ajudou muito. Consultei-o demais e aprendi muito, é um dos melhores da web.
      Quanto ao venvanse, é caro pra caramba, comecei a tomá-lo a cerca de dez dias e nessa semana vou fazer meu primeiro post sobre o assunto.
      Se possível, mantenha-nos informados sobre o que você está sentindo com o uso do Venvanse.
      Um grande abraço e obrigado de novo,
      Alexandre

      Excluir
  16. Gente, reconheço a dor de muitos por aqui. Porém a solução vem junto com o problema. Cicatrizes ficam, mas a gente esquece muita coisa. Na verdade nossa imaginação é forte e com certeza dentro da mente a dor é maior do que a realidade. Junte uma mente extremamente veloz e indomável com paixões internas em relação a tudo na vida e está pronta uma bomba relógio. Pensar no passado gera depressão e no futuro, ansiedade. Estou naquela fase em que novos horizontes são visualizados e o gosto pela aventura e a auto motivação estão de volta. Este é o ponto. Sugiro em vez de remoer problemas, atacarmos a causa. Vamos voltar para aquela sensação agradável, em que a imaginação, as expectativas e a despreocupação estavam na flor da pele. Falo daquele momento em que nossa agitação descontrolada e nossa empolgação nos leva à pequenos erros que as pessoas acham até engraçado (porque não é com elas) e onde estávamos prestes a cometer aqueles grandes erros. Momentos antes do abismo... o que estávamos fazendo? Vamos observar nossos sentimentos e pensamentos quando estávamos bem, ou seja, o momento da in vigilância. Vamos trocar experiências destes momentos, acho que nos ajudaria a entender o momento antes da queda e prevenir futuros deslizes. Só uma sugestão amigo Alexandre. Abraço. Ah e pra quem tem ansiedade como eu, estou tendo bons resultados com doses altas de passiflora. Sim fitotetapico. Não é como o alenthus que eu tomava e me sentia um monge budista em estado de equilibrio emocional, mas ta funcionando e não tem tanto efeito colatetal. Só se a pessoa não estiver com o sono em dia que da sonolência. Pois é um sedativo fraco natural. Será que ele ajudaria também com nossa agitação mental?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rafael, bom ter você de volta.
      Interessante sua sugestão e creio que você deva ter razão, quanto melhor estivermos, mais desarmados estaremos e poderemos estar preparando o próximo erro.
      É um caso a se pensar, Rafael.
      Vou tentar fazer um retrospecto e posto aqui depois.
      Um grande abraço e obrigado sempre
      Alexandre

      Excluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Companheiros de caminhada, cheguei a este site como muitos aqui, no hiperfoco da ação dos medicamentos com a primeira intenção de sentar e estudar, entretanto a mente buscou o foco que lhe interessou, mesmo sobe os efeitos da medicação, ela(a mente) tenta te convencer e acabou convencendo que o importante é buscar solução, que nada tá bom, que não estamos preparados, que nem o remédio resolve, que o caminho é continuar buscando, inovando, te burlando, te sabotando. A eterna luta da real prioridade versus a irreal prioridade do buscar prazer, buscar produzir mais e mais substâncias cerebrais prazerosas.
    Tanto faz o rótulo de TDAH, depressão, ansiedade, impulsividade. Desde a época de Jesus Cristo já existiam os transtornos com a consequente busca incessante da mudança interior do ser humano.
    Ass: alguem sob o efeito do metilfenidato, venvanse, Stavigille, antidepressivo, ansiolítico.
    Conheça-te a ti mesmo, rumo a salvação, ao homem integral, seja nessa ou em outra vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Rubens!
      Interessante seu comentário, mesmo medicados não somos completamente imunizados contra o TDAH.. Acredito que seja isso mesmo, o medicamento é importantíssimo mas não é o único meio de controlarmos a doença. Precisamos de terapia, ou no mínimo, estarmos alertas 24 hs por dia pra barrar essas tentativas do TDAH de dinamitar nossas conquistas.
      Conhecermos a nós mesmos é fundamental pra nossa vida, aqui ou acolá.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  19. Ei Alexandre... perfeito o texto... consegue exprimir o que vivi e ainda, as vezes, vivo...

