quinta-feira, 7 de novembro de 2013

O TDAH FELIZ








Eu tenho consciência da sombra, da dor, da morte, dos prejuízos causados pelo TDAH; mas sou feliz.
Instintivamente fazemos um balanço do ano e da vida no dia do nosso aniversário, pelo menos eu faço. E ano após ano esse balanço tem sido positivo, e esse ano não foi diferente
Muitos dirão: mas depois de tantos posts sofridos, tantas lamurias esse cara vem falar que ta tudo bem, que ele é feliz?
Pois é, aprendi que a felicidade é algo muito mais amplo do que os revezes ocasionados pelo TDAH. As tragédias pessoais, ou mesmo a consciência que tenho das mazelas de nosso cruel país ou do mundo não têm o poder de me infelicitar.
Muito se diz que não existe felicidade, mas momentos felizes; discordo, eu sou feliz no sentido amplo da palavra e da vida. Sou feliz por estar vivo e saudável, por ter minhas filhas, minhas irmãs e meus pais.
Não estou fazendo o jogo do contente, detesto esse tipo de comportamento, mas apenas expondo minha maneira de sentir minha vida. Gosto de pensar na vida como uma grande jornada; e o prazer da caminhada, o explorar novos caminhos, o descortinar de novas paisagens é muito mais prazeroso e importante do que as quedas, as topadas, as câimbras, ou seja lá o que tive de enfrentar nessa caminhada. Ser TDAH não aumentou ou diminuiu minha sensação de felicidade; assim como me dificultou em muitos momentos, me proporcionou prazeres intensos em outros.
O TDAH dificultou-me a vida, mas não inviabilizou-a.
Como eu seria sem o TDAH? Jamais saberei. Pior ou melhor? Nunca poderei julgar isentamente.
Pra que me entregar a essa doença?
Vivi 50 anos com TDAH e sem diagnóstico, quantos mais viverei com o diagnóstico e a consciência de que posso ser uma pessoa melhor? Que posso fazer da minha jornada algo mais prazeroso e mais leve?
Ou por outro lado, que a consciência do TDAH possa melhorar minha convivência com as pessoas que amo?
Com ou sem TDAH os seres humanos falham, magoam e são magoados, claro que a doença potencializa nossas chances de erro, mas não posso vincular minha vida a isso.
Eu sou muito maior do que o TDAH; eu sou muito melhor do que os erros que cometi; eu sou muito mais do que as mágoas que causei.
Cheguei aos 53 anos de muita luta, e muitíssimo prazer; de muita dor e muitíssimo amor; de muita solidão e muitíssima convivência prazerosa. Com ou sem TDAH, cheguei aos 53 anos feliz!
E ninguém jamais vai me tirar isso!

34 comentários:

  1. oooooOOoooo Amigo, me perdoa o sumiço, mergulhei ou fui puxada para o olho de um furacão intenso como todo TDAh q se prese! kkkkkk Mas um furacão delicioso, diga-se de passagem! kkkkk Deus é muito delicioso! kkk #amo. Amigo e em falar em Deus, é tão bom carregar o sopro divino e poder respirar mais um ano, ne? Feliz Aniversário pra gente que é feliz sendo quem somos! Feliz aniversario p gente que é incompreendido por compreender diferente as coisas! Feliz reerguer a cabeça, feliz bater de asas, feliz respiração para todo nós!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari!!!!
      Que bom que você está bem, fico muitíssimo feliz de saber.
      Obrigado por suas palavras e feliz vida pra todos nós.
      Some não, amiga!
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  2. Mari Brilho é meu novo nome (Mari, do blog tdazices) eu mudei pq criei um outro blog e achei que era hora de mudar! kkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual o endereço do blog? Sobre o que você fala no blog, Mari Brilho?
      Quero conhecê-lo!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  3. Isso aí!!! Parabéns pelo aniversário e pelo post empolgante!
    Agradeço muito que tenha este gás todo para nos permitir utilizar este espaço para compatilharmos idéias, rirmos das nossas tdazices (emprestei de você Mari), choramos das nossas frustrações e continuamos vivendo, como todos tem que viver, dia após dia.
    Entendo o que diz com sua felicidade no plano geral. Isto está no nosso sentimento, não em definições técnicas, científicas, religiosas ou afins.
    Bueno, vamos seguir a vida.
    Grande abraço,
    Rafael P.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Rafael!
      Obrigado por sua presença.
      Esse espaço é nosso, amigo, e ando pensando em mudá-lo um pouco. Ando sem tempo para me dedicar e estava pensando em colocar ideias e posts de outros portadores, o que você acha?
      Um abração
      Alexandre

