quinta-feira, 12 de junho de 2014

A CURA DO TDAH






Um dos maiores sonhos dos portadores de TDAH, ou o maior sonho, é a cura definitiva.
Infelizmente, cientificamente isso ainda não é possível.
Ainda que você se encharque de remédios, faça terapia, faça coaching, a cura ainda não está ao seu alcance. O que a medicina e a psicologia conseguiram foi melhorar a convivência com o TDAH.
Mas isso é o bastante?
Aí está a chave da 'cura'.
Se o que você almeja é ficar igual ao seu irmão, ao seu pai ou ao seu marido ou esposa, desista; ainda não chegará lá. Mas você quer mesmo chegar, ser igual a eles?
A melhor forma de cura é você aprender a conviver com você mesmo. Aprender a se conhecer. Aprender a se respeitar e respeitar sua doença.
Mergulhe em você mesmo, conheça-se minuciosamente.
Em quais situações você procrastina?
O que dispara aquele desânimo quase paralisante?
Em que momento do dia você é mais disperso?
O que te irrita ao ponto da explosão?
Procure motivar-se.
Recentemente fui promovido no trabalho, conheço-me o bastante para saber que, se eu bobear, tudo vai por água abaixo. O que fazer? Faço tudo na hora, não adio nada, não empurro nada com a barriga. Mesmo aquelas coisas que são desagradáveis. Por quê?  Por que quero provar a mim mesmo que posso - com meu TDAH e tudo - vencer onde algumas pessoas 'normais' fracassaram. Quero me provar que, aos 53 anos, tenho força e coragem pra mudar o curso de uma filial que vai mal, e consequentemente uma vida que parecia sem solução.
E estou conseguindo. Mas chego ao final do dia esgotado. O blog é uma das principais vítimas dessa cansaço; diminuí muito minha presença nesse espaço. Mas estou me surpreendendo positivamente diante do desafio que aceitei.
Hoje eu tinha de intervir no comportamento de um funcionário; coisa detestável de fazer. Me dispus a conversar com ele logo ao chegar na empresa. Não o fiz. Quando percebi que estava procrastinando uma atitude que eu não podia deixar passar, chamei-o imediatamente e falei o que deveria ser falado.
Aquilo me fez bem, me senti aliviado. Se não o fizesse, a cada vez que ele repetisse o comportamento inadequado eu me repreenderia, mas adiaria de novo. Assim, resolvi de uma vez só.
Passo meus dias lutando contra minhas características negativas, mas minhas características positivas estão fazendo minha filial reagir diante das outras unidades.
Ao contrário da maioria das doenças, o TDAH nos propicia características que, se bem exploradas, bem canalizadas, podem ser úteis para nossas vidas.
Nossa criatividade, nosso hiper foco, nossa inquietude, nossa capacidade de improvisar, nossa capacidade de fazer mil coisas ao mesmo tempo...
Somos únicos, para o bem e para o mal. Mas se bem 'administrados' sobressaímos no que nos propusermos a fazer.
Deixe de lado o sonho de cura, a vontade de ser igual aos trouxas; admire-se, explore-se, usufrua-se e descubra todo o potencial de trabalho, de estudo, de amor, de vida que há em você.
Você vai se surpreender.
E estará muito próximo de se sentir curado!