    uso Ritalina LA 20mg e minha psiquiatra sugeriu o venvanse.. mas estou com medo de usar.. parece que não é facil de achar...

    o que faço? vcs encomendam nas farmacias? preciso de dicas....

    desde já agradeço......
    Annelise

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Annelise, boa tarde!
      Olha, comecei a tomar o Venvanse a dez dias e encontrei na primeira drogaria que procurei. O Venvanse andou sumido das drogarias , mas a ritalina também, fiz até um post sobre isso que deu uma enorme polêmica. São medicamentos importados e sofrem com a burocracia brasileira, ou a própria incompetência do laboratório.
      A ritalina desapareceu por uns cinco ou seis meses, o Venvanse por uns três meses.
      Creio que não terá muito problema para encontrá-lo, a menos que você more numa cidade muito pequena.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. Anne é tão caro...que vc acaba não fazendo o tratamento correto. Se preocupará se o remedio vai acabar, se vai ter dinheiro para comprar no próximo mês, ou se vai encontrar nas farmácias. Mais cedo ou mais tarde o TDHA vai convencer que terás de inovar novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rubens, não seja tão pessimista, ela hoje toma ritalina LA que é quase tão cara quanto o Venvanse. Quanto à falta no mercado, ambos estiveram em falta no princípio desse ano.
      Nada é perfeito, mas o Venvanse é considerado o mais moderno remédio pra TDAH no mercado brasileiro.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. ok.. obrigada meninos.. vou procurar.. moro em Maricá.. mas estou no Rio em um "pulo"... Vc é do Rio Alexandre? se sim, em qual farmacia compra?

      Excluir
  24. Peço licença para colar um email que enviei a uma ex namorada mais de 6 meses atrás.

    Vc ainda será muito feliz, se já não o é. Trabalhe, siga em frente.

    Quem avança monte acima, pisa pedregulhos que ferem os pés, mas também flores miúdas e verdejante relva, que teimam em nascer ali colocando beleza no chão.

    Reúne essas florezinhas em um ramalhete, toma das pedras pequeninas fazendo colares, e descobrirás que, para a criatura ser feliz, basta amar e saber discernir, nas coisas e nos sucessos da marcha, a vontade de Deus e as necessidades para a evolução.


    O compromisso do ser humano é tornar-se menos imperfeito sempre rumo à imagem do pai celestial.

    1) Pegue uma cartolina grande, recorte imagens, desenhe seus sonhos e aspirações, carro, casa, família, filhos saudáveis, sabedoria, viagens, avanço no cargo e na profissão, crença espiritual, o que vc sempre desejou.
    Olhe para seu cartaz dos sonhos todos os dias, algumas coisas vc já conquistou!.
    Mentalize, sinta-se naquela posição, agindo como se já tivesse alcançado.

    2) Faça exercício físico;

    3) Se alimente bem, várias refeições ao dia, tire um dia da semana para preparar seu próprio alimento;

    4) Agradeça sempre tudo o que conquistou e o que for sendo conquistado;

    5) Ouça música;

    6) Faça algumas sessões de coaching(dica sua);

    7) Esqueça as rotulações, por exemplo, bonito, feio, gordo, magro, eu não mereço, eu sou isso, sou aquilo;

    8) Vc tem que olhar dentro do seu olho no espelho e dizer eu mereço isso! Não adianta vc sonha e desejar, mas no fundo achar que não merece;

    9) As vezes ou a maioria das vezes ser racional;

    10) Ser honesto, sincero e fiel com o próximo e principalmente consigo mesmo;

    11) Vc não precisa ser feliz e alcançar todas as realizações, vc prefere experimentar mais da sensação de ser feliz e da sensação de alcançar novas realizações;

    Prefira ser forte, destemida, mais vc, mais no seu taco, desapegue, viva um dia após o outro. Prefira seguir sua intuição não seu coração. NASCER, VIVER, MORRER, RENASCER AINDA E PROGREDIR SEMPRE, TAL É A LEI.

    bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns, belo texto e bela lição de vida

