sábado, 14 de dezembro de 2013

O TDAH AUSENTE







Não me acuse de ter Déficit de Atenção.
Nada disso. Eu não me esqueci daquilo que você disse outro dia; eu não estava lá. De nada vale você dizer em que posição eu estava sentado, em qual cadeira da sala, ou como eu segurava a xícara de café; eu não estava lá. Se você não me conhece o bastante para saber que eu estava ausente, você não me conhece. Eu simplesmente não estava lá.
Se o assunto só interessa a você, se só diz respeito a você ou aos seus sentimentos, preste atenção: eu posso viajar. Posso me desgarrar ainda que permaneça diante de você. Quem sabe se você dançar enquanto fala.  Ou dramatizar suas maçantes palavras. Ou eu não estarei ali para ouvir.
E você não pode me acusar de Déficit de Atenção, não se fala pra quem não está presente; talvez seja até falta de educação. De sensibilidade é, com certeza.
Às vezes viajo, vou longe, embalado pela cantilena da sua voz e pelo ritmo incessante de seus lábios; ah como viajo...
Se você me acusa de Déficit de Atenção posso acusar você da mesma coisa: onde você estava que não percebeu que falava para as paredes?
Mas não vou acusar você de nada; apenas ignoro e sigo a vida. Afinal, o que você disse ou tentou dizer não deveria ser nada importante; ou fascinante; ou interessante...
Guardo na memória coisas do arco da velha, coisas aparentemente inúteis, mas que tiveram força suficiente para imprimir sua marca em minh'alma. Muitas coisas de ontem, ou de hoje, evaporaram-se; simplesmente por que não tinham importância.

Mas do que você estava falando mesmo? Desculpe-me, eu me desgarrei de novo...

25 comentários:

  1. A mais pura realidade, de todos que realmente possuem Déficit de Atenção.

    ResponderExcluir
  2. O TDAH e a aceitação.

    Aceitar as coisas é algo difícil às vezes. Aceitar a realidade é "Hard", difícil. Muitas pessoas mentem para si mesmas para poderem ser felizes. Outras gostariam de achar respostas. Há também as que vivem dando murro em ponta de faca.

    Mas o que podemos fazer? A realidade esta aí, é rígida, pouco maleável. Como, então, algumas pessoas conseguem conviver com ela? Será que elas são rígidas também? Não serão as que vivem dando "murro em ponta de faca" justamente aquelas que se enrijecem. E por que fazem isso?Pode ser crença ou simplesmente falta de solução para os problemas.

    Mas pode ser teimosia também: querer porque querer que qualquer coisa seja da forma que se queira.

    Não seja assim. Também não se desespere quando alguém lhe diz isso. De que adianta se desesperar?

    Pode ser que também não adiante de nada dizer que "não adianta se desesperar". A pessoa ainda assim vai esperar uma resposta mágica para o seu problema.

    Se você parar em frente ao seu problema e se desesperar, dificilmente conseguirá tomar alguma atitude racional. Pode ser que você dê sorte e ache a solução, mas se isso fosse corriqueiro não se chamaria sorte, e sim algo que de vez em quando acontece, e você tampouco se desesperaria, já que inconscientemente iria esperar aquilo, certo?

    Então não fique contando com isso. Se acontecer, aproveite-se dessa sorte, mas não caia no vício de ficar depositando esperanças em coisas tão pouco prováveis. Deixe essa "solução" no fundo da sua lista de expectativas.

    Se você parar em frente ao seu problema agora, sem desespero, então você só tem a opção de tomar alguma atitude. Atitude quer dizer mover-se depois de ter pensado na solução ou de ter achado algum caminho que lhe leve até ela.

    Porém, antes de tudo, há que se achar qual é o real problema, pois, se você acha ou tem certeza de que achou o real problema, vai acabar dando uma solução que não se encaixa, ou que aparentemente se encaixa. Se algo começar a funcionar então alguma coisa você achou, mas pode ser apenas uma falsa esperança, que pode nos levar posteriormente à frustração e/ou à depressão.

    Por isso aqui entra a aceitação. Não digo com relação à aceitar o diagnóstico. Aqui é um segundo momento. É para depois do tempo que você levou para aceitar sua condição e tomar alguma atitude.

    E, para aceitarmos as coisas, devemos ter leveza, tranquilidade. Leveza tem a ver com gravidade (que é uma força da natureza que existe, faz parte da realidade), a massa, que nessa situação gera um Peso, e a força contrária para haver sustentação.

