quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

CONDENADO PELO TDAH













Estou condenado pelo TDAH.
TDAH é incurável.
TDAH é uma doença mental.
TDAH é vergonhoso.
O que eu faço agora?
Minha vontade é não fazer nada.
Aquietar-me, deixar o tempo passar.
A vida passa; aos trancos e barrancos eu chego ao fim.
Chegarei ferido; com um monte de feridos ao meu redor.
Mas chegarei ao fim.
Chegarei com a sensação de frustração, de incompletude.
Mas chegarei.
Vários casamentos.
Vários projetos inconclusos.
Várias decepções em várias áreas da vida.
Mas chegarei.
E aí eu me perguntarei: valeu a pena?
Mas posso levantar a cabeça.
Posso enfrentar os preconceitos.
Posso me tratar.
Como chegarei?
Não sei.
Melhor com certeza.
Cometerei erros, mas quem não os comete?
Magoarei pessoas, mas quantas já me magoaram?
Repetirei falhas anteriores, mas todos podem fazê-lo.
Mas chegarei.
E aí eu me perguntarei: valeu a pena?
E eu poderei me responder: valeu!
Eu tentei. Eu lutei. Eu não me entreguei.
Não aceitei a condenação pelo TDAH.
Muito pelo contrário; graças ao TDAH você está lendo esse blog agora.
Graças ao TDAH dei meu depoimento a centenas de pessoas em Juiz de Fora, Viçosa e Belo Horizonte dividindo a minha história, minhas derrotas e vitórias;
graças ao TDAH conheci centenas de pessoas ao redor do mundo que sofrem com o transtorno; graças
ao TDAH pude ajudar dezenas de pessoas que estavam angustiadas e sem rumo.
Levante a cabeça, faça do seu TDAH um motivo de mudança pra melhor em sua vida.
Esqueça seus amigos, sua família, seus colegas de trabalho, nenhum deles sente o que você sente, nenhum deles passa pelo que você passa.
Trate-se, cuide-se, viva, com o tempo eles irão reconhecer o quanto você mudou e te seguirão, pois nós somos naturalmente líderes.