      Excluir
    2. Demais Rubens! Pode ser considerado os 11 mandamentos do TDAH. Se conseguirmos praticá-los sempre teremos um ciclo virtuoso. Juntando esses ao Orai, Medicai e Vigiai, temos muita chance de não cair no abismo!
      Os comentários deste post estão muito emocionantes e muito ricos!
      Alguém perguntou sobre TCC. Ler os posts e os comentários tentando entender os paralelos das causas com a gente e internalizar isto em comportamento que nos façam bem se assemelha à TCC. Mas no meu caso qualquer coisa só funcionaria depois que estivesse medicado, como hoje estou. Fiz várias terapias (agora não dá mais por falta de $$) e nenhuma delas aproveitei na época.

      Grande abraço,
      Rafael P.

      Excluir
  25. Já não basta a raiva de ser como sou, tem os problemas de convivência, acham que erramos por teimosia, rebeldia, birra e que não mudamos por orgulho e por não se importar com o que os outros pensam, sendo que na verdade, muitas vezes jamais esquecemos as críticas negativas que ouvimos.
    Quando erramos, já não basta sermos castigados pela nossa consciência, e pouco tempo depois repetimos tudo de novo. Pra os outros, por estarmos sempre repetindo o erro, parece que não estamos nem aí em aprender o que é correto. Repetimos por falta de atenção, mas pra os outros, sempre parece teimosia, orgulho, falta de sensibilidade pelos outros e mania de "só ouvir o que convém e só fazer o que quer".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses julgamentos são terríveis!
      Em geral são feitos por pessoas próximas, em quem confiamos e que muitas vezes amamos; essa a razão de doerem tanto.
      Sim, repetimos os mesmo erros por não observarmos ou por não aprendermos com os erros passados. Não conseguimos reconhecer a situação de 'perigo' e acabamos por ter a mesma reação desastrada de outrora.
      um abraço
      Alexandre

      Excluir
    2. Esses julgamentos doem por virem , ou de pessoas que queremos agradar, ou de pessoas que pensam parecido com a gente, que se esforçam para serem boas pessoas. E quando nos esforçamos para sermos bons também, não conseguimos passar essa imagem - pelo menos comigo acontece. Por repetir os mesmos erros, parece que não queremos melhorar e não estamos nem aí em seguir um bom caminho.

      Excluir
    3. Esses julgamentos doem por virem , ou de pessoas que queremos agradar, ou de pessoas que pensam parecido com a gente, que se esforçam para serem boas pessoas. E quando nos esforçamos para sermos bons também, não conseguimos passar essa imagem - pelo menos comigo acontece. Por repetir os mesmos erros, parece que não queremos melhorar e não estamos nem aí em seguir um bom caminho.

      Excluir
  26. Oi Maria, só agora tive um pouco de paz para reler seu comentário com mais calma, sabe como é, final de semana, vizinhos com música no último volume, chego a ficar angustiada perambulando pela casa, nem assistir tv consigo.

    Infelizmente tem mais essa. Não consigo fazer duas coisas ao mesmo tempo. Não consigo ler nem escrever nada se não tiver silêncio absoluto. E para piorar moro perto de um autódromo, nem tão perto assim, mas o suficiente para ouvir barulho de motor o final de semana inteiro, até de madrugada.

    Li o comentário do Rafael Salazar e ele disse algo bem interessante: "Pensar no passado gera depressão e no futuro, ansiedade". Mas quem disse que consigo comandar meus pensamentos? Alias, já anotei o nome do fitoterápico que ele indicou, passiflora.

    Segunda feira vou marcar hora com o médico e seja o que Deus quiser. Nem vou falar para ninguém, porque é como eu já relatei, tento conversar com as pessoas sobre estes problemas, e elas me olham como se eu estivesse inventando coisas. A maior interessada sou eu mesma.

    Bom final de semana. Angela.

