domingo, 23 de janeiro de 2011

INSENSIBILIDADE OU... ISSO TAMBÉM É TDAH?







Quando me separei pela segunda vez, retornei à cidade onde então morava com minha segunda esposa.
Fui viver com uma nova pessoa e toquei minha vida sem me importar com as críticas ou as caras feias que encontrei pelo caminho.
Hoje, um pensamento me surpreendeu: quanta insensibilidade!
Tomo minhas atitudes e as assumo ou nunca me dei conta de ser este um comportamento absolutamente insensível?
Quando da terceira separação ( que se deu de uma forma e em um momento cruel) em nenhum momento me escondi, tendo inclusive comparecido ao velório, alguns meses mais tarde, de cabeça erguida. Hoje consegui enxergar o absurdo da situação, me separo e levo minha vida como se nada houvesse acontecido. Uma atitude que, para quem está de fora, chega a parecer desprezo pelo outro, pela família, pelos amigos.
Mas apenas agora, começo a enxergar.

O tratamento do TDAH é interessantíssimo!
Me sinto seguindo em meio a um denso nevoeiro, um enorme paredão de névoa aparentemente intransponível. Agora, após os primeiros dias do tratamento começo a perceber buracos nessa parede, por onde consigo enxergar aqueles comportamentos repetitivos e que me são tão prejudiciais.
Esse é o segundo passo para a construção de uma nova vida.
O primeiro, foi aceitar a possibilidade de ser um portador da TDAH e procurar ajuda médica.
Através destas fendas que começam a surgir no nevoeiro, consigo divisar exatamente onde peco (e nesse caso acredito piamente que seja pelo efeito da Ritalina) .
Agora entra o terceiro passo: a mudança destes comportamentos. Isto virá através de uma reprogramação da minha vida, onde aprenderei a traçar objetivos e agir para transformá-los em realidade. a encontrar satisfação em mim mesmo, em minha vida. A deixar de andar a esmo por esse nevoeiro que é quase uma cegueira. Aprenderei a seguir um caminho sem me desviar por pequenas trilhas que o circundam e que não levam a lugar nenhum, transformando essa caminhada num penoso exercício de reencontrar a estrada principal, de onde em muitas vezes já me distanciei tanto que é extenuante o trabalho de reencontrá-la.
A ferramenta que estou utilizando para criar esta nova vida é o "coaching", onde ainda dou os primeiros e estimulantes passos. Agora tenho a consciência de que o "coaching" irá me auxiliar e orientar nessa nova caminhada, mas quem vai caminhar sou eu. Eu serei o responsável por cada passo dado, e pela direção que vou seguir. Mas estou certo de estar no caminho correto e confiante de contar com as ferramentas de que preciso para atingir meu objetivo, que agora é claro, preciso, concreto, factível e extremamente relevante para a minha vida.
O prazer que causa cada uma dessas descobertas é indescritível.
A cada nova fenda que encontro nesse paredão de névoa, enxergo uma nova possibilidade de futuro. Mesmo que na maioria das vezes seja sofrido enxergar os prórprios erros ( e o estrago que eles podem ter causado em pessoas inocentes e amadas), é uma dádiva levantar o véu que dava à minha vida uma aparência de incompetência, irresponsabilidade e inadequação.
Mais um passo dado.
"Ao infinito e além! "