segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O TDAH E O EXERCÍCIO DO PERDÃO







Não vou falar sobre perdoar nosso semelhante, mas o auto perdão; o perdoar-se a si próprio.
O TDAH é mais ou menos como o Mito de Sísifo, aquele que deveria empurrar uma pedra morro acima e ao atingir o cume, a pedra rolava e ele deveria começar de novo.
Quantas vezes nos aproximamos de atingir uma meta, um sonho, a conclusão de um trabalho, e destruímos tudo; desistimos; abandonamos?
Quantos relacionamentos destruímos da mesma forma...
Qual o nosso maior sonho? Mudar esse padrão de comportamento!
E aí começamos; empurramos nossa pedra morro acima, fazemos enormes esforços e a deixamos rolar pelos mais diversos motivos; dos mais justificáveis à preguiça, o saco cheio, a mudança de foco...
E aí nos punimos, nos criticamos, esmagamos ainda mais nossa auto estima.
Antes de mais nada, não estou aqui defendendo nosso direito de humilhar o parceiro(a) ou usar o TDAH como desculpa para aprontar. Não!
Só se supera o TDAH se ACREDITARMOS que ele existe e QUISERMOS enfrenta-lo.
Então, a partir do momento em que abandonamos a postura passiva e criamos e implementamos estratégias para vencê-lo, merecemos o auto perdão ao errarmos.
A melhor maneira que encontrei foi a auto análise e a confrontação da realidade com o TDAH.
Exemplo:
Fui PHD em procrastinação. Adiava do mínimo ao máximo. Perdi vendas, amigos, clientes... Tudo pela procrastinação. A arte de adiar indefinidamente as situações que demandem solução.
Hoje ainda procrastino; muito menos do que antes. Ao me defrontar com a vontade de procrastinar, paro e analiso: Existem motivos concretos para adiar isso? Se não existem, e na maioria dos casos não existem mesmo, enfrento o TDAH e faço o que devo. Mas, claro, não funciona sempre. Erro, falho, esqueço, adio a análise, mas me perdoo se não consigo.
Ainda existem consequências, mas não me prendo ao erro. Foco na tentativa e naquilo que consegui vencer.
E isso serve pra tudo.
Primeiro passo: Conheça-te a ti mesmo. Pare e pense, honestamente, quem é você? Pra onde você está levando sua vida? O que você quer dessa vida?
Segundo passo: Conheça o TDAH! Profundamente! Aprenda de cor e salteado os sintomas característicos do transtorno e suas manifestações.
Terceiro passo: Misture os dois anteriores. Misture não, confronte-os. Compare-os.
Exemplo: Eu tinha enormes variações de humor. E sempre pra baixo! Do nada, ou partir de quase nada eu me sentia um pano de chão sujo. Me sentia o pior dos seres humanos, com uma enorme vontade de desistir de tudo. A partir do diagnóstico adotei a estratégia de confrontar o desânimo; eu pensava assim: Por que tô tão mal? O que aconteceu de objetivo? Nada em 99% dos casos. Então eu me obrigava a mudar de humor. Punha uma música, dava uma volta, ou simplesmente abanava a cabeça e ia pensar em outra coisa.
Ridículo? Experimente! Funciona tanto que hoje em dia não passo mais por isso. Desapareceu!
Mas se erro, me perdoo!
Agora, irmão/irmã, vamos respeitar a quem nos ama por que conviver com a gente não é mole, não.
Dê valor a quem te aguenta, só mesmo um TDAH pra entender e harmonizar com outro.
Perdoe-se, mas peça perdão quando errar!

23 comentários:

  1. amei o texto!pude me ver nessas linhas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou a tempo para enviar uma msg mas isso me dá um desanimo. Estou muito mal com tantas coisas que fiz,penso. Me culpo o tempo todo.Desde a hora de dormir.Relacionamento que não aceito que tenha terminado. E me cria uma frustação. E sabia que eu era diferente. Descobri a doença faz 1 mês. Faço tudo ao mesmo tempo...e não consigo fazer nada....bem agradeço imensamente por vc ter disponibilizado tantas informações sobre a doença.

      Agradeço mesmo e desculpa o desabafo.

      Excluir
  2. Oi, Alexandre, vejo sempre você aqui dizendo que recebe vários emails dos seus leitores. Tenho interesse de entrar em contato com você via email, mas não vi seu endereço eletrônico em nenhum lugar aqui do seu blog. Poderia me passar por favor?