    ResponderExcluir
  27. Alexandre Schubert1 de setembro de 2013 19:57

    http://www.youtube.com/watch?v=YVcNabmtw4A

    http://www.youtube.com/watch?v=0ybe6BUtiBA

    http://www.youtube.com/watch?v=uE0mysIHvvg

    ResponderExcluir
  28. Alexandre Schubert1 de setembro de 2013 19:59

    http://www.cchr.pt/quick-facts/introduction.html

    ResponderExcluir
  29. Alexandre, tu podias fazer um post compartilhando dicas de como "adestrar" nossos cérebros para driblar o TDAH, a procrastinação, a falta de vontade, etc... Por exemplo, eu já consigo reconhecer o que é "obra" do TDAH tentando me boicotar, mas mesmo tendo essa consciência, eu não consigo reunir forças suficientes pra encarar e lutar contra... Parece impossível não sucumbir à tentação de adiar as tarefas incansavelmente e ficar atirada no sofá navegando na internet ou olhando televisão... É muito mais forte do que eu!! E eu meu cérebro só pensa: "aahhh, não... Que saco!! Isso é muito chato!! Vou chorar!! Eu odeio isso!! Tenho tanta pena de mim!! A programação da tv está TÃO legal!! Vai passar A Lagoa Azul hoje na sessão da tarde!!" Eu queria ensinar o meu cérebro a não pensar que as coisas são chatas... Será que tem solução??
    Karol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. me olhei no espelho lendo isso rsrsrs
      seria muito bom mesmo, porque Ô FORÇA viu, qse sempre ganha ;/

      Excluir
  30. Olá Alexandre! Acompanho seu blog há poucos dias, e confesso que adoro! Posso dizer que sou "nova" no universo tdah, mas para encurtar pois não tenho muita paciência em escrever, vc sabe onde posso realizar a avaliação neuropsicologia aqui em SP, capital? Estou tendo dificuldades em encontrar com o convênio que não é obrigado a cobrir esse atendimento e pelo particular, está em torno de 1200 reais. Já pesquisei no instituto de doenças neurológicas (centro de SP) e no site tdah.org as opções que dispõe se voltam mais para grupos de pesquisas... preciso muito dessa avaliação. Alguém pode me ajudar? Grande abraço a todos! Desde já agradeço!
    Nathalia.

    ResponderExcluir
  31. Olá Alexandre! Acompanho seu blog há poucos dias, e confesso que adoro! Posso dizer que sou "nova" no universo tdah, mas para encurtar pois não tenho muita paciência em escrever, vc sabe onde posso realizar a avaliação neuropsicologia aqui em SP, capital? Estou tendo dificuldades em encontrar com o convênio que não é obrigado a cobrir esse atendimento e pelo particular, está em torno de 1200 reais. Já pesquisei no instituto de doenças neurológicas (centro de SP) e no site tdah.org as opções que dispõe se voltam mais para grupos de pesquisas... preciso muito dessa avaliação. Alguém pode me ajudar? Grande abraço a todos! Desde já agradeço!
    Nathalia.

    ResponderExcluir
  32. Galerinha, estarei fora uns dias, mas volto simmmmmmmm bjs a todos

    ResponderExcluir
  33. Uma letra de música
    REM - Everybody hurts

    Quando seu dia é longo
    E a noite - a noite é solitária,
    Quando você tem certeza de que já teve o bastante desta vida, Continue em frente

    Não desista de si mesmo,
    Pois todo mundo chora
    E todo mundo se machuca, às vezes...

    Às vezes tudo está errado,
    Agora é hora de cantar sozinho.
    Quando seu dia é uma noite solitária, aguente firme)
    Se você tiver vontade de desistir (aguente firme)
    Se você achar que teve demais desta vida,
    Para prosseguir...

    Pois todo mundo se machuca,
    Consiga conforto em seus amigos.
    Todo mundo se machuca...
    Não se resigne
    Quando você sentir como se estivesse sozinho.
    você não está sozinho...

