quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

O TDAH E A MENTE FERVILHANTE!


Somos acossados cotidianamente por um turbilhão de pensamentos que se sucedem, se sobrepõem, se chocam, se engalfinham, se confrontam. Pensamentos opostos, incongruentes, conflitantes, beligerantes que se mutilam e se esquartejam. Na mente fervilhante os fragmentos se amontoam e se fundem, transformando-se em pensamentos novos; irreconhecíveis. Verdadeiros Franksteins mentais. Como todo monstro, esse Frankstein nos assombra e nos impressiona. Dificilmente nos livramos dele. A mente convulsionada por esse turbilhão de pensamentos começa a acreditar que o Frankstein é verdadeiro. E real. Essa amálgama de pensamentos desconexos cresce e domina a mente. A imagem do Frankstein passa a ser dominante, e como tal, dita o comportamento. E o comportamento reflete o pensamento. O Frankstein mental se concretiza em atitudes Franksteinianas; um monstro que muitas vezes desconhecíamos assume o controle. E as consequências podem ser nefastas...
E podemos derrotar esse Frankstein?
A Ritalina é uma boa arma - ela acalma esse turbilhão mental - mas não a única. E nem pode ser sozinha. O TDAH requer mais do que só medicamentos. Para combatê-lo é preciso auto conhecimento, conhecimento da doença e uma boa dose de consciência de que nada nesse transtorno resolve-se rapidamente. Esse último, talvez seja o mais difícil para nós. E claro, se a condição financeira permitir, apoio terapêutico é muito importante.
Parece simplista, mas o auto conhecimento e o auto controle são fundamentais. Se estivermos alertas perceberemos a criação do Frankstein ainda no início. O bebê Frankstein. E poderemos impedi-lo de agir. De virar adulto.
Mas não é fácil. Não sabemos ser de outro jeito. Acreditamos na veracidade desses pensamentos e nos deixamos dominar por eles. Mas não podemos descansar. Precisamos duvidar da existência desse Frankstein. Sua existência precisa de provas, de confirmação. Chega de acreditar que a junção de pensamentos, ou fragmentos de pensamentos, antigos, somados com os novos formam uma verdade. Podem formar uma teoria, mas todas as teorias precisam de comprovação para deixarem de apenas isso; teoria.
Cuidemos de nossos pensamentos e não acreditemos tão facilmente em monstros e fantasmas.
Nossas vidas, e a de quem convive conosco agradecerão muito.


7 comentários:

  1. Bom dia comecei a ler o teu blog pra me conhecer melho por causa do tdah vou te dizer uma coisa me indentifiquei bastante com varios post porem tenho uma reclamaçao alguns sao muito grande e as vezes acabo nao lendo ate o fim kkkkk a maior dificuldade que encontrei no inicio ate mesmo com os psquiatras e psicologos e que muitos ainda nao acreditam em tdah em adultos e acham que a pessoa que o remedio pq o mesmo e considerado a "pilula da inteligência" que besteira né por causa de muitas pessoas que usam o remedio indiscriminadamente as pessoas que ralmente precisam pagam o pato tenho 29 anos e fui diagnosticado com tdah estou começando o tratamento hj vamos ver como vai ser.

    ResponderExcluir
  2. Me identifico. A mediação é necessária justamente para ter a chance da auto investiação/auto observação/ auto conhecimento.

    ResponderExcluir
  3. Olá estou passando por um momento muito difícil em que vou no Psiquiatra semanalmente estou tomando tolrest e Rivotril. Há uns dois anos atrás também fui atrás de outro psiquiatra que me receitou zoloft em uma quantidade maior do que a do psiquiatra atual e mais tarde ritalina junto com zoloft e isso foi onde me senti, muito bem, durante 6 meses de uso desses dois remédios.
    Sempre me diagnosticaram com ansiedade e nunca falaram de tdah, mesmo quando a Psiquiatra me deu a Ritalina mas eu realmente tenho dúvida se eu possa ter algum traço de tdah.
    Já falei com este atual psiquiatra que talvez retraída me ajudasse mas ele é contra o uso dela e o principal argumento que ele diz é que quando eu me senti bem com a outra psiquiatra foi por apenas alguns meses e não algo duradouro.

    Teria algo para me dizer algum conselho ?

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Eu vejo isso no processo de aprendizagem também pois como o tdah só vai estudar aquilo que realmente tiver interesse a base fica comprometida.

    Ex: eu tenho A,B e C para estudar mas apenas quero estudar C e D, B e A eu não to nem ai logo acaba virando um frankenstein também com vários retalhos de conhecimentos separados

    Com um ponta aqui e outra ali sem se fechar

    ResponderExcluir