segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

CALA A BOCA, TDAH !









Saber calar-se é um dom dos sábios.
Para um portador de TDAH, calar-se é quase um milagre.
Imagine a dor que é o silêncio para um TDAH em fúria.
Já disse anteriormente que sou dono de uma personalidade sarcástica e de um vocabulário vastíssimo, essa soma é nitroglicerina pura. As palavras saem aos borbotões e crescem em agressividade, alimentadas por sua própria virulência.
E não fica apenas nisso, essa inesgotável torrente de palavras se materializa também por escrito. Maldita a hora em que inventaram as mensagens por celular. Em momentos de raiva e de dor escrevo livros inteiros por SMS.
Ironicamente, se não sei me calar, quando consigo, calo-me na hora errada. Ao calar-me inoportunamente acabo parecendo omisso, ou sou omisso mesmo, e isto é quase tão ruim quanto a verborragia descontrolada.
Arrependo-me quase instantaneamente do que disse, e em vão tento consertar. Mas em geral, o mal está feito.
Tenho lutado arduamente para não destruir o pouco que, a um custo hercúleo, consegui erguer. Mas está difícil. A vida tem me colocado em teste e quando paro para analisar minha realidade atual, acabo sendo condescendente comigo mesmo.
Mas mesmo sob enorme pressão, tenho de internalizar que não posso agredir verbalmente a quem eu amo e que me ama. Preciso aprender a calar-me, sob pena de estar sempre só, como agora.
Tenho de reunir, sei lá de onde, forças para calar-me e equilíbrio para entender quando falar.
Agora isso parece impossível, mas tanta coisa me parecia impossível e eu consegui superar.
Aprendizagem em cima de aprendizagem, esta tem sido minha vida atualmente.
Confesso que tem hora que um enorme cansaço me invade, e me dá uma gigantesca vontade de gritar contra Deus e o mundo.
Aí eu me lembro,eu sou o único responsável por minha vida e me calo.

14 comentários:

  1. Caro amigo.
    Em partes, sei o que anda passando.
    recentemente perdi um grande amor devido este perfil comportamental sedimentado pelo tdah.
    Há menos de 6 meses recebi o primeiro diagnóstico e até agora luto diariamente para mudar o rumo que estava traçando, que era autodestrutivo, por tanto adiar as coisas importantes e por não controlar meus impulsos.
    Tenho vários pontos positivos por natureza, pois diferente de alguns outros casos que conheci, fidelidade tenho de sobra, criatividade, vontade de saber mais. O que faltava era a concentração.
    O que me aterrorizava era o fato de não concluir nada. Hoje sinto o prazer de obter sucesso na conclusão dos meus objetivos, onde os defini por etapas diárias, dividindo o tempo.
    Infelizmente para ela o peso de conviver com alguém que até então não tinha uma meta definida foi grande.
    Hoje tenho tudo em andamento, mas ainda falta a pessoa que amo. Chegamos a discutir por besteiras. É o impulso não mantém nossa boca fechada...
    Amigo, respira fundo e lentamente toda vez que perceber que o controle quer faltar. Peça licença, respire, acalme e retome o diálogo.
    Explique a quem quer que for que está pessoa é importante e você prefere se acalmar antes de prosseguir.
    Desenvolvi isso como um hábito.
    Quem sabe ajuda.
    Boa sorte, com muita força, determinação, sabedoria, paz e prosperidade neste ano que se inicia!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Márcio!
      É amigo,nada nesse tratamento é fácil, mas essa questão talvez seja uma das mais difíceis para mim. Quando pressionado, e tenho sido demais ultimamente, perco o controle e saio metralhando tudo.
      Em alguns poucos casos consigo me controlar.
      Vamos aprendendo diariamente.
      Obrigado pela força e espero vê-lo aqui mais vezes.
      Um abração
      Alexandre

      Excluir
  2. Entendo perfeitamente isso! rs
    Quando comecei a me policiar, eu fazia estratégias de antemão, mas quando a situação chegava meu pensamento falava rápido: falo, não falo, falonãofalofalonãofalo... Blábláaaa #%@#&*%
    Nãooooo!!!! Droga, de novo!
    Hoje, quando sinto o dever de honra de abrir a boca, sorrio e digo: outro dia conversamos sobre isso. rs
    Deixo pra "outro dia" e não pra outra hora... pq aí seria o mesmo desastre!
    Ainda assim, muitas vezes tenho de repetir a mim mesma: Nãooooo!!!! Droga, de novo!