    Bem, todo mundo se machuca
    Às vezes, todo mundo chora
    E todo mundo se machuca, às vezes
    Mas todo mundo se machuca, às vezes
    Então aguente firme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais uma

      Basta Ouvir Seu Coração (com Ivan Lins)
      Maurício Manieri

      O sol quente das manhãs
      As noites de luar
      A vida é tudo o que se quis
      É um canto de amor
      Mas de repente não há mais música no ar
      E tudo é diferente do que você sonhou

      Se você sentir a solidão da escuridão
      Pense em quem te faz feliz
      A amizade tem um querer bem
      Que esteja onde estiver
      Tudo vai ser como é
      Basta ouvir seu coração

      As lembranças vão surgir
      É só você buscar
      Abraços e sorrisos
      Que ninguém pode apagar
      Vão relembrar histórias
      Que você já se esqueceu
      Ninguém está sozinho
      Se não existe adeus

      Há um lugar em você
      Onde está a alegria de viver
      Preste atenção no que essa voz diz
      Em seu coração você não vai se perder

      Excluir
    2. as mensagens estão aparecendo duplicadas, por favor, melhor apagar as duplicadas, obg

      Excluir
    3. Pressionar (Matchbox 20)

      Ela disse que eu não sei se alguma vez eu fui bom o bastante
      Eu sou um pouco difícil, e eu acho que minha cabeça está desmoronando
      E eu não sei se alguma vez eu fui realmente amado
      Por uma mão que me tocou, bem eu sinto que alguma coisa Vai acontecer
      E eu estou um pouco bravo, bem

      Isso não acabou, não aqui, não enquanto eu ainda preciso de você
      Você não me deve, nós poderíamos mudar
      Nós poderíamos nos sentir bem

      Eu quero te pressionar, eu vou, eu vou
      Eu quero te derrubar, eu vou, eu vou
      Eu quero levar você a sério, eu quero levar você a sério Eu vou

      Ela disse, eu não sei por que você mentiria pra mim,
      E eu sou um pouco mentiroso quando eu penso que a verdade
      Vai te machucar
      E eu não sei por que você não poderia ficar comigo
      Você não suportaria ficar perto de mim
      Quando minha face não parece querer brilhar
      Porque é um pouco tempestuosa

      Não fique aí simplesmente, diga coisas agradáveis para mim
      Eu fui enganado, eu fui prejudicado, e você,
      Você não me conhece, eu não posso mudar
      Eu não farei nada na verdade

      Oh mas não me faça ficar doido
      Só espere um minuto, bem isto caiu aos pedaços, coisas ficam tão Loucas, loucas
      Não apresse isso meu bem, não apresse isso meu bem

      Excluir
  34. Aff, estou muito muito mal esses meses. Andando em círculos sem conseguir tomar decisões. Me boicotando talvez, não consigo me animar a tomar medicação, fico preocupada com os efeitos colaterais, são medicações bem caras..e tb não posso pagar psicólogo, aja dinheiro... Vendo a vida passar....sem pular no trem que leva ela, estou só de expectador, pq qdo pulo nesse trem, caio, me machuco, machuco alguém..ai resolvi ficar omissa a quase tudo para evitar essas situações constrangedoras... Desculpa gente..sou casada, mais meu marido não acredita, não liga pra isso, só liga qdo faço minhas besteiras, lapeio o carro, queimo algo. E o sentimento de solidão, desespero de não ter com quem desabafar..é deseperador..Graças a Deus que este blog existe, que podemos compartilhar nossas angustias, nossas momentos de alegria, descoberta, dor...Desculpa o desabafo.

    ResponderExcluir
  35. Então se tão apenas motivação resolvesse eu aconselharia fazer este curso de fim de semana
    http://www.inexh.com.br/novo/html/aguia.htm

    Entretanto a luta é diária, cabeça a mil, pensamentos ilimitados...
    Sinceramente quer amenizar ? faça muito exercício físico, todos os dias, medicação, sexo, e metas, diárias, semanais, mesnsais. Rotina.

    ResponderExcluir
  36. Tenho uma filha de 13 anos que toma o Venvanse a algum tempinho e tenho algumas caixinhas fechadas que poderei vender por um preço bem menor, se alguem se interessar em adquirir que tenha indicação médica para isso, me mande um email.

