domingo, 30 de setembro de 2012

O DESÂNIMO DO TDAH



                         



Meu ânimo é feito de casca de ovo e o TDAH, de aço.
Assim levo a vida. O TDAH esmaga diariamente meu ânimo, minha vontade de prosseguir, mas como diz sabiamente meu amigo Frank, "o TDAH que te destrói é o mesmo que te dá forças para reerguer-se". Às vezes sinto-me como aqueles personagens que estão sendo torturados, já não suportam de sono e cansaço e os torturadores os mantém acordados para continuar o interrogatório. Dizem que é uma tática para quebrar a vontade do interrogado, fazer com que ele se entregue e confesse. Luto há mais de cinquenta anos com esse torturador e ainda não me entreguei.
Ultimamente venho me enterrando vivo. Não saio, não converso, não tenho vida social, não leio, não ouço música, não toco sax; morri! Ontem, num arroubo de ânimo, coragem e irresponsabilidade, larguei tudo e viajei ( coisa que eu não fazia há mais de um ano por motivos diversos) ao entrar na BR040 me deu uma enorme vontade de ouvir música, coloquei na maior altura e, confesso, quase chorei de alegria. Senti-me vivo como há muito tempo não sentia. Dirigir numa estrada, sozinho, ouvindo minhas músicas preferidas, agradeci a Deus pela oportunidade.
E hoje, chegando em casa, deparo-me com um comentário anônimo de uma leitora de 34 anos queixando-se do desânimo. Voltou a fazer faculdade, estava amando o curso, ESTAVA, o desânimo apossou-se dela e, pelo que senti, está à beira de abandonar mais um curso.
O que dizer a ela? Coragem, levante a cabeça e siga? Se fosse fácil assim nem precisava de ritalina, psicólogo ou coaching.
Não sei exatamente o que dizer, o que você precisa é FAZER algo por você, algo que te encha de prazer, como eu fiz ontem e hoje. Fiquei pouco mais de 24 horas fora, mas voltei renovado, cheio de ideias e ânimo. Decidi tirar a terra que já me cobria e sair do fundo dessa cova escura e úmida em que eu mesmo me meti. Por preguiça, comodismo, desânimo, indecisão, apego, e sei lá mais quantas outras razões me levaram a isso. Creio que até por pena de mim mesmo; pra sentir auto piedade.
Pouco mais de 500 quilômetros de estrada, a possibilidade de uma mudança radical em minha vida fizeram renascer em mim todas as esperanças sepultadas pelo desânimo crônico que me habitava nos últimos meses.
Faça algo que você realmente goste, minha amiga. Não precisa ser nada grandioso. Dê-se pequenos prazeres. Dê-se presentes. Lembre-se de você, que você existe, que você merece. Você está fazendo a faculdade por você ou pelos seus filhos? Tem que ser por você e para você. Se não for, for na base do sacrifício por um futuro melhor você vai precisar de 'afagos' paralelos para te reanimar, reerguer.
Lembre-se, você existe, você precisa ser 'enxergada' por você mesma. Tente lembrar-se de algo que você realmente gosta e que não se dá há muito tempo.
Crie um momento seu, para você, pra você bater perna, passar uma tarde lendo, ou no cinema, ou fazendo tricô ou artes marciais.
Você precisa de um bálsamo de vez em quando.
Hoje eu sou outra pessoa, com outro ânimo, com outros horizontes.
Se amanhã meu ânimo se partir, terei de juntar os cacos novamente, mas com certeza ele estará menos despedaçado do que dessa vez.