    Não posso esperar q quem está a minha volta, entenda esse esforço dantesco de conter uma represa pronta a estourar. Mas quero muito crer que ao menos esse esforço é um declaração 'silenciosa' de que sinto amor e por isso quero melhorar.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo isso, Ana!
      Realmente calar pode ser uma forma de declaração de amor.
      Nunca tinha pensado nisso.
      Obrigado de novo, adoro seus comentários.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  3. Um amigo me disse que começou a fazer terapia por causa disso. Ele contava que precisava conquistar apenas uma coisa: dois segundos. Dois segundos seriam suficientes para ele não falar o que estava explodindo por dentro. Bom, ele conseguiu. Pelo menos comigo ele não é mais tão cruel qdo irritado...rsrsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho pensado muito nisso, Polly, dois segundos.
      Preciso juntar seu comentário ao da Ana Beatriz aí em cima: dois segundos de reflexão para conseguir adiar a discussão pra outro dia.
      Somos muito cruéis mesmo. snif, snif.
      O pior depois é a culpa que a crueldade traz.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. Maltratar o outro para maltratar a si mesmo. Eis a questão.
      Uma das piores coisas que fazemos a nós mesmos, é alimentar o prazer inconsciente na culpa e na dor.
      Triste isso né? Humanos...rsrsrs...complicados humanos...

      Um grande abraço,
      Pólly

      Excluir
  4. Conquistar esses 2 segundos é meu sonho de consumo tb. O problema não é só a "verborragia" como disse o Alexandre, eu sinto uma coisa dentro de mim. Sei lá, parece que o coração vai explodir se eu não falar ou não fizer nada. TER-RÍ-VEL!
    Tb vou pra terapia e pra TCC, pq a clássica não deu certo. rs
    ;)

    FELIZ ANO NOVO PRA VCS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão; a verborragia é a lava que, uma vez expulsa, reduz a pressão no interior do vulcão.
      Eu sempre me comparo a um vulcão. Temporadas calmas, quietas, e então...
      FELIZ ANO NOVO PRA VC TAMBÉM!!!!
      Obrigado pela força
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  5. Minha sogra sempre me diz : não discuta no valor da raiva a gente acaba destruindo mais do que construindo. Com a rita tenho conseguido o dom ou força p me calar nas horas certas. Respiro, fecho com força minha boca e lembro me de minha sogra. No tempo certo, se eu ainda achar necessário, toco no assunto de maneira calma e os resultados são bem melhores...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia!!!!
      Estou procurando quem instale um zíper daquele na minha boca. rsrs
      Na verdade, Mari, estou tentando mudar concretamente a minha vida para que as pressões diminuam. Estou mudando meu laboratório para uma área maior e mais isolada; vendi minha empresa ficando só com a manutenção que eu gosto; e estou conhecendo novas pessoas, saindo de casa, vivendo um pouco mais.
      Obrigado pela força, minha amiga!
      Vocês e sua preocupação em me ajudar justificam esse blog.
      Um abração

      Alexandre

      Excluir
  6. No calor da raiva eu quis dizer! Kkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Alexandre.
    Pois é amigo, o controle é primordial. Independente do TDAH, muitas pessoas tem este problema com manter a boca fechada nas horas certas.
    Controlar e conhecer a si mesmo é a base. Entender aquilo que te deixa irritado e notar quando aquilo ocorreu casualmente ou de forma proposital. Perceber as variações de intensidade das emoções em ambos os casos.
    Tente gerar um filtro mental, pensando algo como: Se eu der força para isso tudo apenas vai piorar. Só depende de mim reforçar o que é bom e construtivo.
    Sem defesas e sim apenas desenvolvendo uma nova habilidade. A de ver o lado positivo de tudo, mesmo em meio ao que muitos consideram caótico, nossa hiperatividade é uma ferramenta formidável. Nos destacamos onde muita gente se descabela, rsss. A criatividade sem limites é fundamental, portanto crie seus filtros.
    Respire, organize as prioridades e siga a risca.
    Se alguém te pressionar com um pedido, anote o que a pessoa quer e lembre no momento livre de revisar sua lista de prioridades, para ver onde a requisição dessa pessoa pode ser encaixada sem atrapalhar seu planejamento.
    Quando alguém te criticar, sorria e agradeça pelo insight. No fundo aquela critica pode render uma ideia excelente para te ajudar de alguma forma, seja no trabalho ou vida pessoal.
    Tente filtrar o que lê ou assiste. Tudo de negativo apenas te empurra para a beira de um abismo, que pode ser evitado.
    Ouça musicas que te levam a momentos bons e inspiradores. Leia sobre o seu campo de atuação. Se aprimore.
    Evidenciando suas qualidades e trabalhando para corrigir gradativamente suas falhas, será certamente mais feliz com você e terá ao seu redor consequentemente pessoas agradáveis e mais compreensivas. Comprometa-se com a pessoa mais importante na sua vida, você mesmo!
    Precisando pode chamar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Márcio!!!
      Antes de mais nada obrigado pela força!
      Na verdade estou tentando mudar a minha vida para reduzir as pressões. O fim do meu último casamento foi sofrido mas estou muito mais leve e tranquilo. As pressões já se reduziram significativamente. Essa semana estou mudando meu laboratório de lugar, vou para uma sala isolada sem contato com o público, o que me interrompe muito e gera muitos atrasos.
      Creio que o primordial nesse caso é me conhecer, saber que não sou legal se muito pressionado, e criar condições para que essas pressões diminuam.
      Um grande abraço, meu amigo, e pode contar comigo

      Alexandre

      Excluir