segunda-feira, 11 de abril de 2011

NÃO PARE O TRATAMENTO, ELE FUNCIONA.


Qualquer coisa feita a longo prazo pressupõe demora nos resultados. Um tratamento médico de longo prazo é difícil, entediante e, muitas vezes , com resultados quase imperceptíveis.
Imagine para um TDAH fazer um tratamento de longo prazo! Uma das características marcantes do TDAH é não saber esperar, outra é a prioridade ao prazer imediato; some essas duas característica e teremos um forte candidato a abandonar qualquer tratamento médico. Mesmo sendo o tratamento do TDAH
Em minha última sessão de coaching, manifestei minha satisfação com o atual momento de meu tratamento e discutimos o período em que questionei sua eficácia. Minha coach me informou que é grande o número de homens que abandonam o tratamento. Tanto o suporte psicológico quanto o tratamento medicamentoso.
Fiquei pensando nisso. Infelizmente o TDAH não é uma doença matemática; um mais um, dois. No adulto então, é muito mais difícil de ser tratada. Temos comportamentos arraigados há décadas e os repetimos automaticamente. Mesmo o tratamento à base de remédios, surte efeitos diferentes em cada pessoa. O mesmo medicamento pode surtir efeitos diversos na mesma pessoa, somente mudando a forma de tomá-lo.
No meu caso, a mudança de forma de tomar a ritalina, mantendo a mesma dosagem, mudou completamente minha percepção de seus efeitos.

Hoje tenho vivido um período de bonança em minha vida que não me recordo de ter vivido. Todas as minhas ações tem surtido efeito e as coisas estão caminhando para a solução que desejo.
Claro, tenho uma grande parcela de contribuição nisso. Não adianta remédio ou coaching sem a colaboração do paciente. Tenho observado meus comportamentos, tenho me esforçado em cumprir as metas ajustadas com minha coach e passei a colocar em prática estratégias de convivência com minhas características de TDAH.
No último sábado, eu estava em Belo Horizonte, e comprei alguns equipamentos  que lá custam a metade do preço de Juiz de Fora. Acertei a compra e efetuei o pagamento na sexta feira e combinei de retirá-los no sábado meio dia. Conhecendo minha memória, e conhecendo o  comércio, anotei em meu celular um lembrete para que eu ligasse às dez horas e me certificasse de que estaria tudo pronto, sem surpresas. Como bom teste para meu humor, o telefone da loja (que é enorme) não atendeu. Liguei inúmeras vezes e chamava, chamava e não atendia. Onze e quinze interrompi meu compromisso e fui à loja verificar o que estava acontecendo. Meu cerébro então, buscou todo o meu histórico de sentimento derrotista e enquanto me dirigia à loja fui imaginando ter sido lesado, pensando em chamar a polícia caso a loja estivesse fechada e etc. Nada havia de errado; o sistema de telefonia havia entrado em pane em todo o quarteirão da loja, mas meu pedido estava separado e em quinze minutos estava tudo no carro.
Mas me preveni, fui mais cedo, liguei antes para a loja, atitudes que jamais havia tomado em minha vida.
Sinto concretamente os benefícios do tratamento e agradeço à minha coach e à minha médica não me 'deixar' abandonar o tratamento.
Não desistam do tratamento, insistam e colham os benefícios, eles são concretos e palpáveis.