sexta-feira, 17 de abril de 2015

TDAH NO ADULTO, CULPA DOS PAIS







Ai, ai... Existem assuntos que eu juro que nunca mais vou abordar no blog, mas aí leio um texto que me provoca...
Recebi um hoje no Facebook que passou das medidas, o título: TDAH, DOENÇA OU DOM?
Que festival de asneiras!
A autora, que não tem o nome mencionado, afirma que em seu ' trabalho com crianças ' dividiu-as em 4 grupos:
O primeiro, das chamadas Hiperativas, ela renomeou para: Crianças Divertidas e Amorosas. Não é lindinho?
Pois bem, a brilhante articulista, afirma que esse grupo não se dá bem em escolas estruturadas e que, não devemos rotulá-las, mas sim oferecer-lhes uma escola menos estruturada. Acompanhadas e estimuladas essas crianças se  tornam brilhantes.
Aí eu fico pensando: Você tira seu filho de uma escola estruturada e o coloca numa outra com menos estrutura, menos cobrança, menos exigências. Seu filho será criado respeitando sua hiperatividade, sua falta de foco, sua impulsividade, sua desatenção...
Só que um dia ele vai crescer, e vai querer ter um carro, uma namorada, uma casa, viajar, casar, enfim, ter uma vida normal. 
Qual empresa aceita um hiperativo, desatento, impulsivo e sem foco?
Você simplesmente não deu ' armas' adequadas pra que ele enfrentasse a vida de igual pra igual. Falar inglês? Bobagem, esses cursos são muito estruturados...
Curso superior? Meu filho não precisa, essas faculdades são muito estruturadas...
Pós graduação? Deus me livre, isso é coisa estruturada demais pro meu filho Divertido e Amoroso...
E ele vai pra vida competir ombro a ombro com pessoas altamente estruturadas. E vai perder...
Se for uma criança de sorte, nascida em berço de ouro, sempre terá uma herança pra dilapidar no futuro.
Se não, pode seguir carreiras menos estruturadas, tipo hippie, que faz bijuterias na praça; andarilho; se tiver um dom, músico de rua, pintor de rua. Nada acadêmico, nada estruturado...
Nem mesmo músico profissional, artista plástico ou atleta profissional; são profissões que exigem disciplina e muito trabalho pra atingir o sucesso. Coisa dessa gente estruturada...
Mas não se esqueça, se ele se sentir prejudicado, se ele se sentir despreparado, a culpa será sua. 
Se ele descobrir que tem uma doença tratável, não tratada, a culpa será sua.
Não tratar do filho é uma escolha dos pais, arcar com as conseqüências dessa escolha é inexorável.