      Excluir
    2. Rafael P.:
      Alexandre! Seu blog se tornou um agregador de idéias! Aqui nos sentimos à vontade, em casa mesmo! Acho que o diálogo das pessoas aqui enriquecem muito o repertório de ferramentas para lutarmos em nosso favor!
      Quanto mais melhor. Tenho certeza que muitas pessoas que passam por aqui contribuiriam cada um com um tipo de experiência. Não é todo mundo que sabe montar e manter um blog, mas deve ter bastante gente que gostaria de montar um.
      Abração e boa semana!!
      Rafael P. (agora usando estabilizador de humor depakote - to oscilando bem menos e sem sensação de perda de qualidade ou amansamento nas atitudes)

      Excluir
  4. Feliz Aniversário !!!

    Foi bom retornar para te felicitar,sucesso!!!

    Vanesca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vanesca!
      Muito obrigado!
      Que bom que você voltou!
      Some não, sua participação é muito importante!
      Abração
      Alexandre

      Excluir
  5. Feliz aniversário , e que seja muito mais feliz ainda , por muitos e longos anos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sylvie, muito obrigado!
      Acho que vou comemorar um aniversário por mês, quanta gente querida que está de volta ao blog.
      Por favor, Sylvie, não desapareça assim não.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  6. http://www.youtube.com/watch?v=YVcNabmtw4A

    http://www.youtube.com/watch?v=0ybe6BUtiBA

    http://www.youtube.com/watch?v=uE0mysIHvvg

    http://www.cchr.pt/quick-facts/introduction.html

    http://www.youtube.com/watch?v=Tv4BgYFoDdM

    http://www.youtube.com/watch?v=DBMwY6lcOYE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os links acima referem-se a vídeos do youtube com o objetivo de denegrir a psiquiatria e o TDAH. Sâo vídeos primários que tentam desmoralizar doenças reconhecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O direito de ser anti TDAH é sagrado, mas postar esses links aqui, num espaço dedicado àquelas pessoas que sofrem com a doença é no mínimo antiético, cínico e cruel.
      NÃO RECOMENDO NEM RECONHEÇO QUALQUER VALIDADE DESSES VÍDEOS.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  7. Que legal seu post !!!! Eu tenho quase sua idade e me identifiquei bem com o q vc escreveu... Bem legal, grande inspiração... FELIZ ANIVERSÁRIO !!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Nina!!!
      Obrigado!
      Sim, Nina, não podemos nos sentir derrotados pelo TDAH.
      A vida é pra frente!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  8. Depois de um longo periodo depressivo, me vejo quase uma pessoa normal, mas felicidade é muito subjetivo... mas gostei muito do texto ... abraco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Fabbão!
      O sentir-se feliz é subjetivo, mas seu resultado é concreto. Eu tento enxergar minha vida de forma mais ampla e sob esse aspecto eu sou uma pessoa feliz.
      Obrigado por sua participação.
      Seja muito bem vindo!
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  9. Em primeiro lugar, Alexandre, um FELIZ aniversário, no sentido absoluto da palavra!! Em segundo, eu queria entender por que temos a tendência, quase que incontrolável, do isolamento social? Fico pensando e tentando chegar a alguma resposta: será que é depressão (tenho TAG + depressão como comorbidades do TDAH)? Será simplesmente tédio das pessoas? Será pela dificuldade de manter o foco e a atenção num dialogo? Ou será pq temos que "fingir" interesse em pessoas e conversar desinteressantes, fingir que prestamos atenção e interagimos naturalmente com as conversas? Ou será por termos que fazer um esforço enorme pra nos manter "emersos" de nossos pensamentos? Gostaria de propor uma discussão sobre os motivos que nos levam ao isolamento social...
    Beijo, Karol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi pessoal
      Primeiramente, parabéns Alexandre, e continue sempre com o blog, esclarecendo sobre o tdah e encorajando seus portadores a continuar com o tratamento.
      Eu disse um pouco sobre isolamento no post anterior, no meu caso é um pouco de cada coisa: vergonha de me expor, de me acharem estranha. Me isolo também pela minha dificuldade em dar a atenção que as pessoas gostam de receber... poder lembrar de tudo, observar, reparar, absorver o que falam e perceber o que não falam, ter iniciativa ao invés de esperar que me avisem as coisas, aprender com os erros, enfim, essa minha dificuldade me faz entrar em conflitos o tempo inteiro. Sempre crio conflitos, ou por me acharem preguiçosa, ou por me acharem egoísta, por nunca prestar atenção em ninguém. Já criei prejuízos - alguns muito graves e irremediáveis - então se não posso ajudar, prefiro me isolar. Tenho medo de ser interpretada pelo que parece ser mais "lógico" para os outros - quando uma pessoa vai mal nos estudos, por exemplo, é mais "lógico" pensar que é irresponsabilidade do que pensar que pode ter algo a mais. Medo de decepcionar quem está confiando em mim, ou de não poderem contar comigo, já que tenho dificuldade pra ajudar até a mim mesma.
      E o principal, gostar de ficar só, preguiça de gente mesmo, não gosto de participar e interagir, sei que não é certo mas é só assim que me sinto bem.
      Fe

