domingo, 8 de janeiro de 2012

UM ANO DE TDAH!





Um ano!
Conquistas e derrotas, paz e dor, escaladas e quedas.
Um ano de tratamento, um ano de consciência, um ano de trabalho.
Um ano de descobertas e aprendizado, um ano de vida.
Os primeiros passos, as primeiras conquistas.
A euforia do sucesso, a acomodação do sucesso.
A queda do sucesso, a dor do insucesso.
A consciência da falha, a consciência da realidade, a consciência da doença.

O TDAH é invencível mas não é indomável.
É preciso estar alerta o tempo todo, consciente o tempo todo.
Um combate sem tréguas que não se faz sozinho.
É preciso do apoio do medicamento e do coaching.
Mas muito mais das pessoas.
Primeiro, da minha vontade. De mim mesmo.
Cheguei a listar nominalmente as pessoas mais importantes nesse processo de reconstrução, mas desisti. Sempre faltará alguém; qualquer lista magoa, chateia...
Cada pessoa sabe a importância que teve no meu processo de reconstrução pessoal. Processo que está apenas começando, e que jamais terminará. Processo que se reinicia diariamente quando abro os olhos pela manhã, e que é interrompido à noite quando durmo. Apenas para reiniciar-se pela manhã, quase do zero. Com o diferencial da consciência, e da certeza de que pessoas que me cercam e me amam estão ao meu lado.


Tive inúmeras vitórias contra o TDAH e um sem números de derrotas.
Hoje sou uma pessoa melhor.
Apesar de evitar fazer uma lista das pessoas importantes nesse processo de reconstrução pessoal, não posso deixar de citar três pessoas fundamentais: Valéria Modesto, Luciana Fiel e Jaqueline. Cada uma delas teve um papel imprescindível em minha vida no último ano. E as agradeço nominalmente.
Obrigado a todas as outras pessoas que me ajudaram, parentes amigos, leitores, companheiros de sessão coletiva de coaching. Cada um de vocês tem um papel importante e fundamental na minha vida, na minha reconstrução de vida.
O blog faz um ano. Assim como minha vida sofreu uma grande mudança. O primeiro título era: A vida à deriva; que era como eu me sentia naquele momento. Em fevereiro mudei para Reconstruindo a Vida. Onde estou nesse momento.
Onde estarei sempre.
Onde todos nós estaremos.
Este é o primeiro ano do resto de minha vida.