    Ric_231@outlook.com

    ResponderExcluir
  37. Olá amigos! Preciso da ajuda de vocês com uma questão: alguém aqui já passou pela experiência de ter que fazer um trabalho de conclusão de curso ou monografia? Estou enrolando há 1 ano para entregar... sempre deixo pra depois, fico achando que vai dar tempo entregar no prazo e acabo me ferrando, e a culpa me corrói. Não tenho compromisso comigo mesma e tampouco aprendo com os meus erros.
    Me chamo Cecilia, tenho 27 anos, fui diagnosticada com tdah há dois meses, tomo ritalina 10 mg, 2 por dia. Com ela fico bem concentrada, mas na hora de escrever... sempre acho que não está bom, e apago tudo que eu fiz.
    Alguém pode me falar da sua experiência? dicas? Sei que fazer uma monografia não é algo impossível... estou desesperada, preciso encerrar esse ciclo na minha vida, afinal, uma graduação que deveria durar 4 anos, já está caminhando para o 6º ano! Eu já poderia estar fazendo outro curso, ou gastando meu tempo e dinheiro com coisas mais interessantes...
    Como ser tdah é difícil!!
    Que bom que existe esse espaço para desabafar. Obrigada Alexandre! Aaqui me sinto aceita.
    Abraços a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cecília,
      Uma sugestão pra minimizar a procrastinação é contar sobre seus compromissos para as pessoas da sua família, assim eles vão te cobrar quando você começar a adiar. De preferência conte pra alguém que vá te cobrar mesmo.
      Eu costumo fazer isso, fico chateada com quem não tolera minha dificuldade pra fazer coisas simples, porque eu mesma também não tolero, quero fazer no mesmo ritmo de todos. Mas por outro lado, gosto de estar perto de pessoas mais pé-no-chão, que me vigiam e me alertam quando estou dormindo no ponto.
      Fe

      Excluir
    2. Oi Cecília, interessante a dica da Fe. Com mais pessoas participando pode ser que você se sinta pressionada a escrever. Parece que temos uma característica em comum (embora o blog tenha me feito muito bem nesse sentido) você não quer escrever uma monografia qualquer; você escrever A MONOGRAFIA. Daquelas que vão virar um livro, sair resenha na revista VEJA e render entrevistas no Jô ou na Marília Gabriela. Claro que estou exagerando, mas esse 'perfeccionismo' é na verdade uma forma de auto sabotagem. Sonhamos com o prêmio Nobel, mas não damos o primeiro passo que é concluir a obra que pode nos levar ao prêmio.
      Leia tudo o que puder sobre o TDAH e policie-se, enxergue o TDAH agindo sobre a sua vida e enfrente-o. Não apague o que escreve, submeta ao seu orientador, ainda que esteja odiando o que escreveu. Provavelmente vai estar muito bom, você - ou melhor o TDAH - é que está impedindo sua conclusão.
      Força, e conte comigo e com os amigos do blog
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    3. Muitíssimo obrigada, Fe e Alexandre!!
      Fe, gostei da dica, mas o meu marido já me cobra o tempo todo, o que me deixa chateada....diz que eu não me esforço, que só quero dormir (ele não sabe que sou tdah, ainda não contei pra ele).
      Alexandre, você tem toda razão sobre o perfeccionismo, ele só dificulta as coisas.
      Felizmente minha orientadora me motiva bastante, e me sinto mais confiante... se eu escrever um pouco todo dia, acho que consigo apresentar a tempo e finalmente me formar! Quando isso acontecer volto aqui e conto pra vocês.
      Obrigada pela força! Cecilia

      Excluir
  38. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  39. o problema não é errar como ja diria nossa vovó filosofia eu me torturo é errar na mesma situação, do mesmo jeito, com a mesma palavra, no mesmo grau de ansiedade e as vezes com a mesma pessoa nossa agora eu entendendo por que minha mãe me dizia que: não vale apena te dar uma surrakkkkkk como para esse ciclo interminelavel

    ResponderExcluir
  40. Eu vivo atormentada quando alguem diz as palavras " a culpa é sua" , eu me sinto a pior pessoa do mundo, como se Deus me odiasse, sinto vontade de me matar, de desaparecer, é um tormento ser dda, um tormento interminavel, as memorias vem e so consigo chorar . . .

    ResponderExcluir