sexta-feira, 13 de abril de 2012

O TDAH, NESSUM DORMA E LES MISERABLES




Quem tem o hábito de acompanhar os vídeos do Youtube, ou que, como eu, tem uma filha (ou filho) adolescente, certamente já ouviu falar das personagens principais deste post: Paul Potts e Susan Boyle.
Ambos participaram de um programa de revelações artísticas nos moldes do Ídolos do Brasil e do American Idol, americano Essa é a versão inglesa desses programas.
Paul Potts era um vendedor de celulares no interior da Inglaterra,com quase quarenta anos; de aparência comum, mediocremente vestido, apresentou-se ao juri do programa afirmando cantar ópera; um tipo de música dificílima de cantar pois exige uma potência vocal incomum. Ao ouvi-lo dizer isso, um dos jurados esboça um sorriso de descrença. Logo nos primeiros acordes da ópera 'Nessum Dorma', o público vai ao delírio, Paul Potts é um excelente tenor, um talento oculto num canto qualquer da Grã Bretanha. Potts foi até à final do programa vencendo-a de forma inconteste.
Susan Boyle é ainda mais impressionante; aos quarenta e sete anos, mal vestida, de aparência quase desleixada,  surgiu na versão escocesa do programa. A exibição é precedida de uma micro entrevista onde ela afirma que iria cantar uma das músicas da peça 'Os miseráveis'. Quando Susan diz que sua musa é Elaine Paige - famosa cantora inglesa - algumas pessoas da platéia sorriem ironicamente. A apresentação de Susan Boyle foi um arraso! A platéia ficou de pé; uma das juradas levantou-se para aplaudi-la e no julgamento todos afirmaram estar absolutamente surpresos com a espetacular apresentação da cantora.
Hoje, ambos são cantores profissionais e o último CD de Susan foi recorde de vendas no Natal de 2010.
E o que ambos tem a ver com o blog e o TDAH? Nada; e tudo. Pessoalmente nada, metaforicamente, tudo.
Eles representam uma mudança radical de vida, uma capacidade de persistir em busca de seus sonhos e daquilo que acreditam. Diamantes brutos enterrados em vilarejos, foram descobertos quase que por acaso e hoje vivem de seus sonhos.
Uma reconstrução de vida, uma nova vida.
Identifico-me com essas vidas; não canto absolutamente nada mas jamais desisti da minha vida. Jamais entreguei os pontos e hoje depois de meio século de vida, tenho um trabalho que adoro, que me estimula a seguir em frente e a evoluir constantemente. Em cerca de dez meses, mais de setecentos celulares já passaram pelas minhas mãos, minha confiança vai aumentando, meus conhecimentos idem, e eu sinto-me estimulado a estudar mais, a aprofundar-me para atingir um novo patamar em minha profissão.
A persistência é uma característica do TDAH. Não persistimos naquilo que nos é desinteressante, mas persistimos na luta pela vida, estamos nos reinventando a cada dia, estamos buscando uma vida melhor incessantemente. Temos essa infinita capacidade de renascimento após cada derrota, cada queda.
Com o tratamento, essa persistência (que as vezes beira à teimosia) vira uma poderosa aliada na reconstrução da vida. Com o peso do TDAH aliviado, nossa caminhada é mais produtiva, mais rápida e mais prazerosa.
Claro, nossos julgadores sempre darão sorrisinhos irônicos diante de cada recomeço nosso, mas eles não sabem que sob tratamento somos imbatíveis.
De mais a mais,em meu caso específico, a opinião deles não me interessa em nada.Esse tempo já passou.

PS.: Quem ainda não viu os videos clique nos links abaixo, vale a pena
Susan Boyle:http://www.youtube.com/watch?v=01JilgeNXW4
Paul Potts: http://www.youtube.com/watch?v=BHl5kJ4_lII