    Além dessa força de sustentação, deve haver também força e energia para deslocamento. Ocorre que a massa para alguns é muito grande, pois a pessoa carrega nas costas uma série de coisas, muitas delas desnecessárias. Pergunte-se o que REALMENTE é necessário para você? Não pense no mínimo, comida, habitação e saúde. Isso todo mundo já sabe.

    Existe um pouco de prazer, e sofrimento também é útil, mas essas coisas possuem doses certas, as quais ninguém as acha perfeitamente para si. Quem dirá para os outros.
    Quais as coisas que lhe dão prazer?

    Fazer planejamentos?!

    Imaginar coisas?!

    Então você imagina tudo e procura pôr em prática? Como? Quais as coisas que você considera para que essas coisas se realizem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O TDA-H e o real

      Lembre-se que precisamos considerar a realidade, como ela funciona. Tudo leva tempo, e cada coisa tem seu tempo. Para estudar qualquer coisa há que se levar em conta a densidade da informação e ver que aquilo ali demanda tempo, memorização.

      Ninguém memoriza um livro inteiro de uma vez. Talvez haja alguns cabeçudos por aí que consigam. 1 em 1 bilhão talvez. Não importa. Esqueça pequenas estatísticas. Esqueça essas raridades.

      Todos memorizam algumas poucas coisas, por isso há revisão. O que é a revisão? É um segundo momento, não é? Esse segundo momento pode ser logo após você ter ouvido toda a matéria de um professor, ou pode ser também, uma semana depois, um mês depois, ou no final do ano, duas semanas antes do vestibular, enfim, o que importa para este texto é que o mesmo assunto foi abordado mais de uma vez, e isso lhe tomou tempo, duas vezes, pelo menos.

      Na hora de planejar algo, você está fazendo algo para o futuro, certo? O futuro não existiria se não houvesse o tempo. O mesmo com o passado. Mas... futuro existe?

      O futuro não existe!!! É apenas uma palavra que define um presente que ainda não chegou. Somente isso, somente uma palavra.

      Passado existe?

      Também não!!! É apenas uma palavra que define um presente que não existe mais, mas que existiu por apenas um instante, e logo se esvaiu, sumiu, tomou doril.

      O que existe de fato, então?

      O presente!

      Todas as coisas que passam por sua cabeça ocorrem no presente. Se você está imaginando um futuro, o que define o que você está fazendo é o seguinte:

      "Estou, neste momento, agora, às XX:XX h (olhe para o seu relógio neste momento) imaginando uma possibilidade de ano que vem estar trabalhando na Embraer, como engenheiro aeronáutico. Ano que vem estarei ganhando bem, poderei me casar, ter meus filhos, minha casa, etc. e tal."

      Agora olhe para onde você está agora, e imagine o caminho até lá, quanto tempo levará cada etapa até chegar lá? Imagine as etapas umas atrás das outras, perceba a realidade. Aceite-a, com tranquilidade, você não pode contra ela, então o máximo que você pode fazer é aprender a conviver com ela, sem sofrimento, ao contrário, sendo feliz a cada momento.

      Quando nos imaginamos no futuro (que não existe), nós gostamos tanto dessa sensação (no presente) que já queremos estar logo lá (no futuro). E, como isso é prazeroso, torna-se um vício.

      Pode ser também que você imagine um futuro triste, e também sofre com isso. Ocorre que você não sabe se isso que você está imaginando (no presente) acontecerá. Você não tem controle sobre a história, sobre como ela se dá. Ela é mais imprevisível do que previsível. Sua cabeça não tem espaço para simular toda a enorme complexidade da vida. Ela serve apenas para guardar um punhado de memórias as quais você usa no seu cotidiano. Aceite isso.

      Planeje, mas planeje considerando a realidade, não fique ansioso(a). É provável que você fique ansioso(a) por que, como exposto acima, quer estar logo no futuro, já que não está contente com o presente. E, como você não consegue viajar no tempo...

      Ansiedade é inútil.

      Excluir
    2. O TDA-H e o PRESENTE!

      Contente-se com o presente. Se não aprender a fazer isso, quando o futuro que você imaginou se tornar presente, você pode muito bem não se contentar com esse novo presente, e ficar imaginando, novamente, um novo futuro.

      Procure aceitar, mas para aceitar, você tem que estar leve, tranquilo. Se estiver nervoso, não pense nessas coisas, a não ser que, por sua própria personalidade, saiba lidar com isso. Se não sabe, não faça. Se não sabe se sabe, experimente para ver se sabe. Experimentar coisas nos leva a conhecer coisas novas sobre nós mesmos.