    ResponderExcluir
  3. Olá me chamo Eduardo.Bom, fazendo uma pesquisa sobre a TDHA, encontrei esse site. Vou falar um pouco sobre minha vida. Quando eu era criança, sempre fui considerado o pior aluno da classe ou ate escola. Semanalmente ou ate diariamente eu estava na diretoria da escola por mal comportamento. Eu sempre me achei anormal, pensava "poxa todo mundo consegue ser quieto e eu não consigo, tenho q sempre que fazer vergonha a meus pais, pq eu sou assim?" e essa duvida perdurou por muitos anos. Por mais que meu comportamento fosse ruim, (sempre fui inquieto, não parava quieto, por isso sempre arrumava confusao) minhas notas sempre foram boas. Quando eu fiz 13 anos na sétima serie, perdi de ano pela primeira vez. Por vacilo. Fiquei em uma final de matemática, e não estudei. Nunca fui fã de pegar o livro em casa ou fazer tarefas. Então recuperei tudo e cheguei ao segundo ano do ensino médio, fiz o ENEM e passei. Me mudei de cidade, fiz supletivo e passei. Então fiz o vestibular e passei. Agora estou no primeiro semestre do curso de Ciências biológicas. Estou gostando da ideia da universadade, Ter uma profissão e ser alguem na vida. Porem, estou com muito medo de não conseguir ir alem. Pois com a TDAH desconri que minha desatenção é muito grande. As pessoas me chamam de lerdo, de louco por falar as coisas sem pensar. De tagarela porque falo muito, e pior ainda, tenho uma doença chamada Taquilalia, que causa fala acelerada, que alem de falar demais, falo rápido de mais, e gaguejo as vezes. A ponto de ninguém (as vezes nem eu mesmo) entender o que eu digo. Nunca fui no medico falar sobre isso, e nunca tomei nada. Estou com 18 amos e descobri a doença há alguns meses. Minha vida esta sendo um inferno. Medo, insegurança, descrença em minhas capacidades. Falta de foco para o estudo, e concentração. Gostaria de receber dicas.

    Meu email: eduardoreges13@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns, Eduardo! Aos 18 anos, sem tratamento nenhum você já foi muito longe. O ideal seria você procurar um médico e se tratar para ambas as doenças. Não sendo possível, o melhor método que conheço para reduzir os efeitos do TDAH é auto conhecimento e conhecimento do TDAH. Conhecendo muito bem o TDAH vc poderá reconhece-lo agindo sobre você e poderá controla-lo. Leia tudo o que vc puder sobre a doença e analise a sua vida com cuidado e isenção; vc vai descobrir que os seus piortres erros não são seus, são da doença. Isso nos dá um grande alívio. Aprendi a contar até 5 todas as vezes que vou falar alguma coisa com raiva; tente fazer isso antes de falar. Isso pode reduzir essas coisas que vc diz falar sem pensar. Mas lembre-se, vc vai falhar, vai repetir os erros.. Nada disso importa; errou? levante a cabeça e tente de novo.
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  4. Amigo, vc entrou em minha cabeça, leu meus pensamentos e escreveu este testo? Esse cara sou eu!! Agora no sério, acho genial como consegue colocar em palavras e retratar tão bem a vida de quem possui o TDAH, parabéns continue assim, é bom saber que não somos únicos e que existem outros como nós

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, DSC!
      Bom estar sendo útil, esse é o objetivo do blog!
      Um abraço
      Alexandre

      Excluir
  5. Eduardo, as "dificuldades" são variadas, mas pelo seu relato você tem características parecidas com as minhas. Acho que pode enfrentar algumas dificuldades na faculdade, mas com algum empenho vc supera. Com características parecidas com a sua consegui concluir dois cursos superior em Federais, mas a vida profissional não decolava. Parti para concurso público e hoje estou bem empregado e rendendo bem. Acho que a figura de um chefe nos ajuda a traçar um caminho e seguir em frente. Claro que com algumas dificuldades diretamente relacionadas ao nosso comportamento. Tomo ritalina e suplementação com magnésio, vitaminas, Õmega 3, cuido da alimentação, exercícios físicos. Buscando apoio psicológico. Mas vou levando bem, acredito que vc deve se empenhar e concluir a faculdade para abrir portas pra vc lá na frente.
    Abçs e boa sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pelo depoimento e, principalmente, pelo exemplo!
      Abraço
      Alexandre

      Excluir
  6. Tive que reler o texto, hahaha! Bom, essa questão do auto perdão é algo que demanda uma boa dose de energia, pois sempre nos sentimos culpados por algo de errado em nossas vidas. Eu ando numa fase muito ruim, se já era ruim há pouco tempo, o negócio piorou, meu casamento acabou e eu não posso culpá-la(nem todos conseguem compreender o peso que carregamos no cérebro).

    Enfim, tento não sentir tanto a culpa de meu relacionamento ter ido pro saco, a cabeça fica cheia de coisas, vasculhando e buscando os pontos onde errei e o que poderia ter feito pra evitar os erros. Não falo só em relação ao casamento, mas também sobre as oportunidades que poderia ter aproveitado melhor na questão educacional e profissional, mas é como se não tivesse aprendido nada na vida, e a sensação de fracasso é acachapante.

