domingo, 9 de dezembro de 2012

O TDAH E O PRÊMIO NOBEL








Muita gente me incentiva a escrever um livro ou transformar o blog num livro, ou coisa parecida.
Os portadores de TDAH saberão imediatamente o que vou dizer: MAS SERÁ QUE MEU LIVRO PODE GANHAR UM PRÊMIO NOBEL DE LITERATURA?
Pois é, esse é o TDAH.
Nossos sonhos são delirantes e paralisantes.
Não queremos ser atores, queremos ganhar um Oscar na primeira obra interpretada.
Só que não nos lembramos de que para ganhar o Oscar ou o prêmio Nobel o sujeito ralou muito, escreveu livros medianos, livros que não venderam , interpretou pequenos papéis desimportantes...
O TDAH não! Pensamos no fim, esquecendo que a vida é feita do dia a dia, um passo após o outro.
E qual o resultado disso?
Frustração, sentimento de inferioridade, paralisia.
Ao não conseguir criar A OBRA, aquela definitiva que mudará a humanidade, nos sentimos frustrados e abandonamos projetos que muitas vezes nos são caros e que poderiam render frutos, nos ensinar o caminho das pedras e até mesmo ser o início de uma grande trajetória.
Jamais contei a ninguém, mas já participei de um concurso de literatura infantil. Não ganhei nenhum prêmio e por isso, abandonei esse tipo de história. E a história era boa. Claro que hoje vejo defeitos nela, muito longa, um linguajar meio complicado, mas isso seria apenas uma questão de aprendizado, de leitura, de busca de informação. Não, simplesmente abandonei e nunca mais me dediquei a escrever para crianças.
E olha que minha cabeça ferve de ideias de livros infanto juvenis.
Esse concurso foi na década de 1980, ou seja, se eu tivesse me dedicado teria aprendido a escrever histórias infantis, e quem sabe, poderia ter ganho um prêmio afinal. Depois de quase 30 anos de aprendizado seria normal se conseguisse algo. Mas hoje, passado tantos anos, encontro-me praticamente da mesma forma, sem conhecer a fundo os macetes de se escrever para crianças e adolescentes e tão longe de ganhar um prêmio literário quanto estava naquela época.
Deus me dê vida longa para que eu tenha a chance de aprender a escrever e possa participar com êxito de algum concurso literário. rsrsrsrs

12 comentários:

  1. Muito eu isso.
    Mas ainda não sei se sou TDA, fazendo uns testes para ter certeza.
    Me vi completamente em cada blog TDA/H que fui, mas tenho Universidade e MBA e acham isso meio impossível pro um TDA - mas vi em tantos blogs gente fazendo mestrado e tudo mais.
    Me sinto exatamente como vocês e acho q o MBA só terminei pq o assunto era muito do meu agrado, depois disso não fiz muita coisa, não consegui emprego nisso, não tenho muitas realizações, a vida só tem passado por mim. Não tenho nada de H, muito pelo contrário - tenho preguiça e falta de energia muitas vezes. Não consigo terminar nada, nem sei quantas vezes tentei tantas coisas... Não sei o que é pior, saber ou não saber. Essa espera memata e sendo quem sou me sinto um ET!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é típico. Com um hiperfoco nos estudos as pessoas não conseguem enxergar o TDAH em você. Muitas vezes a vida pessoal, afetiva, é um caos, mas todo mundo nos julga pela aparência.
      Sua procrastinação é tão intensa que nem sequer procurar um médico vc consegue.
      Entre no site da Dra. VAléria e faça os testes. Pode ter certeza, saber é mto melhor.

      Excluir
    2. Ao médico eu fui, ao terapeuta também. Mas aquilo não me servia de nada. Um dia pensando em como minha vida é estranha comparado às pessoas que conheço, orei, e me veio a ideia de procurar no Google algo como pessoas sonhadoras, pessoas que sonham demais e não realizam mesmo tendo aparentemente tudo para chegarem lá - achei os DDAs.
      Os testes da internet, todos dão DDA, pra mim, pra meu pai e minha mãe. Mas o terapeuta ainda está cabreiro e estou fazendo outros testes mais "fortes" - o fato de minha mãe ter tido eclampsia foi o que fez eles decidirem fazer mais testes.

      O fato é que não sou tão esquecida - achava que não. Contas em dia, casa relativamente em ordem, escrevo bem, não me perco ao falar com as pessoas.

      Mas sou estabanada e sonhadora e quando foco em algo esqueço de todo o resto, até da vida. Eu achava que esse hiperfoco era algo bom, até que os anos foram passando e vi que tudo estava exatamente como você falou - o caos.

      Bom, os testes eu já fiz, agora estou esperando os resultados... depois venho contar!