      Quando experimentamos coisas novas, tendemos a focar na própria coisa, e não em nós mesmos. Se você se focar em você mesmo(a), perceberá sentimentos bons ou ruins, prazeres ou até ascos, e, num segundo momento, verá que aquela experiência disse muito sobre você.

      O TDA-H e a importância do Passado!

      E aqui entra uma grande utilidade do passado, das memórias que temos. Se você vive no passado, imaginando coisas boas por prazer, ou ruins que lhe levam a ficar triste, deprimido, não faça mais isso. Sei que não é fácil, mas não faça isso!

      Não leva a nada. Tente utilizar essas experiências, essas memórias, para se perguntar o que você deveria ter feito. É capaz de você já saber e reclamar do que estou falando, dizendo que já sabe e mesmo assim não consegue. Ok. Aqui estou falando das memórias que você não saberia o que fazer, nem no momento que ocorreu, nem agora, ainda.

      Treine sua mente para que ela saiba identificar os momentos. As situações vivem mudando suas características, pelos acontecimentos novos que vão ocorrendo. A experiência (tempo exercido naquela atividade) vai trazendo essas respostas.

      Para identificar momentos existem sons e cheiros, temperaturas, seus próprios sentimentos. E eu não estou falando dos que você já conhece. Estou falando daqueles que você ainda não conhece, ou que não conhece tão bem quanto pensa que conhece.

      Se você não conhece, provavelmente você sabe que há algo que existe, mas não sabe dizer o nome. Ou pode ser que simplesmente não passou por alguma experiência que fizesse com que essa sensação ou sentimento se manifestasse.
      Portanto, atenção aos seus sentidos, seus sentimentos, seus gostos, suas aversões. Questione-se e procure entender por que você gosta do que gosta e não gosta do que não gosta.

      E lembre-se que não é de uma hora para a outra que se consegue isso também. Isso leva tempo. Você vai se questionar sobre um determinado assunto e não vai achar a resposta na hora. O importante é fazer isso, pois em qualquer momento, a resposta poderá vir.

      Não fique esperando também um momento em que você contemplará a resposta. Você pode também contemplar a não resposta, aquilo que lhe dirá: "não, não é isso" em um momento em que o que estava acontecendo parecia que iria dar-lhe a resposta, porém, era uma falsa esperança. Não se desespere, apenas conclua que alguma coisa você já pode excluir, para que não caia em um engano que se repete, que se perpetua.

      Excluir
    3. Amigo, você é uma pessoa inteligente e bem intencionada porém, seus comentários são demasiadamente longos e ficam maçantes para quem tem TDAH. Portanto, te peço que seja mais sucinto e lembre-se: esse blog é lido por pessoas portadoras de TDAH, as soluções que você posta são interessantes e bem intencionadas mas se as conseguíssemos implantar não teríamos TDAH.
      Obrigado e um abraço
      Alexandre

      Excluir
    4. Concordo contigo Alexandre, a pessoa é bem intencionada, mas fica dificil ler comentários tão extensos, pra falar a verdade poucas vezes consegui ler do inicio até o final...

      Excluir
    5. Eu só li as 3 primeiras linhas de cada um rsrs... E antes debler os comentários sabia que não seria o único a fazer isto rsrs...

      Excluir
    6. caraca! até li (com ritalina ativa ainda) mas não entendi bulhufas! me perdoe, mas sou TDAH amigo! Que a ansiedade ser inútil eu concordo. Só que fala isso pro cara que colocou o carro na minha vaga do shopping depois de eu esperar 20 minutos no lugar correto. aiaiai...corta pra 18!!

      Excluir
    7. Recortei os principais parágrafos que definem a intenção de cada textos acima:

      O TDA-H e a aceitação

      "Por isso aqui entra a aceitação. Não digo com relação à aceitar o diagnóstico. Aqui é um segundo momento. É para depois do tempo que você levou para aceitar sua condição e tomar alguma atitude."

      O TDA-H e o real

      "Lembre-se que precisamos considerar a realidade, como ela funciona. Tudo leva tempo, e cada coisa tem seu tempo. Para estudar qualquer coisa há que se levar em conta a densidade da informação e ver que aquilo ali demanda tempo, memorização.

      Ninguém memoriza um livro inteiro de uma vez. Talvez haja alguns cabeçudos por aí que consigam. 1 em 1 bilhão talvez. Não importa. Esqueça pequenas estatísticas. Esqueça essas raridades."

      O TDA-H e a importância do passado

      "E aqui entra uma grande utilidade do passado, das memórias que temos. Se você vive no passado, imaginando coisas boas por prazer, ou ruins que lhe levam a ficar triste, deprimido, não faça mais isso. Sei que não é fácil, mas não faça isso!

