sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

NÃO CHORE POR MIM MARI







Não chore por mim, Mari.
Quero seu sorriso.
Quanto mais triste estiver mais dele preciso.
Não chore por mim, não vale a pena. Eu mesmo não choro.
Dói, dói muito, mas faz parte da minha alma, da minha construção.
Já tive um grande amor e joguei fora. Como quase tudo em minha vida. Mas não vou me lamentar. Amei e fui amado intensamente.
Continuo a me atirar de precipícios, a machucar minha alma. Mas isso faz parte da minha história, que aos poucos vou reescrevendo. Não posso querer tudo de uma vez. Aliás pouco conquistei nesses dois anos. Mas conquistei auto conhecimento, conquistei a mim mesmo, conquistei amigos e amigas que amo e nem conheço. Isso é inestimável e vale qualquer tratamento.
São cinquenta anos de TDAH e dois de tratamento. Ainda vou cair muitas vezes e não vou me crucificar por isso. Estou aprendendo a me perdoar e a enxergar a vida de outra forma.
Amo a vida, amo amar, amo dividir, amo compartilhar.
A vida só vale a pena se for compartilhada.
Não vou desistir Mari, também sou um otimista incorrigível. E um apaixonado incurável.
Não chore por mim, hoje já estou melhor.
À luz do dia toda forma de amor vale a vida.
E as lágrimas turvam nossa visão.
Obrigado pelo carinho.