      Excluir
    2. Bem Karol e Fe, cada caso é um caso. Eu sou ótimo no convívio social; converso bem, sou simpático, muito bem informado. Só não gosto do convívio social. Adoro ficar em casa, assistir TV , ler, trabalhar nos meus celulares, acessar a internet. É disso que eu gosto, e ponto final.
      Tenho uma característica ainda mais restritiva: gosto de me relacionar com minha esposa/namorada/ficante. Tenho pouquíssimos amigos; de conviver e visitar nenhum.
      Sou assim desde adolescente. Nem sei se sei ou se posso mudar isso, mas amo ficar em casa com quem amo. rsrs
      Tenho preguiça de imaginar sair de casa...
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    3. Tenho muita dificuldade de acompanhar o ritmo dos outros, não sou ágil, sou sempre a última a perceber algo e não consigo ter iniciativa nem pro trivial - tudo tem que ser avisado, não consigo pensar em nada além do que me pedem. Minha lentidão pra tudo me faz ser uma pessoa difícil de conviver. Pior que não consigo perceber quando estou errando, pra mim estou fazendo o que precisa ser feito, mas pra quem convive comigo, me acham lenta que chega a irritar.
      Minha lentidão e dificuldade de adaptação é um dos maiores motivos pra eu querer me isolar.
      Fe

      Excluir
    4. Não perceber as coisas é normal no TDAH, uma vez que ele está dentro da mente, observando pouco, raras vezes, a vida real.

      Uma possibilidade é você tentar relembrar esses momentos e tentar entender como os outros percebem algo até mesmo antes de acontecer. As coisas possuem sinais, sejam sonoros, sejam cheiros, sejam visuais.

      Eu mesmo não compreendia às vezes a hora que eu deveria me comportar assim ou assado, falar isso ou aquilo. Por causa do momento ou do local. Eu não me sentia no lugar às vezes. Porém, às vezes me sentia naquele lugar, mas não tinha a compreensão toda das consequências. Isso eu acho que vem desde criança, que, por exemplo, faz barulho e corre até em velório. Com o tempo essa criança vai compreendendo que aquele comportamento não é correto para tal lugar ou momento. E isso vale para qualquer coisa.

      Procure então se lembrar desses momentos, mas não para arranjar mais assuntos para ficar dentro da sua mente divagando, mas para resolvê-los, compreende-los, de forma que na próxima vez você tenha mais chances de conseguir captar o que de fato está acontecendo e poder agir corretamente.

