sábado, 2 de abril de 2011

VOCÊ TEM TDAH? ESCREVA UM BLOG, AJUDA NO TRATAMENTO.




Dia desses recebi um email de minha médica dizendo que vinha acompanhando meus posts e que já estava na hora de termos uma nova consulta. Na consulta ela comentou que detectou em meus posts uma grande variação de humor que não vinha sendo freada pela ritalina.
Discutimos sobre o assunto longamente. Fomos até na infância e, decidimos alterar minha medicação e posologia. Confesso que foi muito bom. Do receio do princípio, nada restou. Tenho estado mais animado, mais confiante e mais tranquilo.

Hoje, pensando nisso, lembrei-me que foi através do blog que ela, sem me ver, acompanhava meus movimentos, e tinha um painel muito real dos meus sentimentos.Ou seja, o blog além de ser uma forma de desabafo, quase uma terapia, também atuou de forma auxiliar para que minha médica diagnosticasse  uma variação de humor que dificilmente ela poderia constatar. A menos que tivéssemos consultas diárias, o que, venhamos e convenhamos é meio impossível.
Quando iniciei este blog, minha intenção era traçar uma linha do tempo. Comecei na infância, a hiperatividade, adolescência e etc. O problema é que à medida que escrevia, novos fatos iam acontecendo, novos sentimentos iam brotando e comecei a escrever sobre eles. A linha do tempo arrebentou e o blog alçou novos voos. Escrevi sobre tudo o que sentia no momento, de forma muito transparente e sincera. Foi aí que a dra. Valéria detectou as tais variações de humor.
Um blog é uma excelente ferramenta auxiliar no tratamento do TDAH. Já disse uma vez aqui que escrever os  comportamentos que adotamos, é como se os víssemos de fora, com olhos de terceiros. Conseguimos visualizá-los de maneira diferente e por isso mesmo, podemos atuar para diminuir sua frequência ou minimizar suas consequências.
O blog nos trás uma outra forma de satisfação rara nos dias atuais; a satisfação de ser útil. Este blog já me proporcionou momentos de muita emoção ao receber agradecimentos de pessoas conhecidas e desconhecidas que se viram retratadas aqui, ou então, que viram em minha lembranças comportamento semelhantes ao de seus parentes. Para mais de uma pessoa eu indiquei os contatos de minha médica e formas de se aprofundar nas informações sobre o TDAH. Em outros momentos, o agradecimento de pessoas que me eram desconhecidas me encheram de emoção e criaram entre nós novos laços formados pelo sofrimento comum, mas também pela esperança de um futuro melhor, mais leve, mais prazeroso.
Portanto, se você tem TDAH não se acanhe, crie um blog, escreva à vontade, divulgue-o. Abra seu coração, existe muita gente ansiando por informações sobre o TDAH e não são apenas informações técnicas. Como disse minha amiga Rita - do blog Eu tenho TDAH, e agora ? - dividir com os outros portadores nossos sentimentos não cura a doença, mas dá um grande alívio, uma sensação de que estamos dividindo esse fardo com outras pessoas que sabem exatamente o que passamos.
Não use o argumento de que não sabe escrever, você vai apenas expressar seus sentimentos. Se você os sente, você sabe expressá-los.
Escreva, escreva, escreva. Você descobrirá um grande passatempo, uma nova forma de prazer, uma grande companhia e uma nova forma de fazer amigos.
Ah, sim! E poderá fornecer subsídios para que seu médico melhore a SUA vida.
Mãos à obra!

Ps.: Se você precisar de ajuda para criar ou divulgar seu blog, entre em contato. Não sei muito, mas o que aprendi, dividirei com o maior prazer.