      Excluir
    3. Venha mesmo, esse espaço é basicamente de solidariedade, de troca de experiências e de ajuda mútua.
      O que caracteriza o TDAH é a presença de um certo número de sintomas numa intensidade tal que prejudique a sua vida.
      Espero que vc não seja diagnosticada, é um fardo que é melhor evitar, mas se for, trate-se. A vida é muito melhor tratada.
      Se não for, não desapareça, seu interesse e sua contribuição sempre nos ajudarão.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
    4. Claro que venho aqui de qq forma, seu blog é muito bom e se eu não for é fato que vou precisar de um coaching. Já entrei em contato com a Luciana que vc cita no blog. Sou do interior de SP, então coaching online pode ser uma alternativa em caso positivo ou negativo - pq tá tudo errado hj e preciso de ajuda pra consertar de qq jeito!
      Ah, estava lendo o post que vc fez sobre os sintomas do DDA Adulto. Eu tenho muitos deles, e até um que vc não escreveu. Coloquei o comentário lá, a troca de ordem das palavras - vide patum de atê! ;)

      Excluir
    5. Vc já viu o patum de atê!!! rs
      Os únicos sintomas que não tenho daqueles q vc falou no post são a memória péssima, intolerância aos limites e não aprender com os erros.
      Memória ruim, as vezes - Não é algo assim notável, mas eu esqueço os fatos do passado q de alguma forma julguei não importantes. Exemplo, com a vinda das redes sociais tive vários encontros com as turmas de escola e meu apelido virou "Dori" do Procurando Nemo. Eu não me lembrava de muita coisa. Nem de pedidos de namoro que não respondi pros coitados, que lógico, aproveitaram a deixa pra me contar - achava q era só coisa de adolescente.
      Outra, parece que eu aprendo com os erros e consigo seguir uma lógica naquilo que quero comunicar - mas pelo visto tem muita gente aqui q consegue ;)- também não é algo gritante a intolerância aos limites, mas pode ser q me tornei conformada, sei lá, tenho 40 anos.
      É por esses três quesitos que a terapeuta está mega na dúvida e não quis dar qq diagnóstico sem o apoio dos testes - é a Doutora Cacilda do Instituto Paulista de Déficit de Atenção - acho q ela deve ser boa - ESPERO!
      No resto, acho q estou mesmo lascada tenho todos q vc citou, sem exceção. Alguns, com a idade, estão meio controlados, mas são muito prejudiciais à minha vida ainda.
      Acho q o pior é o q eu chamo de "encantamento", o parecido com esse post do prêmio Nobel.

      Só mais uma coisa, vc merece mesmo parabéns. Qta gente pode estar se encontrando só pq vc escreveu um blog, já pensou nisso?
      []´s

      Excluir
    6. Esse encantamento é tão ruim , né? Uma barreira nas nossas vidas. Mas parece que você foi ao lugar certo. Não sei como foi sua consulta, mas a minha primeira durou três horas e meia. O TDAH é um negócio que tem de ser, realmente, pesquisado e discutido por que muitos dos sintomas quase todo mundo tem; o fato de você ter procurado ajuda,já demonstra que esses sintomas têm prejudicado sua vida. Converse novamente com ela e mostre onde e por que o TDAH atua na sua vida. As vezes faltou foi eloquência de sua parte e ela não se sentiu convencida. rsrs
      Honestamente, eu não sei se esse blog é melhor pra quem lê ou pra mim que o escrevo. Ele é hoje a melhor parte da minha vida.
      Um abração
      e FELIZ NATAL!
      Alexandre

      Excluir
    7. Feliz Ano Novo, agora!
      Pois é, espero que o encantamento passe. To ficando mais consciente disso desde q li o livro da Joyce, antes de sequer saber q DDA existia.
      Escrever é mesmo bom pra quem escreve. Tb to tentando fazer isso ;)
      passa lá www[.]vidaedisciplina[.]com

      Excluir
  2. Alexandre!!!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    É muito engraçado descobrir que aquilo que eu julgava fazer de mim um et, na vdd faz de mim uma TDA!!!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Se penso em algo já penso em sendo a melhor na area... mas a maioria nem começo a fazer...kkkkkkkkkk esse vão entre o sonho louco e a realidade me fez pensar e escrever la no blog... mas... depois... no meio do texto esculhambei de vez e me esqueci do proposito do texto que era trabalhar o meio termo, o bom senso entre os dois extremos tdazisticos... kkkkk Passa lá depois!
    É muitooo engraçado ser e ver um TDAH... kkkkkkkkkkkkkkkk
    toda vez me divirto comigo e com esse blog tb!!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    MUito Obrigadaaaa!!!!
    Agora entendo porque minhas amigas me imploram para eu nunca deixar de ser TDA...kkkkkk é divertido e intenso viver ao lado de um tdah... é engraçado!!!!Valeuuuu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eii Mari!
      É engraçado como somos iguais, né?
      Vou passar no seu blog, essa semana tem sido muito pesada, muito trabalho e decisões importantes na vida.
      Mas vou lá.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  3. Encontrei um "remédio" pra isso que tem me ajudado (às vezes): não remoer o passado nem ficar ansiosa pelo futuro.
    Assim, consigo (quase sempre) focar no que estou fazendo naquele momento, sem me importar com resultados. E esse remédio acabou trazendo um efeito colateral inesperado: pela primeira vez na vida estou conseguindo ter prazer nas coisas!
    Claro que comecei com coisas pequenas e mais rápidas, como passear com os cachorros (Era uma tormenta porque eu queria os cães perfeitos e comportados. Agora consigo relaxar um pouco e curtir com eles a alegria de estar na rua) ou como arrumar a casa (que eu sempre deixava pra depois, porque já imaginava ter que fazer TUDO de uma vez. Agora consigo prestar atenção só ao que estou fazendo - ou quase isso - sem ficar me torturando com as outras zilhões de coisas que sempre há pra fazer).
    Só que esse remédio tem alguns 'poréns': não é fácil de encontrar, o efeito nem sempre dura muito e exige disciplina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, viver o presente é um grande passo pra reduzir as pressões,a frustração e a paralisia.Ainda não sou um craque nisso, mas tô aprendendo. Tenho reduzido meus devaneios futurísticos, mas é um aprendizado diario.
      Um grande abraço e obrigado

      Alexandre

      Excluir