      Excluir
    5. Olá, eu costumo fazer isso... tento exercitar minha sensibilidade, observar mais os sinais, as pessoas, tento ler as entrelinhas no que as pessoas dizem, ou o que evitam dizer ... Tanto que às vezes as pessoas brincam comigo e eu fico cismada, achando que é indireta...kkk. Mas volta e meia estou em outro mundo de novo, repetindo as mesmas erros que jurava pra mim mesma que não iria mais repetir...e nem percebo, só vou ver quando me chamam a atenção. Pra ser sincera, essas recaídas me desanimam.
      Fe

      Excluir
  10. http://www.youtube.com/watch?v=YVcNabmtw4A

    http://www.youtube.com/watch?v=0ybe6BUtiBA

    http://www.youtube.com/watch?v=uE0mysIHvvg

    http://www.cchr.pt/quick-facts/introduction.html

    http://www.youtube.com/watch?v=Tv4BgYFoDdM

    http://www.youtube.com/watch?v=DBMwY6lcOYE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os links acima referem-se a vídeos do youtube com o objetivo de denegrir a psiquiatria e o TDAH. Sâo vídeos primários que tentam desmoralizar doenças reconhecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O direito de ser anti TDAH é sagrado, mas postar esses links aqui, num espaço dedicado àquelas pessoas que sofrem com a doença é no mínimo antiético, cínico e cruel.
      NÃO RECOMENDO NEM RECONHEÇO QUALQUER VALIDADE DESSES VÍDEOS.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
  11. Gente estou apanhando demais da vida, estou entrando na luta todo dia contra mim mesmo, mudança de comportamentos e atitudes enfim aquelas coisas que dizem ser o tal do TDHA, na verdade nem sei se sou TDHA estou na guerra de PsicologoXNeuroPisicologoXPsiquitra, a psicologa diz que sim total certeza já fazemos tratamento a mais de 1 ano, o neuro para déficit de atenção deu que não, nos teste de 6 sessões deu um bom QI, a psiquiatra diz que é por que eu não tive pai, sinceridade me identifico demais TDHA, mas o que está me deixando mais triste é a tal da depressão, desde adolescente preocupado com essa incógnita da minha vida quem sou eu, por eu sou assim, a depressão passou despercebida e me pegou de tal forma, que agora os meus comportamentos me jogam pra baixo, sou nocauteado várias vezes.
    É difícil, tranquei faculdade, curso técnico incompleto estou voltando para terminar após 5 anos e apanhando muito, um relacionamento de 3 anos mas que na verdade só tivemos de vai e voltas, uma tristeza por não conseguir uma definição, aquela dúvida que a gente carrega é ou não é, cabeça dura demais, não consigo parar de pensar eu queria só que minha mente se aquetasse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que não sabemos o que queremos para decidirmos com mais certezas por que não nos conhecemos muito bem. Use a internet para isso. Leia ou assista vídeos sobre comportamento humano, sobre os anseios das pessoas, sobre as características de cada um. E, principalmente, observe isso na rua, na própria vida, é ela que interessa.

      Todos temos nossos defeitos, nossas vontades, nossas carências. Cada um precisa de muitas dessas coisas para ser feliz.

      Alguns são gananciosos, outros nem tanto, outros possuem poucos escrúpulos, outros são exageradamente ponderados. Alguns são muito inseguros, outros nem tanto, pois conseguem ter coragem para arriscar, e o fazem por que têm bastante noção de alguma coisa que os outros não têm.

      Existem também nossas habilidades, somos melhores ou piores que outras pessoas naquilo que melhor fazemos. Algumas pessoas possuem talentos enormes para algumas coisas. Outras não possuem tantos talentos. Essas que não possuem tanto talento muitas vezes realiza trabalhos melhores que aquelas que possuem. E por quê?

      São muitas variáveis. Depende da idade, por exemplo, ou da vontade em se realizar algo, do capricho. Não é só talento para se realizar algo manual por exemplo. Envolve sentimento, envolve relações sociais.