    E dentro de casa ter uma pessoa que não compreende que a maior parte dessa inércia não é por vontade própria, é duro, é duro pensar que as tentativas(Faculdade, cursos, preparatório pra concursos públicos e etc) não deram certo. Procrastinador, desatento, desorganizado, enfim, tenho como me perdoar e seguir em frente? Acho que sim, mas como seguir sozinho? Como eu já tinha dito em postagens anteriores, morro de vergonha dessa minha condição de ter/ser TDAH, e por saber da ignorância da maioria das pessoas com relação a ele.

    Mais uma vez esses fracassos me serviram pra refletir o modo como vou proceder daqui pra frente, ou seja, deixar de me preocupar com o que podem pensar os outros, recolher e emendar os cacos desse alquebrado ser e buscar novamente a ajuda da terapia. O mal de pessoas como nós é que pensamos muito e em muita coisa ao mesmo tempo. Andei analisando os últimos eventos e disse pra mim, já era, não adianta, não deu certo e partir pra outra, cuidar da minha saúde mental que demanda certa urgência. O que passou, passado é! Tenho que curar meus complexos, continuar com os exercícios físicos que tanto me fazem bem e tentar achar pessoas aqui do Hellcife que sejam como eu e criar um grupo de apoio, sei lá.

    Eita, já escrevi demais e nem me toquei, se fui repetitivo, perdão! Obrigado mais uma vez, Alexandre, por ter criado esse blog, nosso espaço pra "choradeira" e desabafos das nossas dores e aflições! Enquanto isso, fico por aqui tentando absorver e por em prática aqui que deu certo pra ti, exercitando o auto perdão e jogando fora o que não me serve mais!

    Forte abraço a todos e um excelente fim de semana!

    P.S. Tá difícil não me sentir um pano de chão sujo ultimamente, viu?


    S.L.1974
    Hellcife 2016

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande SL!
      Casamento de TDAH fracassado é comum! Mas de não TDAH também! TDAH que abandona a faculdade é comum, mas não TDAH que abandona também! Temos um transtorno, não somos esse transtorno. Meu mantra é: conheça-se e conheça a sua doença! Isso te leva à libertação! Não à cura, não ao fim dos erros, mas ao fim da auto punição, da diminuição da culpa, e uma redução dos erros.
      Conhecendo a sua doença profundamente vc saberá distinguir quando o seu comportamento está sendo pautado pelo TDAH e poderá corrigir seu rumo.
      Claro, não vai ganhar todas, mas saberá exatamente como e quando ele age.
      Pense nisso!
      Um abraço
      Alexandrte

      Excluir
  7. Ah, esqueci, Alexandre, me passe o Whatsapp do grupo por favor!

    S.L. 1974
    Hellcife 2016

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, anônimo, também sou de Recife e gostaria de manter contato com pessoas com TDAH que sejam daqui. Caso queira entrar em contato comigo, meu email é melissa.fo@hotmail.com. Beijos!

      Excluir
  8. Gostaria de sabe o que vocês acham de tdha ser tratado com antidepressivo. Estou confusa.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, a depressão pode ser uma doença associada ao TDAH - que os médicos chamam de comorbidade - mas tratar TDAH com antidepressivo é um erro. São doenças diferentes com causas diferentes e existem medicamentos diferentes para trata-las. Volte ao seu médico ou troque de médico.
      Abraços
      Alexandre

      Excluir
    2. Foi o que pensei, Alexandre. Um erro. E não é comigo.. é com um amigo e creio que será bem difícil, primeiro voltar a tocar nesse assunto com ele e depois que ele vá a outro médico.
      Obrigada pela resposta. Vou continuar estudando sobre TDHA e criando coragem ou esperar que ele toque no assunto novamente comigo.

      Excluir
  9. Oi, anônimo, também sou de Recife e gostaria de entrar em contato com pessoas com TDAH que sejam daqui. Caso queira entrar em contato comigo, meu email é melissa.fo@hotmail.com. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Oi, Alexandre,

    Muito obrigada pelo texto e por compartilhar sua experiência de uma maneira tão aberta. Meu marido tem quase todas as características de um TDAH, mas ainda não sabe... cheguei a pensar que ele tinha a Síndrome de Don Juan, já ouviu falar? Acho que tem uma certa relação, principalmente no aspecto afetivo!
    Ele finalmente vai começar um tratamento na segunda-feira, pois nosso casamento está por um fim... Será a última cartada. Quero muito estar ao lado dele e incentiva-lo ao tratamento, pois tenho convicção que ainda há muito amor entre nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu marido tbm é TDAH, aliás acho que ex marido, e gostaria de trocar informações para saber se vcs tiveram sucesso no tratamento. Nunca havia pesquisado tanto sobre o assunto, mesmo sabendo desde o início que ele era. Hj vejo que não seria tão simples como imaginei. Me manda um email para nos comunicarmos. lannylucena@hotmail.com

      Excluir
  11. Obrigado por continuar enfrentando sua luta e nos ajudar com pensamentos e sugestões. Você realmente ajuda quem precisa !

    ResponderExcluir