segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

VANTAGENS DE SER TDAH





Quais as vantagens de ser TDAH?
Nenhuma! Absolutamente nenhuma!
Criatividade? Sensibilidade?
Quanta gente existe por aí criativa e sensível sem ser portador de TDAH? Essas pessoas ainda levam sobre nós a enorme vantagem de conseguirem concretizar suas ideias com maior facilidade do que nós portadores.
Não existe esse negócio de controlar o TDAH sem tratamento. Ninguém trata de pressão alta ou diabetes, ou de qualquer doença crônica na base da disciplina e pensamento positivo. Claro que em qualquer tratamento médico bem sucedido existe o fator psicológico, a contribuição mental do paciente, a vontade de se curar, de melhorar sua vida, mas só isso não cura doença nenhuma.
Não podemos aceitar sermos tratados como os engraçados da família. Aqueles que em todas as festas e reuniões familiares são lembrados por seus casos pitorescos e suas falhas comportamentais, tudo isso regado a gargalhadas e comentários jocosos.
Ninguém ri da pressão alta do tio fulano ou do diabetes da prima ciclana, por que vão rir do nosso TDAH?
Só nós sabemos o que sofremos quando cometemos aquelas falhas que originaram os casos 'engraçados'; e muitas vezes tornamos a sofrer com a indefinida repetição de situações que gostaríamos de esquecer. Só nós sabemos o quanto sofremos com as pechas que recebemos: avoada, doidinho, aéreo, e tantas e tantas outras 'carinhosamente' colocadas por parentes e amigos.
E nós? Nós mesmos precisamos parar de rir de nossas próprias falhas. Nós temos uma doença, e isso não tem graça nenhuma.
Nesse exato momento, vários cientistas ao redor do mundo estão debruçados sobre pesquisas científicas que visam reduzir o efeito do TDAH na vida dos portadores.
Não podemos mais acreditar em histórias da carochinha de que existe um lobo mal por trás dos grandes laboratórios farmacêuticos, que inventaram uma doença apenas para ganhar dinheiro. Eu sinto os efeitos dessa doença, minha filha sente, você sente.
O TDAH é reconhecido pela OMS, Organização Mundial de Saúde, e ponto final.
Precisamos encarar nosso tratamento a sério, para que um dia o TDAH não passe de um triste momento em nossa história.