      Algumas pessoas possuem medo de experimentar coisas novas. Não seja assim. Isso só bloqueia seu conhecimento das coisas e te torna cada vez mais separado do mundo, Away From The World.

      Pergunte-se o que de novo há que você ainda não experimentou e que gostaria de experimentar? Se você tem medo de sair por aí experimentando as coisas, procure sobre o assunto na internet. Ela já está riquíssima de assunto. Acho que já dá para achar qualquer coisa aqui.

      Vá por aquilo que mais lhe interessa, veja os diversos caminhos que a vida pode ir tomando a medida que você vai resolvendo as coisas, definindo o que você quer da vida.

      Excluir
    2. Há coisas que dependem de mim e há coisas que não dependem.

      Os meus pensamentos e a minha vontade e as minhas paixões dependem de mim. O que se refere aos outros e ao mundo não dependem de mim.

      Se me aflijo com o que não depende de mim, só posso enfraquecer-me. Tudo quanto possa fazer em bem dos outros não deixo de fazer.

      Mas eu sou o meu amigo que precisa lutar por mim. Se me aflijo com o que é meu, a culpa é minha, pois posso vencer o que depende de mim.

      Todas as vozes que venham de mim, contra mim, não são minhas. Porque o que é meu, trabalha por mim. Ouvirei as minhas vozes que falam a linguagem do meu bem, e repudiarei, com o meu desprezo, as vozes que não falam a sua linguagem.

      Sou eu que faço a minha força ou a minha fraqueza. Lutarei por mim e pelo meu bem.

      Quando me surge uma ideia dolorosa, preocupadora, minha inimiga, dir-lhe-ei:
      Tu és apenas uma ideia e nada és do que pretendes representar.

      Excluir
    3. Boa noite, JOÃO MARQUES!
      Amigo, acredito que você deva escolher um caminho, um tratamento e segui-lo por um bom tempo; se não obtiver resultado, aí sim, você muda de médico, tratamento ou medicamento.
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  12. "Quem busca a terapia quer modificar, melhorar ou remover algo em si, de acordo com seus próprios interesses: que seja parar de fumar, comer menos, controlar a própria preguiça, controlar a própria raiva, controlar seus gastos, tomar decisões, se focar mais no trabalho, se conhecer melhor, dormir melhor, explorar melhor seu potencial criativo, aprender a conviver melhor com os outros, etc. Terapia é para essas coisas, entre outras. Não é para "ficar normal". Sendo assim, repito: psicoterapia não é coisa para gente louca ou doente. Também gosto de dizer que não há quem precise de terapia. TERAPIA É PARA QUEM QUER."

    Fonte:
    http://bomdiapsicologia.blogspot.com.br/2009/04/o-que-psicoterapia-e-o-que-ela-nao-e-e.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, amigo.
      Não consegui entender exatamente o que você quis dizer.
      Creio que seu diagnóstico é simplista e foca apenas um lado da questão. Se a pessoa procura a terapia para 'modificar, melhorar ou remover' algo, já podemos ver uma importante e benéfica vertente da terapia.
      Mas você 'esqueceu-se' de citar os milhões de pacientes com depressão, bipolar, tendências suicidas, toc e sei lá quantas doenças são amenizadas e 'normalizadas' através da terapia.
      Estamos enfrentando uma onda de descrédito à psicologia e à psiquiatria no Brasil; um grupo resolveu desacreditar doenças aceitas em todo o mundo, inclusive reconhecidas pela OMS, e pregar a cura dessas doenças através da simples vontade.
      Temos que tomar muito cuidado, caça as bruxas nunca deu nenhum tipo de resultado positivo.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. NÃO EXISTE TDAH,É TUDO INVENÇÃO DE GENTE GANANCIOSA PRA TIRAR DINHEIRO DE VCS. ISSO É PROBLEMA SOCIOCULTURAL. NÃO CAIAM NESSA DE QUE EXISTE,MEDICAMENTO É VENENO.
      LEIAM:http://pt.scribd.com/doc/45064642/A-Verdade-Sobre-O-Consumo-Da-Ritalina

      Excluir
  13. Que escroto de pessoa deve ser esse anônimo.

    ResponderExcluir