sexta-feira, 29 de junho de 2018

SOU TDAH! E DAÍ?








Ser diagnosticado portador de TDAH pode ser um divisor de águas na vida; ou nada.
O que fazer com este diagnóstico?
Pode ser uma belíssima justificativa para erros passados e futuros. Pode ser a chave para uma mudança de vida. Mas na maioria dos casos, não serve para absolutamente nada.
Esperar por milagres ou contos de fadas é característica típica do portador de TDAH. Ao ser diagnosticado e tomar meia dúzia de comprimidos de Ritalina, e não acontecer o milagre, o remédio é abandonado e o diagnóstico esquecido. E a vida se arrasta como sempre.
Quase nunca volta à mente a existência do transtorno; a não ser para justificar atitudes injustificáveis.
Mas, afinal, o que fazer com um diagnóstico de TDAH?
TDAH não tem cura; não se iluda com o tratamento. Mas tem controle; e isso é muito bom.
A Ritalina e o Venvanse ajudam, mas não resolvem.
Você precisa querer se ajudar; sem você não há tratamento que resista.
Pode parecer simplista, mas conheça-se.
Comece a observar suas reações diante das situações cotidianas e compare-as com os sintomas do TDAH. Assim você começará a enxergar exatamente onde o TDAH interfere na sua vida.
O adiar as tarefas infinitamente, as tristezas profundas e repentinas, a eterna e inexplicável insatisfação com tudo, o isolamento, o sentimento de inferioridade... Enfim, observando-se você reconhecerá o TDAH. E poderá combatê-lo. Poderá enfrentá-lo. Pouco importa se irá vencê-lo, mas não estará mais à sua mercê; refém do transtorno.
Ao descobrir-se TDAH você poderá descartar de sua vida uma série de adjetivos desairosos que ouviu a vida inteira: preguiçoso, indolente, egoísta, inútil, lerdo, burra... E sua auto estima atingirá níveis jamais imaginados. Você não é nada disto! Você é portador do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Você é diferente! Você processa as informações de forma diferente. Você não pode mudar seu passado; mas pode perdoar-se. E isto faz toda a diferença. Aquela explosão de raiva que colocou tudo a perder. Aquela repetição dos mesmos erros que cansou o cônjuge. Aquela insatisfação absurda que o fez largar o ótimo emprego. A incontrolável impulsividade que te fez falar aquele absurdo. Enfim, tudo tem explicação.
As consequências de tais atos podem ser irreparáveis, o arrependimento pode não terminar. Mas o auto perdão tira um enorme peso do coração. E você pode seguir a vida mais leve.
Você continuará errando, continuará caindo nas armadilhas do TDAH; mas não em todas. Várias delas você reconhecerá, e conseguirá evitá-las. Outras tantas você cairá mesmo reconhecendo. Mas sempre restará a sensação de ter muito mais controle sobre sua vida, seus sentimentos.
E tudo isto junto pode mudar sua vida. Talvez não materialmente, ou não perceptivelmente aos outros; mas intimamente os conflitos internos diminuem muito e a sensação de ser um cretino insensível desaparece. Você passa a saber quem é você de verdade. Passa a se reconhecer como uma pessoa capaz de enfrentar seus piores fantasmas. Ganhar ou perder não é o mais importante; não mais temê-los é a principal conquista.