      Não leva a nada. Tente utilizar essas experiências, essas memórias, para se perguntar o que você deveria ter feito. É capaz de você já saber e reclamar do que estou falando, dizendo que já sabe e mesmo assim não consegue. Ok. Aqui estou falando das memórias que você não saberia o que fazer, nem no momento que ocorreu, nem agora, ainda."

      Excluir
  3. http://www.youtube.com/watch?v=YVcNabmtw4A

    http://www.youtube.com/watch?v=0ybe6BUtiBA

    http://www.youtube.com/watch?v=uE0mysIHvvg

    http://www.cchr.pt/quick-facts/introduction.html

    http://www.youtube.com/watch?v=Tv4BgYFoDdM

    http://www.youtube.com/watch?v=DBMwY6lcOYE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como se alguém ligasse pra sua opinião. Se não acredita, porque vem aqui? Já sei! Você é daquelas pessoas que vai atrás de atenção, que é do contra... isso é um transtorno mental, sabia? Aposto que você vai no site da Microsoft e posta #SonyRulez e vai no site da Sony e posta #Xbox4Ever!. Procura um psiquiatra, você é quem precisa!

      Excluir
    2. kkkkkkk
      Você disse tudo, um infeliz que posta essas coisas apenas pra chamar a atenção. Fico triste por que ele nem tem coragem de se identificar e propor um debate aberto; fica postando esses filminhos medíocres e que quase ninguém assiste. E quem assiste não concorda. kkkkk
      Abração
      Alexandre

      Excluir
    3. kkkk..Ele quer atenção gente, ta carente. kkk

      Excluir
  4. Em relação ao passado, presente e futuro tenho um grande problema com isso.
    Eu terminei minha faculdade do curso de direito (com muita dificuldade, mas consegui)e não estou exercendo a função de fato dentro do campo de direito. A minha cabeça fica com mwdo de tudo, fico até com pânico das pessoas com estão ao meu lado, é horrível isso.
    Antes quando comecei a faculdade sonhava em ser um juiz, promotor e hoje isso parece um pesadelo em minha cabeça, me dá depressão direto, mas, tento controlar isso.
    Afinal de tudo, rresolvi abrir uma loja de roupas com meu namorado pois preciso de dinheiro e preciso sair de casa para praticar algo.
    Sofro muito com isso, pois quando comecei a planejar a loja fiquei super feliz como no início da faculdade de direito e hoje na segunda semana da loja, já estou desmotivado de seguir em frente. Que raiva de mim, que raiva de ser assim gente. .
    Desculpe desabafar assim aqui, mas se eu contar essa história para outra pessoa não vão nem ligar para mim.
    Me ajude com conselho o que fazer para acabar com essa ansiedade e ter mais força para encarar o próximo e fazer que meu presente seja prazeroso.
    Abraços amigos e força para todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua mente está viciada em ficar imaginando coisas inexistentes, suposições com pouca, muita, ou nenhuma probabilidade, além de "voltar" ao passado, coisa que ninguém consegue senão dentro da própria mente. Tem mais alguma coisa que se encaixa fora disso?

      Procure em qualquer momento que puder fazer, não pensar em nada. Isso não requer tanto esforço, na verdade tem que ser feito com tranquilidade e em um momento em que você terá silêncio. Pode ser à noite ou pode ser em um local feito para isso, como um mosteiro por exemplo.

      Se não consegue e continua ansioso, entenda que ansiedade pode ser a vontade de se estar onde não se está no momento, ou de se estar em um futuro que não é o agora. Pergunte-se onde você quer estar ou o que realmente quer que não tem no momento em que sentir isso.

      Por isso é bom o auto conhecimento cada vez maior, pois aumenta sua capacidade de decisão. Também é bom que se experimente tudo aquilo que você julga que quer, para depois poder dizer se realmente quer ou não.

      E para não pensar em nada você tem que estar calmo e pode ser de olhos fechados ou entre abertos. Nesse último caso é bom que esteja olhando para uma parede sem nada que possa te desviar atenção. Quando perceber que está mergulhando, tente, sempre com calma, voltar a não pensar em nada.

      Pensar em nada para mim significa pensar também, mas sem mergulho profundo, sem projeções mentais. Veja se isso funciona com você, o prazo para que se consiga fazer isso é indefinido, isso se você conseguir, portanto apelo aqui para que se tente, pois faz um mínimo de sentido, certo?

