quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

TDAH - VOCABULÁRIO E IMAGINAÇÃO


Acabei de ler um comentário feito por um garoto de 17 elogiando meu vocabulário e afirmando que nada entra em sua mente, no final pergunta se pode haver uma evolução no seu caso.
Fui um péssimo aluno a partir da sétima série, tirei o segundo grau aos trancos e barrancos e passei em dois vestibulares: um de direito e outro de filosofia; não formei em nenhuma das duas faculdades.
Meu vocabulário e minha 'facilidade de escrever' são fruto de minha paixão pela leitura. Essa paixão é tão forte que quando fazia alguma refeição sozinho trazia sempre um livro aberto apoiados nas vasilhas. Quando por qualquer motivo não conseguia ter um livro à mão, lia os rótulos de refrigerantes, azeites, maioneses. Hoje não faço mais isso, uso a internet no meu celular e almoço acompanhando o globo.com ou o uol. Acho muito interessante os TDAHs que não gostam de ler. Ler é um exercício de imaginação e imaginação é algo que temos de sobra. Adoro imaginar os lugares, a aparência das personagens, sentir a temperatura, viver aquela história. Prefiro ler um livro a ver um filme. Amo os livros não só pelo seu conteúdo, mas por sua forma, seu cheiro, seu tato, sua aura. Um livro é algo imaterial, atemporal, imortal.
Acalento o sonho de um dia ser dono de uma livraria. Imagino uma livraria em estilo inglês, com enormes prateleiras em madeira e um ar meio sagrado. O único senão seria ter de vender o último exemplar de um livro que ainda não li, me causaria uma enorme dor.
Gosto dos filmes, mas livros são minha maior paixão. Neles aprendi um enorme vocabulário, um amor pelas letras e aguçou minha já riquíssima imaginação.
Meu leitor anônimo, procure algo que desperte sua paixão e dedique-se a ela de corpo e alma. Só conseguimos foco naquilo que amamos, naquilo que nos desperta interesse e paixão.
Tente ler um bom romance, qualquer assunto que te interesse, Harry Potter (que eu adoro), vampiros, espionagem , amor, qualquer coisa que te toque. Solte sua imaginação, tente andar pelas ruas e cidades de seu livro, sinta seus cheiros e sabores, conheça a alma de cada uma das personagens que componham a narrativa. Mergulhe no livro, certamente você sairá dele diferente, mais rico e mais interessante.
Se não funcionar, veja filmes, ouça músicas, jogue videogames ou RPG, mas sempre procure algo que te deixe melhor, que te ensine alguma coisa, que te enriqueça a alma.
Com o tempo, você vai ver que a vontade de escrever, desenhar, pintar, cantar ou dançar surgirá naturalmente e você se sentirá preparado para elas. Nem se importará com as críticas negativas que certamente virão.
Mas nunca se esqueça, é a paixão que move o TDAH, use-a a seu favor. E aproveite a vida, você pode domar o TDAH e fazer dele seu aliado, só depende de você.