sábado, 9 de junho de 2018

TDAH PARALISANTE








Existem momentos em que o TDAH  deseja  ficar quieto, absolutamente quieto. O mundo é uma ameaça. Corre-se o risco de sair à rua e dar de cara com alguém conhecido. E numa daquelas situações em que não há como fingir que não viu; coisa tão comum para um TDAH.
O único movimento perceptível é o polegar no controle remoto da TV. Até a respiração é controlada para não quebrar a letargia...
Nem mesmo a lembrança da data limite para quitar um boleto sem multa, rompe a inércia. O TDAH nutre a inércia.
Submergir... Submergir...
Os compromissos assumidos para aquele dia passam como flashes na mente entorpecida. É preciso sair...
O corpo está pesado... Um enorme cansaço mental domina a vontade...
Desculpas esfarrapadas a serem dadas àqueles deixados de lado povoam a mente.  Histórias intrincadas e complexas, elaboradas com riquezas de detalhes se misturam aos borrões coloridos da tela da TV.
O ruído da TV é incômodo, mas é menos pior que o estrondo dos pensamentos descontrolados quando o som é cortado.
Uma partida de futebol, um filme, um reality show, receitas fitness, polishop, basquete, boleto atrasado, o corpo escultural, a falta de dinheiro, o pão de sal ruim da padaria, Papa Francisco, um show, jornal...
As horas passam, a culpa corrói... Uma leve ameaça de erguer-se do sofá dispara uma sucessão de pensamentos desconexos e paralisantes... A cabeça transborda de ideias pretéritas e futuras; o corpo cede ao peso de tantos pensamentos e se aquieta novamente. A velocidade dos pensamentos diminui, mas não cessa.
Levemente atordoado, o pensamento se fixa na culpa por não ter cumprido os compromissos e nas desculpas ultra complexas que deverão ser dadas amanhã.
O dia avança; geladeira, micro-ondas... O almoço das sobras de ontem... De volta ao sofá...
A tarde se insinua e uma enorme ansiedade pelo fim do dia toma conta da mente paralisada: o fim do dia útil trás consigo o fim da culpa.
Mas amanhã será diferente!
Quando formar tudo mudará completamente!
Quando mudar de emprego a motivação será outra!
Anoitece...
Finda-se o mês...
Esvai-se o ano...
Mas amanhã será diferente!
Saindo deste emprego maçante tudo mudará completamente...



17 comentários:

  1. Triste realidade descrita com riqueza de detalhes!

    ResponderExcluir
  2. Publiquei um texto agora justamente com a palavra "submerso", rs. Como sempre, suas palavras nos descrevem.

    ResponderExcluir
  3. Sou exatamente assim. Tudo é motivo pra me entregar completamente à preguiça. Já passei finais de semana inteiros de cama. E ao mesmo tempo, nem aí e me culpando por negligenciar tudo a minha volta, mesmo se está tudo prestes e desmoronar em cima de mim.
    Quando eu era criança, não era assim. Só fugia de situações em que eu fosse exposta a passar vergonha.
    Hoje em dia fujo de tudo, até do que eu sei fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tive depressão severa, e mesmo assim, não tinha essa letargia que tenho hoje. Na depressão, apesar de não encontrar motivação pra nada, eu vivia em "choque de realidade" e não me desapegava das responsabilidades.
      Agora nem isso.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Sem palavras para descrever a exatidão deste texto....mas amanhã eu consigo encontrar!

    ResponderExcluir
  6. Não aguento mais este ciclo, sexta-feira saí mais cedo do serviço sem avisar meu chefe para procurar ritalina, amanhã terei que falar o motivo. Kkkkk
    Em todos os meus empregos eu penso a mesma coisa, preciso trabalhar em algo que gosto, estou achando que não gosto de nada.

    ResponderExcluir
  7. Exatamente assim. Fui diagnosticada com TDAH e amanhã começo meu tratamento com Ritalina. Terça completo meus 30 anos.
    Antes tarde do que nunca!

    ResponderExcluir
  8. Eu nao gosto de apelar pra nenhuma formula magica pra resolver meus problemas de organização e sei que isso nao existe, senão esse exclente blog nem existiria. Mas depois de começar o tratamento com a ritalina (cheguei agora nos 30mg LA) percebi os beneficios que ela pode trazer na minha vida e rotina. Mas tem a porcaria do habito arraigado há decadas e esse ciclo de derrota auto imposto de deixar as coisas pra amanha, isso ela nao resolve, infelizmente.
    Comecei a leitura do livro "O poder do hábito", eu na condição de ateu tenho um certo nojo de gurus New Age (Tole, Osho, Jesus que nem é tao new age assim etc) e essas formulas magicas da auto ajuda que nao resolvem nada na minha vida, apenas na vida de quem vende essas ideias que vão de livros e tratamentos alternativos com cristais, florais até alguns extremos, como andar na brasa da fogueira e evocar exus e entidades milenares xamanicas (rs).
    Voltando ao livro, depois que comecei a le-lo, percebi que nao era mais um desses, é apenas uma tradução pra uma linguagem mais acessivel a leigos sobre neurociencias e os estudos mais recentes sobre os habitos e como eles se formam. Comecei a seguir a risca certas coisas que vi por la e melhorei significativamente meu senso de compromisso atraves de uma simples corrida diaria de uma hora na beira do rio. Aconselho a leitura, o livro é facil de ser encontrado nas livrarias e gratuitamente em links na internet.
    Mais um excelente texto alexandre, muito obrigado por compartilhar suas reflexões e experiencias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo um excelente livro mesmo, tudo bem que quando o tdah está "atacado" parece q nenhuma dica nenhum conhecimento adianta você volta a estaca zero como se não soubesse de nada. Mas os conhecimentos dele me ajudaram bastante.

      Excluir
    2. Legal que eu tambem li esse livro e comecei a me exercitar tambem, mas eu costumo andar de bike, mesmo na loucura aqui de sao paulo da pra dar uma melhorada

      Excluir
  9. Ah eu me encontro nesses textos... Uma tdha na pior fase...

    ResponderExcluir
  10. Quem tem fator RH - ? FAVOR RESPONDER, ESTOU FAZENDO UMA ENQUETE.

    ResponderExcluir
  11. Incrivel a riqueza de detalhes desse texto, descreveu exatamente a situação em que me encontro 80% das vezes. "Os compromissos assumidos para aquele dia passam como flashes na mente entorpecida. É preciso sair...
    O corpo está pesado... Um enorme cansaço mental domina a vontade..."

    ResponderExcluir
  12. Fui diagnosticado há poucos meses, tenho 55 anos, e comecei a medicação mas ainda não acertei a dosagem diária. Eu próprio não me entendia e agora seguindo esta página me identifico em quase tudo. Bom saber que não sou o único nesta batalha e que existe como enfrentá-la e vencê-la. O que passou passou, os prejuízos ficaram no passado. Vamos em frente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Editei meu perfil, meu nome é Roberval.

      Excluir