      Excluir
  5. Essa é uma das minhas maiores dificuldades, estar sempre ausente. As pessoas esperam que eu lembre do dia em que a vi pela primeira vez, o lugar, a cor da roupa.......e eu não lembro o que ela me disse à cinco minutos atrás, não lembro da roupa que ela usou ontem ou hoje de manhã, não reparei que a blusa dela tem tá manchada, e não percebi que ela está meio calada. Um dos motivos que me faz querer me isolar e evitar as amizades, sei que isso magoa e muito as pessoas. Algumas nunca esquecem.
    Sou bem ausente... Já aconteceu de, algumas vezes, acontecerem coisas gritantes na minha frente, e eu não vi nem ouvi nada. Quem tá perto de mim se assusta e eu também.
    Muitas vezes isso pega mal pra mim, até já disse em outro post. Quando alguém próximo de mim quer algo e não fala, eu não percebo... e a pessoa acha que estou agindo com maldade, me negando a oferecer ajuda, querendo que a pessoa se vire ... mas na verdade é porque estou longe. Não adianta, se não deixam claro, não percebo, pra mim, tudo tem que ser falado, e falado mil vezes...
    Fe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já fui aconselhada aqui, a treinar mais minha intuição, prestar atenção nos sinais - gestos, olhares, observar o comportamento das pessoas, ficar atenta a palavras mais sutis - pra poder estar mais presente e perceber tudo mais rápido. Eu costumo fazer isso, mas minha distração sempre deixa muita coisa passar desapercebido... às vezes tenho CERTEZA que estou ligada e atenta, mas pela irritação ou pelos olhares estranhos de quem tá perto de mim, vejo que não estou...rs. Essa é uma das minhas maiores dificuldades.
      Fe

      Excluir
    2. Você tem que treinar-se a olhar para fora. É algo que demora, mas tem que insistir. Você precisa silenciar sua mente, fazendo isso aos poucos. Não vai conseguir de uma hora para a outra silencia-la por completo para ficar assim durante horas. Mas tem que ir tentando aos poucos. Sem brigar com ela, só dizendo com calma para si mesma, não vou pensar em nada.

      Quando estiver mais bem treinada, aí sim pode começar a se arriscar a treinar-se olhar para fora, ao invés de prestar atenção ao que sua mente fica projetando, ok?

      Tente isso.

      Excluir
    3. Quando estou sozinha, minha mente é bem barulhenta ...rs... mas quando estou com pessoas a minha volta ela é mais silenciosa. Tanto que prefiro fazer minhas atividades com pessoas em volta de mim, se fico sozinha, é bem difícil silenciar a mente, às vezes faço atividades ouvindo música só pra silenciar a cabeça, rs.
      Fe

      Excluir
    4. essa minha ausência, é uma das coisas que mais me incomoda em mim, acabo ficando com receio de me aproximar de pessoas mais atenciosas, por medo de acabar decepcionando. Sempre acabo passando por egoísta, já magoei muito algumas pessoas, que esperavam um pequeno gesto de cuidado de mim, e não consegui. Mas não sou ausente só no trato com as pessoas, sou muito aérea pra tudo, desde criança. Pode ter algo pegando fogo perto de mim, não vejo. Tem uma cobra na minha frente, não vejo...rs. Desde criança faço muito isso. Tento ser mais alerta, mas sempre faço de novo. Não sei se é assim com vocês, mas eu sou ausente demais.
      Fe

      Excluir
  6. Léo eu sinto a mesma coisa, começo as coisas cheia de motivação, sonhos e planos, cheia de energia, e depois no decorrer essa energia acaba, e eu não sei onde foi parar todo aquele entusiasmo inicial.
    To fazendo engenharia, aos trancos e barrancos, eu tinha mil e um planos, mas quando eu vi que era bem mais dificil do que imaginei, logo veio o desânimo...
    Eu acho que é medo, tenho medo de não me formar, depois tenho medo de me formar e não saber trabalhar...
    De tanto ver as coisas que eu planejava não darem certo, eu comecei a ter medo de tudo. Eu tbém tenho raiva de mim mesma por ser deste jeito, eu queria ser mais corajosa, encarar as coisas sem medo, como as outras pessoas, mas sei lá não consigo. Desculpe Leo, espero que alguém possa te dar um bom conselho.

    ResponderExcluir
  7. Em ritalina mode On li inteiro os textos !!! acho que peguei uns 70% de tudo ..agora o que acho muitissimo dificil é viver o hoje sem pensar no ontem e no amanha..pq a maioria ou vive no passado ou no futuro..kkk Ótimo texto! e as pessoas são excelentes também! um abraço a todos.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir